quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Darwin e o Génesis

Papa promove debate
Darwin e o Génesis:
regresso ao passado?
O anunciado encontro de Bento XVI com os seus antigos estudantes de Teologia em Castel Gandolfo, para discutir questões relativas à evolução darwinista e à Criação tem gerado um crescente interesse, com várias teorias a serem atiradas ao público. Darwin e a Igreja têm encontro marcado entre 1 e 3 de Setembro, num colóquio à porta fechada. Os antigos alunos de doutoramento de Joseph Ratzinger reúnem-se, mais uma vez, em volta do seu mestre e personalidades como o presidente da Oesterreichichen Akademie der Wissenschaften, Herbert Mang, o jesuíta Paul Elbrichk, professor de filosofia em Munique, ou o filósofo Robert Spaemann. Um dos mais destacados participantes é o Cardeal Christoph Schoenborn, voz activa no debate em curso há vários meses sobre o assunto. O Arcebispo de Viena criticou duramente, no ano passado, “o evolucionismo no sentido do neo-darwinismo – um processo não planeado, sem guia e de selecção natural” num artigo escrito para o New York Times. Mais recentemente, em entrevista à Rádio Vaticano, o Cardeal austríaco disse que “se tudo for fortuito, a vida não tem sentido”, precisando que “nem todas as explicações da evolução, do devir do mundo, da vida ou do homem são compatíveis com a fé”.
:
Leia mais em Ecclesia

Capela do Forte

Posted by Picasa

Capela de Nossa
Senhora dos Navegantes
::
“No Forte, freguesia da Gafanha da Nazaré, começou a ser construída em 3 de Dezembro de 1863 a capela de Nossa Senhora dos Navegantes, sob a direcção do exímio engenheiro Silvério Pereira da Silva, a expensas dos pilotos da Barra, sendo então piloto-mor um tal senhor Sousa. Custou 400$000 réis. Na parede está fixada uma lápide que diz: «Património do Estado». Há de interessante e invulgar nesta capela as suas paredes ameadas e a ombreira da porta principal, de pedra de Ançã, lavrada em espiral com arco em ogiva. Celebra-se a sua festa na última segunda-feira de Setembro com enorme concorrência de forasteiros das Gafanhas, de Ílhavo, Aveiro e Bairrada. Nesse dia Aveiro é um deserto por se terem deslocado para ali muitos dos seus habitantes. A procissão ao sair do templo segue por sobre o molhe da Barra e regressa pela estrada do sul que vem do Farol. A festa é promovida pela Junta Autónoma da Barra.” In “Monografia da Gafanha”, do padre João Vieira Rezende, 2ª edição, 1944 :::: Algumas considerações A memória, que todos temos de tudo e de mais alguma coisa, pode reconstruir-se por muitos modos: Pela consulta de documentos e de escritos que os nossos antepassados nos deixaram; por literatura, mesmo de ficção, que nos dá imagens, normalmente expressivas, do viver e do pensar do povo; por experiências pessoais que em jeito de diário alguns costumam registar; por fotografias ou pinturas que ilustram hábitos vividos pelos homens e mulheres que nos antecederam; por conversas com gente que tem muito para contar, e que a maioria das vezes leva para a eternidade estórias dignas de serem recontadas e conhecidas; por filmes e outros registos que estão perdidos ou esquecidos nos arquivos oficiais e particulares. Enfim, a história dos usos e costumes de pessoas e comunidades está por aí à espera de ser reescrita ou divulgada. Que esta transcrição da "Monografia da Gafanha", que aqui ofereço, possa servir como ponto de partida para o estudo da história da festa em honra de Nossa Senhora dos Navegantes, que em breve se vai realizar. São os meus votos.
Fernando Martins

Direitos Humanos

Na Biblioteca Municipal de Aveiro
"25 anos a defender
os direitos humanos"
No hall da Biblioteca Municipal de Aveiro está patente ao público, até ao final de Setembro, uma exposição da Amnistia Internacional que pretende alertar a comunidade aveirense para o constante desrespeito dos direitos humanos no mundo.
Promovida pelo Núcleo de Aveiro da Amnistia Internacional, em colaboração com a Biblioteca Municipal de Aveiro, a exposição intitula-se “Amnistia Internacional - 25 anos a defender os Direitos Humanos em Portugal” e mostra um pouco do que tem sido a actividade, em Portugal e no mundo, daquela instituição internacional de defesa dos direitos humanos, fundada no Reino Unido e já galardoada com o Prémio Nobel da Paz.
De 23 a 29 de Setembro, irá decorrer a Semana Aveirense de Direitos Humanos, evento multicultural de promoção da educação e de defesa dos direitos humanos, promovida pelo Núcleo de Aveiro da Amnistia Internacional.
:
Fonte: Correio do Vouga

Rendimento Social de Inserção

Boletim Estatístico aponta para 225 mil pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção
"A SUBSIDIARIEDADE
DEVE GERAR INCLUSÃO"
Mais de 225 mil pessoas recebiam o Rendimento Social de Inserção no passado mês de Maio, segundo dados constantes no Boletim Estatístico da Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento divulgado ontem. Este número refere-se às pessoas que beneficiaram do Rendimento Mínimo Garantido, lançado no governo de António Guterres, e às que beneficiam do agora chamado Rendimento Social de Inserção. “Houve de facto um aumento, mas esta soma deve ser esclarecida para não sermos demasiado alarmados” refere o padre Agostinho jardim Moreira, presidente da direcção em Portugal, da Rede Europeia Anti – Pobreza (REAPN). “É importante ver é que houve um aumento significativo na região do Porto” refere, atingindo quase o dobro de Lisboa. “Aqui se reflecte a falta de emprego, com o fecho de várias fábricas, a fraca qualidade profissional das pessoas, a falta de formação e capacidade económica” salienta. O Porto é o distrito que tem o PIB menor no país, tornando-se assim a zona mais pobre. “Assiste-se a uma crise económica onde as pessoas não são incluídas na vida activa” refere.
:
Leia mais em Ecclesia

quarta-feira, 30 de agosto de 2006

Um artigo de D. António Marcelino

Educar ainda
é possível? Um novo ano escolar começa com o bulício de milhares de alunos, a perplexidade e a desilusão de muitos professores, a preo-cupação e a meia indiferença de muitos pais, as interrogações de gente atenta aos problemas do país, mormente aos da educação.Alguém que de há muito me habituei a ler, porque sei que fala do que sabe, do que pensa, do que o preocupa, e é perito nestes assuntos, escrevia há pouco: “A figura do educador não existe, porque desapareceu também a figura pessoal do educando, reduzido a aprendiz de saberes positivos, de conteúdos objectiváveis e de técnicas que o preparam para uma profissão de futuro”. A ser assim, onde está a formação para que um aluno possa existir e afirmar-se como pessoa? Não é difícil verificar que, em tais condições, ninguém perde tempo a compreender-se e a assumir-se como formador ou educador, preferindo recolher-se no seu mundo próprio e reduzir-se à condição de simples técnico de um saber. Esta desilusão, mais ou menos generalizada, dos professores pode dizer-se que é o sintoma mais grave da crise moral de um país. Uma desilusão que não tem apenas por detrás razões profissionais, por pesadas que sejam, mas, dado o papel da escola, a consciência de uma missão social fundamental que não se pode realizar de modo normal, tantos são os entraves de dentro e de fora e as mil dificuldades diárias que encontra quem deseja fazer, com competência e seriedade, algo que seja consequente e positivo na vida dos educandos. Há nisto tudo um problema velho que se agravou, de que não se fala e que continua a criar dificuldades em ordem à educação escolar. Não é apenas problema nosso, porque outros países o sentem e já sofrem por não se ter resolvido. Em anos de democracia pacífica, em que muita gente determinante se pôs de acordo sobre coisas importantes da vida nacional, não se encontrou ainda um consenso em matéria educativa. O que é educar e quais os melhores modelos educativos? Qual o lugar dos pais e do Estado em tão importante tarefa? Quem mantém como básico o princípio da igualdade na educação e o da personalização? Quem defende uma educação centrada na pessoa e ao serviço da sua realização própria com tudo o que isto significa? Como se situa a escola nisto tudo? Os que defendem um ensino igual para todos e consideram a sociedade o lugar fundamental para esta tarefa, não chegam a entender-se por razões antropológicas, fundamentadas em diversos conceitos de humanismo, político-partidárias, eivadas de preconceitos religiosos e sociais, razões ideológicas, mutiladoras da pessoa, da democracia e de uma sociedade de pessoas livres e, por isso mesmo, do futuro. Também chegou cá, com cheiros de actualidade, o slogan da “escola única, pública e laica”. Um retrocesso de séculos, que nega o presente e fecha as portas ao futuro. Detrás das palavras existe uma concepção filosófica, uma visão antropológica, um projecto de sociedade, uma política e um modelo educativo, que impedem uma educação para este século. A educação não pode deixar de assentar em valores morais e éticos, os únicos que estruturam interiormente pessoas livres e responsáveis. Quem tem coragem e poder para fazer repensar aspectos essenciais da educação?
O ano escolar que começa tem muitos problemas e escolhos, uns fáceis de aplanar e de remover, outros não tanto, porque se cruzam os interesses, em vez de se somarem os esforços. As preocupações políticas cifram-se agora em arrumar a casa, não se apercebendo, ou não querendo aperceber-se, de que o alicerce desta não tem consistência e os seus muros estão a ruir. Todos podemos ver que assim é. Educar não é o mesmo que distribuir computadores a torto e a direito ou calar os professores. Porém, o Ministério chama-se da Educação. De qual? Há que dizê-lo, para que nos comecemos a entender, a dar sentido à escola e esperança ao país.

Grupo Poético de Aveiro

Poemas
sobre
a desigualdade
de oportunidades
O Grupo Poético de Aveiro, em parceria com a Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens, está a organizar uma actividade que consiste na publicação de poemas escritos por jovens. Poemas sobre a desigualdade de oportuni­dades entre mulheres e homens, com a extensão máxima de uma página A4.
Os trabalhos deverão ser enviados, juntamente com dados de identificação (nome, morada, telefone, endereço electrónico, idade, profissão), até ao dia 15 de Setembro de 2006, para Grupo Poético de Aveiro, Casa Municipal da Cultura, Sala 5/9, Praça da República, 3º andar, 3810-156 Aveiro.

Orações cristãs

Orações cristãs
em todas as línguas do mundo
A agência missionária do Vaticano, Fides, está a preparar um dossier especial dedicado à divulgação das orações cristãs mais conhecidas, no maior número de línguas possível. O objectivo é “contribuir para a Nova Evangelização do mundo, tão tenazmente desejada pelo Papa João Paulo II”. A Fides pretende colocar à disposição dos fiéis de todo o mundo as seguintes orações: 1. Textos do Ordinário da Missa: Confiteor, Kyrie, Glória, Credo-Símbolo Niceno-Costantinopolitano, Sanctus, Agnus Dei. 2. Textos das orações quotidianas do cristão: Credo-Símbolo dos Apóstolos, Pai-Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai, Mistérios do Terço, Oração de São Bernardo, Oração a São Miguel. 3. Algumas orações tradicionais relativas à devoção Eucarística e Mariana: Te Deum, Veni Creator, Veni Sancte Spiritus, O Salutaris Hostia, Tantum Ergo, Magnificat, Salve Rainha, Alma Redemptoris Mater, Angelus, Regina Caeli, Stabat Mater. A agência missionária espera a colaboração das Igrejas católicas dos vários países do mundo que queiram oferecer o seu contributo, enviando o texto das orações acima indicadas nas línguas usadas nos respectivos países para o seguinte endereço de email: french@fides.org (indicar em francês, latim ou italiano o texto da oração enviada e a língua).
:
Fonte: Ecclesia

terça-feira, 29 de agosto de 2006

Ambiente: multas para quem o ofender

Nova lei ambiental
prevê multas e sanções
pesadas para infractores
O decreto-lei sobre coimas e sanções ambientais, publicado hoje, prevê multas de entre 500 e 22.500 euros, valor que é duplicado no caso de presença ou emissão de substâncias perigosas que afectem pessoas, bens ou o ambiente. De acordo com o diploma hoje publicado em Diário da República, os montantes das coimas podem oscilar entre 500 e cinco mil euros, no caso de pessoas particulares, e entre nove mil e 22 mil euros para pessoas colectivas.
Estes valores são elevados para o dobro "quando a presença ou emissão de uma ou mais substâncias perigosas afecte gravemente a saúde e a segurança das pessoas, bens e ambiente".
Pela prática de contra-ordenações graves e muito graves o diploma prevê sanções acessórias, simultaneamente com a aplicação da multa, entre as quais a interdição do exercício de actividades, o fim do direito a benefícios/subsídios concedidos por entidades públicas e a proibição de participar em actividades que visem publicidade.
Quem cometa crimes ambientais graves pode ainda ver-se privado de participar em concursos públicos, ver suspensa a licença ou alvará, pode perder benefícios fiscais e de crédito e ver selado o equipamento destinado à produção.
O decreto-lei sobre coimas e sanções ambientais prevê também a criação de um cadastro, tutelado pela Inspecção-Geral do Ambiente e do Ordenamento do Território, onde deverá constar o registo das sanções e das medidas cautelares aplicadas.
Com as receitas provenientes das multas aplicadas é criado o Fundo de Intervenção Ambiental, destinado à prevenção e reparação de danos resultantes de actividades lesivas para o ambiente.
:
Fonte: PÚBLICO

Um artigo de Alexandre Cruz

Pontapé de saída!...
::
1. Em todos os níveis de vida social existem leis, regras, normativas. E quem pertence a esses mesmos organismos ou instituições no acto de compromisso e pertença, naturalmente, subscrevem as ordens da casa em que entraram. Existirão regras e legalismos sempre a actualizar, mudar e instâncias a renovarem-se, é certo, mas esse será outro processo que jamais se poderá enquadrar ou confundir com as situações em que se procura “apagar o fogo”; de princípio, regras assumidas, regras vividas! A estas regras pertence um sem número de referências que, melhor ou menos melhor, são as que existem e estão consagradas na Lei de Bases do Desporto. Sabe-se que esta normativa legal, na sua amplitude e abrangência, é permeável a interpretações duvidosas, dando margem a “puxar a brasa para a sardinha” da conveniência e da circunstância oportuna; hoje dá jeito desta, amanhã dará daquela. Já parece quase como o “jogo” dos deputados, em que mudam o discurso interpretativo da lei, em que quando estão na oposição segue-se por uma “vírgula”, e quando no governo dá mais jeito o “ponto final”! Por estes dias, em que tanto se tem falado do complexo “caso Mateus”, talvez a realidade a salientar seja a de que, para mal ou para bem, o futebol é uma realidade (com legalidade) própria que os clubes aceitam voluntariamente, um império que cresceu demais mas pertence ao mundo dos vivos; hoje é um fenómeno empresarial que envolve loucos milhões, o futebol que está tornado num factor símbolo das grandes cidades da Europa, espectáculo que todos vêm mesmo os que intelectualmente o criticam, jogo de altíssimas emoções públicas que por isso é trampolim para bons e maus protagonismos, visibilidades e…oportunismos. Mas neste caso concreto, e havendo ainda opiniões para todos os gostos, a base de todo o mal estará em ter-se avançado com este jogo do “caso Mateus” para os tribunais comuns. Não fará sentido invocar que seria uma questão relacionada com o factor do trabalho do jogador e que por isso como cidadão tem direito ao trabalho sendo este um factor transversal a todas as áreas da sociedade. O Gil Vicente inscreveu o jogador fora de horas, fora do prazo em que o poderia fazer legalmente pelas normas que aceitou ao estar na Liga de Futebol; por isso incumpriu. O recurso para os tribunais comuns de uma situação de foro específico desportivo até parece algo de cómico, sendo evidente que os tribunais acolhem todos os recursos e regem-se pela lei geral, o que naturalmente dá a salgalhada (alhos por bugalhos!) previsível que observamos. 2. O caos do “caso Mateus” aumenta quando à confusão de planos se junta a distracção e/ou ineficácia da Liga de Clubes (uma instância de todo não necessária ao futebol mas criada à imagem do polémico protagonismo do seu “Valente” autor!) a par do compadrio de instância disciplinar. O adiar do “caso” desde 11 de Janeiro à boa maneira portuguesa atirando para o futuro o que deve ser resolvido “já” (até porque era evidente que os vizinhos Belenenses e Leixões ou outros estariam à espreita) e com a preocupante confusão interesseira de um juiz da Comissão Disciplinar fazem da situação um enredo polémico a resolver-se rapidamente. Ainda, qual espelho de realidades que existem, valerá a pena acompanhar o percurso desse tal juiz da Comissão Disciplinar da Liga que optou por acrescentar mais problema ao problema: (fonte: Jornal PÚBLICO, 25 de Agosto) “A 1 de Junho: o conselheiro Domingos Lopes pede dispensa por considerar que existia "colisão de ordem familiar e pessoal", uma vez que era filho de um dirigente do Gil Vicente. (…) A nove de Julho: Nova reunião. Domingos repensa e diz que afinal vai votar. Domingos Lopes, presidente da Comissão Disciplinar, supostamente altera o seu sentido de voto e a decisão fica empatada a dois votos. Domingos Lopes invoca então o seu voto de qualidade e ganha o Gil Vicente. Os conselheiros Pedro Mourão e Frederico Cebola, vencidos, tecem fortes acusações aos colegas e demitem-se do cargo.” Talvez estes simples dois parágrafos de conluios e confusões já cheguem para ilustrar o panorama da realidade que cheira a apitos dourados que ficam perdidos indeterminadamente no tempo. Chegarão em próximos anos, certamente, as pontes institucionais de direito entre o Direito Civil e o Direito Desportivo (até porque o desporto, a nível mundial, proporciona os maiores acontecimentos) e aí já tudo estará enquadrado. Mas por enquanto, como tal não existe, temos a certeza de que o pior de tudo foi “adiar”. Veja-se o esforço de eficácia da justiça desportiva italiana… Se em Janeiro passado, quando da inscrição indevida no tempo do jogador Mateus em que o Gil Vicente incumpriu formalmente fugindo à lei desportiva, se nessa atura, com atenção e eficácia de justiça tivesse havido a pedagógica “sanção” nada desta novela teria existido. 3. Já há muito está visto que a Liga de Clubes não faz sentido de existir como existe; talvez seja o momento de dar um “pontapé para a saída” da Liga e serenamente de suas personalidades que precisarão de justificado descanso da vida pública; talvez, por último e mesmo o mais importante, fosse de atribuir à Federação Portuguesa de Futebol a gestão de todo o futebol nacional; a Federação que brilhantemente, e contra ventos e marés, “organizou a casa”, teria toda a capacidade e credibilidade reconhecidas para um projecto de fundo, sereno e consistente neste reerguer de uma visão nacional envolvente. Nesta “jogada” estratégica e fundacional teria lugar de honra a instância governamental do desporto. (Já agora: pareceu-nos “inquietante” o tempo de antena de domingo dado ao presidente do Gil Vicente, quando da viagem a Lisboa para ir visitar o jardim zoológico que tanto aprecia! Fez-nos lembrar o famoso Ferreira Torres!... Que país e que líderes valentes!...)

Entre a Ria e a Floresta

Mais fotos
sobre este trilho
Em www.heraonline.org pode ver novas fotos relativas à inauguração do trilho "Entre a ria e a Floresta", e novas informações acerca da associação HERA.

Boa medida

Discriminar deficientes
pode fechar empresas
Uma empresa ou organismo público que discrimine deficientes ou doentes com patologias incapacitantes arrisca-se a fechar as portas durante dois anos, além de estar sujeita a coimas no valor de 20 a 30 salários mínimos. O agravamento das punições para estas práticas constam de uma nova lei, ontem publicada em Diário da República, e aplica-se também às seguradoras que recusem seguros de vida.
De acordo com as novas regras, são vários os actos considerados discriminatórios: da publicitação de anúncios de emprego que excluam deficientes, à recusa de créditos bancários, passando pela negação da comunicação em linguagem gestual. (ver texto ao lado). Não só as empresas, como as pessoas singulares poderão ser punidas caso dêem um tratamento menos favorável a um doente com risco agravado de saúde ou a um deficiente.
:
Leia mais no DN

Um artigo de António Rego

Confissões
O que restará de tudo isto? Rolados séculos e milénios sobre as coisas de aspecto imperecível, o que fica da vaga dos tempos e das fúrias dos ventos? Modos e modas, escolas, estilos, épocas, tudo roda e se muda. Muitas imagens e factos do passado, sabem a absurdo ou ridículo. O jovem sorri da sua imagem em criança. Todos os passados têm um sabor a afecto e repulsa, porque nenhum tempo regressa à realidade no seu tom certo. O sépia dos anos cria luzes e neblinas de tal forma que nada é repetível na sua realidade perfeita. A que vem tudo isto? A este tempo e a todos os tempos que rodam e deixam rastos, caminhos abertos de luz com o seu aspecto de evidência e obscuridade. A face real e simbólica de todas as coisas como que se revolve no nosso jogo quotidiano de referência ao todo, no espaço e temporalidade que nos cabe viver. Felizes as gerações que se revêem em espelhos e modelos, com protótipos que mereçam registo de memória e impulso para acreditar no passado e no futuro.
Por isso as sendas luminosas que nos precedem de sábios, artistas, místicos e profetas, nos abrem caminhos para o que temos a criar e percorrer. Como poderia a humanidade sobreviver sem essas referências nos campo do pensamento, da ciência, do belo, e nessa arte indescritível de se relançar no imperecível, infinito e eterno que dá sentido a todo o transitório e efémero?
S. Agostinho, ainda no início do cristianismo soube expressar quase todas as perguntas que há no coração do ser humano, dando consistência e sentido à edificação do tempo e do templo que constitui cada ser humano. É bom, numa época de aspecto fútil e imediatista, repousar o coração onde o convertido de Tagaste encontrou repouso:”Tarde Vos amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei! Vós estáveis dentro de mim, mas eu estava fora, e fora de mim vos procurava…Estáveis comigo e eu não estava convosco. Retinha-me longe de Vós aquilo que não existiria se não existisse em Vós…Tocastes-me e agora desejo ardentemente a vossa paz”.(Das Confissões de S. Agostinho, Lib. 7)

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Editorial de Eduardo Dâmaso, no DN

Discriminações
A idade é um factor que pesa cada vez mais no mercado de trabalho. Quem fica desempregado depois dos 40 tem grandes dificuldades no regresso à vida activa. As empresas preferem empregar jovens com remunerações mais baixas e uma enorme disponibilidade que lhes é dada por habitualmente não terem começado ainda a constituir família. São estas as regras implacáveis do mercado de trabalho que começou a desenhar-se sobretudo na recta final do século XX por força do avanço tecnológico. É um mercado que exige elevados níveis de produtividade, grande competitividade, muitas horas de trabalho, múltiplas capacidades, salários controlados em tectos rígidos e uma valorização da carreira que já não depende em exclusivo de factores clássicos como a progressão por tempo de trabalho ou negociações salariais de matriz sindical.
A Comissão Europeia quer travar essa tendência discriminatória com base na idade e vai dedicar o ano de 2007 a uma grande campanha a favor da igualdade de oportunidades. Aprovou já uma directiva no sentido de impedir a discriminação, mas que não é cumprida pela generalidade dos países. Acrescente-se: não é e muito dificilmente será. A dinâmica do mercado imposta pela concorrência global chega a ser cruel na forma como valoriza a trilogia juventude-qualificação-salários baixos e não a sabedoria e a experiência associadas a trabalhadores mais velhos. Por isso se banalizou a ideia de que há uma geração a que se chamou "dos mil euros", ou seja, de jovens com bons níveis de qualificação, na esmagadora maioria universitários, que ficam anos a ganhar este salário. Por isso está cada vez mais posta em causa a ideia do emprego para a vida ou a de que os direitos e regalias sociais são intocáveis.
A discriminação deve ser combatida, mas é muito difícil fazê-lo apenas com regulamentação. O melhor que cada um pode fazer por si está mais na determinação que tiver em enfrentar o problema do desemprego do que em ficar à espera de uma asa protectora. A formação permanente, a procura de novos saberes, a capacidade de adaptação a novos desafios, a procura de novas formas de ganhar a vida mais ligadas ao empreendedorismo são inevitáveis. Até porque se a concorrência entre trabalhadores já hoje é grande ela tenderá a agravar-se de forma implacável com os níveis de desemprego galopantes entre jovens licenciados que se constata um pouco por todo o lado. É mau, mas é assim que está o nosso mundo.

domingo, 27 de agosto de 2006

Um poema de Aida Viegas

PARTILHA

Precisava de alguém p' ra partilhar A alegria que trago no meu peito. Precisava de alguém a quem contar Que tudo agora corre do meu jeito. Precisava de abrir meu coração; Ver brilhar outros olhos de alegria, Ver sorrir outro rosto de emoção, Ter mil amigos a fazer-me companhia. Mas... estou quase só. Todos estão ocupados. Ocupados por virtude ou por defeito. Bebo sozinha, estou quase embriagada. Tanta emoção já não cabe no meu peito; Tanta ventura já transborda em minha taça. Assim não vale. Assim não sabe a nada Beber sozinha a alegria, não tem graça.

:

In LETRAS & OUTROS OFÍCIOS

Citação: Praxes académicas

“Completando o curioso cenário, o tribunal alegou que as actividades concretas da praxe não ultrapassaram a ‘normalidade’. Ficou, assim, a saber-se que, para a instância judicial em causa, de que resta a esperança de que esteja isolada no seus critérios de análise, forçar uma estudante a simular orgasmos com os mais diversos objectos e para gáudio de uma plateia de cidadãos cujo direito a boçalidade deve ser protegido é algo que não esbarra no mais elementar conceito do senso comum. Pior do que a impunidade que cava o silêncio de quem preferiria não se ver obrigado a resignar-se a uma prática primata que se disfarça sobre as nobres vestes da tradição, é perceber que quem teria o dever de fazer julgamentos sérios e ponderados também alinha no jogo. É mais um sinal de que, nos meandros do sistema judicial, prolifera a normalidade.”
João Cândido da Silva,
no PÚBLICO de ontem

Ideia interessante

A palavra do Senhor
acompanhada por uma bica
e uma tosta mista
:::
Quando acaba a adoração, depois dos cânticos e dos momentos de reflexão e do pai-nosso e de todos terem louvado ao Senhor, os fiéis não se vão logo embora. Aproveitam para beber um café, para comer uma fatia de bolo caseiro ou um croquete que sabe mesmo a carne, para discutir os últimos desaires do Benfica, para contar as diabruras dos miúdos. Atrás do balcão, Lina e António estão atarefados. A aparelhagem toca, baixinho, uma música que fala de fé enquanto, na pequena capela ali ao lado, há quem continue de mãos postas a rezar.
São assim as tardes de sábado no Café Cristão, na Amora, Seixal. Inaugurado a 24 de Junho, com a presença e a bênção do bispo de Setúbal, o primeiro Café Cristão da Península Ibérica está ainda em fase de arranque: o calor levou a maior parte dos fiéis para a praia e as acções de divulgação só agora estão a começar. "Lá para Outubro esperamos já estar a funcionar em pleno", garante António Andrade, que, com a sua mulher Lina, gere o espaço.
Por agora, o café é ainda uma curiosidade. Os miúdos do bairro aparecem para comprar guloseimas e para brincar um pouco no espaço infantil. Há quem entre, veja tudo, comente que está muito bonito e vá embora. Há quem nunca tenha ido à missa mas venha aqui tomar café depois do almoço. Na segunda semana de funcionamento um grupo de peregrinos espanhóis entrou por ali dentro num alvoroço: vieram a Fátima mas, como encontraram a indicação do café no site do Vaticano, decidiram ver do que se tratava. "São todos bem-vindos", garante Lina. "Temos aqui pessoas muito diversas, ateus, católicos e de outros credos. É muito bonito."
:
Foto do DN
:
Leia mais no DN

Um artigo de Anselmo Borges, no DN

A Palestina:
um problema
teológico?
Em 1977, em Jerusalém, tendo-lhe observado que mais cedo ou mais tarde os judeus teriam de partilhar Jerusalém com os palestinianos, um funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita atirou-me: "Nunca! Não esqueça que esta terra nos foi dada por Deus há três mil anos!" Já antes me tinha confessado que era ateu, mas formara os filhos no conhecimento da Bíblia e celebrava a Páscoa como está determinado. E eu percebi melhor como tantas vezes a religião não passa de cimento ideológico político. De facto, sobretudo desde a fundação do Estado judaico, há dois povos com a consciência de que a Palestina lhes pertence, respectivamente, há três mil e quase 1400 anos: os judeus reportam-se ao reino de David e Salomão - ano 1000 a. C. - e os palestinianos à conquista pelos árabes em 636 d. C.
Desde o século XIX, o movimento político sionista lutou por um Estado para o povo judeu - pensou-se na Palestina e também noutras regiões. Assim, embora a tenha apressado, o Holocausto não foi a causa da criação do Estado judaico. Em 29 de Novembro de 1947, por maioria sólida e com o beneplácito dos Estados Unidos e da antiga União Soviética, as Nações Unidas aprovaram a divisão da Palestina em dois Estados: um Estado árabe e um Estado judaico, com fronteiras claras, a união económica entre os dois e a internacionalização de Jerusalém sob a administração das Nações Unidas. Note-se que, apesar de a população árabe ser quase o dobro e os judeus estarem então na posse de 10% do território, ficariam com 55% da Palestina.
O mundo árabe rejeitou a divisão. Mas, à distância, mesmo admitindo a injustiça da partilha e suas consequências - é preciso pensar na fuga e expulsão dos palestinianos -, considera-se que a recusa árabe foi "um erro fatal" (Hans Küng). Isso é reconhecido hoje também pelos palestinianos, pois acabaram por perder a criação de um Estado próprio soberano pelo qual lutam. Em 15 de Maio de 1948, terminava o mandato britânico sobre a Palestina e Ben Gurion proclamou o Estado de Israel. A resposta árabe (palestinianos e Estados árabes vizinhos) não se fez esperar, e deflagrou a primeira de seis guerras. Entretanto, o Estado de Israel continua a não ser aceite por muitos árabes e há judeus que acalentam a tentação do sonho de um Estado que abrangesse toda a Palestina. E aí está um dos focos principais de instabilidade mundial.
:
Leia mais em DN

sábado, 26 de agosto de 2006

Uma oferta de Laurinda Alves

Não posso deixar de mostrar, hoje e aqui, a oferta de Laurinda Alves a todos os seus leitores. É uma oferta simples, como todas as que semana a semana apresenta na revista XIS, que acompanha o PÚBLICO aos sábados. Trata-se, neste caso, de um conhecido e bonito texto do Eclesiastes, do Antigo Testamento. Texto conhecido e bonito, mas também poético e oportuno, que nos é dado para reflexão. Aqui fica: ::::
O tempo de guerra é sempre um tempo inquietante, de dor e sobressaltos mas, também, de esperança. Para tudo há um tempo,
para cada coisa há um momento debaixo dos céus
UM TEMPO PARA CADA COISA Tempo para nascer, e tempo para morrer; Tempo para plantar, e tempo para arrancar o que foi plantado; Tempo para matar, e tempo para sarar; Tempo para demolir, e tempo para construir; Tempo para chorar, e tempo para rir; Tempo para gemer, e tempo para dançar; Tempo para atirar pedras, e tempo para juntá-las; Tempo para dar abraços, e tempo para apartar-se; Tempo para adquirir, e tempo para perder; Tempo para guardar, e tempo para deitar fora; Tempo para rasgar, e tempo para costurar; Tempo para calar, e tempo para falar; Tempo para amar, e tempo para odiar; Tempo para a guerra, e tempo para a paz. :: (Ecl 3. 1-13)

Imagens da Gafanha da Nazaré

:: IGREJA DE NOSSA
SENHORA DA NAZARÉ ::
Se vier à Gafanha da Nazaré ou por aqui passar, em dia de festa ou noutra altura qualquer, aconselho-o a visitar a igreja matriz. Foi restaurada há tempos, como dei nota neste meu espaço, com muito bom gosto e com muita dignidade, num esforço conseguido de recuperar os traços mais marcantes do passado, ligados a um estilo muito próprio desta região, dos finais do século XIX e princípios do século XX. O arranjo interior apresenta-se ao visitante com sobriedade e com arte, mas também com preocupações de longevidade. Facilmente se vê que o trabalho feito com recurso a bons materiais se destina a algumas gerações. Para além da antiga imagem da Padroeira, Nossa Senhora da Nazaré, todo o seu enquadramento, em talha dourada, merece uma atenção especial. Mas se o visitante se der ao cuidado de olhar com olhos de ver todo o interior, e mesmo o exterior, confirmará que vale a pena passar por lá, sem pressas. F.M.

TURISMO E PATRIMÓNIO RELIGIOSO

Universidade Católica promove curso online
A Universidade Católica Portuguesa (UCP) oferece um curso online de turismo e património religioso a todos os que têm manifestado interesse por estes assuntos. A iniciativa é da Faculdade de Teologia que pretende explorar as potencialidades da Internet com um curso como este, de pós-graduação, acessível a qualquer pessoa, esteja onde estiver. As inscrições estão abertas até 15 de Setembro e podem ser feitas inevitavelmente pela Internet ou pelo telefone.

Um artigo de Francisco Sarsfield Cabral, no DN

O herói de Cuba e o inimigo americano
Desde que Fidel Castro adoeceu, sendo a sua saúde um segredo de Estado, multiplicaram-se os comentários sobre este dinossauro do comunismo. Com razão. Fidel é o líder político há mais tempo no poder em todo o mundo - desde 1959. Mas pouco se fala da surpreendente popularidade que este ditador ainda conserva no seu país.
Se já era estranho existir há tantos anos uma ilha comunista a menos de 250 quilómetros dos Estados Unidos, ainda mais curioso é o comunismo cubano ter sobrevivido ao colapso do seu protector, a União Soviética. Fidel escapou a dezenas de tentativas para o assassinar (muitas delas gizadas pela CIA) e a vários planos de intervenção militar externa para mudar o regime, o mais célebre dos quais culminou no fiasco da Baía dos Porcos em 1961.
A brutal repressão interna do regime cubano explica parte da sua longevidade política. Mas não explica que a aceitação do tirano Fidel em Cuba seja ainda hoje apreciável. Nada que se compare, por exemplo, à descrença e ao cinismo desencantado que prevaleciam nos anos 70 e 80 nos povos europeus sob o império soviético.
:
Leia mais no DN

sexta-feira, 25 de agosto de 2006

Festa na Gafanha da Nazaré

Largo 31 de Agosto
:: Festa em Honra da Padroeira ::
Neste fim-de-semana, a Gafanha da Nazaré vai estar em festa, como manda a tradição de muitas décadas. Diz a história que os gafanhões honravam a Padroeira, Nossa Senhora da Nazaré, sempre no último domingo de Agosto.
Era e é uma festa em que se casa razoavelmente bem o profano com o religioso. Não tem havido choques significativos entre esses interesses, embora se diga que o cultural tem ficado um tanto ou quanto esquecido. Concordo perfeitamente, até porque elevar um pouco o nível dos festejos seria, sem dúvida, uma mais-valia para o grande encontro dos gafanhões, tanto dos que vivem na Gafanha da Nazaré e arredores, como dos que por aqui gozam as suas férias.
Para além dos foguetes, que acho exagerados, e da música pimba, que predomina, vejo o prazer que muitos experimentam quando reconhecem os amigos que não viam há anos, sinto em alguns o retorno ao tempo em que saboreavam as cavacas e os suspiros, lembro quantos, na meninice, participavam na procissão como "anjinhos", caminhando com bolhas nos pés ao som cadenciado das bandas de música, que executavam, ano após ano, os mesmos trechos musicais.
A festa da Padroeira era também tempo de roupa nova, dos primeiros namoricos, de pagar promessas a Nossa Senhora, habitualmente levando, com esforço enorme, o andor aos ombros.
Era tempo de petiscos melhorados em casa, de convites aos amigos de longe, de missa cantada pelos corais das bandas de música e de sermão pregado "por distinto orador sagrado", como rezavam os cartazes.
Era tempo de concursos de fogueteiros, de ouvir e proclamar a melhor filarmónica, dos pastores que vinham com os seus rebanhos para que todos os gafanhões pudessem comer carneiro assado no forno.
Era o tempo em que as famílias se reuniam à roda da mesa, depois da missa do dia, em franco e alegre convívio, formulando votos de que no próximo ano tudo seria melhor.
Boas festas para todos.
Fernando Martins

Um poema de Orlando Jorge Figueiredo

MAR
Aqui está o mar inteiro e firme olhos abertos e azuis voz rouca e veemente Cresce em mim como espuma o desejo de amar o mar In “Guardador de Sonhos”

Santo André

Navio-Museu Santo André vai para
doca seca
::
Mais de 100.000, é o número de visitantes de que o Navio Museu Santo André se «orgulha» de ter recebido durante os cinco anos de vida como pólo museológico. Atracado junto do Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, este antigo arrastão bacalhoeiro dá como alcançado o grande objectivo que esteve na origem do seu aparecimento como memorial da pesca do bacalhau por artes de rede de arrasto e emalhar.
Um dos raros exemplos de recuperação bem sucedida de exemplares do património náutico português que na passada quarta-feira celebrou cinco anos após a sua inauguração como navio museu. Especialmente vocacionado para as camadas estudantis, este navio pretende despertar as novas gerações para uma parte do património cultural e social do concelho de Ílhavo, que durante décadas esteve directamente ligado à actividade piscatória do bacalhau. E melhor do que consultar livros, ver fotografias ou mesmo ler documentos antigos, será uma visita a um arrastão que fez parte da frota portuguesa do bacalhau e que durante 50 anos rompeu as águas frias do Norte na captura do «fiel amigo», usando as artes do arrasto.
:
Leia mais no DA

União Astronómica Internacional decide

Plutão já não é um planeta
O sistema solar passou a ter apenas oito planetas. A União Astronómica Internacional decidiu hoje que Plutão, até aqui um dos nove planetas do nosso sistema solar, é um planeta anão. Os planetas do sistema solar são agora Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno.
A primeira definição de planeta, aprovada hoje depois de um debate acalorado entre 2500 cientistas e astrónomos de todo o mundo, traça uma linha clara entre Plutão e os actuais oito planetas do sistema solar.
Segundo a nova definição, para que um corpo celestial possa ser considerado um planeta deve orbitar em torno de uma estrela, ter massa suficiente para ter gravidade própria e assumir uma forma arredondada e ser dominante na órbita.
Esta última norma foi determinante para desclassificar Plutão, que até se cruza com o "vizinho" Neptuno na sua órbita em torno do Sol.
Para além das definições de planeta e de planeta anão, o documento da União Astronómica Internacional cria uma terceira categoria para abranger todos os outros objectos - à excepção dos satélites -, que ficam agora conhecidos como pequenos corpos do sistema solar.
:
Leia mais no PÚBLICO

quinta-feira, 24 de agosto de 2006

Embrião tem direito à vida

Criadas células estaminais
sem destruição de embriões
::

A descoberta de cientistas norte-americanos pode acabar com as reservas éticas na produção de células estaminais. O estudo dá conta de uma técnica que não implica a destruição de embriões. A técnica, descrita na revista "Nature", é inspirada no diagnóstico de pré-implantação, usado para escolher embriões criados através de fertilização in vitro livres de doenças genéticas. A equipa de Robert Lanza, da empresa Advanced Cell Technology (Massachusetts, EUA), já tinha conseguido fazer isto com células de ratinhos, no ano passado. Agora, conseguiu criar duas culturas de células estaminais embrionárias humanas, usando células colhidas em 16 embriões que sobravam de tratamentos de infertilidade. Com o método tradicional para obter células estaminais, os cientistas usam embriões que se desenvolveram durante cinco a seis dias, até serem uma minúscula bola com cerca de uma centena de células. Com o novo método, usam-se embriões bastante mais imaturos, com apenas oito células. É colhida apenas uma, que é cultivada em laboratório. O embrião não precisa de ser destruído – pode continuar a desenvolver-se até termo da gravidez, se for implantado no útero de uma mulher. Os cientistas testaram as culturas de células criadas com este método e confirmaram que podem ser usadas para produzir um vasto leque de tecidos. Esta descoberta é relevante para os Estados Unidos, onde está proibido o financiamento público de experiências que investiguem o potencial terapêutico das células estaminais.Para Daniel Serrão, membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, a produção de células estaminais sem destruir o embrião é uma notícia "verdadeiramente extraordinária, confirmando que a ética não é inimiga da ciência - quando a ética levanta dificuldades estimula a ciência a resolver os problemas". "Nós sempre dissemos que o embrião tem direito absoluto à vida e ao desenvolvimento", sublinha. : Fonte: Rádio Renascença

Um artigo de António Rego

Navegações
em tempo de Verão
Antes, havia os inventores de quase tudo. Os cientistas e descobridores corriam como atletas loucos para chegarem primeiro e darem o seu nome a um asteróide, um princípio, uma teoria, uma hipótese. Quando sabemos o meridiano exacto em que nos encontramos, ou a que distância ou altitude está uma terra ou elevação, nem nos apercebemos da quantidade de pessoas e experiências que contribuíram para termos dados precisos do nosso planeta, das forças que nos circundam, da informação que hoje quase instantaneamente surge no painel de cristais que faz parte dos nossos quadros rotineiros de consulta. Desapareceram grande parte dos nomes. Hoje as descobertas são plurais e complementares. Grupos de trabalho, equipas multidisciplinares, oceanos e continentes colocam-se de permeio com o grupo de anónimos que, numa qualquer empresa ou no seu laboratório privado, vão dando passos em todas as direcções do progresso de que vemos apenas alguns sinais. Eles concretizam-se nos instrumentos de precisão, no carro, nos electrodomésticos, nos múltiplos afazeres da informática. O nosso quotidiano está cada vez mais inundado de novidade que há anos atrás seria tida como pura magia ou poderes preter – naturais. O Padre Gaspar bem se cansa de explicar ao seu amigo Roberto – “o único ser da nossa espécie a haver naufragado num navio deserto” – fenómenos complexos da natureza – desde algumas teorias galileicas jamais aplicadas, à completa harmonia lógica entre a descrição bíblia do Dilúvio e as convulsões dentro e fora da Arca de Noé, e uma perfeita sequência de hipóteses descritas com exaltação. Ele não sente dificuldade em conjugar a bíblia com a ciência, mesmo na mais rigorosa interpretação literal em pleno século XVII. Umberto Eco transporta-nos a este universo fascinante e divertido - quase tanto como o Nome da Rosa - num livro que é uma Ilha do Dia Antes, mas com uma ironia doce numa procura sequiosa de encontrar “o Ponto Fixo”. Pode inscrever-se na moda dos muitos enigmas pseudo-científicos da nossa era. Mas pode conduzir-nos a um universo humanizado pelas pesquisas pacientes e perseverantes dos muitos mistérios que se escondem no universo. Os brinquedos tecnológicos que nos rodeiam poderão sugerir-nos que tudo está encontrado. Na verdade continuamos no encalço desse Ponto Luminoso, como atracção irresistível de todo o ser inteligente. Não vale a pena exacerbar o conflito entre ciência e fé. Ambos têm o seu lugar. E é no coração do homem que ambos encontram o seu refúgio – divino e humano.

quarta-feira, 23 de agosto de 2006

Navio-Museu Santo André assinala aniversário

Dia Aberto
até à
meia-noite O Navio-Museu Santo André celebra hoje o seu 5.º aniversário. O Dia Aberto prolonga-se entre as 10 e as 24 horas. Durante o dia, o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo permanecerá no local para trabalhar em regime de presidência aberta, ouvindo os munícipes que queiram colocar-lhe questões.
Álvaro Garrido, director do Museu Marítimo de Ílhavo, salienta a importância do Navio Santo André, que já registou 99.430 visitantes desde que abriu portas como memorial da pesca do bacalhau por artes de rede de arrasto e emalhar. Na perspectiva do responsável, «o Santo André é um dos raros exemplos de recuperação bem sucedida de exemplares do património naútico português».
No âmbito da remodelação integrada das exposições permanentes do Museu Marítimo de Ílhavo, o navio Santo André, atracado junto do Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, irá ser objecto de intervenção e remodelação do seu discurso expositivo até ao final deste ano. O plano será apresentado, hoje, durante a cerimónia de aniversário, que terá lugar no porão de salga do navio pelas 18.30 horas. Durante a sessão proceder-se-á à entrega dos prémios relativos ao concurso de fotografia do Município de Ílhavo «Olhos sobre o Mar», cujos trabalhos se encontram em exibição por todo o mês.
:
ler mais no Diário de Aveiro Características do Navio-Museu

Um poema de Reinaldo Matos

:: MARÉ ENCHENTE Salvei Uma criança De morrer No mar. Avancei Para as ondas, Sem saber Nadar. Pudera Lá ficar, No turbilhão das ondas… Quem me dera Morrer Salvando uma criança!
::
Nota: O facto é real e passou-se com o poeta
na Praia da Torreira, Murtosa,
em Setembro de 1978. In “Sinfonia de Poemas de Reinaldo Matos”

Pesca desportiva

:: Desportistas sem stresse
::
Ontem, o molhe da meia-laranja, na Praia da Barra, estava cheio de pescadores desportivos. Tudo indicava que se tratava de um concurso de pesca, tal era o número de pescadores. Predominantemente homens, mas também havia uma ou outra mulher. Todos de cana de pesca bem erguida e atentos ao picar do peixe. Quando passei, nem um peixe vi sair da água serena do oceano. No final do concurso, porém, não terão faltado belos exemplares, que os concorrentes não estão ali para aquecer. Ou talvez estejam... O calor era forte.
Certo é que a pesca desportiva é uma actividade anti-stressante. O praticante está atento ao que está a fazer, mas também deitou para trás das costas os problemas da vida, as inquietações do quotidiano, as agruras das lutas diárias, profissionais ou outras. Ali, envolvido pela natureza, ele dá descanso à sua mente, refresca o corpo e as ideias, viaja em sonhos (mesmo acordado), reflecte, programa a vida. Ele, cheio de paciência, afinal continua muito activo. De forma diferente e sadia.
Fernando Martins

Valores do desporto

Vaticano publica obra dedicada aos valores do desporto
O Conselho Pontifício para os Leigos acaba de publicar o volume “O mundo do desporto hoje. Campo de compromisso cristão”, no qual se recolhem as intervenções do seminário sobre este tema, que o Vaticano acolheu em Novembro do ano passado. A obra é mais um sinal de que a Igreja olha com atenção para o mundo desportivo, seja o que atrai as grandes multidões, seja o desporto de base. O trabalho deste seminário quis apontar um “horizonte ético” para o desporto, lembrando que o mesmo tem como fim “o bem da pessoa humana”. Nem sempre, contudo, o fenómeno desportivo tem sido sinónimo de paz ou de tolerância, apesar de representar uma herança cultural comum da humanidade. Uma das intervenções recolhidas pelo livro lembra que, em muitas ocasiões, a actividade física tem sido reduzida “ao culto do corpo” e que a ânsia por conseguir grandes prestações desportivas tem eliminado, progressivamente, a “dimensão recreativa”. Outro aspecto negativo apontado ao desporto modernos é a sua comercialização, com o risco de se centrar na vertente económica e secundarizar a dimensão ética.
:
Fonte: Ecclesia

terça-feira, 22 de agosto de 2006

Um artigo de Alexandre Cruz

Europa,
onde estás?
1. Mais parece virtual que real a realidade europeia no seu posi-cionamento diante de cada dia de vida global. São inúmeros os esforços e os desafios, mas são do mesmo modo as inquietações da insignificância real da União Europeia que é incapaz de ter vez e voz no cenário incerto do tempo presente. Mas talvez, à luz dos pais fundadores, do-mal-o-menos, já se conseguiu muito nesta aprendizagem comum, num esforço em aprender a “viver juntos”, pelo menos evitando guerras e batalhas de campo entre os históricos e rivais países europeus. Por vezes dá-nos a sensação que a Europa não existe; ou então que ser europeu será mesmo assim! Lá que exista projecto em realização de “espaço único de educação europeia” a par de uma união monetária de quase todos os países isso é verdade; mas união monetária (de moeda e moedas) sem união económico-social, o que também fragiliza toda a vontade de Europa Social, esta que de forma aberta e inclusiva deveria vir antes, como alicerce, de tudo o mais, até pelo histórico de “dignidade da pessoa humana” encontrado neste lindo continente azul que dos tempos da cultura grega até os nossos dias sempre se procurou reger por sentidos de humanismo. Este é o “sonho”! 2. Talvez mais que “Europa” existem países individualizados do velho continente que, apesar de quase tudo se decidir em Bruxelas, vão procurando todos os pretextos e contextos para se firmarem e afirmarem nesta conjuntura de “dúvidas” em que está mergulhado o mundo e o próprio “lugar europeu” no mundo. Neste tempo que vivemos, de incertezas que acabam por justificar inseguranças e consequente busca de “algo a que se agarrar”, temos vindo a assistir, na ausência de projecto europeu capaz, ao salve-se quem puder de cada país, nomeadamente no posicionamento face à guerra e forças de paz no Líbano e agora, nestes dias mais próximos, a posição de defesa diante dos milhares de pessoas humanas imigrantes africanos que fogem de África (sugada) rumo à Europa. Afinal, como se entrelaçam e interagem nesta aldeia mundial, e para nós europeia, todos os projectos políticos, humanitários, educativos, sociais? Andarão, por falta de “alma unitária” uns para cada lado? Que faltará para, num espírito pluralista por isso de identidade e unidade da diversidade, ser possível unir mais forças naquilo que é preocupação e esperança comum? Esquecemo-nos de que se hoje fechamos a porta da casa europeia amanhã a casa é arrombada por outro lado? É o que vimos assistindo em muitas situações (como está agora a acontecer nas lhas Canárias): o dito mundo rico explora o continente africano com intenções de subjugação económico-cultural travando a autonomia e o desenvolvimento (isto para além de todas as complexas condicionantes sócio-culturais e políticas), esquecendo que a pobreza que se “fabrica” lá longe mais cedo ou mais tarde vem bater à nossa porta. As voltas que o mundo dá! Em estudos da ONU, há breves anos dizia-se que o mundo “produz” 47 novos pobres por minuto. É chegada a hora do reencontro com a verdade histórica que realizamos no mundo; não é possível fugir, e na Europa sem filhos, o futuro estará mesmo nas mãos de quem chega. 3. É certo que, com realismo, não é possível acolher e integrar todos os milhares de imigrantes clandestinos que chegam à Europa; mas é verdade bem maior que a resposta de solução não pode ser o fechar-se em si mesmo fazendo conta de que não é nada connosco. A nós portugueses que “somos” país de emigração (e sabemos que milhares e milhares de emigrantes nossos andaram pelo mundo de forma ilegal em bairros de lata desumanos a “fazer caminho” para a legalidade e “ganhar a vida”) parece um pouco estranho e frio quando se diz que “governo prepara plano para travar entrada de imigrantes ilegais por mar” (Público de 22 Agosto). É verdade absoluta que ilegalidade é ilegalidade, sempre a combater e nunca permitir. Mas, diante deste cenário cada vez mais o futuro, será esta a melhor resposta? Será solução europeia fechar as portas? Que pensa (?) a Comissão Europeia sobre a matéria? Não existam dúvidas que a porta virá abaixo! Para bem ou para mal, isso será outra questão. Mas o facto está aí, a construir-se todos os dias no mundo das desigualdades que crescem, numa abertura de mundo sem fronteiras nem barreiras onde a luta pela sobrevivência humana derruba tudo o que nós, comodamente instalados, chamamos de legalidade. É que acima da legalidade dos nossos papéis diplomáticos está a própria sobrevivência de quem corre quilómetros por um pedaço de pão. E se nós fôssemos “os outros”?! (É que somos mesmo!) 4. Mais ainda, e bem preocupante: em todo este enredo está criado o terreno para o fechar nacionalista nos países europeus; está criada a conjuntura propícia para o emergir de populismos nacionalistas anti-europeus, como forma de fugir a toda esta nova (des)ordem mundial. Sendo certo que a democracia é a melhor forma de governo a verdade é que muitas vezes ela é perdedora em si mesma, quando a maioria quer “fechar as portas” ao outro que quer sobreviver. Torna-se urgente, primeiro: sem esquecer a realidade local e nacional, levar a mensagem de “comunidade” naquele sentido mais amplo que nos entra pela internet (mundial e europeia) para as escolas e sistemas de educação para os “valores fundamentas”, dizendo que “afinal” somos todos cidadãos do mundo e “pertencemos” a espaços muito para além da própria “concha” individualista (cada vez mais, só neste pressuposto o voto em eleições será um acto consciente e cívico); segundo, com qualquer um dos nomes que se lhe queira chamar, será essencial neste vazio de referenciais retomar e envolver pedagogicamente todos num “documento” (“tratado constitucional”?...) europeu que nos faça entender neste novo mundo a nossa identidade na pluralidade. Caso assim consigamos então tudo quanto é “bom para todos” entra na vida comum; caso não, até o que é bom e importante acaba por ficar perdido no meio do joio. Haverá que postar mais na “qualidade humana” que cria mais laços comuns!

Mestre Mónica

Há dias abordei neste meu espaço o estado de abandono em que se encontra o monumento a Mestre Mónica, tendo sublinhado que ele merecia, e merece, um pouco mais de respeito de todos os gafanhões. Tempos depois, encontrei nas minhas estantes uma revista, perdida no meio de outra papelada, denominada "Estaleiros MÓNICA - LXX - 1887-1957 - Aniversário da Fundação", com um texto antológico do primeiro Bispo da restaurada Diocese de Aveiro, D. João Evangelista de Lima Vidal. Publico-o, hoje e aqui, para que se não perca este bocadinho de prosa poética, tão ao estilo do saudoso prelado aveirense.
F.M.
::::
D. João Evangelista
de Lima Vidal Arcebispo-Bispo de Aveiro
Parece-me que respiro melhor, quando vou à Gafanha benzer os barcos de Mestre Mónica. Mas não é só o ar da ria que tem o dom de nos abrir os pul­mões. É não sei que fulgor de abundância, de riqueza nacional, de vitorioso progresso que por ali passa e nos bate em cheio no peito. É um milagre de beleza que Mestre Mónica sabe extrair de troncos rudes, de matéria informe. Quando passam os carros a gemer sob o peso morto daqueles pinheiros, quem imagina a elegância e a majestade, a doçura e a força, a maravilha e a arte que dali vão sair? Vai, Ilhavense; vai Santa Joana; vai, Santa Mafalda; vai, Avé-Maria, desce imponente a húmida calha, entra nas águas, encanta os mares, recolhe a presa, e depois, ao regresso, entra airosa na barra, ao som da orquestra, ao flutuar das bandeiras, à alegria das multidões!
Aveiro, 5 de Abril de 1957 + JOÃO EVANGELISTA Arcebispo-Bispo de Aveiro

Imagens da Ria

:: Forte da Barra
::
Normalmente, os veraneantes ou visitantes da Praia da Barra, quando chegam, correm logo para o mar. Compreendo perfeitamente, pois o mar atrai quem anseia pelo sortilégio de um ar diferente e de paisagens sempre em mutação. No entanto, se passearmos em sentido contrário ao Farol, chegaremos a um recanto pouco conhecido, como este que hoje aqui mostro. Depois, ao sair dali, caminhe pela margem da ria para completar o passeio.

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

Jacinta apresenta novo álbum

Jacinta lança amanhã um novo álbum

Amanhã, dia 22, Jacinta apresenta em Vilamoura um novo álbum -"Daydream". É uma oportunidade para ouvir um timbre quente, aveludado, poderoso, afiança a Rádio Renascença. "O novo disco da cantora, que tem recolhido o aplauso da crítica nacional e internacional, foi gravado em Nova Iorque com o grande saxofonista norte-americano Greg Osby. Mais uma vez, traz a chancela da prestigiada Blue Note. Jacinta foi a primeira portuguesa a integrar o valiosíssimo catálogo do selo, com o disco "Tributo a Bessie Smith".

:

Fonte: RR

Um livro de Amaro Neves

:::
D. FREI MIGUEL DE
BULHÕES E SOUSA (1706 – 1779)
“D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa (1706 – 1779)” é o mais recente livro do historiador aveirense Amaro Neves. Trata-se de uma obra que vem na linha de muitas outras que escreveu sobre a região aveirense, todas ligadas à história, com predominância para a história da arte. Com ela, Amaro Neves recorda o “Emérito Bispo Aveirense – Governador do Grão-Pará e Maranhão”, que nasceu no lugar de Verdemilho a 13 de Julho de 1706, do então Bispado de Coimbra. O autor mostra-nos, nesta obra, “o essencial de uma personalidade portuguesa”, que “foi titular de bispados em três continentes – Ásia, América e Europa – como figura marcante da sua época, na Igreja e no Império Português". Ler este livro de Amaro Neves é ficar a conhecer a vida e a obra deste bispo aveirense que estava esquecido no tempo, mas também o meio económico e social de S. Pedro de Aradas, freguesia a que pertence Verdemilho, bem como o contexto e a evolução regionais, no princípio do século XVIII. A família e o nascimento de Miguel José, o seu núcleo familiar e a educação que recebe até à entrada nos Dominicanos, onde é ordenado sacerdote, são temas abordados pelo autor, que permitem ao leitor ficar por dentro do pensar e do viver na época em que cresce e se forma o jovem que há-de chegar longe. Amaro Neves conduz-nos depois, com inúmeras referências e transcrição de vários documentos, até à ordenação de D. Frei Miguel como Bispo de Malaca, à sua nomeação como Bispo-coadjutor de Belém do Pará, acabando por embarcar para o Brasil como efectivo Bispo de Belém do Pará, onde reabre o seminário diocesano e desenvolve acção pastoral meritória. O historiador, que vive em Aradas há mais de 25 anos, transporta-nos, neste seu livro, aos ambientes e trabalhos de D. Frei Miguel de Bulhões no Brasil, quer como prelado, quer, também, como Governador, cargo que exerceu durante cerca de quatro anos, sempre bem apoiado em documentação que pesquisou com o cuidado a que nos habituou. Depois, podemos acompanhar o autor até Leiria, onde o emérito bispo aveirense assumiu o Bispado de Leiria entre 1761 e 1779, ano da sua morte. Neste capítulo, é interessante ficar a conhecer facetas da sua personalidade e acção pastoral. “De qualquer maneira, o emérito Bispo de Leiria continua indelevelmente ligado ao passado e à imagem da cidade [Leiria], apesar de ter andado um tanto esquecida a sua memória, por um complexo conjunto de circunstâncias, ainda que dele se tenha deixado um retrato psicológico e episcopal de justo apreço”, salienta Amaro Neves. D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa, nos horizontes da memória; Sinopse cronológica da vida e obra de D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa; e Anexo documental completam este livro, que sai enriquecido, ainda, com bastantes indicações bibliográficas e fontes manuscritas, e com 26 fotografias inseridas no texto, muito elucidativas. Título: D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa (1706 – 1779) Autor: Amaro Neves Editor: ADERAV/Junta de Freguesia de Aradas Fotografia (Leiria/Verdemilho): M. Fernanda G. Neves Páginas: 160 Fernando Martins

Imagens da Ria

:::
Museu Marítimo de Ílhavo: Salina

Agora que as marinhas de sal estão a ficar motivo de museu, pese embora o facto de algumas funcionarem para turista ver ou pela teimosia, bem intencionada, de certos proprietários ou marnotos, é bom recordar o que foi a safra do sal. O turista, ou o interessado no passado, pode muito bem apreciar imagens como esta, para ficar a saber mais alguma coisa de interessante.

Bento XVI e o mundo moderno

Papa diz que muitas ocupações podem levar à dureza do coração Bento XVI criticou ontem o activismo que ameaça o homem moderno e defendeu a importância da experiência do silêncio e da contemplação. “É necessário livrar-se dos perigos de uma actividade excessiva, qualquer que seja a condição e cargo desempenhado, porque as muitas ocupações levam muitas vezes à dureza do coração”, explicou. Antes da recitação do Angelus deste domingo em Castel Gandolfo, o Papa XVI falou de São Bernardo de Claraval, grande Doutor da Igreja que viveu entre os século XI e XII. Foi eleito abade do mosteiro cisterciense de Claraval aos 25 anos de idade, permanecendo à sua frente durante 38 anos até à sua morte. A dedicação ao silêncio e à contemplação não o impediu de desempenhar uma intensa actividade apostólica. Recordando a figura de São Bernardo, Bento XVI falou da sua exortação a Eugénio III, o Papa daquela época, ao qual o monge escrevia que do activismo excessivo apenas deriva sofrimento do espírito, extravio da inteligência, dispersão da graça. “A admoestação – salientou – vale para todo o tipo de ocupação, mesmo aquela inerente ao governo da Igreja”. A concluir, o Papa invocou da Virgem Maria “o dom da paz verdadeira e duradoura para o mundo inteiro”.
:
Fonte: Ecclesia

domingo, 20 de agosto de 2006

Gastronomia de Ílhavo

Pão de Vale de Ílhavo não corre risco de extinção
As famosas padas de Vale de Ílhavo já não correm perigo. O receio, manifestado nos últimos anos, de que a tradição se perdesse ao ritmo da saída de cena das velhas padeiras está ultrapassado. "Cerca de metade das pessoas que produzem o pão e o folar tem cerca de 40 anos, o que nos dá uma segurança relativamente à continuidade de uma realidade económica tradicional importante em Ílhavo", refere Ribau Esteves, presidente da Câmara, que ontem homenageou as 18 padeiras.
À velhice das padeiras seguiu- -se outro perigo. "Por volta de 2000, a nova legislação obrigou ao cumprimento de regras mais exigentes do ponto de vista higiénico ou sanitário, mas as pessoas adaptaram-se à nova realidade e exceptuando um ou outro caso, cujo processo de regularização está a decorrer, a situação foi ultrapassada, lembra o autarca.
:
Leia mais no JN, o artigo de João Paulo Costa

Um artigo de Anselmo Borges, no DN

Os livros sagrados e a sua leitura crítica
Lê-se em Josué, um dos livros da Bíblia, capítulo 10, versículos 12-13: "No dia em que o Senhor entregou os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, Josué falou ao Senhor e disse, na presença dos israelitas: 'Detém-te, ó Sol, sobre Guibeon'. E o Sol parou no meio do céu e não se apressou a pôr-se durante quase um dia inteiro."
Este é o passo famoso que deu origem à oposição dos representantes da Igreja a Galileu e à ciência. Como podia ser a Terra a girar, se a Bíblia diz que o Sol parou? Mas já na altura Galileu foi mais avisado do que os seus opositores, quando contrapôs que a Bíblia não nos diz como é o céu mas como se vai para o Céu.
Que a leitura dos livros sagrados não pode ser literal mostra-se inclusivamente pelo facto de eles conterem erros científicos no domínio da física, da astronomia, da história. Pense-se, por exemplo, em todos os debates cegos à volta do Génesis e concretamente do mito da criação, quando se não percebe que não se trata de informação científica de física ou biologia, mas de uma mensagem religiosa em linguagem mítica: James Usher, arcebispo de Armagh e primaz de toda a Irlanda (1581-1656) pretendeu saber a data da criação da Terra: 23 de Outubro de 4004 a. C., tendo Bertrand Russell observado corrosivamente que esse dia caiu numa sexta-feira, já que Deus descansou no sábado! Há também o caso risível de um teólogo de Münster que, no século XIX, pretendeu apresentar uma prova "científica" da existência do inferno no interior da Terra, argumentando com os vulcões! É claro que teologias ridículas como estas só podem contribuir para o aumento do número dos ateus.
::
Leia mais em DN

Imagens de Aveiro

Posted by Picasa
::
O palacete do"brasileiro" Sebastião de Carvalho Lima - pai do escritor Jaime de Magalhães Lima e de Sebastião de Magalhães Lima, dirigente republicano e Grão-Mestre da Maçonaria portuguesa - foi o primeiro edifício da cidade a ter fachada revestida de azulejo. (Hoje é sede da Associação de Municípios de Aveiro.)
::
Foto e notas do livro "Aveiro, cidade de água, sal, argila e luz", com texto de Manuel Ferreira Rodrigues. A edição é da Câmara Municipal de Aveiro.

Um poema de Sophia

Sophia de Mello Breyner Andresen
:: O ESCULTOR E A TARDE No meio da tarde Um homem caminha: Tudo em suas mãos Se multiplica e brilha. O tempo onde ele mora É completo e denso Semelhante ao fruto Interiormente aceso. No meio da tarde O escultor caminha: Por trás de uma porta Que se abre sozinha O destino espera. E depois a porta Se fecha gemendo Sobre a Primavera.
In O Cristo Cigano

sábado, 19 de agosto de 2006

Um artigo de Francisco Sarsfield Cabral, no DN

A paz impossível no Médio Oriente
É surpreendente a quantidade de pessoas a proporem soluções para o conflito entre árabes e israelitas. Até parece fácil resolver aquele que é, provavelmente, o mais antigo e complexo conflito da cena internacional.
Em plena primeira Guerra Mundial (1917), a Grã-Bretanha decidiu apoiar a criação na Palestina de um Estado para o povo judeu. Três anos depois, os britânicos tornaram-se administradores da Palestina e daquilo que é hoje a Jordânia e o Iraque.
Naturalmente, não agradou aos árabes da Palestina a perspectiva de serem expulsos para darem lugar aos judeus, que entretanto iam para ali emigrando. Em 1933 rebentou uma revolta árabe que durou três anos.
Mas as autoridades britânicas na região também eram alvo da violência dos judeus, que - nessa altura - não tinham escrúpulos em recorrer a acções terroristas. Nestas se destacou M. Begin, depois primeiro-ministro de Israel. O hotel Rei David em Jerusalém, então quartel-general britânico, sofreu em 1946 um atentado judaico que provocou mais de 40 mortos.
Mal foi declarado o Estado de Israel, em 1948, rebentou a guerra com os árabes. Guerra que, em rigor, nunca mais parou. O Estado de Israel ainda não é aceite por muitos árabes, até porque em 1967 os israelitas ocuparam novos territórios. Aliás, a rejeição muçulmana de Israel é hoje mais forte do que era há anos atrás. E o prometido Estado palestiniano já esteve mais perto de se concretizar.
:
Leia mais no DN

sexta-feira, 18 de agosto de 2006

Novo contacto

Por razões de capacidade do servidor, o meu novo contacto passa a ter o seguinte endereço, conforme se pode confirmar no próprio blogue, no local indicado:
Continuo a contar com a simpatia dos meus amigos, esperando eu poder responder a todos, dentro do possível. Tanto no meu blogue, como pessoalmente.
Fernando Martins

Citação

O código do Opus Dei
"O famoso Código da Vinci, uma “simples” ficção, primeiro em livro e depois em filme, arrisca-se a deixar a maior mossa da história na imagem do Opus Dei. Efectivamente, ele é muito mal tratado e acredito que em parte injustamente. No entanto, o impacte e o incómodo gerados são de certa forma proporcionais à falta de transparência da organização. (…) Mais que protestar inocência, o Opus Dei só tem uma forma de convencer, que é “abrindo-se”, tornando-se visível. Explicando quem são, quantos são, como recrutam, quais os critérios de admissão, quais os seus rendimentos, qual o seu património e como está aplicado, qual a sua presença e missão na sociedade em geral e em particular no ensino superior. Esclarecer os aspectos mais polémicos, como o que há de verdade sobre a autoflagelação, se são assim tão frequentes as rupturas dos jovens admitidos com as suas famílias naturais, qual a idade mínima com que os jovens começam a ser abordados, o que se passa quando alguém quer sair, se é verdade que um membro do Opus não pode ler o Código da Vinci, ou outro livro qualquer, sem prévia autorização superior e tudo o mais. Só “dando a cara” aberta e sinceramente permitirão que o público em geral deixe de acreditar em histórias com monges albinos assassinos. (…) Carlos J. F. Sampaio Esposende" : In PÚBLICO de hoje

quinta-feira, 17 de agosto de 2006

Um artigo de Joaquim Franco, na SIC

Fórum
em tempo
de guerra
É um tema recorrente. Já aqui tive oportunidade de escrever, em várias ocasiões, sobre as relações entre a "guerra" em terras do Médio Oriente e o sentimento religioso daqueles povos. À primeira vista, diz-nos uma certa leitura simplista que há culpas de parte a parte, com muito "ódio" religioso - expressão desadequada e paradoxal - pelo meio. Só aprofundando a reflexão seremos tentados a separar definitivamente as águas. ::: Enchem-se muitos livros sobre o assunto, gastam-se muitas horas em conferências e colóquios inter-religiosos para reforçar essa separação. A guerra, em qualquer circunstância, não tem directamente a ver com as religiões dominantes na região. Mas as religiões têm muito a esclarecer sobre a guerra que as utiliza como escudo ideológico e estratégico (ver artigo de análise "Caricaturas boomerang" de 11-02-2006). :: Ler mais em SIC Online

Imagens da Ria

Foto da CMI
Costa Nova:
Cais dos pescadores
Visitar a Costa Nova não é só passar pela praia ou deambular frente ao casario típico voltado para a Ria. Um pouco mais à frente, na estrada que conduz à praia de Vagueira, fica o cais dos pescadores, com os seus barcos e casinhas onde eles guardam os apetrechos do dia-a-dia. Depois, ainda há um bar com esplanada. Dali se avista uma boa porção da ria, com barquinhos à vela. Diz quem já experimentos que num desses barquinhos desaparece, como por magia, o stresse.

Tasquinhas de Ílhavo

Mostra Gastronómica
decorre entre
23 e 27 de Agosto
::
Tasquinhas voltam a animar Ílhavo e sua região. A edição de 2006 das Tasquinhas de Ílhavo vai decorrer a partir do próximo dia 23 e prolonga-se até dia 27, no Jardim Henriqueta Maia, no centro da cidade
::
O Jardim Henriqueta Maia, no centro da cidade, volta a ser palco de mais uma edição - a oitava - das Tasquinhas de Ílhavo, onde os pratos de bacalhau e derivados são ementa obrigatória de todos os participantes.
A organização é da Confraria Gastronómica do Bacalhau e Câmara Municipal, sendo os espaços gastronómicos presentes da responsabilidade de instituições do concelho de Ílhavo.A organização preparou um programa de animação, a decorrer todas as noites em simultâneo com as Tasquinhas. Assim, estão agendados vários espectáculos musicais com destaque para a Orquestra Ligeira de Aveiro «Acolá», Grupo de Danças e Cantares de Vale Domingos (Águeda), fados por artistas da região, Grupo Rusga Típica da Corrilhã (Ponte de Lima) e, no último dia, estará presente a cantora Dina.
Como nas edições anteriores aguarda-se a presença de milhares de apreciadores do «fiel amigo» vindos dos mais diversos locais do país, prometendo a organização algumas surpresas nesta VIII edição das Tasquinhas de Ílhavo, que serão reveladas no dia da inauguração.
:
Fonte: Diário de Aveiro

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...