Mensagens

destaque

A justiça em Portugal é “mais dura” para os negros

Imagem
"A sensação que tive quando fiz trabalhos de inspecção nas comarcas de Lisboa Oeste e Norte foi que, para os mesmos crimes, as penas eram mais leves para cidadãos portugueses. Parece que há um código para uns e um código para outros”
João Rato, procurador
A reportagem que li no PÚBLICO deixou-me revoltado pela injustiça com que a Justiça Portuguesa trata quem enfrenta os tribunais. Afinal, a cor da pele dita a sentença: amarga para os negros e branda para os brancos. Quem havia de dizer que alguns magistrados cometem crimes desta natureza, num país que há mais de 40 anos vive em democracia, onde os cidadãos têm, ou devem ter,  os mesmos direitos e as mesmas obrigações. 

Uma passagem por Mira — Há males que vêm por bem

Imagem
Há males que vêm por bem. Há dias, mais concretamente em 3 de agosto, eu e a Lita resolvemos visitar a praia de Mira, para apreciar o ambiente, refrescar as ideias e almoçar por ali, de preferência com mar à vista. Fomos cedo porque era preciso arrumar o carro, de forma que eu não tivesse de caminhar muito. Os propósitos eram bons, mas tivemos azar. Estacionar tornou-se impossível. Corremos um sem-número de ruas e ruelas, largos e parques de estacionamento, mas tudo estava abarrotado. Regressar a casa era impensável. Vai daí, rumámos à vila de Mira por onde temos passado inúmeras vezes, mas sem tempo suficiente para olhar o velho burgo que vem de tempos pré-históricos. E afinal valeu a pena. Carro arrumado, acolheu-nos um largo arborizado com lago florido, estátuas a homenagear quem serviu a terra e quem dela foi senhor, o Infante D. Pedro, da “Ínclita Geração”, no dizer certeiro do poeta. Almoço simples, como simples somos nós. No fim de tudo, importa reconhecer que, realmente, há m…

Fui hoje à praia — Uma surpresa

Imagem
Anuindo ao convite da minha filha, Aida Isabel, Aidinha para nós, fui hoje à praia da Barra. Tempo assim-assim, com nevoeiro a ensombrar e a roubar-nos o sol benfazejo, lá fomos. Gente por todos os lados, passos apressados para arranjar um cantinho no areal. Trouxas às costas, com sacos, saquinhos e saquetas, mais para-ventos e guarda-sóis, arcas frigoríficas portáteis, chapéus de todos os tamanhos e feitios, em estilo de quem vai para ficar por ali o dia inteiro… a iodar os corpos e a lavar o espírito com a aragem da maresia. A Aidinha às voltas para estacionar o carro… tudo cheio. E para não me forçar a longa caminhada, dita a sentença: «Ficas por aqui junto ao farol, que eu vou arrumar o carro.» E fiquei tranquilo a presenciar o espetáculo do povo em férias na praia da Barra. Demorou um pouco, mas de tão divertido, por ver tanta gente apressada, velhos e novos, famílias inteiras, nacionais e estrangeiros, residentes e emigrantes, estes identificados pela algaraviada da conversa co…

Os Fogos Florestais

Imagem
Os fogos florestais fazem parte indelével das nossas  memórias. Sempre existiram associados ao calor dos verões. E disso tem dado conta a comunicação social, conforme a época. Inicialmente, apenas os jornais e rádios e a seguir as televisões. Na era do Estado Novo, os fogos e outras calamidades eram camuflados, quando não bloqueados, por razões próprias da ditadura. Era preciso manter a ilusão de que tudo no país era um mar de rosas. Depois, ditaram as leis da transparência democrática, muitas vezes, porém, com jogos de cintura para fugir às críticas e às responsabilidades. Hoje, toda a gente sabe tudo na hora exata. E a partir daí, a competição entre órgãos de comunicação atinge extremos que arrepiam, quando ao vivo plasmam cenas de dramas pungentes, sem respeito algum pela dor de quem vê toda uma vida levada pelo fogo devorador. A moderação na reportagem, na minha ótica, deve ter carta branca, sem fugir à verdade dos factos.  De muito positivo, destaco sobremaneira as manifestações…

Júlio Cirino — Açores - Terceira - Festas Sanjoaninas

Imagem
As Festas Sanjoaninas são um dos pontos mais altos das festividades de Angra do Heroísmo. Por essa altura juntam-se, para assistir aos festejos, dezenas de milhar de residentes e forasteiros. Não há palavras para descrever as Festas Sanjoaninas. Durante uma semana, em cada dia, faz-se o desfile de abertura; o desfile de 36 bandas filarmónicas; desfilam, divididas por dois dias, mais de 60 marchas; desfilam os atletas de todas as modalidades desportivas praticadas nos Açores, faz-se um desfile de cariz religioso e até o desfile de carrinhos de bebé. Os trajes usados são riquíssimos, bem confeccionados e de muito bom gosto. Os carros alegóricos são obras de arte. Os trechos musicais são muito bem escolhidos. As festividades de S. João muito honram os angrenses.  Quem estiver interessado em saber sobre o que estou a falar, consulte o seguinte endereço: Sanjoaninas 2015 – Angra, memória dos meus encantos, by Manuel Bettencourt. (recomenda-se que abra a quarta janela)
Obs.- Fotos extraída…

MaDonA — O Farol da Barra

Imagem
O Farol da/na Barra pertence a Ílhavo, a Aveiro ou à Gafanha da Nazaré? A solução para a contenda!? O Farol da Barra é uma referência para população desta zona balnear e um ex-líbris do distrito de Aveiro.  Dada a sua majestosidade, originou expressões populares, aforismos, como “ Não conheço uma letra do tamanho do farol”, a que se pode juntar outra, no contexto do mar/ria “Deixar passar a maré por baixo do barco”.  Foi tema da área curricular não disciplinar, Área de Projeto, num período efémero, antes de o MEC, na pessoa de Nuno Crato a retirar do currículo. Está em estudo a sua recuperação, bem como da Formação Cívica. Como sempre, a Educação ao sabor das políticas partidárias! Recentemente, tem-se gerado grande polémica, quanto à disputa pela jurisdição do dito farol. Tem sido o pomo da discórdia entre Aveiro e Ílhavo, a que veio juntar-se, por último, a Gafanha da Nazaré. Cada uma destas cidades reivindica a administração deste monumento, sendo que este litígio é muito antigo, …

E voltei à liça diária

Imagem
Depois de 15 dias alheio à blogosfera, onde partilho, pela positiva, o que julgo de interesse para os meus leitores e amigos, volto à liça diária, ou quase, para me sentir membro dinâmico da sociedade que nos acolhe. E faço-o com prazer e alegria, que a vida, sem isso, não faz sentido.  Foram 15 dias amenos e com motivações variadas, com filhos e netos o encherem os nossos quotidianos. Não serão eles a nossa razão de viver? Não ocuparão eles as nossas horas de trabalho, canseiras e lazer? É claro que sim. Parar de vez em quando faz bem ao corpo e à alma. Refletimos, conversamos, rimos e sonhamos, traçamos metas a curto prazo, idealizamos projetos viáveis e inviáveis, olhamos à volta horizontes possíveis, viajamos no tempo passado, presente e futuro, sentimos mais de perto os que nos rodeiam, revemos amigos guardados na arca da memória que ousaram correr mundos para cuidar dos seus. Encontrei aventureiros e viajantes ao jeito dos que «deram novos mundos ao mundo». E li, li, li, e ouvi…

Agosto

Imagem
Vou iniciar o mês de agosto com serenidade, ao jeito de quem quer passar umas férias sem grandes compromissos, sem a lufa-lufa do dia a dia tantas vezes corriqueiro  e sem sentido. Quero acordar cedo para aproveitar o dia, para saborear o sol benfazejo e abrir o coração ao mundo fascinante que urge viver em plenitude, na certeza de que há madrugadas libertadoras e solidárias.  Passarei por aqui somente por compromissos editoriais ou por imperiosa necessidade de partilhar vivências, sentimentos e emoções que não posso fechar à chave em qualquer gaveta, como coisa para esquecer.  Boas férias para todos.
Fernando Martins

Júlio Cirino — Ilha Terceira - Cantorias

Imagem
O cantar ao desafio, nos Açores, é conhecido por “cantoria”. Por a letra ser de improviso, no início nem os cantadores sabem o rumo que a “cantoria” vai tomar. Por vezes faz-se chacota da gravata de um dos intervenientes ou ao nariz de outro, ou à ilha a que pertence, ou a qualquer outro pormenor que chame a atenção dos cantadores. O visado procura defender-se e contra-atacar quando lhe for possível. A “cantoria” é versejada em quadras ou sextilhas. Por vezes inicia em quadras e acaba em sextilhas.  A “cantoria” começa com a saudação ao povo da freguesia ou a alguém mais ilustre que esteja no arraial ou no salão. Os cantadores também se saúdam reciprocamente. Depois segue-se a “cantoria” propriamente dita que termina com a despedida e novas saudações. Na ilha Terceira, para além da “cantoria”, temos “as velhas” (cantigas brejeiras e de escárnio) e as “desgarradas” (com música do fado de Lisboa, mas com letra de improviso).  Estes cantares são acompanhados pela “viola da terra”, com 12…

Dona Luz Facica tem nome de rua na Gafanha da Nazaré

Imagem
Na sexta-feira, 28 de julho, a Câmara de Ílhavo “batizou” uma rua com o nome de “Maria da Luz Rocha (Luz Facica)”, em homenagem a uma cidadã de corpo inteiro, a quem a comunidade da Gafanha da Nazaré, e não só, muito deve, pelo que fez em prol de muitos feridos da vida. Trata-se da rua que dá acesso ao Intermarché e que, num futuro que se deseja rápido, faça a ligação à Rua D. Dinis. Na altura, o presidente da autarquia ilhavense, Fernando Caçoilo, enalteceu o exemplo da homenageada, sublinhando que Dona Maria da Luz «tinha uma visão longa». «Um obrigado muito grande por aquilo que fez, por aquilo que nos legou e pelo exemplo que nos deu e que deve ser transmitido para toda a gente». Importa, referiu o autarca, que os vindouros se lembrem do trabalho que a Dona Luz Facica, «que todos acarinhámos», fez pelos mais desprotegidos. Ainda valorizou a sua «forma de ser e de estar na sociedade» e a «tranquilidade» que transparecia da sua vida no contacto com toda a gente.  Carlos Rocha, pres…

Bento Domingues — Jesus não gostava de broa? (2)

Imagem
1. Vivemos, hoje, um momento de extraordinárias possibilidades na Igreja Católica e o Papa Francisco é, a muitos títulos, uma bênção mundial. Os participantes no G20, em Hamburgo, nos dias 7 e 8 de Julho, tinham um tema: “Dar forma a um mundo interligado.” Na sua mensagem, o Bispo de Roma lembrou quatro princípios de acção, recolhidos da sabedoria multissecular, para a construção de sociedades fraternas, justas e pacíficas: o tempo é superior ao espaço; a unidade prevalece sobre o conflito; a realidade é mais importante do que a ideia; o todo é superior às partes. Já tinha assumido essa sabedoria no seu programa pastoral Evangelii gaudium, pois a Igreja não deve aprender apenas na escola da Bíblia e das suas tradições, mas na de todos os povos e culturas, do passado e do presente. Para poder ser “mãe e mestra”, tem de ser filha e aluna atenta a todos os mundos. Antes de falar é necessário ouvir, como indica o ritual do Baptismo. Na sua mensagem aos mais ricos e poderosos, Bergoglio a…

Álvaro Garrido: Venham ao museu e tragam um amigo também

Imagem
O Museu Marítimo de Ílhavo (MMI) aguarda a nossa visita em qualquer dia do ano. Jovens e menos jovens são sempre bem recebidos e desejados, porque um museu tem de ser permanentemente uma casa aberta, com a predisposição para acolher quem chega, ou não tivesse nascido para exibir um recheio multifacetado e devidamente organizado, direcionado para as pessoas. 
Um dia destes lá fomos cumprir um ritual integrado nas férias anuais que teimamos em manter. À chegada, tivemos a dita de encontrar o consultor do MMI, Álvaro Garrido, que fizemos questão de cumprimentar, a quem lançámos uma questão: Dê-nos uma boa razão para visitar o Museu de Ílhavo durante as férias! E com toda a naturalidade, Álvaro Garrido sugeriu que o ideal seria participar na festa comemorativa dos 80 anos do museu, que decorre de 5 a 8 de agosto, sublinhando, como pontos altos, «a inauguração de uma exposição extraordinária intitulada História Trágico Marítima, que vai incluir muitas obras valiosas que não é comum verem…

OBSERVADOR — Espanhóis ajudam nos fogos em Portugal

Imagem
«A Autoridade Nacional de Proteção Civil solicitou a presença de meios terrestres espanhóis no início da semana, face ao agravamento dos fogos nesta zona. O Governo acionou o Protocolo Bilateral Luso-Espanhol em matéria de Proteção Civil e Espanha enviou novamente os operacionais da Unidade Militar de Emergências. Patrícia Gaspar, adjunta de operações da Proteção Civil, explicou ao Observador que se aplicam os princípios da solidariedade europeia em matéria de Proteção Civil: a ajuda é enviada a título gratuito, ficando o país de acolhimento responsável pelos custos de manutenção das equipas, nomeadamente a alimentação e o alojamento.»
(...)
“A voz do fogo é complicada. Eu também não a conhecia. Uma coisa medonha, parece um filme de terror. Faz correntes de ar e sucções estranhas”, descreveu a autarca, crente na capacidade dos espanhóis para revigorarem os 500 homens que estavam no terreno: “Os nossos homens estão exaustos. Não comem. Temos de refrescar as equipas no terreno. Um comba…

Paulo Rocha — Turismo, rotundas e esplanadas

Imagem
«Portugal tem, no entanto, que oferecer mais do que rotundas e esplanadas. Quem nos visita e se encanta pelo sol e pela alimentação deve levar na bagagem motivos para regressar, não só pelo acolhimento que acontece e as saudades dos petiscos, mas também, e sobretudo, pela capacidade de oferta cultural, de entretenimento e de humanismo que cidadãos e instituições forem capazes de fazer. Assim, depois de criar todos os circuitos por cidades e aldeias, de construir os vários abrigos e montar todas as esplanadas, é necessário criar ofertas qualificadas para cada turista no âmbito no âmbito da cultura, do lazer, do mar, dos rios, das barragens, dos parques naturais, das matas qualificadas, dos monumentos património mundial e de tantos outros recantos que permanecem escondidos de quem visita Portugal e podem ser um fator decisivo para que voltem pela segunda, terceira ou quarta vez…»
Ler mais aqui 

Anselmo Borges — Trabalho e férias

Imagem
1. O Homem "define-se" por muitas características. O trabalho - homo laborans - é uma dessas dimensões constitutivas do humano. E, quando falamos do trabalho, não pensamos apenas na necessidade que o Homem tem de se esforçar para poder sobreviver - ele há esta palavra tremenda: "trabalhar para ganhar a sua vida", que há dias o L"Osservatore Romano, órgão oficioso do Vaticano, disse que também se deve aplicar aos padres. De facto, por outro lado, o trabalho significa o esforço comum da Humanidade para transformar o mundo, pois é transformando o mundo que o Homem verdadeiramente se realiza e toma consciência de si enquanto humano, como bem viu Hegel, concretamente na sua famosa dialéctica do senhor e do escravo, no que constitui a primeira grande reflexão filosófica sobre o trabalho, na Fenomenologia do Espírito. O escravo, pelo trabalho e transformando o mundo, não ganha apenas para o seu sustento, pois, para lá disso e sobretudo, vem a si mesmo na consciência…

Georgino Rocha — Fazer opções sábias. E a tempo

Imagem
Jesus quer mostrar a urgência de fazer opções sábias e a tempo. Recorre, segundo a versão de Mateus, a três parábolas, acessíveis aos discípulos: a do tesouro escondido no campo; a da pérola preciosa; e a da escolha do peixe apanhado na pesca. Depois de as narrar, pergunta-lhes: “Entendestes tudo isto?” “Entendemos”, respondem, sem hesitar. A comunicação havia resultado em cheio. Que alegria para todos. Nem os discípulos pedem mais explicações, nem Jesus sente necessidade de as dar. Mas acrescenta: “Todo o escriba instruído sobre ”.
O comentário esclarecedor de Jesus valoriza a sabedoria do pai de família que conserva “o novo e o velho” do seu património, a liberdade de dispor dos bens guardados e o horizonte aberto a que os destina à luz dos critérios provindos do reino dos Céus, do Evangelho que ia sendo anunciado. É a sabedoria que brilha na oração de Salomão, após a sua coroação de rei, sendo ainda jovem. Um sonho descreve esta atitude primeira. “Dai, Senhor, ao vosso servo um co…

MaDonA — O avô Manel

Imagem
«O avô Manel é o último sobrevivente do clã familiar. Fui visitá-lo, um dia destes, e ia rever uma pessoa que me é tão grata. O que estou a escrever será uma homenagem, a minha homenagem, em vida. É em vida que se apreciam os afagos, os mimos, o carinho. Depois...restam apenas as flores...  Qual não foi a felicidade do avozinho, ao receber a visita de entes queridos, que lhe atenuam a solidão dos dias. Com idade avançada, prestes a completar 95 anos, as forças do avô foram minguando, trazendo consigo as maleitas próprias desta faixa etária. A força nas pernas diminuiu, e depois de várias quedas, o destino foi o recurso a uma cadeira de rodas. Foi uma inevitabilidade! A única e a possível.»
“A gratidão é a memória do coração.” 
Antístenes
O avô Manel é o último sobrevivente do clã familiar. Fui visitá-lo, um dia destes, e ia rever uma pessoa que me é tão grata. O que estou a escrever será uma homenagem, a minha homenagem, em vida. É em vida que se apreciam os afagos, os mimos, o carinho. …

ADIG visita obras da bacia de contenção de lixiviados e ETAR

Imagem
O presidente, Humberto Rocha, e mais quatro  elementos da direção da ADIG - Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha foram recebidos, no dia 24 de julho, pelos engenheiros da Administração do Porto de Aveiro (APA) e da Cimpor, para apreciarem, no terreno, as obras da Bacia de Contenção de Lixiviados e a Estação de Tratamento. E dessa visita, aquela associação pôde concluir que «as águas contaminadas são bombeadas para dois grandes tanques assentes no solo do Porto Comercial», seguindo um processo de «decantação das águas lixiviantes», após o que as águas filtradas serão devolvidas à natureza.  A visita da ADIG insere-se na luta levada a cabo pela associação, no sentido de resolver problemas criados pelo manuseamento de lixiviados e Petcoke, o que afetava seriamente as populações da freguesia da Gafanha da Nazaré e não só. Foi, garante a ADIG, um processo que chegou a bom porto, mas acrescente que «agora é suficiente continuar a manter os métodos de carga e descarga já em c…

Futuro Cais dos Pescadores de S. Jacinto em fase de estudo

Imagem
«A Câmara Municipal de Aveiro está a desenvolver o novo projecto do Cais dos Pescadores para São Jacinto, abandonando o antigo projecto (por incompatibilidade do dimensionamento das estruturas face às condições existentes no local, uma vez que foi feito sem avaliação geotécnica).», li no Porto de Aveiro. Nessa linha, está a decorrer uma campanha de sondagens, com a finalidade de se avaliar «a qualidade dos solos com o objectivo de fornecer as informações necessárias para a empresa Consulmar terminar o projecto». Seguir-se-á «o lançamento do respectivo concurso público para a obra durante o mês de Setembro.»
Li aqui 

Navio-museu Santo André - Camaratas

Imagem
«As camaratas de proa são um conjunto de 6 camarotes com capacidade para alojar 40 homens. Cada tripulante ocupa um beliche e um cacifo. Ao centro do camarote há um aquecedor a água, essencial para suportar o frio do Atlântico Norte.»
Li aqui

Júlio Cirino — Ilha Terceira – Carnaval

Imagem
O Carnaval ocupa um lugar de destaque nas festividades da ilha Terceira. O “bailinho”, designação popular para uma representação teatral acompanhada por música, é o principal entretenimento no Entrudo. “As chamadas ‘Danças de Carnaval’, às quais assistem milhares de terceirenses, são o maior encontro de teatro popular em língua portuguesa que se faz em todo o mundo.”  Os membros de cada “bailinho” criam o enredo, a música e a coreografia da peça. O traje também é da sua autoria. Estes grupos podem representar uma paróquia, uma casa do povo, uma sociedade filarmónica, uma instituição de solidariedade ou até um partido político.  Existem várias categorias de danças e “bailinhos”. As “danças de espada”, as “danças de pandeiro” e os “bailinhos” masculinos, femininos ou mistos.  O “bailinho” começa com uma cantiga acompanhada por tocadores de cordas e de instrumentos de sopro. Segue-se uma peça teatral sobre um tema escolhido e tudo termina com mais uma cantiga. Cada espectáculo tem a dur…