domingo, 14 de janeiro de 2018

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues 

1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais velho de 13 irmãos, entre os quais, oito são mulheres. Numa entrevista, revela a sensação generalizada de frustração e retrocesso produzida pela continuada proibição das mulheres receberem as ordens sagradas na Igreja Católica. Vive num país e numa cultura em que todas as áreas da vida se vão abrindo às mulheres, menos na Igreja. Este género de obstáculos acaba por as afastar. Está, no entanto, optimista. É desejo do Papa Francisco reconhecer-lhes um papel mais activo. Esse desejo não se pode realizar, apenas, com algumas nomeações isoladas para certas funções na Cúria Romana. Lembra, de forma astuta, que para alguém ser nomeado cardeal, isto é, para o próprio governo da Igreja, não é preciso ter o sacramento da Ordem, pois, no século XIX, houve cardeais leigos. Conclusão: não há nenhum obstáculo, de ordem teológica, que impeça a nomeação de mulheres para o cardinalato, para ajudar o Papa no governo da Igreja.
Parece-me uma posição habilidosa. Se as mulheres passarem a ter influência na orientação e no governo da Igreja, poderão ajudar a que os argumentos pseudo-teológicos, que as impedem de receber o sacramento da Ordem, sejam revistos e acabem com a ideia da chamada impossibilidade definitiva [1]. Este arcebispo propõe: já que não as deixam entrar pela porta, sugiro que entrem pelo telhado!

sábado, 13 de janeiro de 2018

LIVRARIA LELLO COM 400 CARAS




A livraria Lello do Porto é considerada uma das mais bonitas do mundo e orgulha-se disso, com os seus 112 anos de existência. Hoje,13 de janeiro, esteve em festa, como li no Público, e não terão faltado visitantes amantes da arte e da cultura. Se morasse por perto, também gostaria de lá estar para apreciar o Rosto do Porto - 400 caras moldadas pela escultora Ester Monteiro. Diz o Público que a artista homenageou personalidades diversas, entre as quais figuram Fernanda Ribeiro, Alexandre Quintanilha, João Botelho, Souto Moura e Siza Vieira.

O que escrevi sobre a última visita pode ler aqui

PARTILHA ENQUANTO ESTOU VIVO


CASA DO POVO APOSTA NA DANÇA E GINÁSTICA PARA TODOS





Marisela Gonçalves

A recente remodelação da sede da Associação Casa do Povo da Gafanha da Nazaré (CPGN), localizada no lugar da Chave, Gafanha da Nazaré, impunha uma visita para aquilatar das condições de trabalho ali desenvolvidas, tanto mais que a instituição serve, fundamentalmente, as Gafanhas da Nazaré, Encarnação e Carmo. E do que vimos podemos garantir que a instituição está equipada para prestar serviços de qualidade, sobretudo nas áreas da dança e ginástica. Isso mesmo nos confirmou Marisela Gonçalves, presidente da direção, que tem estado bem apoiada por Isabel Roque (vice-presidente), Margarida Costa (secretária) e Rita Oliveira (tesoureira). 
A sede, uma antiga escola primária, é pertença da Câmara Municipal de Ílhavo, tendo sido registada a posse em 2015, em obediência à legislação em vigor. E no ano seguinte, Paulo Costa, então vereador do Pelouro da Cultura da autarquia, prometeu promover obras de restauro e melhoramentos, o que veio a acontecer em 2017. A inauguração teve lugar em 8 de dezembro do mesmo ano, constituindo um motivo de orgulho para dirigentes, alunos e professores. 
Marisela Gonçalves lembrou que, com a saída da Escola de Música Gafanhense, que ocupava um espaço por acordo estabelecido com a CPGN, a associação ficou com melhores condições para acolher mais alunos. A Escola de Música, porém, foi integrada da Filarmónica Gafanhense, com instalações na Casa da Música. 
Com as obras, entretanto, levadas a cabo, a CMI e a CPGN construíram uma sala para a Dança, com soalhos flutuantes e espelhos, e um ginásio com os requisitos fundamentais para atividades que ali decorrem regularmente, sanitários e balneários. Importa frisar que a Casa do Povo tem cinco professores para dezenas de alunos distribuídos por Dança Contemporânea, Dança Criativa, Ballet, Ginástica Rítmica só para meninas (iniciação, aperfeiçoamento, exibição e divertimento), Ginástica de Competição e de Manutenção, Power Local com Fitness (aberta a todos) e Pilates com função terapêutica. 
A CPGN tem 100 sócios com as quotas em dia e os utentes são oriundos de famílias associadas. Porém, os alunos pagam 30 euros por mês, havendo ligeiros descontos em certas circunstâncias. Os apoios vêm da CMI e da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré. Outros rendimentos são provenientes de festas que a associação promove. 
Marisela dirige uma equipa constituída por mulheres. Todas assumem e partilham as várias tarefas, desde o apoio aos alunos, sobretudo aos mais pequenos, até ao asseio das salas, passando pela administração, organização de festas e acolhimento, porque querem «tudo direitinho». 
Marisela, que é professora de português, latim e grego, exerce atualmente a atividade de professora bibliotecária na Gafanha da Encarnação, reconhece que as «artes e a cultura enriquecem as pessoas». Para além das aulas, as diversas classes ainda participam em espetáculos a convite da CMI e da Junta da Gafanha da Nazaré. Da agenda, consta a participação no Festival do Bacalhau no Lugar Zen, com aulas de relaxamento, e a Semana Marolas, antiga Semana Jovem. Nas comemorações do aniversário da Gafanha da Nazaré, têm lugar marcado na hora da festa. E no final do ano, no espaço da Fábrica das Ideias, anteriormente designado por Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, a CPGN apresenta o seu sarau que tem tido o melhor acolhimento. 
Com os melhoramentos proporcionados pelas obras, a presidente da direção reconhece que as instalações garantem um «maior impulso», havendo até jovens que visitam a Casa do Povo, decerto para aquilatarem das hipóteses de se tornarem alunos daquela associação. E nesta hora é justo realçar que a atual sede da CPGN foi, no passado, uma escola do Ensino Primário, cujo edifício foi oferecido por dois beneméritos, Sebastião Lopes Conde e Manuel Carlos Anastácio, os mesmos que doaram o primeiro relógio e um sino à igreja matriz da Gafanha da Nazaré.

Fernando Martins

EFEMÉRIDE - DOMINGOS JOÃO DOS REIS


1933, 13 de janeiro


Bairro do Albói 
«Faleceu Domingos João dos Reis que, apesar de oriundo de família humilde, conseguiu meios de fortuna e tornou-se notável em obras altruístas. Fundou o bairro do Albói, fazendo edificar aí sessenta moradias, que arrendou a casais de modesta economia, apenas pelo prazo de vinte anos; findo este prazo, eles ficariam proprietários dos edifícios. Também concorreu para a transformação do bairro do Rossio, adquirindo os barracões da Companhia do Braçal (O Debate, 19-1-1933) – J»

Calendário Histórico de Aveiro 
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

Bairro do Albói - Ler aqui 

NOTA: A generosidade e o sentido de partilha sempre existiram ao longo dos séculos,  normalmente levados à prática sem trombetas nem notícias de caixa alta nos jornais. Este aveirense, que nasceu humilde, criou um bairro que ainda hoje existe, com as alterações próprias da vida, para casais modestos. É obra. Será que Aveiro já homenageou este homem bom? Confesso que não sei, mas vou tentar averiguar. Alguém poderá ajudar-me? 

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

CONCERTO DA FILARMÓNICA OVACIONADO DE PÉ

A Filarmónica Gafanhense 
apresentou o seu concerto de  Natal 
na igreja matriz 

Filarmónica Gafanhense (foto do meu arquivo)

Ainda não era Natal, mas já se sentia como se fosse. Vivia-se então o dia 16 Dezembro último, bafejado por um sol de Outono que aquecia de soslaio a terra e as almas.
A noite aproximava-se e, com ela, o desejo de viver o serão no aconchego e conforto do lar. Era lógico que assim se pensasse, mas não, os habitantes das Gafanhas saíram de casa e dirigiram-se para a igreja matriz da Gafanha da Nazaré. O templo rapidamente se encheu de uma pequena multidão, que também levou com ela o apetecido calor dos seus lares, naquela noite quase de Inverno.
Então o que é que se passava que conseguiu tirar de casa toda esta gente? Tratava-se de mais um concerto da Filarmónica Gafanhense, mais propriamente o de Natal.
O espectáculo dividiu-se em duas partes, a saber: actuação do Coro de Câmara D’Ouro dirigido pelo maestro José Gonçalves e, de seguida, a referida filarmónica sob a direcção do maestro Henrique Portovedo. 
O Coro e a Filarmónica cantaram e tocaram especialmente músicas clássicas alusivas à época festiva, tendo-se destacado Herlander Sousa. Foi na Filarmónica Gafanhense que este último iniciou os primeiros passos musicais. Mais tarde. Herlander ganhou o 1ª prémio, tocando Flute Concertino op.107 de Cécile Chaminade, obra musical que sempre o acompanhou e que o ajudou a alcançar novos horizontes.
Pela reacção do público, o concerto agradou plenamente, ovacionando-o de pé todo o evento com calor e entusiasmo.
Estão de parabéns a Filarmónica Gafanhense, o Coro de Câmara D’Ouro e seus dirigentes, entre os quais o senhor Paulo Miranda. Também não nos devemos esquecer do maestro Henrique Portovedo e os seus músicos.
Os últimos agradecimentos são dirigidos às entidades religiosas e políticas, nomeadamente o senhor padre César, à Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré através do seu presidente, senhor Carlos Rocha que ajudaram na concretização deste belo acontecimento artístico, musical e cultural. 

Janeiro de 2018

Licínio Ferreira Amador

“IN MANUS TUAS” – HOMENAGEM A D. ANTÓNIO FRANCISCO


«In manus Tuas — Nas Tuas mãos… é o lema episcopal do Senhor D. António Francisco e o título que damos a estes textos que nos ajudarão a não esquecer a sua paixão pela caridade, o seu ardor pela evangelização dos praticantes e dos não crentes e o seu espírito de oração.» — lê-se no Prefácio do livro publicado com o mesmo título, como gesto de homenagem a D. António Francisco, assinado por D. António Moiteiro, Bispo de Aveiro. Esta nota, na contracapa, sintetiza, de forma lapidar, o conteúdo do livro publicado pela Diocese de Aveiro, como sinal de gratidão a D. António Francisco dos Santos, falecido em 11 de setembro, no Porto, sede da diocese do mesmo nome e da qual foi Bispo. Antes, havia sido Bispo de Aveiro, onde granjeara estima e admiração dos aveirenses, pela sua simpatia natural, proximidade sem barreiras, humildade exemplar, caridade inexcedível e bondade sem limites. D. António Francisco partiu para o seio de Deus, inesperadamente, quando tanto tinha para nos dar da sua visão humanista do mundo, alicerçada na Boa Nova de Jesus Cristo, que ele, tão expressivamente, sabia transmitir-nos.

O livro, que ora vem a lume, é constituído por mensagens, homilias, entrevistas e outros textos, nos quais se dirige ao clero, ao sentido da casa sacerdotal, aos jovens e aos devotos de Santa Joana (Padroeira da cidade e diocese), mas ainda a quantos procuram o discernimento vocacional. Sobressaem, contudo, pela extensão e importância, os temas relacionados com a Missão Jubilar, um dos seus grandes desafios, na minha ótica, pela oportunidade e premência, numa diocese de ria, mar e serra, celebrativa dos 75 anos da restauração da Diocese de Aveiro. 
“In manus Tuas” abre, naturalmente, com a sua chegada à Diocese: Mensagem, entrevistas, homilia de entrada na Sé de Aveiro e intervenção no jantar de Acolhimento. E encerra com a Partida para Bispo do Porto: Mensagem, Na hora da gratidão e Ação de Graças. Há ainda o reconhecimento e homenagem da autarquia aveirense com medalha de mérito, grau ouro.

«Na vida do Senhor D. António Francisco seguir Cristo não foi apenas uma opção de circunstância, mas sim uma ação permanente: Quem quiser salvar a sua vida por minha causa, há de encontrá-la. A lógica do salvar ou perder a vida que Jesus nos propõe é a mesma que Ele vive: há mais alegria em dar do que em receber, e o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida. Por isso, “de que serve ao homem ganhar o mundo inteiro se vier a perder a sua vida?”», refere D. António Moiteiro no Prefácio. E salienta que «O fio condutor do seu magistério episcopal foram as bem-aventuranças», que «tipificam a felicidade oferecida por Jesus». 

Em Testemunho Vocacional, D. António Francisco afirma, recordando os seus primeiros passos e sonhos, que «A alegria de viver é irmã gémea do amor sentido nos caminhos andados para responder ao desafio da vocação. É de fé que se trata sempre que recordamos os primeiros acenos do chamamento e sempre que lembramos as primeiras timidamente balbuciadas para dizermos, em crianças, o que gostaríamos de ser um dia mais tarde. Assim com muitos de nós. Assim acontece hoje ainda e acontecerá sempre que nos colocamos frente ao mistério insondável da vocação». E sobre a sua divisa episcopal — In manus Tuas —, D. António Francisco frisa: «Este é o meu lema de ministério e o meu programa de missão. Disponível “nas mãos de Deus”, peço-lhe que faça de mim mensageiro corajoso da Palavra de Deus, distribuidor generoso do Pão da Eucaristia, servo fiel da Esperança, profeta da Justiça e apóstolo da Bondade, como fiel discípulo de Jesus e feliz servidor da Igreja.»

“In manus Tuas”, edição Tempo Novo, textos de D. António Francisco, 504 páginas, Prefácio de D. António Moiteiro. 

Fernando Martins

CINCO BOMBAS SOBRE A HUMANIDADE

Anselmo Borges 


Escrevi aqui, em duas crónicas, sobre os triunfos da humanidade em relação à fome, à pobreza, à saúde, ao saber, à liberdade, à igualdade... Foram apresentados factos, números, estatísticas, inegáveis. Isso tem de ser registado, para que se saiba do nível actual sem precedentes nos padrões de vida globais. Mas não quereria que se ficasse com a ideia de um optimismo ingénuo. Na verdade, é preciso ser realista e tomar consciência, como acentua o filósofo e teólogo Xabier Pikaza, das cinco bombas que pesam sobre a humanidade e que podem destruí-la pura e simplesmente. A ameaça maior para a Humanidade na actualidade tem que ver com o seu excesso de poder, de tal modo que, sem diálogo, sem uma mudança de paradigma, ela pode auto-eliminar-se. Quais são essas cinco bombas e o seu risco?

1. Vimos da natureza, mas é em nós que a natureza e a sua história tomam consciência de si. Somos da natureza, mas, ao mesmo tempo, na natureza, contrapomo-nos a ela, reflectimos sobre nós e sobre ela. Temos capacidade para descobrir os seus segredos, as suas leis, os seus mecanismos interiores, e tanto podemos servir-nos dela, contemplá-la na sua grandeza e beleza, como destruí-la. Aí está o armamento nuclear, atómico, que pode dar azo à total destruição da natureza e da humanidade. Antes, não tínhamos, mas agora temos a possibilidade de realizar um suicídio global. Muitos países possuem ou possuirão armas atómicas e, com esse meio, podem acabar com a vida e a humanidade toda no planeta. O Papa Francisco não se cansa de repetir que a Terceira Guerra Mundial está em curso, embora aos pedaços, às fatias, e o receio é uma guerra total, que pode tornar-se uma guerra nuclear. Suponhamos que um grupo terrorista se apodera de armamento atómico...

QUE PROCURAIS? PERGUNTA-NOS JESUS

Georgino Rcoha

Georgino Rocha

A pergunta de Jesus feita aos discípulos de João que o seguiam abre a nova fase do Ano Litúrgico que a Igreja nos propõe para celebrarmos. É uma fase que valoriza o tempo comum, a normalidade da vida, o quotidiano. É uma fase que destaca a grandeza das “rotinas” assumidas como espaço de realização pessoal e oportunidade de salvação. É uma fase que convida a mergulhar na profundidade do ser cristão que se expressa no viver e conviver diários, revigorados pela confiança e pela alegria do Evangelho. (Jo 1, 35-42).
Os discípulos são dois. Um é André e o outro não tem nome. Possivelmente, será João, o autor do relato. Mas pode haver outra intenção. E o nome ser o da pessoa que segue Jesus, em qualquer tempo, anda à procura de saciar o desejo de se encontrar com Ele, de saber por experiência o que vai escutando de outros. Que bom! Todos lá cabemos. Tu e eu. A resposta fica nas nossas mãos. A atitude dos discípulos abre caminho à nossa decisão. Vamos acompanhá-los mais de perto.
O seu mestre, João Baptista, estava parado nas margens do rio Jordão. Jesus ia em movimento. Ele está prestes a sair de cena. Jesus a entrar em missão, na vida pública. João não retém os discípulos, mas liberta-os e encaminha-os. Jesus acolhe e, pedagogicamente, inicia um diálogo de aproximação e convite. Diálogo que o narrador resume a perguntas emblemáticas: “Que procurais? Mestre, onde vives? Vinde e vereis”. Perguntas que ficam a ecoar na história à-espera de interlocutores motivados para que haja encontro pessoal e comece a nova relação que humaniza e salva.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

IMPORTA CONHECER A HISTÓRIA DOS OVOS-MOLES


«A Confraria dos Ovos Moles de Aveiro acaba de lançar um apelo à comunidade aveirense no sentido desta ceder vários tipos de documentação relacionada com os ovos-moles. “O objectivo é reunir a maior quantidade possível de informação que ajude no esclarecimento da história deste doce de Aveiro, com vista à publicação de um livro”, esclareceu Sérgio Ribau ao Diário de Aveiro.»


NOTA: Ora aqui está uma excelente ideia para os aveirenses, e não só, descobrirem as muitas receitas da confeção dos ovos-moles de Aveiro. Sim! Eu sei, e todos sabemos, que há diversas receitas deste tradicional doce que tem apreciadores em todo o país e até no estrangeiro. 
No Natal  e Ano Novo falou-se dessa variedade de receitas, sendo unânime a ideia de que os ovos-moles diferem de pastelaria para pastelaria. Estávamos habituados a comer os saborosos doces de uma determinada casa, mas desta vez o responsável pela compra atrasou-se e já não lhe aceitaram a encomenda. E todos notaram a diferença. E que tal um concurso? 

ÍLHAVO - ENCONTROS DE HISTÓRIA LOCAL


MUNICÍPIO DE ÍLHAVO CELEBRA 120 ANOS DA SUA RESTAURAÇÃO




«Ao longo do ano serão vários os momentos que irão refletir a importância deste relevante marco histórico para o presente e futuro de todas as vivências e dinâmicas municipais, sendo também de destacar a nova rubrica da Agenda de Eventos “Viver em…” que desvenda o sentimento dos ilhavenses sobre a extinção do concelho.
As diversas atividades centradas nos 120 anos da Restauração do Concelho de Ílhavo iniciam-se no próximo dia 17 de janeiro com os Encontros de História Local que espelham a história deste importante marco e que lançará o primeiro número da revista “Nossa Gente” com a biografia de Alberto Ferreira Pinto Basto, um dos impulsionadores do processo de restauração de 1898.»

MIGUEL TORGA . CONFIANÇA


Confiança

O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura…
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova…


Miguel Torga

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

ANO EUROPEU DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Beleza à espera de descoberta e encantamento 







“Onde o passado encontra o futuro” é o tema que vai juntar as iniciativas do Ano Europeu do Património Cultural, que tem como objetivos «encorajar mais pessoas a descobrir e a comprometerem-se com o património cultural europeu e reforçar um sentido de pertença a um espaço europeu comum».

Li aqui

NOTA: Este texto pode ser o ponto de partida para nos debruçarmos sobre o nosso Património Cultural, visto de diversos ângulos. Olhando à nossa volta, aqui no nosso concelho, o que poderíamos fazer, de concreto, para divulgar e valorizar o que temos de muito bom? 

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

A VIDA, OS SENTIMENTOS E AS CULTURAS HUMANAS

Sobre um livro da António Damásio


Não estava nos meus horizontes próximos a leitura do mais recente livro de António Damásio — “A ESTRANHA ORDEM DAS COISAS” —, por abordar questões, segundo admitia, da ordem das Filosofias e das Neurociências, longe dos meus interesses principais. Porém, a oferta de pessoa amiga levou-me a assumir a leitura que, desde o início, me aliciou, embora me obrigasse a utilizar o dicionário, agora coisa fácil, graças à Net.
O livro deste conceituado e galardoado cientista, com assento em diversas universidades, aborda questões que nos fazem pensar sobre a vida, os sentimentos e as culturas humanas, como se lê na capa. E no interior, o escritor e cientista explica, com riqueza de pormenores, conceitos e mecanismos da evolução da vida através dos muitos milhares de anos. Tantos, que a mente do homem comum, e mesmo de alguns habituados a pensar, nem sequer conseguirá ter a noção da grandeza daqueles milhares de anos. 
Como acontece com todos os livros que tenho em mãos, li o que diz a capa, a contracapa e as badanas, em jeito de introdução à leitura que me espera. Dou-me bem com esta regra elementar, que reputo de essencial. Na contracapa, o editor interroga-se sobre o que terá levado «os seres humanos a criar culturas, esse conjunto impressionante de práticas e instrumentos onde se incluem a arte, os sistemas morais e a justiça, a governação, a economia, a tecnologia e a ciência?», para logo acrescentar que «A resposta habitual a esta pergunta remete para a excecional inteligência humana, auxiliada por uma faculdade ímpar: a linguagem». Mas Damásio vai mais longe, quando afirma que «os sentimentos — de dor, sofrimento ou prazer antecipado — foram as forças motrizes primordiais do empreendimento cultural, os mecanismos que impulsionam o intelecto humano na direção da cultura». 
O autor sublinha em Inícios que «Os seres humanos distinguiram-se de todos os outros seres ao criarem espantosas coleções de objetos, práticas e ideias, conhecidas coletivamente como “culturas”, nelas se incluindo «as artes, o inquérito filosófico, os sistemas morais e as crenças religiosas, a justiça, os sistemas governativos e as instituições económicas, e a tecnologia e a ciência.»
Mais adiante, questiona-se: «Como é que os seres humanos vieram a ser, ao mesmo tempo sofredores, mendicantes, celebrantes do prazer, filantropos, artistas e cientistas, santos e criminosos, senhores benevolentes da Terra e monstros empenhados na sua destruição?» E conclui o seu raciocínio, na abertura da sua obra, esclarecendo que o presente livro tem com o objetivo «apresentar alguns factos associados à criação de mentes que pensam, criam narrativas e significado, recordam o passado e imaginam o futuro». 
“A ESTRANHA ORDEM DAS COISAS” tem 381 páginas, estando dividido em III partes: A vida e a sua regulação (Homeostasia); A montagem da mente cultural; e A mente cultural em ação. No final contém notas e referências, gradecimentos e índice remissivo.

Fernando Martins

Nota: Este texto é uma simples referência a um livro de que gostei imenso e que aconselho aos meus amigos. Não me aventurei a tecer grandes considerações para não correr o risco de errar. Os temas, desenvolvidos, apesar de tudo, com muita clareza pelo autor, contêm conceitos e termos que necessitam de muita reflexão e grandes conhecimentos. Eu não passo de um simples leitor. 

FM 

É ERRO GRAVE TOMAR A NUVEM POR JUNO

A propósito de eventuais crimes 
em instituições de solidariedade social



Nos últimos tempos, têm vindo a lume notícias de eventuais crimes graves em algumas instituições de solidariedade social. Digo eventuais porque aguardo, como muitos portugueses de bom-senso, que a Justiça Portuguesa analise as situações, julgue e condene ou absolva os implicados em erros graves de gestão. Até lá, não podemos condenar ninguém, no pressuposto de que, até trânsito em julgado, todos os acusados têm direito ao bom nome. 
Acontece que a partir dos indícios de suspeitas não param generalizações com o intuito de condenar, à partida, todas as instituições que se dedicam, há centenas de anos, no nosso país, ao cuidado dos mais desfavorecidos da sorte ou de quem nessecita de ajuda, em especial as famílias (pais e mães) que precisam de trabalhar. O tempo das avós a cuidarem netos já lá vai há muitas décadas. E do mesmo modo também já lá vai o tempo de os filhos cuidarem dos pais. 
O facto de haver meia dúzia, se tanto, de instituições com anomalias na área da gestão e nos vários setores das suas valências, não podem nem devem ser tidas como paradigma das centenas que trabalham para o bem-comum da nossa sociedade. Se há gestores incapazes ou indignos, também é verdade que a maioria se pauta por princípios e valores respeitáveis, dando muito de si, com entusiasmo e paixão, às instituições e pessoas que servem. É erro grave de muita gente tomar a nuvem por Juno.

Fernando Martins

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

FERREIRA DE ALMEIDA APOSTA NOS MAIS PEQUENOS



«Mário Ferreira de Almeida, natural da Gafanha do Carmo, é licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e acaba de se lançar num projecto diferente, especialmente focado em dar a conhecer as belas artes aos mais novos (mais de seis anos) e a todos que tenham curiosidade em experimentar os prazeres do desenho e pintura.»


NOTA: Confesso que não conheço o artista Mário Ferreira de Almeida. Somos de gerações muito distantes e, por isso, está justificada a minha ignorância. Contudo, vou estar atento porque, pelo que li, tem projetos interessantes que merecem ser divulgados e apoiados. Fui à cata dele e descobri-o no FB, com a curiosidade de ser, nessa plataforma, meu amigo. Daqui lhe envio os meus parabéns pelo ideia de se voltar para os mais pequenos e para as pessoas interessadas pelo prazer do desenho e da pintura. 

ADIG E ANRGN DENUNCIAM POLUIÇÃO



Certos de que as indústrias são fundamentais à vida, desde o princípio dos tempos modernos, a verdade é que não podem tornar-se inimigas do homem e, muito menos, do ambiente. À partida, todas transportam em si a capacidade de poluir, daí os requisitos legais que têm de cumprir para evitar a poluição. Mas nem sempre tais requisitos são rigorosamente tidos em conta, o que lamentamos sobremaneira.
A ADIG (Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha da Nazaré) e a ANRGN (Associação Náutica e Recreativa da Gafanha da Nazaré), atentas ao que se passa na nossa terra, denunciam, frequentemente, agressões ambientais. Aconteceu por estes dias, conforme comunicado assinado por Humberto Rocha, presidente das duas instituições.
No comunicado, pode ler-se: «No dia 5 de Janeiro, pela manhã, as águas que saíam da conduta do antigo Esteiro do Oudinot, na Marina da Associação Náutica e Recreativa da Gafanha da Nazaré, apresentavam um aspeto opalino, com manchas maiores ou menores, que não permitiam visualizar a limpidez da Ria.» 
Salienta o comunicado que foi dado conhecimento à Capitania, à Administração do Porto de Aveiro, ao SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR), à GNR da Gafanha da Nazaré e à ARH (Administração da Região Hidrográfica) da Agência Portuguesa do Ambiente, mas, tanto quanto sabemos, ainda não terá sido descoberta a causa da poluição denunciada. 
Como é natural, as entidades citadas «demonstraram interesse» em descobrir as pessoas ou empresas causadoras das descargas poluentes, sabendo-se que na área há, apenas, quatro indústrias a laborar. 
Ficamos a aguardar os resultados dos estudos e inquéritos que, naturalmente, terão de ser feitos. 

FM 

PORTO DE AVEIRO - AREIAS VÃO ALIMENTAR ZONA DUNAR



Milhões de toneladas de areia vão ser retiradas definitivamente para alimentar o cordão dunar, garantiu o presidente do conselho da administração do Porto de Aveiro, em declarações à Radio Terra Nova. Isto vai acontecer durante o presente ano. Sublinhamos a garantia expressa no uso do advérbio definitivamente, o que significa que, a partir dessa retirada, não haverá, à partida, mais areias pelo ar a prejudicar os residentes perto da zona portuária.

domingo, 7 de janeiro de 2018

LEMBRAR AS VÍTIMAS NÃO EVITA NOVAS VÍTIMAS

Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO 



1. Com verdade ou maldade, ouvi repetir, desde há vários anos, que para os meios de comunicação, sobretudo para as televisões, os incêndios representam uma bênção. Fazem subir as audiências sem grandes custos, alimentam a morbidez pelos desastres, intoxicam o país de irremediáveis opiniões contraditórias e paralisantes. A visão dos nossos recursos, potencialidades e lacunas é substituída pelo espectáculo das chamas. Resta a conversa sobre as responsabilidades do Estado, cada vez mais diluídas e transnacionais, os interesses das empresas privadas, a desertificação do interior e os aproveitamentos partidários de circunstância. O reordenamento do território com a participação activa das populações é o tema nunca esquecido e sempre adiado. As suspeitas de fogo posto e as capacidades da lua incendiar a noite são enigmas recorrentes.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

O CANCRO DA IGREJA



Anselmo Borges 

1. "O Papa Francisco é hoje um dos homens mais odiados no mundo." Esta afirmação recente pertence a Andrew Brown, no The Guardian, que acrescenta: "E quem mais o odeia não são ateus, protestantes ou muçulmanos, mas alguns dos seus próprios seguidores."
Pessoalmente, não sei se trata mesmo de ódio, mas tenho a convicção firme de que Francisco tem na Igreja muitos opositores e inimigos, furiosos por causa das reformas que está a operar e por verem os seus interesses, incluindo o clericalismo e o carreirismo, ameaçados. Sobretudo na Cúria Romana, que, como já aqui escrevi, quando se olha de modo atento para a história, foi fazendo mais ateus do que Marx, Nietzsche e Freud juntos.
Mas, por outro lado, Francisco é hoje um dos líderes mundiais mais estimados, amados e influentes do mundo. A simplicidade e a humildade, a simpatia e o afecto, reais e genuínos, que manifesta pelas pessoas, a começar pelos mais débeis, fragilizados, abandonados, o seu amor pelas periferias geográficas e existenciais, tornaram-no uma figura popular em toda a parte.

VALDEMAR AVEIRO, O COMANDANTE DE HOMENS

Entrevista conduzida por Lúcia Crespo



«Tem 83 anos, nasceu em Ílhavo, terra de gente com salitre no sangue. Aos 16 anos, Valdemar Aveiro partiu para os mares da Terra Nova a bordo do Viriato, navio de pesca à linha. Era então moço de câmara. Estreou-se como capitão no Santa Joana, o primeiro arrastão português. Deixou o mar em 1988, mas continua ligado à pesca. “Tenho uma actividade que faz inveja a muita gente”, graceja.»

«"Ó menina, tenho uma maldição muito rara, que é pôr-me na pele dos outros." A frase sai-lhe assim, dorida e espontânea, como acontece com os homens grandes. Valdemar Aveiro tem 83 anos e é um dos capitães dos bacalhoeiros portugueses que andaram pelos mares do fim do mundo. Nasceu em Ílhavo, embarcou com 16 anos para a Terra Nova a bordo do Viriato, um navio de pesca à linha. Era então moço de câmara. Foi escalando na hierarquia de bordo e fez a sua estreia como capitão no Santa Joana, o primeiro arrastão em Portugal. Foi depois convidado para comandar o navio mais moderno de então, o Coimbra. Valdemar Aveiro correu o mundo como comandante de navios. E de homens.»

Li em negócios 

NOTA: Texto e foto do jornal NEGÓCIOS

FESTA DA EPIFANIA DO SENHOR



A ESTRELA QUE NOS GUIA PARA JESUS

Georgino Rocha


A estrela dos Sábios do Oriente que procuram Jesus, recém-nascido, surge como o grande referencial para quem deseja encontrar a verdade. Procura porque o seu espírito a intui e a vê partilhada por outros. Procura porque reconhece os sinais da novidade que vão surgindo um pouco por toda a parte e quer captá-los e entrar em sintonia. Procura porque sente o impulso de uma secreta esperança que anima os caminhos da vida.
Jesus, o procurado, irradia a sua luz a partir da encarnação, fazendo-se humano. Constitui assim um novo espaço de encontro com toda a humanidade: homens e mulheres, povos e raças, judeus e pagãos, novos e velhos, camponeses e citadinos. Hoje é o dia do encontro oferecido por Deus na gruta de Belém, aonde chegam os Sábios Reis vindos do Oriente, após terem feito um percurso que fica como iluminação de todos os que se dispõem a ser cristãos discípulos de Jesus, a Estrela por excelência. E a liturgia da Igreja destaca este encontro como meta de convergência do tempo de Natal que manifesta novos horizontes: A Belém acorrem os pastores; ao Templo, o velho Simeão e a profetisa Ana, símbolos queridos dos fiéis judeus; a Jerusalém se dirigem, rumo a Belém, os Sábios Reis. (Mt 2, 1-12).

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

“DESCOBRIR AVEIRO”

De Suzana Caldeira (textos) 
e Suzana Nobre (ilustrações)


«Com textos de Suzana Caldeira e ilustrações de Suzana Nobre, este livro partilha sítios e pormenores da cidade de Aveiro que de outro modo poderiam passar despercebidos. Focado no Bairro da Beira-Mar este é o número 1 da recém-criada coleção: “Descobrir Aveiro”, em que cada livro tratará um Bairro ou Temática especifica do distrito de Aveiro.
É um projeto de autoedição, em que as autoras assumiram todas as etapas do projeto criativo e assumindo sós todo o custo e risco de edição.
Este livro é dedicado à cidade de Aveiro: leve, ilustrado e de fácil leitura fala da cidade, do seu património, da cultura e das tradições, desenvolvido por duas pessoas não naturais de Aveiro, que se apaixonaram pela cidade.
O prefácio é de José Carlos Mota, docente no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro que descreve o livro como “um trabalho de enorme qualidade a merecer louvor e apoio”.»

Ler mais aqui

ANIVERSÁRIO DO AQUÁRIO DOS BACALHAUS


O Aquário dos Bacalhaus do Museu Marítimo de Ílhavo, que se tornou num dos maiores atrativos do museu, celebra o seu 5.º aniversário no próximo dia 13 deste mês. As comemorações são sobretudo dedicadas à família, com dois momentos de puro deleite que permitirão, por um lado, experimentar a tranquilidade e a beleza do Aquário dos Bacalhaus e, por outro lado, conhecer mais acerca do silencioso mundo destes habitantes das águas geladas do Atlântico Norte.
De manhã, a partir das 10h, o Aquário ficará reservado a uma aula de Yoga para pais e filhos; à tarde, às 15h30, realiza-se uma visita especial que permitirá escutar o silêncio do fundo do mar. Durante este dia as visitas ao Museu Marítimo de Ílhavo são gratuitas, entre as 10 e as 18h
As inscrições para ambas as ações podem realizar-se até 11 de janeiro por telefone (234 329 990) ou por email (visitas.mmi@cm-ilhavo.pt).

Fonte: CMI, MMI

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...