domingo, 30 de abril de 2006

Educação Moral e Religiosa Católica

Documento da Conferência Episcopal Portuguesa
Um valioso contributo
para a formação
da personalidade
Introdução
1. A Educação é uma tarefa fundamental da sociedade. Dela depende, decisivamente, o desenvolvimento harmonioso e integral das crianças, dos adolescentes e dos jovens, e a qualidade do progresso da sociedade.
Porque está em causa a pessoa humana, razão de ser e objecto central da missão da Igreja, a Conferência Episcopal Portuguesa pronunciou-se sobre a Educação, num passado relativamente próximo, através de uma carta Pastoral, em que expôs o seu pensamento e convidou todos os parceiros educativos a conjugarem esforços para melhorar a Educação em Portugal1 .
A Igreja Católica está presente nas múltiplas instâncias promotoras da Educação, onde, na fidelidade à sua missão específica, procura “proporcionar à pessoa a visão cristã do mundo, do homem e de Deus, e não se demitirá de continuar a oferecer, com total liberdade, propostas educativas”2 .
A sua acção educativa reveste-se de múltiplas formas e realiza-se, em primeiro lugar junto da família, comunidade educativa por excelência. Além disso, realiza-se através das suas próprias instituições educativas, particularmente as escolas católicas, mas também, no empenhamento em instituições estatais e privadas.
Assume especial importância a presença institucional que a Igreja Católica tem oferecido à Escola, nomeadamente no plano do Ensino Religioso Escolar, que usufrui, entre nós, de uma longa e relevante tradição. Essa intervenção consubstancia-se na disciplina/área curricular disciplinar de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC), de carácter facultativo, que abrange os ensinos básico e secundário (do 1º ao 12º ano de escolaridade).
:
(Para ler todo o documento, clique aqui)

Um texto de Anselmo Borges, no DN

Maria Madalena nos textos apócrifos
As mulheres têm motivos para uma boa relação com Jesus. Ele, durante a vida, com escândalo de muitos, teve para com elas uma atitude e comportamento de muita simpatia e ternura. Se a Igreja histórica nem sempre lhe seguiu o exemplo, havendo mesmo um forte contencioso das mulheres com a Igreja oficial, isso deve-se a muitas razões, como heresias que desprezavam o corpo, o sexo e o feminino, questões ligadas ao poder e ao machismo.
Para lá dos textos canónicos - aqueles que a Igreja aceitou como regra de fé -, há também os apócrifos, que a Igreja não recebeu, não significando isso que não possam ter importância. Entre eles encontram-se os textos gnósticos, de que tanto se tem falado e acessíveis sobretudo com a descoberta, em 1945, da biblioteca de Nag Hammadi, no Egipto (o Evangelho de Judas insere-se nesta tradição).
Ora, o que dizem os apócrifos sobre Maria Madalena?
A tradição apócrifa, sobretudo gnóstica, tem textos muito controversos sobre a relação entre Jesus e Maria Madalena. Assim, no Evangelho de Filipe, pode ler-se: "A companheira do Salvador é Maria Madalena. O Salvador amava-a mais do que a todos os discípulos e beijava-a frequentemente na boca. Os outros discípulos disseram-lhe: 'Porque a amas mais do que a nós?' O Salvador respondeu-lhes, dizendo: 'Porque não vos amo a vós como a ela?'"
No Evangelho de Maria, Pedro, com animosidade, reconhece que o Mestre a apreciava mais do que às outras mulheres, perguntando inclusivamente: "Falou com uma mulher sem que o soubéssemos, e não manifestamente, de modo que todos devemos escutá-la? Será que a preferiu mais do que a nós?"
:
(Para ler todo o artigo, clique aqui)

Um texto de Georgino Rocha

Vida em arco-íris O arco-íris da vida está imbuído de beleza e cor, de cadência, harmonia e interpelação. É símbolo do presente e apelo do futuro, da vida em seus tons, da memória em seu sons. A vida em arco-íris tem um sentido que surge, de mil formas, como: Vitral do grande Mistério que, de tantas maneiras, se desvenda na natureza e irrompe no tempo, oferecendo-me uma oportunidade de encontro. Vibração intensa e calorosa dos sentidos, “janelas do espírito”, antenas de comunicação e sintonia com o universo. Prazer de ser eu mesmo, de me sentir bem “na própria pele” e de me relacionar com os humanos, meus semelhantes. Eternidade que me invade, me possui e me anima em cada momento a ser consistente e a caminhar com determinação. Centelha divina que enobrece a dignidade de todo o meu ser, abrindo-me as dimensões do Infinito. Oportunidade única de rasgar horizontes que desafiam o Céu, de deixar marcas que humanizam a terra. Vocação a um sentido mais pleno que, de mil maneiras, vou plasmando a meu jeito, em cada instante. Força de Jesus ressuscitado que se dá a conhecer no “repartir do pão”, na fraternidade universal, em ritmos de festa e dinamismos de intervenção. A vida em arco-íris é dom a acolher, tarefa a realizar, mistério a desvendar. É o eu germinal que desabrocha, à luz da primavera pascal, e se expande em criatividade fecunda, alargando-se até à plenitude amadurecida da comunhão.

Gotas do Arco-Íris - 15

...E A COR
DO TEMPO,
QUAL SERÁ?... Caríssimo/a: Andava a navegar nos trinta anos da Revolução dos Cravos quando minha Mulher me presenteou com a sua última iguaria. Depois de a provar: - De onde veio esta maravilha? - Usei uma receita de 1939, da D. Alzira da Costa Valente, de Avanca. É antiga e diz assim: “6 ovos inteiros; 350 g de açúcar; 50 g de manteiga; 1 kg de farinha flor; sal, q.b.; água, q.b. Faz-se o fermento, num dia à noite. Ao outro dia de manhã, amassa-se a massa e deixa-se estar junta mais ou menos quatro horas. Fazem-se as roscas e deixam-se descansar até ao outro dia. Estando o tempo frio, vão para o forno à noite e estando calor já podem ir ao meio dia. Quando saírem do forno passa-se-lhes manteiga.” Como se vê, uma delícia... de receita e de prova... E faz contas aos dias que eram necessários para que as regueifas ficassem prontas!... Simplesmente fora de tempo... Bem, já agora, para que não digas que sou amigo da onça, deixo-te outra maravilha dos dias que foram correndo, mas que ainda podes recuperar amassando e cozendo os folares com a receita da Gafanha: “5 kg de farinha; 1,25 l de leite; 250 g de fermento; 2 kg de açúcar; 500 g de manteiga; 15 ovos; raspa de casca de 3 limões; sal e água, q. b.” Desejo-te uma boa fornada, se não este ano, ... para o próximo, tempo é coisa que não falta!... Manuel

sábado, 29 de abril de 2006

"Fraternitas" reunido em Fátima

“Fraternitas”
quer ser uma
consciência crítica
da Igreja “Queremos ser uma consciência crítica de tudo o que nós fazemos e em Igreja se faz” mas “não uma consciência contestatária” – disse à Agência ECCLESIA Vasco Fernandes, presidente do movimento “Fraternitas”, reunido em Fátima até ao próximo dia 1 de Maio. O XIII encontro deste movimento de padres dispensados do ministério pretende ajudar os participantes (cerca de seis dezenas) a reflectir sobre a “relação entre “Fraternitas” e Igreja institucional” e “Que movimento queremos ser?” – sublinhou este responsável. E adianta: “sem agressividade queremos assumir um papel crítico sobre aquilo que nós e os nossos irmãos fazemos”. Fundado há 10 anos pelo Con. Filipe Figueiredo, o presidente do “Fraternitas” referiu que “muitos de nós não nos sentimos desaproveitados”. Apesar de alguns “não estarem bem inseridos” porque “temos bispos que estão mais reticentes quanto ao nosso papel” – adiantou. Com cerca de 100 sócios, Vasco Fernandes esclareceu que existem cerca de 600 padres dispensados do ministério mas “não temos os ficheiros actualizados”. Os encontros nacionais realizam-se em Fátima mas o responsável do “Fraternitas”, natural da diocese do Porto e foi padre jesuíta, quer implantar os encontros regionais para facilitar a comunicação entre os membros. : Fonte: Ecclesia

Um artigo de Laurinda Alves, no Correio do Vouga

Os ramos
da cerejeira “Tenho saudades do meu avô. Às vezes, sonho com ele e vejo-me sentada ao seu lado, na cadeira rente ao chão, que os netos disputavam para ficar mais perto dele a ouvir as histórias que contava como ninguém. Vejo-o enorme, sentado no seu cadeirão de braços, com as pernas cruzadas e os óculos de meia-lua sobre a ponta do nariz, a ler o jornal concentrado e, ao mesmo tempo, muito atento a tudo à sua volta. Vejo-o com todo o tempo do mundo a ter tempo para todos. Lembro-me da sua voz, das suas cores e da maneira como os olhos riam. Era um homem alto, lindo, cabelo imaculadamente branco, olhos azul-escuro que acinzentavam conforme a luz dos dias, andar compassado e tranquilo. Um andar de quem conhece a terra que pisa. (...) O tempo em que o meu avô e a minha avó eram vivos foi o tempo mais feliz da nossa família. Amados pelos filhos e netos, eram igualmente venerados pelas noras e genros. O dia do piquenique anual, feito à sombra da cerejeira mais antiga e perfumada das terras do meu avô, era um dia inesquecível. Vinham homens para assar o borrego e mulheres para ajudar a estender as toalhas na terra inclinada sobre a vinha. Nós divertíamo-nos uns com os outros, divididos entre o prazer dos assados, as anedotas do tio Guilherme e os saltos para o tanque que todos os anos era limpo e cheio de água fresca. Alguns desses dias foram filmados e ficaram gravados para sempre. As imagens estão gastas e não têm som mas, de cada vez que as vejo ou me lembro delas, oiço as vozes com uma estranha nitidez. (...) Um dia, o meu avô deitou-se, adormeceu e não voltou a acordar. Morreu exactamente como viveu.” Se deixo aqui aquilo que escrevi há alguns anos, é porque todas estas memórias e sentimentos continuam muito presentes e não sei dizer as mesmas coisas por outras palavras. Por outro lado, se recordo parte do que então escrevi, é justamente por ter referido a velha cerejeira. Foi por causa desta árvore e de tudo o que vivemos à sombra dos seus ramos que o gesto de alguém, que eu só conhecia de nome mas era íntimo da minha família, me tocou de uma forma tão profunda. Manuel Vieira, o padre “Manel”, de quem tanto ouvi falar, mas com quem nunca me tinha cruzado por vivermos vidas diferentes, em lugares distantes, foi ter comigo à entrada de um encontro onde participei recentemente e ao qual cheguei em cima da hora, cheia de nervos e sobressaltos. Manuel Vieira apresentou-se, abriu um sorriso enorme e estendeu a mão com uma carta para mim. O envelope continha qualquer coisa invulgar e, mesmo atrasada, não resisti a abri-lo logo ali. Tinha três ramos de árvore e um papel escrito dos dois lados. Os pequenos ramos estavam unidos por um elástico e tinham sido cuidadosamente embrulhados num saquinho de plástico para os proteger melhor. Olhei com ar interrogativo, enquanto alguém me puxava pelo braço para descer as escadas do enorme auditório, onde já estavam sentadas centenas de pessoas à minha espera. Não resisti a ler o papel enquanto me apresentavam à plateia. E o que o papel dizia era muito simples e muito poético: “Passei em Aldeia Velha na manhã do dia 16 e parei à sombra da cerejeira, ao lado da casa de campo. Subi à parede e colhi um raminho desta cerejeira já velhinha mas ainda conhecida por ser a cerejeira do seu avô. Agora fala à neta. Penso que as coisas, mesmo insignificantes, quandos nos ligam à vida passada ou presente, deixam de ser insignificantes, para se tornarem importantes e mensageiras.” Pode crer, querido padre Manuel Vieira.

Vagos por estes dias

Vagos, com os seus recantos e encantos (Para ver melhor, clique nas fotos)

ESCUDELA

O que é uma escudela?
Abriu na Gafanha da Nazaré, há tempos, um estabelecimento de padaria e pastelaria que foi baptizado, pelos seus proprietários, com o nome "Da Escudela", em memória, por certo, dos seus avós. Como o vocábulo não é muito conhecido das novas gerações, não foram poucos os que me interrogaram sobre tal. Houve até quem me fizesse perguntas, via e.mail, sobre o dito vocábulo.
Como diz um bom dicionário, a escudela é uma "malga, tigela de madeira; vasilha arredondada própria para comida; vasilha de folha, com que se tira água para rega".
Cá pelas Gafanha, como mostra a foto, a escudela era e é uma tigela de madeira, usada exclusivamente para moldar as boroas de milho, antes de as meter no forno. Feita a massa e depois de levedada, as gafanhoas arrancavam, à mão, a porção sufuciente para fazer uma boroa, que atiravam para a escudela, previamente polvilhada com farinha seca. Com golpes rápidos e ágeis, faziam a massa saltar na escudela, até aquirir a forma desejada. De seguida, com a pá, metiam-na no forno. E aí tínhamos, passado o tempo necessário, a saborosa boroa de milho das Gafanhas.
F.M.

sexta-feira, 28 de abril de 2006

Povo chinês está a ser esmagado

Denúncias do Cardeal
Joseph Zen Ze-Kiun
Recentemente nomeado Cardeal, Joseph Zen Ze-Kiun é um homem lúcido, desassombrado, que a partir de Hong Kong observa a realidade chinesa e se preocupa com a evolução da Igreja numa sociedade profundamente capitalista e materialista. Sem meias tintas diplomáticas, fala de tudo, diz tudo. Acerca da China, afirma que o povo está a ser esmagado, que o governo controla tudo, mas que mesmo assim existe o risco de uma explosão. Justifica a aparente contradição: «A agitação social, sobretudo entre os camponeses, vem cada vez mais ao de cima. O desespero torna-se uma força.»
:
Como vê a Igreja na China?
Por um lado, há sinais de esperança; por outro, há sinais desencorajadores. Entre os sinais de esperança, estão a sagração dos bispos de Xangai e Xian, o que significa que a Igreja tem conseguido impor-se ao Governo, sem golpes teatrais: com paciência, com firmeza, e o governo teve de aceitar os bispos nomeados pela Santa Sé. Ao mesmo tempo, há muitas desordens, desuniões nas dioceses: bispos legítimos que não estão de acordo; e depois, naturalmente, o secularismo está a contagiar o clero. Na política, apesar da abertura da economia, a democracia não fez qualquer progresso. Conseguem continuar a controlar, com a ajuda da técnica moderna e dos servidores da Internet.
:
(Para ler toda a entrevista, clique aqui)

APFN felicita medidas contra cultura antinatalista

Pensões de reforma
devem ser indexadas
ao número de filhos
A APFN congratula-se com o anúncio feito pelo Primeiro-Ministro de que irá fazer variar a taxa contributiva para a Segurança Social em função do número de filhos, medida com uma enorme força política no sentido de contrariar a cultura antinatalista que tem sido promovida e alimentada nos últimos trinta anos. No que diz respeito às outras medidas anunciadas para promover a sustentabilidade da Segurança Social, a APFN considera-as como inevitáveis e, infelizmente, ainda curtas, como o tempo (curto) se encarregará de demonstrar. Com efeito, o Governo está a anunciar estas medidas baseado no "Relatório de Sustentabilidade de Segurança Social" que, conforme temos vindo a denunciar desde a primeira hora, está viciado na projecção demográfica, ao prever que o índice sintético de fecundidade vai aumentar de 1.4 para 2.0 filhos por mulher em 2050!!! Qualquer pessoa, olhando para a evolução deste índice nos últimos 30 anos e observando a cultura dominante, facilmente se apercebe que a tendência será, como tem sido, decrescente! É por ainda acreditar neste Relatório, que o Primeiro-Ministro afirmou que a gravidade da situação da Segurança Social é sobretudo devido ao aumento de esperança de vida! A APFN apela ao Primeiro-Ministro que, como engenheiro que é, analise os fundamentos deste Relatório, e, perante o erro grosseiro e como Primeiro-Ministro que é, ordene ao INE para efectuar uma projecção realista e à Segurança Social para rever o famigerado Relatório! E, claro, também como Primeiro-Ministro que é, e com a coragem política que tem vindo a revelar, adopte verdadeiras políticas de família e de natalidade, na linha do que a APFN tem vindo a defender e promover, assim como a Comissão Europeia e a OCDE, para reduzir e eliminar o actual défice de 33%! É óbvio que, agora, o Governo não pode deixar de tomar as medidas de austeridade que anunciou, apesar de não ser responsável pela situação actual. Tal deve-se à distracção durante 30 anos, e é naturalíssimo que a geração que se distraiu pague pela sua distracção. No entanto, as famílias numerosas não têm qualquer responsabilidade por este facto. Pelo contrário! Por esse motivo, é da mais elementar justiça que, como reclamamos, as pensões de reforma sejam indexadas ao número de filhos, dando a liberdade às pessoas de optarem por terem filhos, garantindo a sustentabilidade de um Sistema de Segurança Social para todos ou, pelo contrário, optarem por sistemas alternativos de previdência, limitando-se a preocuparem-se com o seu umbigo, como agora parece ser moda. 27 de Abril de 2006 APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Um artigo de José Pacheco Pereira

QUEM PAGA A CRISE?
No fim de um ano de aumento de impostos, de excepcional recolha fiscal e do arranque de várias medidas de contenção, o Governo conseguiu ter um défice superior ao previsto no último orçamento de Santana Lopes / Bagão Félix, descontadas as receitas extraordinárias. Nunca saberemos se o previsto se iria realizar, como nunca saberemos se os 6,8% calculados pelo Banco de Portugal não seriam contrariados por medidas do Governo. O que sabemos é que os resultados são maus. Os relatórios da última semana da OCDE e do BM apenas acentuaram a impressão de que nada vai bem, e as medidas do Governo só tocam na superfície dos problemas, na “epiderme” como diz Medina Carreira. Tudo isto num contexto excepcional quanto às condições políticas, com um governo de maioria absoluta e com uma oposição muito fragilizada, e com considerável apoio da opinião pública. Torna-se evidente que os dilemas que já existiam em 2005 estão hoje mais acentuados e a margem de manobra, com a passagem do tempo, é já bastante menor. Vamos pois a caminho de tempos muito difíceis, agravados pela conjuntura internacional, mas não explicáveis nem exclusiva, nem principalmente por ela. Agora que realmente tudo vai começar a apertar, e já sem a sombra nem a desculpa legitimadora do governo Santana Lopes, as opções erradas de Sócrates, do Governo e do PS começam a perceber-se com maior clareza. Deixo de lado, que havia uma maneira alternativa de actuar, uma política genuinamente liberal, que no entanto não corresponde às opções políticas e ideológicas do Governo socialista. Como nas histórias infantis, tudo começou no princípio, “naquele tempo”. No balanço da actuação de Sócrates esquece-se várias coisas: uma é que o discurso com que o PS ganhou as eleições não era um discurso de crise, bem pelo contrário, era o da sua negação. Não se chegava ao ponto de anunciar a “retoma”, mas o discurso socialista era o de que havia “vida para lá do défice”. É uma história da carochinha da propaganda acreditar que Sócrates só se apercebeu da situação real depois do relatório Constâncio, porque tal era impossível. É verdade que Sócrates corrigiu o discurso logo que ganhou as eleições e fez bem, mas uma coisa é corrigir um erro outra é compreender totalmente a necessidade de uma viragem de fundo. Depois de um ano a ser saudado com justiça pela sua coragem nas medidas difíceis, pouca gente se apercebeu que os problemas de fundo do nosso desequilíbrio financeiro se mantêm, em particular com o estado a gastar sempre mais e a “comer” não só o que tinha, mas também o que estava a entrar de novo. Apresentar como resultado um défice maior do que o governo anterior não tem volta que se lhe dê – é andar para trás. Porque é que é hoje mais difícil passar de 6% para 4,8% do que seria um ano antes? : (Para ler todo o artigo, clique ABRUPTO)

Duarte Belo na Fábrica, com fotografias

Até 9 de Julho
Duarte Belo na Fábrica
Este sábado, 29 de Abril, às 16 horas, é inaugurada, na Fábrica-Centro de Ciência Viva de Aveiro, uma Exposição de Fotografias de Duarte Belo, que contará com a presença do autor. A exposição ficará patente até ao dia 9 de Julho, podendo ser visitada de terça a sexta-feira, entre as 10 e as 18 horas, e aos sábados, domingos e feriados, das 11 às 19 horas.
: Em viagem, na procura de lugares para habitar, deparava-se ocasionalmente com o desenho de homens e mulheres, figurações, desafios ao tempo, desejos de imortalidade. Rostos agora sem nome que remetiam para o próprio universo da fotografia, da representação da realidade, da fixação da memória. A fotografia, o laboratório, os pedaços de papel baritado, o computador, agora — uma imensidão de fotografias, de lugares, contidos num disco magnético, espaço mínimo —, eram a outra face de uma infinidade de rostos não visíveis de homens e mulheres, construtores dessa paisagem mutante, procurada. Estas fotografias são o resultado desse diálogo, de um caminhar entre as estátuas, de um percurso descontínuo e indeterminado através de seres petrificados, expressão de vida e morte. Horário de funcionamento para marcações:
Nota: a marcação só é necessária no caso de grupos (+ de 10 pessoas) telefone 234 427 053/859, E-mail: fabrica.cienciaviva@gabs.ua.pt (nome da pessoa responsável pela marcação Paulo Pereira).
:
Fonte: Portal da UA

Um artigo de D. António Marcelino

UMA PEDRADA
NO CHARCO Foi a grande notícia da semana. Com honras de páginas inteiras nos grandes jornais e tempo nobre nos programas televisivos. Mais um casino, em Lisboa! É o nono no país. Mas já se anunciam mais quatro. Depois se verá. Na inauguração, muita gente importante, que jogo é vício e prazer para gente rica ou que o deseja ser sem grande trabalho. É ainda vício de gente de cabeça perdida e esta também não falta por aí. Entretanto, palavras de consolação: vai haver uma sala com máquinas para gente com pouco dinheiro que pode jogar a cêntimos, criaram-se, directa e indirectamente, muitos postos de trabalho e, a favor do deficit do país, o que não é para desprezar, já se anunciam lucros de muitas dezenas de milhões com impostos garantidos… Estamos na primeira fila dos países importantes!... Nem mais. Quem fala de crise, é maldoso porque está à vista de toda a gente que, se houvesse crise, não abriam casinos. Eu sei que não é fácil ser consciência crítica numa sociedade que inverte os valores e se constrói fora da realidade concreta das pessoas e do conjunto nacional. Por isso o caminho mais fácil é contestar todos os valores e dizer que eles não existem e os que ainda por aí se proclamam não fazem falta. O dinheiro é tudo e quem o tem é grande. A propósito desta história do jogo nos casinos, nunca me saiu da memória o romance “Vinte e quatro não da vida de uma mulher”, lido na juventude E, ainda, o facto ouvido, nos meus tempos de criança, de um fidalgo lá da Beira Baixa, recordo bem o nome dele, que estava tão viciado no jogo, e já na miséria por via do mesmo, que acabou por jogar a própria esposa, sendo necessária intervenção do tribunal para decidir a invalidade de tão bizarra aposta. Quem sabe diagnosticar as novas formas de escravatura, afirma com conhecimento que o vício do jogo é de longe, maior e mais nefasto e complicado, que o vício da droga, do álcool, do tabaco ou do sexo. Não parece. É preciso o facto ser muito escandaloso para vir nos jornais. Falências em empresas, provocadas pelo jogo, encontram explicação na globalização da economia, na crise internacional e na impossibilidade de concorrer com os chineses... Neste mundo, sem nexo nem horizontes de vida, os que traficam, seja o que for, uns são condecorados, outros presos. Ao longo dos anos têm-se cruzado comigo vítimas do jogo. Desesperadas, com o peso de um rosto que não é o seu, com a vergonha de um vício que os amigos, quando não mesmo a família, nem sonham, sem verem como sair do cerco onde se sentem emparedados e como responder a compromissos assumidos, com a faca ao peito ou o cano na garganta, a que não podem fugir a não ser pela porta de quem se declara vencido. Como são possíveis os lucros de milhões, senão à custa de quem perdeu o controle de si próprio, entrou no círculo vicioso de continuar a tentar, vendo bens e esperança a esfumarem-se de vez? O jogo no casino não é um mero divertimento. Quando se teima em continuar a jogar, muitas vezes o que já não é seu, é a atracção inevitável do abismo. Agora, porém, o importante é tornar os casinos cada vez mais próximos de toda a gente e democratizá-los, de modo a que todos possam ter oportunidade de uma riqueza fácil ou de um suicídio sem apelo. Dirão que só lá vai quem quer, que não podemos estar atrás dos outros, que críticas como esta não merecem qualquer consideração. Pois seja. Porém, aqui fica mais um grito de denúncia, o incómodo de uma consciência crítica, a ousadia de dizer que o progresso do país ou o caminho para a sua libertação, não pode passar pelo fomento de novas formas de escravatura, mesmo que sejam aliciantes e rentáveis.

Pela primeira vez, IPSS lembradas no 25 de Abril

Compromisso cívico para combater desigualdades
"Ao trazer as questões sociais para o discurso foi uma forma muito boa de celebrar o 25 de Abril" - disse à Agência ECCLESIA o Pe. Lino Maia, Presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), em relação ao discurso do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.
Ao apelar aos políticos, autarcas, responsáveis das organizações e sindicatos para um "compromisso cívico", o Presidente da República mostrou "que está preocupado com a realidade social do país" - sublinhou o Pe. Lino Maia. E acrescenta: "pela primeira vez, as Instituições de Solidariedade foram lembradas no dia 25 de Abril".
Ao propor o compromisso cívico, Cavaco Silva quer que a "justiça social seja uma prioridade". A inclusão social é fundamental porque "não há verdadeira economia sem esta vertente". Ao fazer referência às IPSS foi uma "forma de nos dar alento" até porque "80 por cento das respostas sociais são feitas pelas instituições de solidariedade".
O Presidente da República deixou ainda mensagens especiais a sectores que considera mais frágeis, como os idosos, as crianças vítimas de abusos e as mulheres vítimas de violência doméstica. "É entre a população mais idosa que encontramos as mais preocupantes situações de exclusão" - disse.
Ao nível da concretização deste «compromisso», o Pe. Lino Maia salienta que "já existe um instrumento importante - o pacto para a solidariedade - mas terá de ser mais alargado". E acrescenta: "a classe do patronato terá de ser integrada neste compromisso cívico".
Para o Presidente da República, "é possível identificar os problemas mais graves e substituir o combate ideológico por uma ordenação de prioridades, metas e acções". A justiça social "não pode interessar apenas a um núcleo da sociedade portuguesa" - finaliza o presidente da CNIS.
:
Fonte: Ecclesia

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Acesso ferroviário ao Porto de Aveiro

Rede ferroviária
de Alta Velocidade
passa por plataforma de Cacia A ligação ferroviária ao Porto de Aveiro, incluindo a plataforma multimodal de Cacia, reclamada há muito e sucessivamente adiada, foi considerada pelo Governo como prioritária, «atentas as necessidades de aumentar a competitividade do Porto de Aveiro e da região em que se insere, de cariz marcadamente industrial».
Ana Paula Vitorino, secretária de Estado dos Transportes, teceu estas considerações, já conhecidas, no decorrer da sua viagem de sexta-feira passada a Ovar para participar na homologação do protocolo de colaboração entre a Refer e a autarquia local.
A Governante iria mais além, ao anunciar que este eixo ferroviário constituído pela ligação à estrutura portuária aveirense e a plataforma multimodal de Cacia, «irá garantir a articulação com a Linha do Norte e com a futura rede de Alta Velocidade, constituindo o embrião da futura ligação Aveiro – Salamanca, em Espanha».
A secretária de Estado asseverou que o Governo definiu o rumo que pretende imprimir à modernização da Linha do Norte e que passa «por garantir a imprescindível complementaridade, em termos de infra-estruturas e serviços, entre a nova Linha de Alta Velocidade e a Linha do Norte». Para tal, a Refer está a identificar as intervenções a realizar, tendo em conta as necessidades efectivas da infra-estrutura para garantir, com segurança, fiabilidade e competitividade, os serviços futuros.
:
(Para ler mais, clique Diário de Aveiro)

Bispos condenam atentados contra a vida

A vida não pode ser sujeita a referendo
A assembleia plenária da Conferência Episcopal, que decorreu esta semana em Fátima, ficou marcada pelas posições dos Bispos portugueses em defesa da vida, denunciando “a manipulação e destruição de vidas humanas e salvaguardando o valor permanente do sentido da vida desde a concepção até à morte”.
Logo na abertura dos trabalhos, no contexto da Carta Encíclica “Deus Caritas Est”, do Papa Bento XVI, D. Jorge Ortiga salientou “o dever da acção social da Igreja assumir concretamente a peculiaridade de serviço atento e dedicado aos mais pobres, apelou para a defesa da vida acolhendo as possibilidades que a ciência abre sem perder os valores éticos”.
Os Bispos tomaram ainda conhecimento da organização de movimentos cívicos pró-vida, congratulando-se com “a coerência e firmeza de todos quantos lutam pela defesa e promoção da vida”.
No mesmo sentido, diante de propostas legislativas atentatórias da dignidade do embrião humano, os Bispos manifestaram, mais uma vez, “o seu mais veemente desacordo”, como refere o comunicado final hoje apresentado.“A nossa defesa da vida é uma vida desde a concepção até à morte, toda ela. Quando falamos mais da questão do aborto e depois da eutanásia, é porque são os assuntos mais pendentes”, explicou aos jornalistas o presidente da CEP.
Em conferência de imprensa, D. Jorge Ortiga negou qualquer desacordo no seio da CEP relativamente à campanha promovida por movimentos cívicos em favor de um referendo sobre a Procriação Medicamente Assistida (PMA). “A vida não pode ser sujeita a referendo em qualquer situação”, disse o presidente da CEP, não escondendo que, em caso de consulta popular, a Igreja tomará partido.
:
Foto: D. Jorge Ortiga,
Arcebispo de Braga e presidente
da Conferência Episcopal Portuguesa
:
(Para ler mais, clique aqui)

Diocese de Aveiro aposta na relação com Artistas

Padre Georgino Rocha anuncia: Diálogo com os artistas
vai continuar A Comissão da Cultura da Diocese de Aveiro está satisfeita com a relação estabelecida com os artistas aveirenses, no âmbito da Exposição de Artes Plásticas, sobre o tema «O sentido da vida: Que horizontes?», encerrada no passado domingo.
Entre os dias 1 e 23 de Abril esteve patente ao público uma exposição de Artes Plásticas promovida pela Comissão Diocesana da Cultura, em parceria com a Câmara Municipal de Aveiro e com a associação AveiroArte.
No final desta exposição, o Presidente da Comissão Diocesana manifesta-se satisfeito com a realização, fazendo um balanço positivo “tanto pelo número de artistas que responderam generosamente como pelo número de visitas, que excederam as nossas expectativas”, disse à Agência ECCLESIA.
Segundo o Pe. Georgino Rocha, foi “positivo o facto de a Comissão ter conseguido esta relação com os artistas aveirenses”, adiantando que esse contacto “vai ser intensificado com novas iniciativas”, e é também intenção “alargar não apenas aos artistas da cidade de Aveiro, mas a outras galerias que existem na diocese, e que se situam no âmbito da Pastoral da Cultura”.
Nesta exposição participaram diversos artistas plásticos, “explicitamente confessantes” ou não, com quem a Comissão Diocesana conseguiu contactar através das galerias e associações de artistas de Aveiro, e a quem, agora, quer agradecer o contributo dado. “Vamos ter um encontro com os que quiserem aparecer, para entregar a Carta do Papa ao Artistas, para lhes agradecermos o contributo que deram, e também para ver passos possíveis, na linha de outras exposições, e mediante o que o espirito criativo de cada um for sugerindo”, referiu.
“A partir do que eles disserem poderemos alargar a outras áreas das artes, e não apenas às Plásticas”, concluiu.
:
Fonte: Ecclesia

CUFC: Fórum::UniverSal

Quarta-feira,
3 de Maio, José Carlos Vasconcelos no CUFC
Liberdade de Imprensa:
informar ou deformar?
No CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura), junto à Universidade de Aveiro, vai ter lugar mais uma Conversa Aberta, integrada no Fórum::UniverSal. A Conversa vai ser na quarta-feira, 3 de Maio, pelas 21.30 horas, tendo por tema “Liberdade de Imprensa: Informar ou deformar?”. Como convidado para dissertar sobre o assunto estará presente José Carlos Vasconcelos, director do “JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias” e coordenador editorial da revista “Visão”. Tendo em conta que muito se tem falado sobre liberdade de imprensa, apontada, muita vezes, como direito absoluto, é oportuno sublinhar a importância deste tema no Fórum::UniverSal, que vai estar aberto a todos os interessados. O Fórum::UniverSal acontece todas as primeiras quartas-feiras de cada mês, pelas 21.30 horas, no CUFC, com organização desta instituição da Igreja Católica e da Fundação João Jacinto de Magalhães – Editorial UA. O apoio é do “Diário de Aveiro” e do Jornal www.ua.pt/uaonline.

quarta-feira, 26 de abril de 2006

Conferência Episcopal aprova estatutos do Santuário de Fátima

D. Carlos Azevedo
diz que este é um
momento histórico
A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) já aprovou os novos estatutos do Santuário de Fátima, para definir "a natureza jurídica de Santuário Nacional". Para o secretário da CEP, D. Carlos Azevedo, este é um "momento histórico".
Em declarações à Agência ECCLESIA, o prelado explicou que os estatutos fazem corresponder "ao relevo e significado do Santuário" um "enquadramento jurídico e pastoral", definindo a missão do Santuário "no acolhimento dos peregrinos e na vivência da mensagem de Fátima".
Nesse sentido, o documento tem, como anexos, textos relativos às aparições e à mensagem de Nossa Senhora, em Fátima."A piedade marial é, certamente, uma componente da vida religiosa dos portugueses e a importância que o Santuário adquiriu a nível internacional justificava este enquadramento", assinalou D. Carlos Azevedo.
O secretário da CEP revelou ainda que haverá um Conselho Nacional do Santuário de Fátima, o qual será constituído pelo presidente da CEP, os três Metropolitas do país (Arcebispo Primaz de Braga, Arcebispo de Évora e Patriarca de Lisboa), o Bispo de Leiria-Fátima e, como assessor permanente, o Reitor do Santuário.
Os estatutos definem "o modo como a CEP se articula com o governo directo e a orientação pastoral e a gestão do Bispo de Leiria-Fátima e do Reitor do Santuário"."O Conselho Nacional colabora com o Bispo de Leiria-Fátima e com o Reitor do Santuário em tudo o que possa contribuir para o bom funcionamento do Santuário de Fátima", disse D.Carlos Azevedo.
Existirão, ainda, dois órgãos de gestão: um Conselho de Pastoral e uma Comissão de Gestão Económico-Financeira. Em ambos estará também um representante da CEP.
O Conselho Nacional "estabelece um contributo anual para a Diocese de Leiria-Fátima e para a Conferência Episcopal Portuguesa".Os estatutos serão enviados à Congregação para o Clero, da Santa Sé.
:
Fonte: Ecclesia

Um artigo de Vicente Jorge Silva, no DN

25 de Abril: as surpresas de Cavaco
"Ignoro qual terá sido o propósito inicial de Cavaco e se, face à indiscrição do Expresso, optou por um desmentido cabal (a quantos desmentidos sucessivos sobreviverá o semanário mais influente do País?). Ignoro também se a outra óbvia previsibilidade de agenda - o pessimismo económico - não terá estimulado o Presidente a preferir um novo efeito de surpresa. O que não parecia estar, de todo, nas previsões foram o tema e o teor da mensagem de Cavaco Silva. Uma mensagem que teve ainda o condão de contrastar vivamente com a confrangedora banalidade dos discursos que ontem fizeram os representantes partidários, insistindo na retórica estafada de (quase) sempre, e dos quais apenas sobressaiu, pela qualidade e pelo sentimento da evocação histórica, o do presidente do Parlamento."
:

Um artigo de António Rego

Nova geração
de políticos Implacável é o tempo. Envelhece pessoas e factos, filtra histórias, reenquadra notícias, arrefece paixões, altera ângulos, abre panorâmicas, projecta luz, atravessa neblinas, cria e evapora mitos. Ingrato, por vezes, com heróis elege, por uma espécie de capricho, quem lhe apetece, para ser lembrado com emoção ou odiado por dever cívico. Perde tempo quem anda a juntar pedras para o seu monumento. A Revolução de Abril já se esfuma, como experiência, nas neblinas dos que não a imaginavam possível, foge aos afectos dos que estabeleceram directamente algumas sintonias com o seu espírito, perde-se raivosamente naqueles que mais directamente se envolveram e se julgam os únicos actores numa cena de aparência simples. Na realidade, ainda está por juntar e explicar a complexidade de factores que se conjugaram para que um acontecimento, ilusoriamente óbvio, correspondesse a uma fractura estrondosa das placas que sustentavam uma sociedade frágil e incerta face às mudanças que já se operavam no mundo. Poucos se aperceberam dessa correlação. Poucos sabiam alguma coisa e ninguém sabia tudo. E os heróis, tão vulgares como os cidadãos anónimos, não perceberam na sua grande maioria, no que se estava a desconstruir e a edificar quando se aventuraram a uma revolução com ferramentas entorpecidas. Sabiam dizer não a duas ou três coisas mas pouco entendiam dos subterrâneos telúricos que mudam a história. Nem por isso Abril deixou de ser para nós um marco decisivo do século XX. Uma nova geração recusa-se, de momento, a edificar o seu e nosso tempo, sobre esses dados. Acha, por isso, que os políticos em vigor, são fragmentos desse estrondo de sonhos e poemas, dessas baladas de palavras fortes, ideias desconexas, sons improvisados em vozes cansadas do passado. Há de facto uma nova geração que nada quer saber dessas idílicas quimeras e das cartilhas exaltantes de certa liberdade. Quer partir do agora e reportar-se a uma história mais alargada que se não estrangule em formulários revolucionários. A recente sequência de desaires parlamentares pode proporcionar uma reflexão sobre o excesso de anciãos de espírito que regem o nosso pequeno universo político. Não basta ter sabedoria, experiência e idade. É preciso energia interior renovada, mobilizadora e criativa. O protesto dos jovens tem razão de ser. Que sirva ao menos para refrescar os ideais e o entusiasmo dos mais velhos ou dos que continuam a partir dum passado cujos pressupostos pouco têm a ver com o mundo de hoje. Só lê bem a história quem junta inteligentemente todas as peças que a compõem. Homenagear Abril é colocá-lo na senda da evolução.

terça-feira, 25 de abril de 2006

25 de Abril na Assembleia da República

Cavaco Silva diz que há sinais de esperança em vilas e aldeias
do interior Nas comemorações do 25 de Abril, que decorreram na Assembleia da República, o Presidente da República, Cavaco Silva, garantiu que há sinais de esperança em vilas e aldeias do interior do País.
Adiantou que “Portugal precisa de olhar para esses sinais, identificar as boas práticas que os sustentam, reconhecer o esforço que os agentes económicos, sociais e políticos vêm desenvolvendo e, a partir daí, traçar um caminho para que todos se sintam responsáveis e mobilizados para a acção”. E Acrescentou: “Há que vencer os obstáculos que nos têm impedido de enfrentar com sucesso a dupla exclusão do envelhecimento e da pobreza que atinge as comunidades do interior de Portugal.” (Para ler todo o discurso, clique aqui)

Um poema de Sophia

25 de Abril Esta é a madrugada que eu esperava O dia inicial inteiro e limpo Onde emergimos da noite e do silêncio E livres habitamos a substância do tempo

25 de Abril

Portugal celebrou a revolução dos cravos
A revolução dos cravos foi celebrada hoje em Portugal com uma cerimónia na Assembleia da República e um pouco por todo o lado. Para gáudio dos mais idosos, dos que viveram, há 32 anos, a devolução ao povo português das liberdades fundamentais. Mas também para os que, na altura, estavam presos pela simples razão de quererem pensar e falar dos seus ideais de mais liberdade e de mais justiça social.
Os mais jovens não fazem ideia, de facto, do que era viver sem as liberdades inerentes à democracia, que não havia entre nós, nem do que era existir sem poderem manifestar as suas opiniões. Muito menos do que era sentir que não podiam participar na procura das melhores soluções políticas para o País e para os portugueses.
Hoje, que tudo isso é banal, sente-se que os portugueses vivem um pouco indiferentes às celebrações do 25 de Abril, talvez por falta do conhecimento pleno da importância histórica dessa data. Bom motivo, então, para que as escolas, as famílias, a comunicação social e as demais instituições assumam a obrigação de falar às gerações mais novas da revolução dos cravos de 1974.
F.M.

Livraria Bertrand em novo espaço

A maior livraria da Bertrand está em Aveiro Não pude estar na inau-guração da maior livraria da rede Bertrand por estar longe de Aveiro. Fui lá hoje e fiquei surpreendido pela ousadia que houve de criar na cidade dos canais um espaço que não pode deixar de entusiasmar os amantes dos livros e da leitura. Fica no Fórum e oferece livros para todos os gostos e para todas as idades. Há recantos para os leitores se debruçarem um pouco sobre as obras que pretendem adquirir e nem sequer falta um bar para o visitante tomar uma bebida. Ainda há jornais e revistas. Os livros estão bem expostos, mas os visitantes precisam de algum tempo para se familiarizarem com o espaço e para ficarem a saber onde podem descobrir a obra que pretendem. Eu fui lá para adquirir livros que tinha lido por empréstimo, há muitos anos, e que nem sempre se vêem nas livrarias que habitualmente frequento. Comprei "Poemas de Deus e do Diabo" de José Régio, "A correspondência de Fradique Mendes" de Eça de Queiroz e "Carta a um homem Religioso" de Simone Weil. Muitos outros por lá havia, mas não me faltarão ocasiões para me deliciar durante novas visitas e com novas compras de livros que me ficaram debaixo de olho.
F.M.

segunda-feira, 24 de abril de 2006

Hábitos de leitura

Portugal vai realizar estudos sobre mercado e hábitos de leitura

A ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, anunciou hoje o lançamento de dois estudos destinados a elaborar estatísticas sobre a publicação de livros em Portugal e os hábitos de leitura dos portugueses.

A ministra falava aos jornalistas durante uma visita às unidades de pediatria dos hospitais São Francisco Xavier, em Lisboa, e Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), por ocasião do Dia Mundial do Livro, em que esteve acompanhada pelo ministro da Saúde, António Correia de Campos. Um dos estudos a lançar pelo Ministério da Cultura, através do Instituto Português da Biblioteca e do Livro, em articulação com o Instituto Nacional de Estatística, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros e a União dos Editores Portugueses, prevê a publicação, com regularidade, de dados sobre as tiragens e vendas para se conhecerem os números do mercado do livro. O outro estudo vai debruçar-se sobre os hábitos de leitura, uma vez que não existe um trabalho actualizado neste sentido. Esta iniciativa, no âmbito do Plano Nacional de Leitura, envolve os ministérios da Cultura, dos Assuntos Parlamentares e da Educação e vai ser publicamente divulgada a 2 de Junho. No próximo ano, o Ministério da Cultura vai também criar um prémio de edição para distinguir a qualidade das edições em termos gráficos, técnicos e estéticos. Uma fonte do Ministério da Cultura disse à Lusa que este prémio já existe em muitos países e que vai ser lançado em Portugal pela primeira vez. Questionada pelos jornalistas, a ministra da Cultura rejeitou a ideia de Portugal continuar na cauda da Europa relativamente à leitura. "Não sei se estamos na cauda da Europa, isso é um lugar comum, nós conhecemo-nos mal. Hoje anunciamos aqui o lançamento de dois estudos porque não há estatísticas", afirmou a governante. Isabel Pires de Lima admitiu ainda que faltam sempre livros em todo o lado, até nas bibliotecas, afirmando que o ministério está a promover sistemas de apoio para a compra de livros na rede de bibliotecas públicas.

:

Fonte: "PÚBLICO" on-line

Um artigo de Alexandre Cruz

Abrir as portas
do coração! De portas fechadas, sejam as das casas ou as do coração, não se vai a lado algum. Cristo ressuscitado ultrapassa essas barreiras da ordem do físico e faz-nos ver bem mais longe. Com as portas fechadas, e cada um fechado em si mesmo a afundar-se nas águas do medo (eles lá estavam com medo dos judeus), não há qualquer futuro. Nascemos de portas abertas ao Outro e aos outros! A certa altura, em comunidade (eles) sabem orar, celebrar, partilhar! Os efeitos aí estão: sentem a companhia especial, apaga-se a solidão e o desespero, sentem em seu coração a voz abundante do mesmo Jesus que diz: “A Paz esteja convosco!”. Não é uma paz uma paz estática. É uma paz insistente (três vezes), dinâmica, uma chama de paz a reclamar compromisso (“também eu vos envio a voz”). É uma paz que sabe vencer a dúvida, mas que acima de tudo sabe enfrentá-la com a coragem de quem procura a verdade plena. Ainda bem que Tomé, falando em nome dos Doze e em nome das nossas dúvidas, soube duvidar e querer conversar com Jesus mais profundamente; graças a Deus que Tomé nos ajuda a abrir as portas do nosso coração, rebentando com as fronteiras físicas do tocável para vermos o “invisível”. Agora sim, já entendemos! Essa força redescoberta como efeito da FÉ, a Paz, move então toda a vida dos Apóstolos. Sentem o Senhor com eles; renovam, no primeiro dia da semana, o seu compromisso em comunidade que gera “força”. Com esta luz interior, movidos pelo Espírito do Senhor, então já entendemos o que acontece no Actos dos Apóstolos: são a continuação da “presença” de Jesus. Quem dera que cada Pessoa abra, humildemente, as portas do seu ser pessoal para, em Comunidade, colocar a vida em comum e assim ser possível a Páscoa em cada dia! Ajuda-nos, Senhor, nesta essencial missão de Verdade e Paz! Abre-nos, sempre mais, as portas do coração à Tua feliz presença!

domingo, 23 de abril de 2006

Um artigo de Anselmo Borges, no DN

Maria Madalena nos textos canónicos
Pela mão de Dan Brown, com o romance O Código da Vinci, Maria Madalena, identificada com o Santo Graal, tornou-se uma figura dominante. De repente, com a "tese" do casamento de Jesus e Maria Madalena, parecia que era possível finalmente encontrar a descendência carnal de Jesus.
Para lá da acção vertiginosa bem urdida, o sucesso do livro dever-se-á também ao facto de pretender responder a uma curiosidade legítima: como poderá ter sido a vida sexual de Jesus? Mas é bom prevenir que se trata de uma obra de ficção. Quem aceitou a obra de Brown como documento histórico caiu numa patranha. Há sempre quem goste de ser enganado!
O que pode saber-se sobre Maria Madalena através dos textos canónicos, isto é, dos que foram oficialmente aceites pela Igreja? É preciso, antes de mais, desfazer um equívoco. Corre a imagem habitual de Madalena como prostituta arrependida e penitente. Conta a lenda que ela fugiu com um soldado romano e que, depois de repudiada, foi violada por outros soldados. Jesus teria expulsado os demónios do seu corpo e ela, abandonando a prostituição, seguiu o Mestre. Há aqui uma associação entre possessão demoníaca e sexualidade.
Foi Gregório Magno, papa entre 590 e 604, que, misturando as várias figuras femininas do Evangelho, deu a Madalena o epíteto de prostituta, que de facto não foi. Esta confusão deve ser lida no contexto do processo de incremento da negatividade da figura da mulher na Igreja. "A que Lucas chama 'a pecadora', a que João nomeia como 'Maria', são a mesma, cremos nós, que a Maria de quem, segundo Marcos, foram retirados sete demónios", disse o papa. E assim Madalena ficou na História como a prostituta arrependida que passou o resto da vida em penitência.
:
(Para ler todo o artigo clique aqui)

Semana sem televisão

Semana sem televisão de 24 a 30 de Abril
Durante a próxima semana a associação norte-americana TV Turnoff Network convida todas as pessoas do mundo a viver de uma forma diferente, sem ver televisão. De 24 a 30 de Abril, o organismo tenta, pela décima segunda vez, organizar um movimento de abstinência televisiva, avança o Público este domingo. Com esta iniciativa, a TV Turnoff e as mais de 70 organizações que a apoiam pretendem combater a teledependência, levando os espectadores a reflectir sobre o ascendente da caixa no seu quotidiano. Fundada em 1994 nos EUA, a organização tenta espicaçar os espectadores e despertar consciências para os malefícios da televisão. A lista é grande e grave: obesidade, o insucesso escolar e o pouco tempo passado em família. A iniciativa começou em 1994 nos EUA mas desde 1999, depois de ter sido publicitada pela revista AdBusters, a semana de abstinência televisiva transformou-se num fenómeno internacional ao nível de outras acções de boicote como o Buy Nothing Day (dia sem compras).
Hoje, é uma semana assinalada em todo o mundo, incluindo Portugal onde é responsabilidade do Grupo de Acção e Intervenção Ambiental (GAIA). Os protestos do grupo passam sobretudo pela emissão de cartazes e brochuras e uma possível sessão de discussão. No ano passado, segundo dados da Marktest/Mediamonitor, cada português viu uma média diária de três horas e meia de televisão. Em 95,6% dos lares nacionais existe pelo menos um aparelho, e 70,6% deles possui dois televisores, a maior percentagem de entre os países membros analisados pelo Observatório Europeu do Audiovisual, entidade que fornece estes dados.
:
Fonte: Diário Digital

Gotas do Arco-Íris - 14

... QUE SERIA DO AMARELO!
Caríssimo/a: Pois é verdade, 'se não fossem os gostos, que seria do amarelo'? De facto, o amarelo é assim como que um pobrezinho enjeitado na paleta das cores... Nanja para mim, que ... pois mas é o meu gosto... Nesta quadra pascal, recebi umas palavras que não resisto à tentação de transcrever: “...'sorriso amarelo'. Por acaso pensei, ao ler esta frase, que se tratava da influência da cor amarela dos folares que eu já não conheço, com o verdadeiro amarelo dos ovos das galinhas da Ti Madalena Russa, minha Mãe. ...” Que mundo de recordações para os rapazes e as raparigas da minha idade!...Folares, ovos da Páscoa (...eram de galinha..., cozidos com casca de cebola e recozidos no forno com os folares...). Sei que alguns de nós ainda podemos gozar essa maravilha; outros, como eu e o Manuel Ribau (o tal filho da saudosa senhora que conhecíamos pelo nome de Ti Madalena Russa...) ficamo-nos pela imaginação... (felizes os nossos netos se puderem imaginar o que e como nós ...). Mas cuidado, que o excesso de ovos pode provocar aquela terrível exclamação: - Estás amarelo como cera! Se tudo estiver bem com a nossa saúde, comamos (ou imaginemos...) o nosso pão de ló amarelinho... E por que não, mais um ovo cozido, pintado de amarelo, com a flor da giesta... E muito mais poderíamos conversar à volta do amarelo, no mundo da fantasia ou no da realidade... Caminhando entre os dois, deixo aqui um provérbio que encontrei e que para muitos estará pintado de alguma novidade: “Antes minha face com fome amarela, que vergonha nela.” Manuel

sábado, 22 de abril de 2006

Citação

“O Governo e todos nós queremos que isto mude, que isto melhore mesmo. Mas para isso não basta criar o clima de que ‘estamos numa boa’ ou para lá caminhamos, pois esse momento não só vem muito longe como, sobretudo, todos os citados relatórios mostram que nos devemos preparar para mais dias difíceis e, sobretudo, para quebrar um tabu: há muitos ‘direitos adquiridos’ que, se não terminarem depressa, não haverá solução para o país. O que o Governo tem de começar a dizer já é o que ontem aqui escrevia José Miguel Júdice: os sacrifícios vão continuar e até aumentar; há muitas expectativas que serão incumpridas; não chega acabar com privilégios, vai ser necessário acabar com modos de vida que até são apenas medianos. Ou mudamos ou rebentamos – e só esperamos que os portugueses o não percebam tarde demais. Tal como esperamos que, batendo a crise forte, haja por fim predisposição para alterar hábitos.”
José Manuel Fernandes,
no Editorial do “PÚBLICO" de hoje

DIA DA TERRA

Quercus aponta
os cinco pecados
ambientais portugueses
Portugal continua a ter um mau desempenho a nível ambiental, continuando a praticar cinco grandes "pecados ambientais" - elevadas emissões de gases produtores do "efeito de estufa", erosão costeira, perda gradual da biodiversidade, excesso de construção e enorme desperdício de água - acusou hoje a associação ambientalista Quercus, no âmbito do Dia da Terra. Em comunicado, aquela organização denuncia a manutenção, em Portugal, de elevadas emissões de gases produtores do "efeito de estufa", contribuindo para o aquecimento global e para alterações climáticas, "provavelmente o maior problema do século XXI".
Recordando o Protocolo de Quioto, assinado por países de todos os continentes para tentar limitar as emissões de cada nação, a Quercus lamenta que Portugal seja "dos [países] que apresentam maior distância em relação ao objectivo".
As emissões portuguesas rondam, segundo os cálculos da organização, os 40 por cento acima das de 1990, quando, de acordo com o Protocolo de Quioto, deveriam quedar-se nos 27 por cento, e só nos últimos dois anos subiram 1,5 por cento.
O segundo "pecado" apontado pela Quercus é o da erosão costeira, que nos últimos anos atingiu em alguns locais nove metros por ano, um problema que afecta 28,5 por cento da extensão da costa nacional, principalmente no Norte e Centro.
:
(Para ler mais, clique aqui)

António Marto é o novo Bispo de Leiria-Fátima

Bento XVI aceitou a renúncia do governo pastoral da diocese de Leiria-Fátima, apresentada por D. Serafim Ferreira e Silva, segundo o cân 401§1 do Código de Direito Canónico, e nomeou, como seu sucessor, D. António Augusto dos Santos Marto, até agora bispo de Viseu.
A notícia foi dada a conhecer pela Santa Sé, neste Sábado 22 de Abril, precisamente, dois anos depois de D. António Marto ter sido nomeado, por João Paulo II, bispo da diocese de Viseu.
:::
O recém-nomeado Bispo de Leiria-Fátima nasceu a 5 de Abril de 1947, em Tronco, Concelho de Chaves. No Seminário da Diocese, Vila Real, fez os estudos humanístico-teológicos, que prosseguiu no Seminário Maior do Porto. Já em Roma, foi ordenado presbítero a 7 de Novembro de 1971. Aí prosseguiu estudos de especialização em Teologia Sistemática na Pontifícia Universidade Gregoriana (de 1970 a 1977) onde fez a licenciatura e o doutoramento, que concluiu com a tese sobre “Esperança cristã e futuro do homem. Doutrina escatológica do Concílio Vaticano II”.
Quando regressou a Portugal, nesse ano de 1977, dedicou-se à formação no seminário da Diocese do Porto e, sobretudo, ao ensino superior: foi Prefeito no Seminário Maior do Porto; professor de Teologia do Instituto de Ciências Humanas e Teológicas-Porto, no Centro de Cultura Católica do Porto, na Faculdade de Teologia da Universidade Católica (Centro Regional do Porto, nomeadamente) e na Faculdade de Direito da UCP.
Antes da ordenação episcopal, era Director-Adjunto da Faculdade de Teologia da UCP, no Núcleo Regional do Porto, Sócio da Sociedade Científica da UCP e da Associação Europeia de Teólogos Católicos. Colabora nas revistas “Humanística e Teológica”, “Communio” e “Theologica”.
Das suas actividades pastorais, destacam-se: colaborador regular na paróquia de Nossa Senhora da Conceição, no Porto, e na paróquia do Bom Jesus de Matosinhos. Trabalhou com o Movimento de Estudantes Católicos (MCE) e com a Liga Operária Católica (LOC).
Trabalhou também na catequese de adultos , na Diocese do Porto e, em colaboração com D. Manuel Pelino, publicou o livro “Catequese par ao Povo de Deus”, em 2 volumes.Nomeado para Bispo Auxiliar de Braga, com o título de Bladia, a 10 de Novembro de 2000, a ordenação episcopal celebrou-se na sua Diocese Natal, em Vila Real, a 11 de Fevereiro de 2001, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição.
No dia 22 de Abril de 2004 foi nomeado Bispo de Viseu.Desde 2002, assegura a presidência da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e a Doutrina da Fé. Foi um dos dois Bispos portugueses presentes no Sínodo dos Bispos, em Outubro de 2005.
:
Fonte: Ecclesia

Para rir..

Os melhores anúncios
dos placard’s paroquiais
Asseguram que são textos reais, escritos em paróquias autênticas; o riso, certamente, será autêntico. Alguém se dedicou a copiar alguns avisos de placard’s paroquiais e a fazê-los circular pela Internet. É uma chamada de atenção para o que se escreve e como se escreve nas nossas igrejas! ANÚNCIOS PAROQUIAIS Para quantos de entre vós têm filhos e não o sabem, temos um espaço preparado para as crianças. Recordai na oração todos aqueles que estão cansados e desconfiam da nossa paróquia. O torneio de basquet das paróquias continua com a partida da próxima quarta-feira à tarde: vinde animar-nos, enquanto procuramos derrotar Cristo Rei. Por favor, metei as vossas ofertas dentro de um sobrescrito, juntamente com os defuntos que quereis fazer recordar. O pároco acenderá a sua vela na do altar. O diácono acenderá a sua na do pároco e, voltando-se, acenderá um a um todos os fiéis da primeira fila. Quarta-feira à tarde, ceia à base de feijocas no salão paroquial. Seguir-se-á o concerto. O custo da participação na reunião sobre “oração e jejum” inclui as refeições. O grupo de recuperação da confiança em si mesmos reúne-se na quinta-feira, às 7 da tarde. Por favor, usai a porta de trás. Na sexta-feira, às 7 da tarde, as crianças do Oratório representarão “Hamlet” de Shakespeare, no salão da igreja. A comunidade está convidada a tomar parte nesta tragédia. Queridas senhoras, não esqueçais a venda de beneficência! É um bom modo de vos libertardes das coisas inúteis que estorvam em casa. Trazei os vossos maridos. O coro das pessoas de sessenta anos dissolver-se-á durante todo o Verão, com o agradecimento de toda a paróquia. Na quinta-feira, às 5 da tarde, haverá uma reunião do grupo das mamãs. Roga-se a todas as que queiram fazer parte das mamãs que se dirijam ao pároco no cartório paroquial. Tema da catequese de hoje: “Jesus caminha sobre as águas”. A catequese de amanhã: “À procura de Jesus”.
:
Nota: Texto enviado por um amigo, via Net

sexta-feira, 21 de abril de 2006

Cardeal Martini: preservativo é um "mal menor"

Cardeal Martini defende o uso do preservativo
como "mal menor" El arzobispo emérito de Milán, el cardenal Carlo Maria Martini, ha defendido hoy el uso del preservativo como "mal menor" en las relaciones sexuales entre parejas casadas en las que uno de los dos tenga el sida. Pese a los matices, la postura de Martini se opone a los postulados que de siempre ha mantenido la Iglesia Católica y que Benedicto XVI ha refrendado desde el comienzo de su papado.
En una entrevista con el prestigioso médico italiano Ignazio Marino en las páginas del semanal L'Espresso, el jesuita de 79 años y representante de la corriente progresista en la Iglesia ha dicho que "es necesario hacer todo lo posible para combatir el sida". "Ciertamente –ha apuntado-, el uso del preservativo puede constituir en algunas situaciones el mal menor". "El esposo aquejado de sida está obligado a proteger a su pareja y éste también debe poder protegerse", ha explicado. "Creo que la prudencia y la consideración de las diversas situaciones locales permitirá a cada uno -Iglesia y autoridades- contribuir eficazmente en la lucha contra el sida sin favorecer con ello los comportamientos no responsables", ha resumido.
:
(Para ler mais, clique El Pais)

D. Manuel Clemente na antiga Capitania

Eng. Carlos Santos, representante da CMA,
D. Manuel Clemente e D. António Marcelino
: A arte cristã
é a manifestação
de Cristo na arte
“A arte cristã é a manifestação de Cristo na arte.” Esta foi uma das muitas afirmações de D. Manuel Clemente, Bispo Auxiliar de Lisboa, na conferência que proferiu na sede da Assembleia Municipal, antiga Capitania de Aveiro, ontem, acção que foi amplamente divulgada. A presença de D. Manuel veio enriquecer a exposição “Sentido da vida: Que horizontes?”, organizada pela Comissão Diocesana da Cultura, em parceria com a associação AveiroArte e a Câmara Municipal de Aveiro, que cedeu o espaço. O Bispo Auxiliar de Lisboa sublinhou, ao longo da sua comunicação, que “Cristo na vida é melhor que vida cristã”, enquanto recordou o célebre testemunho de S. Paulo, quando afirmou, na Carta aos Gálatas: "já não sou eu que vivo; é Cristo que vive em mim.”
D. Manuel lembrou que a representação de Cristo e de outros símbolos da divindade não foram momentos pacíficos na história, mesmo entre cristãos, não obstante “o próprio Deus se representar em Jesus Cristo”. Ao longo dos séculos, porém, foram muitíssimos os artistas que se debruçaram sobre a temática religiosa, crentes ou não crentes, tanto nas artes plásticas como na literatura, tanto na música como na arte cénica e na arquitectura. No período de perguntas e respostas, D. Manuel Clemente referiu que é fundamental valorizar a educação estética e aprender a encontrar a grandeza da arte na pequenez das coisas. Afirmou que há imensas expressões plásticas de que as pessoas nem sempre se apercebem, e que os nossos templos e símbolos religiosos, carregados de sentido, precisam de ser muito mais conhecidos. Considerou ainda que é importante dar razões de esperança através da arte, mas não deixou de frisar, citando o Cardeal Martini, que “a beleza que salva o mundo é o amor que partilha a dor”. Fernando Martins

Padre Vaz Pinto fala à Agência Ecclesia

Pe. António Vaz Pinto, o mentor dos "Leigos para o Desenvolvimento", espera uma consciência colectiva da neces-sidade de apoio aos países em vias de desenvolvimento
Portugal tem fraca
tradição de voluntariado
Movimento missionário, claramente cristão e católico, os «Leigos para o Desenvolvimento» comemoraram recentemente 20 anos de fundação. Nascido para ir ao encontro de populações e povos em vias de desenvolvimento, foi novidade no país. Em entrevista à Agência ECCLESIA, o sacerdote Jesuíta António Vaz Pinto, recorda as origens e avalia o presente.
:
Agência ECCLESIA – Como é que nasceram os «Leigos para o Desenvolvimento»?
Pe. António Vaz Pinto – Eu estava em Coimbra a dirigir o Centro Universitário Manuel da Nóbrega (CUMN), quando em contacto com alunos dos últimos anos, de várias faculdades, eles se questionavam: o que vamos fazer a seguir? Curiosamente, quando fui para Lisboa fundar o Centro Universitário Pe. António Vieira (CUPAV), encontrei um grupo de pessoas com a mesma preocupação. “Vamos apenas ganhar dinheiro, fazer carreira? Não poderemos nós usar os nossos talentos ao serviço de uma causa mais nobre e, provavelmente, em relação aos países de língua portuguesa?” A ideia foi germinando... começaram a fazer-se os estatutos para obter personalidade jurídica e a dar a formação adequada. Foi um processo lento. Nessa altura, em Angola e Moçambique, havia guerras tremendas, e por isso não valia a pena pensar ir para esses países. Pareceu-nos que, ideal seria partir para São Tomé e Principe, com o acordo dos bispos locais. Foi então que partiu o primeiro grupo de seis voluntários, iniciando uma longa caminhada. Hoje, vinte anos depois, já são cerca de 250, os que partiram e voltaram.
:
(Para ler mais, clique aqui)

Jovens em Taizé, na Páscoa

Onze mil jovens durante as férias da Páscoa em Taizé
Durante as férias da Páscoa, 11 000 jovens de vários países da Europa e também de outros continentes sucederam-se em Taizé para participarem nos encontros internacionais. Entre os inscritos estavam mais de 5000 jovens alemães, 2700 franceses, várias centenas de portugueses, de espanhóis, de italianos e de escandinavos.
Durante a celebração de Sábado Santo, o primeiro irmão de nacionalidade húngara fez o compromisso para toda a vida na comunidade.
Nos próximos dias, alguns irmãos de Taizé partirão para Zagreb, para prepararem o vigésimo nono encontro europeu de jovens, o primeiro na Croácia, que terá lugar de 28 de Dezembro de 2006 a 1 de Janeiro de 2007.
Outros irmãos de Taizé irão a Calcutá, para prepararem um encontro asiático que terá lugar de 5 a 9 de Outubro de 2006.
:
fonte: Ecclesia

Um artigo de Alexandre Cruz

A força
do exemplo 1. Para o bem e para o mal, o exemplo cria laço, contagia, gera influência. O “exemplo”, que no sentido positivo contém em si a noção do “dever”, permite o passar do testemunho, a continuidade daquilo que se considera importante. Falar do “exemplo” é salientar bem alto que a força dos gestos e atitudes é muito mais forte que o volume das palavras. Em todos os contextos educativos, e a sociedade em geral é sempre a comunidade maior que capta o “sinal” do exemplo que vem de cima, se às palavras não correspondem os actos então o discurso cai por terra gerando um pesado mau estar. A célebre frase, que entrou na gíria popular, “olha para o que ele diz e não olhes para o que ele faz”, sublinha claramente que a incoerência entre as palavras e os actos, não sendo expressão de vida com autenticidade, descredibiliza cabalmente todas as boas intenções proclamadas teoricamente. Nestas coisas, como na defesa das “causas”, o “tempo”, enquanto sinal de resistência e convicção profunda, será o grande eixo de verdade pois as palavras sem os exemplos, acabarão por desabar; já ao contrário ideias com acções fazem persistir o caminho dos ideais, até no vencer das tempestades e inquietações da própria vida. 2. As coisas são simples e claras: o aluno olha para o educador professor, o filho para o exemplo do pai, o cidadão para o gestor da cidade, o eleitor olha para o deputado que elegeu. E este facto tão simples e natural não significa “criticismo”, significa natural hierarquia e noção de expectativas e dos deveres do educando em relação ao educador. Mal vai quando, porventura, o educador já se esqueceu do seu papel!… Claro que, seja qual for a dimensão do exemplo caberá à pessoa concreta (e acima de tudo) não a pura repetição (era o que faltava, cada Pessoa vai em si mesma construindo a síntese da sua vida com as referências e critérios que considera mais significativos); caberá a cada um considerar o que estará em conformidade com os ideais nobres que defende e o que, porventura, não estará em sintonia com o dever da função que representa. Ou seja: o pai não se pode esquecer do filho, o professor do aluno, o deputado do cidadão que o elegeu. No caso de esquecimento, rapidamente perdeu a sua identidade, deitando a perder, descredibilizando e desorientando aquilo que se considera o bem de todos, construído a partir da função de cada um. 3. Caso existam dúvidas, e para temperar com valor e dignidade os tempos da exacerbada liberdade, nem tudo será assim tão relativo em que cada um faça o que bem “quer” e entende. Querer, conscientemente, implicará dever (sem moralismos) em relação às responsabilidades assumidas. Caso assim não seja, então vale tudo…e nessa circunstância estaremos bem perto da desumanização, próximo do fim. A noção de “ética da responsabilidade”, para todos os quadrantes da vida pessoal e da sociedade, apresenta-se, assim, como o farol de referência para conseguirmos chegar a bom porto. Essa ética, qual tesouro que cria e apura sensibilidade e bom senso na vida em comunidade, cria imperativos de consciência, inalienáveis, que de todo jamais poderão perder a sua força. E se na vida pessoal (embora todos cidadãos do mundo!), cada um, naturalmente, fará o percurso e caminho que se sentir chamado a realizar, todavia, no que diz respeito à representatividade, ao serviço ao bem comum através da actividade política, então apura-se fortemente a noção da responsabilidade exigida, e na sua falta, a grave inquietação sobre “onde estão as referências que terão de vir de cima?!” 4. As pessoas, que vivem tempos tão difíceis e de muita exigência, e que lutam todos os dias (tendo uma grande multidão, por múltiplas causas, o salário mínimo nacional), não podem compreender o que se passou no parlamento na passada semana. E para ajudar à festa, as diversas justificações (que dão o sintoma do hábito)… O discurso está inquinado à partida, assim não vamos lá! Há muito ruído, e “sem obras” a mensagem não passa. Precisamos, e para credibilidade do “sistema”, de contributos eloquentes de espírito de serviço e de entrega exigente e abnegada, também especialmente dos que foram eleitos pelo povo. E tudo isto sem nunca generalizar (com toda a delicadeza nunca generalizamos, mas este “sinal” fruto do sentir do dia-a-dia parlamentar perturba), até porque ainda bem que em muitíssimas instituições públicas, escolas, universidades, hospitais, IPSS, empresas, entidades culturais,… não se segue esse mau exemplo (assinado e faltado) que veio de cima. Não será uma questão de mais e mais legislação para controlar as faltas no parlamento, meu Deus, como estamos tão longe…! Será uma questão essencial da consciência do imperioso dever de cada eleito, do serviço e de sofrer (um pouco mais que seja) com os sacrifícios dos portugueses. E os mínimos desta empatia com o Povo é a responsabilidade de estar presente em físico e em espírito dando palavras e acções que sejam contributo positivo para o país. Nesta realização, todas as horas e todos os dias de trabalho (como ao comum dos portugueses) são importantíssimos. Ou não será assim?!

Um artigo de Maria José Nogueira Pinto, no DN

"Todas as línguas que fazem a nossa"
Domingo de Ramos, cidade de São Paulo, meio-dia, um sol a pique, paulistas, de diversas idades, classes sociais e raças, fazem fila para comprar o bilhete de acesso ao Museu da Língua Portuguesa, recentemente inaugurado e instalado no edifício da estação da Luz.
As grandes faixas afirmam peremptoriamente que "a língua é o que nos une". Deve ser porque acreditam que assim é que ali estão disciplinados, pacientes, alegres, gastando as horas de domingo e os reais do bolso, comprando um picoli ou um guaraná que a famosa "economia paralela" põe à disposição da fila, com rápido e eficaz sentido de negócio.
Também lá estou. Unida por maioria de razão. Curiosa e interessada mais ainda, se possível, por ter lido de rajada três autores lusófonos, fascinada com a riqueza que trazem à minha (nossa) língua, que assim vai ganhando sons, cheiros, formas, uma plástica riquíssima sem nunca perder a matricial gestação: Nélida, Chico Buarque, Pepetela, Vozes do deserto, Budapest, Os Predadores.
Sei, como Auro Dicério, que a nossa matéria-prima é a palavra. Nosso som, nossa senha, nosso sentido, nossa argamassa.
Sei, como Pessoa, que a língua é a minha Pátria. Sei como Guimarães Rosa que a linguagem e a vida são uma coisa só. E que a linguagem corre através da vida, e a vida molda a linguagem. E os escritores são os que dão, a cada palavra, o seu momento de respiração, e na escolha da palavra certa, a agarram definitivamente a um sentir colectivo.
:
(Para ler todo o artigo, clique aqui)

quinta-feira, 20 de abril de 2006

Um livro do jornalista António Marujo

Livro sobre Papa Bento XVI aborda diálogo inter-religioso e o maior cuidado na nomeação de bispos
«Um Papa (In)esperado»
::
::
O livro «Um Papa (In)esperado», de António Marujo, que identifica alguns sinais do que será o pontificado de Bento XVI, tais como o diálogo inter-religioso e o maior cuidado na nomeação de bispos, é hoje lançado, em Lisboa. No prefácio, o jornalista do Público especialista em informação religiosa, explica o título da obra confessando que o inesperado começou há um ano, quando do conclave que se iniciou a 19 de Abril para a eleição do novo líder da Igreja Católica, sucessor de João Paulo II. O cardeal Joseph Ratzinger não era a opção do autor entre os 115 elegíveis, que esperava antes a escolha «mais natural» de um representante da América Latina, porque «ali vivem actualmente cerca de 500 milhões de católicos (quase metade dos 1.100 milhões do mundo inteiro)». Na obra, António Marujo ressalva que este livro não tem como objectivo fazer um balanço de um ano de exercício do Papa, nem de tentar adivinhar como será a sua continuação. Mas dos textos e discursos apresentados por Bento XVI neste período, considera possível «tentar perscrutar o que pode ser o pontificado», identificando alguns sinais mais evidentes prenunciadores do futuro da liderança da Igreja Católica.
:
(Para ler mais, clique Portugal Diário)

destaque

NATUREZA NA MINHA TEBAIDA

Gosto da natureza… Quem não gosta?! Gosto tanto, que nem prescindo dela. E se possível, ou quando possível, instalo-a ao pé de mim, para...