domingo, 31 de dezembro de 2006

2007

NOVO ANO, VIDA NOVA
::
Logo mais, se Deus quiser, ao toque da meia-noite, saltamos para 2007. É um momento mágico que nos leva a desejar a quantos nos rodeiam um ano cheio de paz, saúde, amor e alegria. Tenho a certeza até de que todos formulamos estes votos de coração lavado, na ânsia, de facto, de vivermos um ano melhor do que o anterior. Olhando para trás, podemos constatar que cada ano tem coisas boas e coisas más. Os homens e mulheres deste mundo parece que nem todos conseguem aprender os caminhos da paz e da harmonia universais, teimando, alguns, em construir socalcos pedregosos que dificultam a marcha de quem sonha com uma sociedade de justiça e de fraternidade. Claro que não importa hoje lamuriar o que de menos bom nos aconteceu, porque o importante é assumir o esforço de lutar, pelos meios legítimos ao nosso alcance, para que toda a gente respire os ares do bem, do bom e do belo, com Deus sempre nos nossos horizontes. Com estes propósitos desejo a todos os meus leitores e amigos um 2007 muito melhor do que 2006. Fernando Martins

IMAGENS DA GAFANHA DA NAZARÉ

PARA VER MAIS LONGE
O mar sempre foi um desafio. Tanto para quem o conhece bem como para quem mal o conhece. Mas não há dúvida de que as autoridades continuam atentas a quem gosta de ver mais longe, para descobrir no mar imenso o que os olhos nus não vêem.
Na Praia da Barra, na Gafanha da Nazaré, este monóculo permite ver muito mais mar, a troco de uma simples moeda. Ao longe, muito ao longe, há sempre barcos que demandam outros portos e que nem se dão ao trabalho de dar uma voltinha pelas nossas praias, para os vermos melhor. Não nos interessa saber o que transportam, mas as silhuetas harmoniosas, mesmo vistas ao longe, têm sempre um encanto. Experimentem.
F. M.

GOTAS DO ARCO-ÍRIS - 46

QUE NOVAS CORES
NOS TRAZ S. SILVESTRE?
Caríssimo/a: E vamos para a noite última do ano, a noite de S. Silvestre. Traz-nos gratas recordações da nossa juventude e das brincadeiras que organizávamos (a reunião começou a ser na barbearia do Hortêncio e de lá se partia...) e levávamos a efeito durante essa noite. Também nos regozijávamos com as vitória dos nossos atletas nas corridas de S. Silvestre. Quer dizer, S. Silvestre há-de ser... Vamos buscar os livros: “Silvestre I foi Papa de Janeiro de 314 a 31 de dezembro de 335, durante o reinado do imperador romano Constantino I, que instaurou o cristianismo como religião do Estado. A sua autoridade foi eclipsada pela de Constantino, e não assistiu ao sínodo de Arles (314) nem ao Concílio de Niceia (325), convocados pelo imperador. Não obstante foi durante o seu pontificado que a autoridade da Igreja foi estabelecida e se construíram os primeiros monumentos cristãos, como a Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, e as primitivas basílicas de Roma (São João de Latrão e São Pedro), bem como das igrejas dos Santos Apóstolos e de Santa Sofia em Constantinopla. Atribui-se em geral a conversão de Constantino a uma visão que terá tido antes da batalha da ponte de Milvius (312). Mas a tradição medieval, deu-nos outra interpretação : o imperador teria lepra incurável, e logo que Silvestre o baptizou por imersão numa piscina ficou imediatamente curado. Esta versão não tem fundamento, pois sabe-se que Constantino foi baptizado por Eusébio, bispo de Nicodemia. Silvestre I foi um dos primeiros santos canonizados sem ter sofrido o martírio. Festa em 31 de Dezembro.” Pronto, aqui fica a minha brincadeira deste ano que foi dar-vos a conhecer um Santo que durante anos e anos foi o protector dos nossos risos e das nossas malandrices. Certo é que talvez fosse o seu manto protector que nos levou sempre a brincar procurando o bem e afastava de nós as autoridades que nos buscavam nos momentos em que se viam ludibriadas. Mas, ... cala-te boca. Manuel

UM ARTIGO DE ANSELMO BORGES, NO DN

Ano Velho, Ano Novo
::
Ainda hoje, há zonas do mundo onde, na noite de passagem de ano, o que é velho ou considerado desnecessário e gasto é atirado pela janela, de tal modo que algumas ruas de grandes cidades ficam mesmo intransitáveis. Nesta noite, há festejos estrondosos, euforias e loucuras, e as sociedades permitem excessos no comer, no beber e até de ordem sexual. De algum modo, é como se tudo voltasse ao caos originário para que se refaça o cosmos. Como aconteceu no princípio. "Naquele tempo" - in illo tempore, o tempo das origens, o tempo sem tempo, o tempo mítico fundacional -, os deuses organizaram o caos, que se tornou cosmos e mundo (não é de cosmos que vem cosmética e a mundo não se contrapõe imundo?).
A noite de passagem de ano ritualiza, actualizando, o mito das origens. As sociedades precisam de dar lugar à expansão das forças caóticas, para que, em seguida, tudo regresse à ordem.
É o mito da renovação e, de algum modo, do eterno retorno: tudo vai e tudo volta.
Mas, na passagem do Ano Velho para o Ano Novo, há uma outra experiência funda e dramática. É por esta altura - Natal e Ano Novo - que de maneira especial nos lembramos dos familiares e dos amigos, e a família junta-se e, pelo menos, há um contacto telefónico, um postal de Boas-Festas, um SMS...
Mas, todos os anos, quando folheamos a agenda dos nomes, somos, de repente, confrontados com a falta deste e daquele, desta e daquela. Afinal, no ano passado, ainda cá estavam e agora já cá não estão. E alguns - os amigos - a falta que nos fazem! É como se - quem o disse de forma inultrapassável foi Santo Agostinho, ao escrever, nas Confissões, sobre o amigo que partira - uma parte de nós estivesse morta. Também morremos com eles. Sem eles, como a vida se empobreceu!
:
Leia mais em DN

sábado, 30 de dezembro de 2006

PENA DE MORTE

PORTUGAL FOI O PRIMEIRO
PAÍS DA EUROPA
A ABOLIR A PENA DE MORTE
"Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história. (...) Felicito a vossa nação. Portugal dá o exemplo à Europa. Desfrutai de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal. Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos"
: Victor Hugo, 1876,
a propósito da abolição
da pena de morte em Portugal

CRIME POR CRIME

SADDAM FOI ENFORCADO
Como estava previsto, Saddam foi enforcado esta madrugada. Em nome da lei. Com leis como esta, em que crimes são pagos com outros crimes, à sombra de opções humanas, temos de reconhecer que a nossa civilização ainda tem muito que andar, para atingir um grau em que os homens e mulheres sejam dignificados. O homem, olhado no sentido lato, ainda está longe de respeitar a vida, em toda a sua plenitude. Não é com a morte, seja de quem for, que o ser humano cresce e honra a dignidade de filho do Criador. Não está em causa o criminoso que Saddam foi. Não está em causa a onda de crimes hediondos que perpetrou, com os genocídios que protagonizou. Não está em causa o terror que alimentou. Nada disso. Ele merecia ser castigado. Ele merecia ser retirado do seio dos homens e mulheres amantes da paz. Mas nunca pela pena de morte. Que as mortes, como as vidas, para um crente, são apenas da vontade de Deus. Eu penso que os castigos são legítimos para quem transgride as leis que regulam as relações entre as pessoas ou entre estas e a sociedade. Mas defendo que esses castigos devem preservar sempre a vida.
Saddam, que nunca manifestou arrependimento pelos crimes que cometeu, podia, mais tarde ou mais cedo, na prisão, tomar consciência dos males que causou a tanta gente, e partir daí para tomar atitudes que o dignificassem. Afinal, a justiça pôs termo a um eventual processo de arrependimento de um homem que deixou na história marcas horríveis de tirania, de frieza de sentimentos, de brutalidade contra gente indefesa. Mal vai a sociedade que, em pleno século XXI, não consegue abdicar da pena de morte. Fernando Martins

IMAGENS DE AVEIRO

Aveiro: Canal Central
VER A CIDADE
::
Apetece-me sugerir hoje aos meus leitores que registem imagens da cidade. Uma simples compacta digital, como a que uso, permite guardar recordações do que vimos e gostámos. E do que gostamos.
Aveiro, com os seus espelhos de água, favorece as imagens. Quem há por aí que não fique extasiado com fotos como tantas que ponho no meu blogue? E não é legítimo pensar que as boas fotografias só estão ao alcance dos fotógrafos profissionais... Qualquer pessoa, com um mínimo de sensibilidade, poderá tirar fotografias... para mais tarde recordar.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

UM ARTIGO DE PACHECO PEREIRA

UM INTELECTUAL ORGÂNICO EUROPEU:
JOSEPH RATZINGER
(BENTO XVI)
::
Olhando para 2006 com os olhos do fim do ano, pequena convenção do tempo, há uma figura intelectual que emerge da Europa, onde hoje elas não abundam: Joseph Ratzinger, o actual Papa Bento XVI. Não é tanto o Papa que me interessa em primeiro lugar, nem são motivos religiosos que me levam a destacar Ratzinger, mas sim o seu papel como intelectual na feitura da Europa como nós a conhecemos e do "Ocidente" como nós já não o conhecemos. Este tipo de aproximação a Ratzinger é provavelmente uma das que mais lhe desagradará, após uma vida a combater uma visão que considerará relativista e positivista e que acaba inevitavelmente por minimizar, na sua análise, o homem de fé que o padre, bispo, cardeal e agora Papa é sem dúvida. Ele próprio resumiu algumas das suas recusas em tomar determinadas posições com a afirmação definitiva: "Se o fizesse, não seria capaz de afirmar o Credo." Neste sítio, onde eu paro, começa Ratzinger.
:
Leia mais em ABRUPTO

IMAGENS DE AVEIRO

PAINÉIS CERÂMICOS
::
A vida vai obrigando toda a gente a correr. Isso mesmo verifico quando vou sem pressas a Aveiro. Que, é verdade, muitas vezes também lá vou a correr.
Mas quando vou sem ter que olhar para o relógio, é certo e sabido que sei e gosto de contemplar o belo que há em cada canto. Os panéis cerâmicos, que ornamentam alguns recantos outrora frios, sem expressão, são agora excelentes motivos para um visita à capital do Distrito.
Se puder, vá por lá um dia deste e confirme que eu tenho razão. A arte de artistas aveirenses de renome merece a nossa atenção.

JOVENS EM ZAGREB

40 000 jovens em Zagreb para o Encontro Europeu animado pela Comunidade de Taizé
Zagreb, na Croácia
UM CRISTIANISMO EM FESTA
::
A cidade de Zagreb acolhe o 27º Encontro Europeu de Jovens promovido pela Comunidade de Taizé. De 28 de Dezembro de 2006 a 1 de Janeiro de 2007, a Croácia vai ver os rostos e as cores de um Cristianismo em festa. 40 000 jovens de toda a Europa e representantes de outros continentes são esperados na capital croata. Um dos momentos mais simbólicos acontece na noite de passagem de ano, quando os participantes, nas paróquias, promovem uma vigília de oração pela paz “em comunhão com os povos que sofrem”, seguida de uma “Festa dos povos”. À chegada cada um receberá, na sua língua, uma carta do irmão Alois, Prior de Taizé. Nesse texto, intitulado “Carta de Calcutá” (que se segue a um encontro de Taizé nesta cidade indiana, teve lugar em Outubro de 2006), o sucessor do irmão Roger escreve: “Os imensos problemas das nossas sociedades podem alimentar o derrotismo. Quando escolhemos amar, descobrimos um espaço de liberdade para criar um futuro para nós mesmos e para aqueles que nos são confiados”. Na carta do Ir. Alois, Prior da Comunidade de Taizé, destaca-se a necessidade de dar uma resposta concreta e cristã aos que “aspiram hoje a um futuro de paz, a uma humanidade livre das sombras da violência”. Aos jovens é lançado o desafio de fazer espalhar “por toda a Terra” uma “parábola de partilhas”, com o objectivo de “criar comunhão na família humana.”
:
Fonte: ECCLESIA
:
Nota: Quando tantos jovens se juntam, em ambiente ecuménico, para conviver e rezar, numa altura em que tantos outros vivem indiferentes à força do espírito, penso que vale a pena pensar um pouco sobre esta realidade, ano após ano repetida num qualquer ponto do mundo, por iniciatica da Comunidade de Taizé.
A Comunidade de Taizé (localidade francesa) é de expressão inicial protestante, mas desde o princípio alimentou, de forma exemplar, o espírito ecuménico. Hoje, tem no seu seio cristãos de todas as tendências, numa demonstração clara de que, pela oração e abertura de coração (e não pelas altas teologias), é possível a convivência e a caminhada em comum de cristãos de todas as denominações.
Já não tenho idade nem condições para uma visita a Taizé, onde pudesse estar com cristãos de diversas correntes, para aí sentir a força da unidade em torno do mesmo Senhor. Mas se não posso ir, fisicamente, lá estarei com eles, durante este fim-de-semana, em Zagreb, para mostrar ao mundo que a paz entre todos os homens e mulheres de boa vontade é possível.
F.M.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

MUSEU DE ÍLHAVO

IMAGEM DA RIA
O Museu Marítimo de Ílhavo, dos mais notáveis no seu género, merece perfeitamente uma visita em dias de férias para alguns, como são os dias correntes. Tenho visto gente que anda por aí, quase sem programa, que bem podia aproveitar umas horinhas para visitar este Museu que retrata, com muita nitidez, o amor que os ílhavos têm ao mar e a tudo o que lhe diz respeito. Ali, podem descobrir facetas curiosas da nossa Ria, enriquecendo, por essa forma tão simples, o espírito.

GAFANHA ANTIGA

PORTO DE PESCA LONGÍNQUA
::
Aqui fica mais uma foto da GAFANHA ANTIGA. Trata-se de uma Seca de Bacalhau de há décadas. Agora, pelo que sei, o bacalhau é seco em estufas, com temperaturas e humidades controladas, para sair no ponto. No ponto, quer dizer de acordo com os gostos dos portugueses, gostos esses criados há meio milénio. Que estas coisas não podem ser feitas à sorte.
Não sei em que ano foi tirada esta fotografia. Estava por aqui, por casa, perdida no meio de papelada. Penso que já a publiquei, mas não tive tempo de o confirmar. De qualquer forma, o registo é sempre importante, ou não fosse a quadra que atravessamos marcada por umas boas postas de bacalhau, com batatas e couves das terras gafanhoas, mais um ovinho cozido e uns dentes de alho, e tudo bem regado com azeite de qualidade. Claro que nunca falta um bom tinto (tinto, sim senhor, que faz bem ao coração, segundo dizem), mais boa broa.
Se querem um conselho de amigo, esta será uma excelente proposta para a passagem do ano. Há quem vá para outros pratos que nada trazem de novo. Cá por mim, juro que fico por este. No fim de contas, é o que me dá mais gosto saborear. Sempre.
F.M.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

GAFANHA ANTIGA

RESPOSTA A UM DESAFIO
Leitor que gosta de rever o passado desafiou-me a publicar fotos da GAFANHA ANTIGA. Para recomeçar (Já o fiz várias vezes), aqui vai uma foto, com uma informação e um desafio. Foi tirada na década de 40 do século passado. Dou um doce a que souber o nome destas mulheres e em que seca do bacalhau trabalhavam...

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

NATAL - 22

CRISTO,
PALAVRA DE DEUS Antes de o mundo ser mundo, aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e ele mesmo era Deus. Desde sempre ele esteve com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada foi criado. Nele estava a vida, e essa vida era a luz dos homens. A luz brilha nas trevas e as trevas não a venceram. Só aquele que é a Palavra era a luz verdadeira, que alumia toda a humanidade, luz que apareceu neste mundo. Ele veio realmente ao mundo, mas o mundo não o reconheceu, apesar de ter sido criado por meio dele. Veio para o seu próprio povo, que não o quis receber. Mas àqueles que o receberam e acreditaram nele deu o privilégio de se tornarem filhos de Deus.
Do Evangelho de São João

domingo, 24 de dezembro de 2006

NATAL - 21

A MELHOR PRENDA DE NATAL
O Albano acordou na segunda-feira com o firme propósito de resolver de uma vez por todas o problema das prendas de Natal. Todos os anos sentia o mesmo dilema, sem saber o que oferecer na noite de consoada aos seus familiares. A esposa, essa sim, tinha jeito para tais coisas. Sempre estava mais disponível e não tinha preocupações que a incomodassem. O Albano era diferente. A empresa ocupava-o todos os momentos de todos os dias, ou não o obrigassem a isso a crise económica que domina o país e alguns conflitos com um ou outro trabalhador, que há sempre quem esteja insatisfeito com o ordenado que recebe, como ele tantas vezes dizia. Por isso, escasseava-lhe o tempo para pensar em prendas. Mas o Natal ainda o motivava para se mostrar generoso com quem mais o ajudava nos negócios e com os familiares mais próximos. Restos de uma educação cristã que havia recebido em criança e do ambiente solidário que a época natalícia propicia. As prendas dos mais directos colaboradores eram fáceis de encontrar. Mais uns dinheiros, para além do subsídio do Natal e do habitual salário mensal, e não era nada mau. Assim, receber quase três meses de uma só vez sempre será muito bom para que os trabalhadores bem comportados possam passar esta quadra mais folgadamente, costumava dizer o empresário, em jeito de quem gosta de mostrar a sua generosidade. Os outros, os que levam a vida a protestar, esses que aprendam a viver e para o ano logo se verá, sublinhava o Albano, quando alguém o criticava por só olhar para alguns. Agora, com a esposa, filhos e pai é que é mais complicado. Com os primeiros, porque ficam sempre descontentes e à espera de mais, e com o velho, internado num Lar da Terceira Idade, porque nunca reclama nada. Que está tudo bem, que os netos é que precisam, que há pobres a quem falta tudo, que há gente que passa fome, que há refugiados de guerra, que há imigrantes entre nós sem trabalho. Mas para ele, que tem cama, mesa e roupa lavada, nada mais é preciso, garantiu no ano passado ao Albano, quando lhe foi levar um livro como prenda de Natal. Um livro que o velho afinal nunca abriu. Olhos cansados, uma melancolia que o tem invadido, um gosto pela solidão que ninguém entende, diz a família a quem pergunta por ele. O pai do Albano, Alberto Ferreira, funcionário numa Repartição de Finanças durante uma vida, sempre foi uma pessoa amável e prestável. No fim da carreira, já ajudava a resolver problemas de filhos e netos de contribuintes que o viram entrar na repartição. Conhecia toda a gente e para todos os que se abeiravam dele tinha palavras amigas, entrecortadas pelas últimas anedotas políticas, de que era um exímio mas prudente coleccionador. De política propriamente dita, mais nada sabia, nem nisso se metia. Depois da morte da mulher, aposentado e preparado para viver uns anitos tranquilos, sem aquela obrigação de levantar cedo para cedo chegar ao seu posto de trabalho, como mandam as regras de quem quer ser cumpridor, viu esboroar-se o sonho de uma reforma feliz. Ficou por casa, sozinho e com as suas recordações, a fazer tudo o que podia no dia-a-dia, para se entreter. Até se esmerou na cozinha, preparando uma vez ou outra uns petiscos, coisa que a esposa lhe recusava por causa do colesterol e da tensão alta. O filho único, a nora Albertina e os netos, Joel e Mariana, até gostavam de o ver assim entretido. Passavam a correr, mas passavam. Em certa altura, pressentiu que os netos iam por lá à espera de uns dinheiritos, talvez para as extravagâncias dos fins-de-semana. Mas um dia sentiu-se mal. Certamente pelos abusos da comida e por raramente sair de casa. A vida parada é muito prejudicial à saúde, como tanto ouviu dizer. E desse incómodo se queixou aos netos. O filho telefona-lhe então com a recomendação de que vá ao médico. Se não puder andar, diga. Alguém o há-de levar à consulta. Que não, disse o velho funcionário público aposentado. Os incómodos haviam de passar. O Albano pensou, num gesto que achou oportuno e até inteligente, que afinal o pai não estava bem sozinho. Levá-lo para sua casa, estava fora de questão. Os quartos que havia estavam todos ocupados. Deitá-lo a dormir numa sala não era solução. E como o velho sempre dissera que em sua casa não queria gente estranha a dormir, ao menos para o caso de ele ficar indisposto, então o melhor seria interná-lo num Lar. Sim, porque o Albano não tinha tempo para se preocupar com os incómodos de ninguém. Incómodos, e muitos, tinha-os na empresa. Mas como resolver o assunto? Em primeiro lugar, seria preciso convencer o velho, que era um bocado teimoso. Ficara assim com a passagem dos anos. Mas tinha de o convencer. E acabou por roubar um bocado de tempo à empresa. O pai reagiu. Que não era preciso. Que estava muito bem. Os problemas de doença resolvem-se e tudo volta à normalidade. Porém, o filho tanto insistiu e ameaçou que o velho acabou por ceder. E foi para um Lar, onde, como dizia toda a gente, os utentes eram bem tratados por trabalhadores competentes e diligentes. Os primeiros tempos foram de difícil adaptação, mas acabou por aceitar a rotina: levantar cedo, lavar-se e arranjar-se, como era seu costume, desde muito novo, tomar o pequeno-almoço com outros idosos, homens e mulheres, andar por ali pelos corredores para desentorpecer as pernas, ver televisão, almoçar, dormitar num sofá durante a tarde, assistir a jogos de mesa, que ele não apreciava porque se discutia por tudo e por nada, lanchar, voltar a olhar para a televisão, quantas vezes com indiferença, jantar e deitar. A família, que sempre o visitou durante as primeiras semanas, passou a telefonar. Os telemóveis facilitam a vida a muita gente. Depois tudo começou a rarear. E de um dia para o outro, nem para festas de aniversário era convidado, que a juventude se quer com a juventude e os pais com pessoas da sua idade e condição social. Nem os seus aniversários mereceram mais do que uns telefonemas, onde se trauteava o “parabéns a você”, para despachar mais depressa e sem mais conversa. O Albano andava bastante atarefado e envolvido nos negócios. Gostava de singrar na vida, como sempre o pai lhe ensinara. Era um homem honesto, como ele próprio se classificava. E não deixava de fazer gala disso em todas as circunstâncias. Aos filhos apresentava-se como empresário impoluto, compreensivo e justo, a imitar. Exemplo para todos, dizia. Mas naquela segunda-feira acordara preocupado com as prendas de Natal. Também para o pai que já não via há meses. Para a esposa e para os filhos era fácil, no fim de contas. A Albertina, como quem não quer a coisa, já havia apreciado um relógio de ouro, de boa marca, numa montra da cidade, numa tarde de domingo, depois de um almoço bem servido num restaurante afamado. O assunto estava resolvido. Para os filhos, ainda tinha dúvidas. O Joel, aluno de Letras, que não comprava livros e pouco lia, mas jogava “Playstation”, já tinha recomendado à mãe que gostava de fazer umas férias, curtas, nos Alpes. Era, portanto, de dinheiro, que ele precisava. E para a Mariana, estudante de Medicina, também o dinheiro lhe daria jeito, até porque andava a sonhar com um estágio na América, que o pai havia de pagar. Mas uns cobres, por fora, fazem um jeitão. E para o velho? Talvez fosse bom passar por lá, à hora da sesta, para ver se ele precisa de roupa. Como já não o visitava há muito tempo, resolvia assim o problema da visita natalícia. E foi. Perguntou pelo pai, na recepção. Que está no salão a ver televisão, como é habitual, informou solícita a empregada. O Albano chegou ao limiar da porta de entrada e olhou à volta. Mortos-vivos, quase todos, ali estavam. De olhos fixos na televisão, uns; de olhos parados no infinito, outros. Outros tantos, ainda, dormitavam. O pai estava neste grupo. Aproximou-se e abanou-o para mostrar que estava ali. O velho, com alguma tristeza no olhar, fixou-o. Não esperava o filho. Não esperava ninguém. Em resposta ao convite do filho, foi até ao jardim. E a conversa, quase só monólogo, interrompida há tanto tempo, iniciou-se com dificuldade. O Albano falou dos seus muitos negócios, das suas vitórias sobre a crise económica da maioria, dos seus projectos para se posicionar entre os grandes empresários, e da casa em construção que vai ser um autêntico palacete, rodeada de jardins e com piscina, para fugir ao stresse de quando em vez. Falou das muitas ocupações da Albertina, com o governo da casa e a aturar as mulheres-a-dias, dos estudos do Joel e da Mariana, que hão-de ser profissionais de sucesso. Falou do Natal, que é, como habitualmente, uma festa da família. Disse que este ano também não o podia convidar, porque a festa iria prolongar-se, como de costume, pela noite dentro, e depois não havia lugar para o pai dormir. Nem aguentaria tantas horas acordado. E que estava ali a visitá-lo para saber do que precisava. Roupa nova mais quente para o Inverno, alguns livros para ler, uma televisão para o quarto, para não estar ali com os outros. Sabia que comia bem, que estava a ser assistido pelo médico do Lar, que tomava todos os medicamentos que lhe eram receitados. O pai que dissesse do que é que necessitava. – Até ver, não preciso de nada. Toda a gente por aqui me trata bem, como se fora pai e avô de todos. Mas vou pensar e depois direi. – Então, até um dia destes – disse o Albano, enquanto se levantava. E acrescentou: – Na empresa devem estar preocupados com o meu atraso. Fico à espera do seu telefonema. Adeus, pai. Deu meia volta para se retirar, enquanto apertava a mão ao velho aposentado, num gesto frio. – Olha, filho! Pensando bem, a tua visita foi a melhor prenda de Natal que me podias oferecer… – murmurou o Alberto, com voz trémula, para que ninguém o ouvisse.
Fernando Martins

GOTAS DO ARCO-ÍRIS - 45

LENHA AMARELA? VERDEAVERMELHADAAZULADA?
Caríssimo/a:
“Em 1900 ainda era frequente
queimar à noite o cepo de Natal.”
Assim escreve o padre João Vieira Resende, na página 257, da “Monografia da Gafanha”. E quando muito se fala em “voltar às origens”, aqui deixo esta imagem de encantamento, como prolongamento da Ceia. Voltaremos a encontrar este “culto do fogo” lá mais para o Verão na inesquecível noite de S. João, quando meninos e moços, saltávamos a fogueira das palhas das favas que se guardavam. Mas fogo aconchegador era o que vomitava as chamas pela porta do forno, mudando as cores do barro das paredes para preparar a fornada do pão ou o assado do carneiro. Menos violento e mais próximo o que acariciava a panela que, nesta Noite, sempre esconderá alguma maravilha (quem sabe, talvez umas enguias...). E nós lá íamos atrás dessas chamas que subiam, desciam, se encolhiam, se retorciam, mudavam de cor, se extinguiam. Pegar no fogo, da bica ou do cavaco, era perigoso!... Onde o encanto do sopro quente que nos fazia proteger os olhos e defender a cara do calor? Uma boa Noite da Ceia! Feliz Natal! Manuel

NATAL - 20

A Sara Reis da Silva enviou-me este "presente de palavras", com votos de um Natal muito luminoso. Aqui o partilho, com os mesmos votos, com os meus amigos.
DIA DE NATAL
::
Hoje é dia de Natal
Mas o Menino Jesus
nem sequer tem uma cama,
Dorme na palha onde o pus.
Recebi cinco brinquedos
Mais um casaco comprido.
Pobre Menino Jesus,
Faz anos e está despido.
Comi bacalhau e bolos,
Peru, pinhões e pudim.
Só ele não comeu nada
Do que me deram a mim.
Os reis de longe lhe trazem
Tesouros, incenso e mirra.
Se me dessem tais presentes,
Eu cá fazia uma birra.
Às escondidas de todos
Vou pegar-lhe pela mão
E sentá-lo no meu colo
Para ver televisão.
:::
(Poema de Luísa Ducla Soares,
incluído na colectânea «Conto Estrelas em Ti»
- org. por José António Gomes, Campo das Letras, 2000).

sábado, 23 de dezembro de 2006

NATAL - 19

A Virgem Gloriosa e as Sibilas
- Livro de Horas da Duquesa de Borgonha.
Museu Condé, Chantilly
ÚLTIMO NATAL
::
Menino Jesus, que nasces
Quando eu morro,
E trazes a paz
Que não levo,
O poema que te devo
Desde que te aninhei
No entendimento,
E nunca te paguei
A contento
Da devoção
Mal entoado,
Aqui te fica mais uma vez
Aos pés,
Como um tição
Apagado,
Sem calor que os aqueça,
Com ele me desobrigo e desengano:
És divino, e eu sou humano,
Não há poesia em mim que te mereça.
In "POESIA COMPLETA", de Miguel Torga

DIREITOS HUMANOS

Bento XVI defendeu que os crentes "devem opor-se a uma ditadura da razão positivista que exclui Deus da vida pública"
Papa diz que mundo muçulmano
deve respeitar os direitos humanos

O mundo muçulmano deve aceitar os direitos humanos e a liberdade religiosa, tal como a Igreja Católica foi pressionada a fazer no passado, defendeu ontem o Papa Bento XVI, no seu discurso de final de ano perante a cúria, que reúne todas as administrações do Vaticano. "O mundo muçulmano encontra-se hoje perante uma missão particularmente urgente, muito semelhante à que foi imposta aos cristãos a partir da época do Iluminismo", disse Bento XVI. Perante este desafio, os crentes "devem opor-se a uma ditadura da razão positivista que exclui Deus da vida pública", acolhendo "as verdades conquistadas pelo Iluminismo, que são os direitos humanos, nomeadamente a liberdade de fé e o seu exercício". Estes valores, sublinhou, "são os elementos essenciais para uma religião autêntica". Três meses após a crise suscitada pelas alusões ao Islão durante uma palestra na Universidade alemã de Ratisbona, e três semanas depois da sua polémica viagem à Turquia, Bento XVI afirmou-se "solidário com todos os que, com base na sua convicção religiosa muçulmana, se empenham contra a violência e a favor de uma sinergia entre a fé e a razão, entre a religião e a liberdade". :

Leia mais no PÚBLICO

NATAL - 18

Relatos dos Evangelhos
na análise do Pe. Carreira das Neves
Posted by Picasa
Adoração dos Magos - Mestre do Sardoal.
Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa
O NASCIMENTO DE JESUS
Jesus nasceu a 25 de Dezembro, foi dado à luz numa gruta, havia burros ou vacas a assistir, os magos eram reis e eram três, houve pastores a adorá-lo, fugiu para o Egipto? As respostas são dadas pelo especialista em Sagrada Escritura, Pe. Joaquim Carreira das Neves:
: Todos os anos, ao celebrarmos o Natal de Jesus, nos encontramos com figuras e factos que evocam a memória desse Natal de há dois mil anos. Vivemos de memórias e somos uma memória viva. Não há história sem memória nem memória sem história. Ao lermos o Evangelho de S. Mateus, nos dois primeiros capítulos, cheios de encanto e significado, passam por nós os reis magos, a estrela, o encontro dos magos com Herodes, a adoração do Menino, a fuga para o Egipto, o massacre dos inocentes, o regresso do Egipto e a vinda para Nazaré, dois anos e tal depois de se refugiarem no Egipto. Porém, ao lermos o Evangelho de S. Lucas, também nos dois primeiros capítulos, deparamos com figuras e factos completamente distintos dos de S. Mateus: o anúncio do nascimento de S. João Baptista a seu pai Zacarias, o anúncio do nascimento e Jesus a sua mãe, através do arcanjo S. Gabriel, a visita de Maria a Santa Isabel, o nascimento e circuncisão de Jesus no Templo de Jerusalém, juntamente com Simeão e Ana, o regresso da Sagrada Família a Nazaré, apenas uns quinze dias depois do nascimento, e, finalmente, o encontro de Jesus no Templo. A apresentação destas figuras e factos tem um objectivo: fazer com que o leitor perceba que as figuras e factos narrados em S. Mateus não são os mesmos que em S. Lucas. De comum, os dois evangelistas só têm a conceição virginal de Jesus e o nascimento em Belém. Não seria mais normal que ambos apresentassem as mesmas figuras e factos?
:
Leia mais na ECCLESIA

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

NATAL - 17

A ÁRVORE DE NATAL Este Natal, faz uma árvore dentro do teu coração e pendura nela os nomes
de todos os teus amigos e familiares: dos que te são próximos e dos mais afastados, dos antigos e dos recentes, dos que vês todos os dias
e dos que raramente encontras, dos que sempre lembras
e dos que por vezes esqueces, os das horas difíceis
e os dos momentos felizes, os que magoaste sem querer ou sem querer te magoaram, os que conheces profundamente e aqueles de quem conheces as aparências, os que pouco te devem
e aqueles a quem deves muito, os jovens e os mais velhos, os teus amigos humildes
e os teus amigos importantes, os que te estimam e admiram sem saberes e os que amas sem lhes dares a entender. Pendura os nomes de todos
os que passaram pela tua vida. Neste Natal arma uma árvore
de raízes profundas, para que estes nomes não sejam nunca
arrancados da tua vida. Uma árvore de ramos muito longos, para que novos nomes vindos de todos os lados se juntem aos que já existem. Uma árvore de sombra agradável, para que a amizade seja
um momento de repouso no meio das lutas da vida.
In “Advento, Tempo de Oração”,
de Álvaro Ginel e Mari Parxi Ayerra (Edições Salesianas) : Nota: Transcrito do “Correio do Vouga”

CRÓNICA DE VASCO PULIDO VALENTE, NO PÚBLICO

MILHÕES DE POLÍCIAS
Na Inglaterra e na América é politicamente incorrecto, e hoje quase criminoso, festejar o Natal. Porquê? Porque, celebrado com tanta exuberância, o Natal se arrisca a ofender (ou a convencer) os crentes de religiões minoritárias, sobretudo, claro está, os muçulmanos. Mas como não se pode proibir o Natal, coisa que decerto os puristas gostariam de fazer em nome dos direitos do homem, a ortodoxia política tem por enquanto de o camuflar. Isto obriga naturalmente a algumas contorções verbais, a muita hipocrisia e a uma boa dose de intimidação. A "árvore de Natal" passou a "árvore da amizade" e o "jantar de Natal" a "jantar do solstício de Inverno". Os "cartões de Natal" são agora também "cartões da estação" e o "Bom Natal", suponho, "Boa Estação".
Nos países católicos, como Portugal, esta espécie de purga ainda não começou. Mas cá chegará, com o atraso e o zelo do costume. Entretanto, mesmo aqui, o totalitarismo (e uso a palavra deliberadamente) alastra sem sombra de protesto. O comportamento "aceitável" do cidadão comum é regulado e é imposto ao pormenor: e ninguém percebe, ou nota, o que se passa.
:
Leia mais no "PÚBLICO"

UM ARTIGO DE D. ANTÓNIO MARCELINO

LUTADORES INCANSÁVEIS
NUM MUNDO DESENCONTRADO
Nutri sempre um especial afecto, misturado com uma admiração agradecida, pelos diversos secretários gerais da ONU. Sempre vi neles gente doada a uma causa difícil, se não quase impossível, como é a da justiça, da paz, do entendimento entre os povos, do clamor incómodo dos mais pobres, débeis e indefesos, da verdade sem manobras. O mundo dos grandes é mais dominado por interesses que por projectos de justiça e de paz. Quando falam de paz, com voz de aparente sinceridade, fabricam armas de guerra e de destruição e maquinam formas novas de exploração dos povos indefesos. Dão ajudas de um desvelado patrocínio àqueles a quem antes destruíram vidas e haveres e aos quais mataram, impunemente, os seus sonhos mais que legítimos de ser gente reconhecida e livre. É no meio deste universo de contradições que um secretário geral se move, sempre em sobressalto, sempre consciente que lhe podem retirar o tapete ao primeiro assomo de crítica ou de apelo que vá bulir com interesses constituídos. Muitos dos que se alegram com a sua presença não escondem o incómodo da mesma, porque sabem que a sua tarefa é provocar alarmes de consciência e apontar para quadros sociais que não agradáveis ao olhar, nem convidativos à instalação e ao descartar de responsabilidades. Homens sem tempo para si e para os seus, porque a qualquer momento surgem apelos que não permitem delongas na decisão, nem podem retardar palavras de apoio e gestos de ajuda e compreensão. Só nos Papas dos últimos tempos se pode ver idêntica atenção e imediata intervenção. São todos estes os sempre acordados e atentos, que mostram o rosto de uma Providência que não discrimina, a não ser a favor dos que mais sofrem com as calamidades e os infortúnios da natureza e as injustiças dos homens. Houve nos últimos dias o render da guarda de Kofi Annan. Um africano que, sem complexos, primou por uma disponibilidade sem limites, uma liberdade interior sem peias, uma serenidade lúcida no juízo das situações, uma capacidade de intervenção atempada, sempre frente aos inúmeros incêndios que a política dos interesses, nacionais e internacionais, foi ateando por esse mundo fora. Um homem livre que não dobrou a cerviz ante a força dos grandes, a quem pouco importavam elogios e simpatias. Mais ocupado e rendido aos problemas humanos e sociais, geradores de contínuo sofrimento. Cinco lições para os presumíveis donos do mundo, assim lhes chamou, foram o seu legado de fim de mandato. Nelas insiste na responsabilidade solidária de todos ante as grandes causas da humanidade, do bem-estar à segurança, do respeito pelos direitos humanos à abertura para serem avaliados e prestarem contas pelos actos realizados e deveres não satisfeitos. E não se cala, por fim, ante o escândalo de um Conselho de Segurança que, desde o princípio, quase só existe como garante dos interesses só de alguns, dos grandes como é evidente, mesmo que não dispense outros, ainda que pequenos, como mero ornamento de uma democracia vazia e falsa. Estes não passam de números de favor para se conseguir, com aparente legalidade, efeitos antes já acordados e garantidos. Por via de um testemunho esforçado e apreciável dos sucessivos secretários gerais da ONU, a que os mais honestos da sociedade, a todos os níveis, não podem ficar alheios, os adormecidos vão acordando, os injustiçados tendo voz, os prepotentes descobrindo que têm pés de barro, o mundo desencontrado a ganhar uma crescente consciência de que não é feudo de alguns, mas espaço e oportunidade de todos. O epílogo de um mundo novo em construção, por via dos que não desistem, pode ainda estar longe. Porém, já se vai notando que a esfera vai rodando sem parar e que o sol jamais apagará, enquanto não forem todos, sem privilégios nem discriminações, a beneficiar da mesma luz e calor.

NATAL - 16

BOM NATAL
EXCELENTE ANO NOVO
Paz. Solidariedade. Alegria. Prosperidade. Saúde. Camaradagem. Paz. Tranquilidade. Progresso. Alegria. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Bom 2006. Camaradagem. Paz. Solidariedade. Alegria. Sucesso. Confiança. Tranquilidade. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Feliz Ano Novo. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Alegria. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Bom 2006. Camaradagem. Paz. Solidariedade. Alegria. Sucesso. Confiança. Tranquilidade. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Alegria. Prosperidade. Saúde. Camaradagem. Paz. Tranquilidade. Progresso. Alegria. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Bom 2006. Camaradagem. Paz. Solidariedade. Alegria. Sucesso. Confiança. Tranquilidade. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Feliz Ano Novo. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Alegria. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Bom 2006. Camaradagem. Paz. Solidariedade. Alegria. Sucesso. Confiança. Tranquilidade. Saúde. Felicidade. Amor. Camaradagem. Paz. Tranquilidade. Progresso. Alegria. Desenvolvimento. Saúde. Felicidade. Amor. Paz. Solidariedade. Ternura. Alegria. Progresso. Paz. Prosperidade. Esperança. Saúde. Bom 2006. Camaradagem. Paz. Solidariedade. Alegria. Sucesso. Confiança. Bom Natal. Excelente Ano Novo.
::
Do PORTAL DO PORTO DE AVEIRO

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

AVEIRO ATENTA A QUEM SOFRE

CAMPEÕES
DA SOLIDARIEDADE
O Ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, disse ontem, conforme refere o “PÚBLICO”, que Aveiro foi o distrito nacional que obteve o maior número de candidaturas aprovadas na primeira fase do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES). Sublinha o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, afirma o mesmo diário, que os projectos do distrito representam um investimento em equipamentos sociais num total de 30 milhões de euros, proporcionando mais 1876 lugares para crianças, idosos e pessoas com deficiência. As candidaturas que recolheram aceitação estendem-se a 16 dos 19 concelhos do distrito, e irão merecer, em termos totais, uma comparticipação pública de 13,5 milhões. "Se houvesse um campeonato em termos de candidaturas aprovadas, Aveiro teria tido o primeiro lugar", realçou Vieira da Silva, como adianta o “PÚBLICO”. Quem conhece o dinamismo dos aveirenses não pode estranhar estas informações e até há-de concordar que as nossas gentes, ao nível da solidariedade social, não deixam os seus créditos por mãos alheias, multiplicando, sucessivamente, estruturas de apoio às famílias, com diversas valências. E de muitos dirigentes ouvi, vezes sem conta, que mais não fazem porque não têm encontrado, por parte de alguns responsáveis, a nível estatal e autárquico, o apoio indispensável. Conheço bastantes instituições do distrito de Aveiro onde tudo isso pode ser comprovado, com pessoas que se são aos outros sem desânimo e querendo, mais e mais, ampliar instalações e criar outras de raiz, tudo para que os mais feridos da vida possam ter vida digna. De facto, não tem conta o número de dirigentes que se preocupam com os que mais sofrem. E quanto a voluntários, o número é ainda maior. Por isso, o elogio do governante é justo e oportuno, devendo ser, nos dias de hoje, um incentivo para que outros lhes sigam as pisadas, no sentido de ajudar quem mais precisa.
Fernando Martins

NATAL - 15

Santuário de Fátima: Presépio
QUANTO MAIS LUZ,
MAIS NATAL?
Um sentimento de engano (per)segue o Natal em que nos (des)encontramos. No meio de tantas luzes que brilham na noite é imensa a escuridão de corações não amados que não nascem com o nascer da Luz do 25 de Dezembro. Este dia de todos os dias, reveste o brilho inapagável de uma esperança infinita que nos quer visitar sempre, novamente, e que traz consigo o único presente que sacia a fome de sentido de vida e de paz: Deus em Pessoa, Jesus! Que tempo e lugar haverá para este “Presente” de Tudo?! Que contraditório o caminho dos homens, que até são capazes de diminuir o “outro” no natal de cada dia e depois fazer a maior árvore do mundo na quadra festiva; que distâncias entre o ser e o parecer (que conduz ao ter) dos tempos modernos. Natal, outra vez, (trans)formado em luzes e doces, excessos e supérfulos, mas em que se perdeu (ao menos) da memória a razão de tanta doçura! Porque o assinalamos? Vivemos o “resto” do Natal(?). Enquanto ele der lucro, ele existirá! O Natal para a Europa será o “resto” dessa força repleta de tradição judeo-cristã – que vende e venderá mais algumas décadas - mas já tanto vazia de sentido profundo, divino. Quando se perde a razão profunda da festa, do doce, da rabanada, a médio prazo perde-se o próprio encontro, reencontro, a alegria de uma fonte de esperança divina encontrada. Claro, haverá que acolher cada luz que brilha, cada embrulho que hoje já não seduz a criança de mão cheias, e acreditar na esperança de cada momento, cada gesto. Haverá que acreditar sempre que por traz de cada árvore enfeitada habita a procura e o presente da paz, do amor, da felicidade e, por isso, o seu brilho é partilha aberta e feliz dos que estão em casa, em que o que se festeja é mesmo o (re)nascimento de um presépio no coração humano, que nos comunica uma nova paz para o natal de cada dia! Mas… será mesmo assim: quanto mais luz mais Natal?! Como passar – reconstruindo pela positiva - de todos os gestos sociais ao sentido profundo das coisas, da vida, da razão do dia de Natal? Como dizer hoje que o Natal está sempre incompleto e precisa da nossa ajuda no aconchego para haver mais calor humano? Como fazer perdurar as luzes acesas – elas que no seu piscar parecem sempre fugidias mas sempre surpreendentes na sua beleza de cores para todos os gostos – durante todo o ano? Que contradição (e que incompreensão n’) o Natal social! Como se este tivesse razão de existir. Como é possível celebrar o nascimento da vida quando, por outro lado, porventura, se quer dizer não à vida? É uma coisa única, nem que seja pela tradição (esta que quer ser sempre convite a caminhar hoje nos porquês), é irresistível o tornar públicos os símbolos de Natal, com o seu brilho encantador e cheio de ternura; mas o mais importante de tudo, e a autêntica prova dos nove, será lermos o depois: o que ficará depois do Natal? Que coerência diante de todos os sinais brilhantes? O Natal, para o ser de verdade, precisa de cada um! É convite a todos, mas é fundamentalmente estímulo a uma vida renovada na Paz para todos. Precisa, pelo menos, da “boa vontade” humana como quem procura a Verdade e aceita dialogar ao seu encontro. “Paz na terra aos homens”, será este o sonho feito vida como fruto do humilde dar “glória a Deus nas alturas”.Que se diga bem alto: o Natal não é um museu! O Natal, tal como as luzes, não coexiste com as mentes fechadas em si mesmas; há um brilho de dignidade humana que, pelo presente de Deus, é divina e que anseia ser partilhada infinitamente nos caminhos da vida. Que na “tomada” de cada luz que brilha reine a fonte de um momento de profundo silêncio… Encontro de paz, amor, esperança!
Alexandre Cruz

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

NATAL - 14

Mensagem do Bispo de Aveiro

Repouso na fuga para o Egipto - Gerard David.

Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa

O NATAL É HORA DE DEUS
E DOM DA VIDA
::
São múltiplos os sinais, diversificados os gestos e variadas as expressões e mensagens que afirmam o Natal como acontecimento que dá sentido às nossas vidas e oferece encanto e alegria às nossas terras. Aveiro, cidade e diocese, testemunha esta verdade e manifesta esta alegria. As comunidades e as famílias cristãs, as instituições e as pessoas, guiadas pela estrela de Belém, sentem-se neste tempo de Natal mais disponíveis para acolher Jesus, o Príncipe da Paz, o Filho de Deus. Recebemos do tempo e da história, formas e modos, jeitos e tradições de celebração do Natal. Nesta herança revelam-se o gosto e a arte, o encanto e a verdade com que oferecemos júbilo e beleza às nossas convicções de fé e aos acontecimentos da nossa redenção. Assim se percorrem, também, caminhos de proximidade entre o humano e o divino, entre o efémero e o absoluto, entre uma humanidade em procura e um Deus que vem ao nosso encontro. Um dos maiores imperativos do Natal consiste em tornarmo-nos, em cada ano que passa, mais disponíveis para testemunhar a beleza do Natal como abençoada hora de Deus e para colocar o nascimento de Jesus no coração do mundo, no centro da história e na alma da humanidade, onde o dom da vida não pode encontrar fronteiras nem limites. Esta é, também, a missão da Igreja: anunciar, viver e testemunhar o Natal como hora de Deus e dom da vida. Celebramos o Natal na nossa Diocese de Aveiro em pleno ano pastoral dedicado à Família. Saúdo e convoco todas as famílias da Diocese para que, a exemplo da Família de Jesus, saibamos viver o Natal como acolhimento do Salvador do mundo. O Natal é igualmente oportunidade privilegiada para intensificarmos o nosso espírito solidário. Sendo hora de Deus, o Natal faz-se hora da Humanidade. De todas as iniciativas de solidariedade onde a ousadia da caridade se exprime destaco este ano, com muita alegria, a Ceia de Consoada e a Festa de Natal oferecidas e organizadas pelo Centro Universitário Fé e Cultura da nossa Diocese aos estudantes e professores estrangeiros que passam o Natal longe das suas famílias. Vêm como estrangeiros. Queremos acolhê-los como irmãos. Com eles celebramos o único e o mesmo Natal. Este é o primeiro Natal que vivo em Aveiro. Agradeço-vos o acolhimento alegre e caloroso que me ofereceis e que, desde a primeira hora, me fez membro da Família aveirense. Esta é a minha primeira mensagem de Natal dirigida à Diocese e a todos os aveirenses. Saúdo cada um de vós e as vossas famílias e estendo esta mensagem a todos os aveirenses a viver emigrados e a todos quantos, vindos de outras terras ou países, moram, estudam e trabalham na nossa Diocese. Saúdo-vos com as palavras de bênção que Isabel, a Mãe de João Baptista, dirigiu à Mãe de Jesus: - Felizes aqueles que acreditaram (Lc.1,45). Um santo e feliz Natal
+ António Francisco dos Santos Bispo de Aveiro

GOTAS DO ARCO-ÍRIS - 44

TUDO DA COR DA NEVE...
Caríssimo/a: E continua a chover. Seguramente que lá mais para diante, Janeiro fora, o tempo apertará e aparecerão as geadas e a neve 'na serra da Estrela'. Para quem vive nas 'cidades' só há bom tempo com sol esplendoroso e passamos a vida a queixar-nos do 'tempo', nós, os filhos do urbano - se chove, porque chove; se está calor, ... Aliás, salvo erro, já o nosso povo diz que 'o lavrador quer sol na eira e chuva no nabal'. Basculhando apontamentos em outras arcas encontrei referências a tempos vários e outros que nos farão sorrir perante a nossa incredulidade e a nossa dúvida: pode lá ser?! Vamos ver: 1938 - Jan - 11- Neva em Avanca.
" Caiu por aqui [Avanca] neve aos bocadinhos. Uma coisa como nunca tinha visto. Choveu neve aos pedacinhos, pareciam bocadinhos de algodão branco em rama. Via-se no céu tudo a mexer-se como que fossem 'boagens'. Ao outro dia estava a serra toda branca de neve. Muita gente bastante velha, nunca viram isto". [Apontamentos de Maria José Costeira] [Na agenda de Monsenhor Costeira:]
1941- Jan - 15 -"Um grande temporal assolou esta cidade (Évora), abatendo chaminés, telhados, muitas árvores e causando muitos desastres pessoais. Morreu um bombeiro e uma criança, várias pessoas ficaram feridas. Foi uma devastação nas árvores, telhados, etc.. Não há memória de tal ter sucedido há muito tempo."
16-"Continua o mau tempo: frio e ventania forte. Foi o temporal de ontem um ciclone que assolou todo o país fazendo prejuízos incalculáveis. Não há memória de tal desgraça nesta geração. Foi muito pior que o de 16 de Janeiro de 1922."
17-"Está o trânsito interrompido em quase todas as linhas férreas do país, nas estradas, etc.. Não há telégrafo nem telefones. Só a rádio." 21-"Recebi carta de minha irmã Maria, escrita em 16. Narra o que foi de trágica a tarde e a noite de 15. Em casa ruiu parte da chaminé, o telhado sofreu bastante e as laranjas caíram todas, ficando as folhas das laranjeiras como queimadas pelo fogo." 26 - "Grande ciclone varre toda a região marinhoa.” 1942 - Jan - 11- “Em Évora, caiu um nevão que constituiu um espectáculo lindíssimo nas ruas, praças, telhados, jardins e campos. Para mim foi uma coisa nova. Fiz uma bola de neve, coisa que nunca tinha feito em minhas mãos." Na esperança de 'melhores' dias fica o
Manuel

NATAL - 13

Virgem e o Menino - Lorenzo Ghiberti.
Nacional Gallery of Art.
Washington - Kress Collection
PELO NATAL
:: Recordo com saudade aqueles Natais Que celebravam o nascimento de um petiz Um momento tão marcante e tão feliz Passado numa cabana pobre de animais Eram pobres as prenditas que me dava O menino Jesus, nos Natais da meninice Um doce e algo útil. Mesmo que não pedisse Ele sabia sempre do que eu mais precisava E que podia eu esperar receber mais De um menino muito mais pobre do que eu De um menino que eu sabia que nasceu Tão pobre numa cabana de animais Era um tempo muito belo mas modesto As roupas partilhadas com os manos Os brinquedos, simples, duravam anos A imaginação e o engenho faziam o resto Hoje é diferente e faz-me certa confusão Que o Natal que era outrora de um menino Seja hoje de um velho abastado e fino Que publicita as suas prendas na televisão O Pai-Natal impôs-se no nosso imaginário... Um menino pobre numa cabana de animais Não encaixa bem nos propósitos comerciais Como explicaria qualquer bom publicitário. Recordo com saudade aqueles Natais... João Alberto Roque (22 de Dezembro de 2005)

NATAL - 12

Sagrada Família - Frei Agostinho Paolo.
Museu Nacional de Arte Antiga - Lisboa
A CONSTRUÇÃO DO PRESÉPIO
::
«A primeira coisa a ir para dentro da gruta foi o musgo. Com muito jeito alcatifámos o chão com mantas fofas e verdes que fomos tirando das cestas. As heras foram crescendo em redor. E, de repente, o interior da gruta transformou-se numa serra verdinha, com arvoredo e cheia de pasto, a precisar de um rebanho de ovelhas e de alguns pastores. (…)
Feita com espigas de trigo, saiu da caixa uma manjedoura. Era uma boa ideia. Se chovesse ou nevasse, aquela manjedoura serviria para lá pôr o feno seco para o rebanho comer.
Outro pastor chegou. Aquele pastor, que era ainda rapazinho e tinha um chapéu roto na cabeça, foi pôr-se junto dos cordeiros. E fez muito bem. Aquela serra não estava vigiada. Se aparecesse um lobo, os cordeios, coitaditos, nem sequer teriam tempo de chamar pelo cão.
Depois apareceu uma vaca (…). Do outro lado veio encostar-se um burrinho. Logo depois apareceu S. José e foi encostar-se à manjedoura. Atrás de José, veio Maria.
O burrinho, a vaca, José e Maria estavam a olhar para a manjedoura. Bem se via que estavam preocupados. O bafo muito quente saía das narinas da vaca e do burrinho e aquecia a palha da manjedoura.
Uma estrela prateada apareceu no cimo da gruta, bem perto de um galo que não parava de cantar.
Finalmente, muito gorducho, sempre a rir, só com uma fralda de pano no corpo,o Menino Jesus foi posto na manjedoura.
Depois ficámos bastante tempo a olhar. A olhar. Calados.
O silêncio era tão grande naquela gruta que até parecia que ouvíamos o MeninoJesus a respirar tranquilamente.»
(excerto do conto Sonhos de Natal,
deAntónio Mota)
:
Enviado por Sara Silva

terça-feira, 19 de dezembro de 2006

UM ARTIGO DE ANTÓNIO REGO

HOMENS E GOLFINHOS
Desde muito novo me habituei a ver os golfinhos pelos mares dos Açores. Não faz parte da minha infância a descoberta das suas altas virtualidades. Simpáticos, brincalhões, boas companhias nas longas viagens de barco. Pelo que percebia, os pescadores não lhes achavam muita graça, pois roubavam muitos dos chicharrinhos que deviam cair nas suas redes. E, ainda hoje, saindo um pouco da costa, o lugar certo e a hora precisa de ver os golfinhos coincide com a espuma branca do lugar onde os cardumes acorrem para as suas abundantes refeições. É a lei do mar. Passados a animais de circo ganharam alguma magia e arrastam multidões para os seus rituais de acrobacia e velocidade dentro e fora das águas. Possivelmente ultrapassaram, nalguns casos, a colheita de ternura roubando, não já cardumes que podiam servir para a mesa dos pobres, mas algum lugar de afecto que é recusado a pessoas. Agora, com as ecografias de gestação, deixam extasiados alguns que revelaram indiferença pelo início da vida… humana. Nada mais bonito que o olhar duma mulher fixado na ecografia do seu filho. O recorte, o movimento, a constituição do corpo humano surgem como o primeiro documento que os pais gostam de revelar ao familiares e amigos com uma candura que não tem preço nem explicação. A ciência sente-se cada vez mais perturbada pelo acesso ao momento luminoso do início vida. Uma vida humana no ventre materno é algo de sagrado, subtil, frágil, sublime, na total incapacidade de defesa a qualquer agressão. Os estudiosos da comunicação reconhecem que é aí, pela modulação, sem palavras nem gestos, que começa o grande diálogo entre mãe e filho. E aí se contam emoções, alegrias, afectos, projectos. Dia e noite, dias e dias, em profundos colóquios de silêncio e embalo, onde a mãe e filho nenhum gesto é indiferente. Todos se acumulam para uma aventura comum da vida. Nada há comparável à vida humana.

NATAL - 11

A Virgem e o Menino, de Hans Memhng, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa

NA PAZ DA MINHA TEBAIDA
Na paz da minha tebaida, usufruindo do aconchego dos meus familiares e da companhia sedutora dos livros que me trazem recordações de tantos anos, vieram até à minha memória vivências de Natais doutros tempos. Dos tempos em que o essencial não eram apenas as lembranças compradas em lojas de modas, que o Menino Jesus de então nada tinha a ver com o símbolo comercial do anafado Pai Natal dos nossos dias. Lembro-me, era eu menino que acreditava mesmo nas prendas do Menino Deus, de ver minha mãe regressar da loja da Tia Joana Rita, esposa do mestre José Lázaro, com uns embrulhos que tentava esconder. Por mais que lhe pedisse que nos mostrasse o que trazia, ripostava com maus modos, mas a sorrir: o Menino Jesus não gosta nada de meninos teimosos. E lá ia esconder as simples guloseimas que na madrugada da Noite de Consoada estariam bem distribuídas nos sapatos que eu e meu irmão púnhamos num recanto da lareira da cozinha principal. Nunca me zanguei quando descobri que afinal as prendas do Menino Jesus chegavam até mim através dos meus pais. E quando ouço alguns "sábios" que há por aí com protestos sem nexo contra o facto de se enganarem as crianças com as prendas que o Menino Jesus distribui no dia de ceia (como por aqui se diz), rio-me da ignorância dessa gente que fica, no entanto, toda contente e até acha bem que seja o Pai Natal a substituir o Deus Menino da minha infância. Diz a psicologia que há idades para tudo: para os sonhos, para as estórias de encantar, para os contos mágicos, para o fantástico, para o faz-de-conta e para tantas outras lendas e tradições que fazem voar a imaginação por espaços irreais, tornados autênticos para muitos, cruzando-se com a vida dos homens que nem sempre podem ou sabem abrir-se aos mistérios que trazem no coração.
Não fiquem, pois, perturbados esses "sábios" que são incapazes de voar para o alto, quais águias que abarcam horizontes de belezas ímpares, para vislumbrarem os mundos de sonhos que nunca se esquecem. Quando a minha mãe me disse que o Menino Jesus apenas dava saúde a meu pai, que labutava nas águas do mar, na pesca do bacalhau, onde se iniciara em menino, com 14 anos, não fiquei nada zangado. E até me recordo que ri a bom rir e que a beijei ternamente. Fernando Martins

TURISMO

Aveiro: Canal Central

AVEIRO:
DESTINO TURÍSTICO
DE QUALIDADE
::
A Ria de Aveiro e a zona costeira limítrofe foram distinguidas como destino costeiro turístico de qualidade, através de um projecto europeu. A região lagunar é a primeira a nível nacional a ser reconhecida com este galardão. Isto mesmo noticia hoje o Diário de Aveiro, com o destaque que merece. Há muito se diz que a Ria de Aveiro e as terras que banha são riqueza paradisíaca insuficientemente aproveitada para fins turísticos. Noutros países, estas belezas naturais seriam certamente motivo para mais largos voos no campo do turismo, gerando novas fontes de rendimento e mais trabalho para muitos. Estou convencido de que, nos tempos que correm, os nossos autarcas e gente empreendedora estão mais abertos a novas formas de criar riqueza, obviamente com vantagens para toda a gente, se devidamente apoiada em projectos credíveis e com visão de futuro. A Marina da Barra, de que tanto se falou há anos, seria, em minha opinião, um projecto a reequacionar, diminuindo, eventualmente, a carga habitacional, para então se avançar. Nisso se tem empenhado a Câmara Municipal de Ílhavo, mas deve haver por aí entraves políticos e burocráticos que não têm deixado avançar o projecto, com a celeridade desejada. O mesmo se pode dizer da ponte que poderia ligar São Jacinto a Aveiro, eliminando o isolamento daquela freguesia da sede do concelho. O nosso mal, muitas vezes, é esse. Ideias inovadoras, com interesse à vista, emperram por quezílias políticas. Daí o nosso atraso no aproveitamento da nossa Ria. Fernando Martins

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

NATAL - 10

JESUS NO PRESÉPIO
- Um menor em risco
Mais uma vez vai ser Natal! Já agora, e antes de mais, Bom Natal a todos os leitores desta “coluna de opinião”. No pressuposto de que esta coluna vá correspondendo a um certo “sobressalto cívico e de cidadania” que o seu autor dela pretende, a simbologia do Natal sugere-me uma reflexão sobre a problemática que tanto (e tão oportunamente) tem andado pelas páginas do SOLIDARIEDADE muito bem tratada, a saber: os “menores em risco”.
Esta criança chamada Jesus andou com um azar miserável: filho de mãe solteira, adoptado pelo bom S. José, pessoas pobres que, como tais, levaram com a porta na cara quando, em viagem, viram chegar a hora do nascimento e pediram alojamento em várias pensões! Lá foram parar a um curral de sendo aquecidos pelo calor de animais que os humanos lhes negaram, ali viram nascer o seu Menino.
Ainda mal refeitos deste pesadelo, tomam conhecimento de que essa criança estava na mira das autoridades por representar uma ameaça ao poder dos tronos da autoridade, onde pontificava o temido Herodes que, de forma cruel, o quis eliminar à nascença, decretando a ignominiosa “matança dos inocentes”. Azar o seu: entretanto, o Menino Jesus, acompanhado por Maria e José, fugiu para o Egipto, qual imigrante clandestino sem papéis nem autorização do SEF lá do sítio.
Por lá andou uns tempos, iludindo a vigilância das autoridades, até que conseguiu regressar à sua terra para lá ir crescendo em sabedoria e ciência, preparando-se assim para a sua Missão Messiânica. O Natal evoca-nos este acontecimento histórico, de um Deus feito Homem na forma de uma Criança. Jesus pode bem considerar-se como o protector das “crianças em risco” .
É pena que a evocação desta data natalícia e os símbolos genuínos deste evento do Natal de Jesus se tenham vindo a “desidentificar” de tal forma que o comércio e as decorações natalícias tenham “eliminado” o Menino substituindo-o por um Pai Natal carregado de prendas, numa espécie de adoração ao ídolo do consumo que constitui uma cruel adulteração das cenas históricas herdadas pela tradição cristã! Afinal de contas, naquele tempo como hoje, parece que as crianças na sua fragilidade e inocência incomodam tanta gente. Porque será?
José Maia
:
Fonte: SOLIDARIEDADE

NOVO BISPO DE AVEIRO

Posted by Picasa
Bento XVI e D. António Francisco
D. ANTÓNIO FRANCISCO
AO LEME DA BARCA DIOCESANA
Embora um pouco tarde, por razões de saúde, não posso deixar de registar a entrada de D. António Francisco em Aveiro, no dia 8 de Dezembro, dia da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal desde o reinado de D. João IV.
D. António Francisco, que vem de Tendais, Cinfães, Diocese de Lamego, já assumiu o leme da barca diocesana, barca esta que navega entre o oceano e a serra, bordejando a ria e o Vouga, estabelecendo laços entre povos de vida e pensar muito diversos, unidos por histórias, sonhos e projectos que cimentaram uma identidade muito própria. Conforme li no “Correio do Vouga”, órgão da Diocese aveirense, D. António Francisco manifestou o desejo de “testemunhar a esperança cristã para que a Igreja de Aveiro seja âncora e farol para todos”. Imagem bonita nos apresenta o novo Bispo de Aveiro, quando fala de âncora e de farol, símbolos tão expressivos da identidade desta gente que respira ares carregados da maresia, da mansidão da laguna, da regularidade das marés, das correntes ora serenas ora agitadas do Vouga e das neblinas que são entre nós sempre certeza de sol radioso. Sucede D. António Francisco a quatro grandes Bispos, que Aveiro tem no seu coração: D. João Evangelista, que empurrou quanto pôde, tantas vezes (ou sempre!) de forma poética, qual barqueiro em dias sem vento, para que a Diocese ressurgisse e crescesse; D. Domingos da Apresentação Fernandes, que calcorreou os caminhos da seara diocesana num afã até à exaustão; D. Manuel de Almeida Trindade, que nos ensinou serenidade, capacidade de ouvir e de dialogar, a par de uma cultura teológica que ainda hoje dá gosto reler e meditar; e D. António Baltasar Marcelino que subiu e fez subir as montanhas das pastorais e da fé, numa ânsia de chegar mais alto e mais longe, com uma paixão entusiasmante que nos encheu a todos do amor a Deus e aos irmãos sem vez e sem voz no mundo diocesano e não só. Com a sua personalidade própria, com a sua fé que o leva a dizer que no meio de nós vai amar a Deus e servir, estou convicto de que D. António Francisco vai enriquecer, num crescendo até ao limite do possível, ou do impossível com a graça de Deus, este povo de Aveiro que o recebeu em júbilo.
Bem-vindo D. António Francisco! Que se sinta muito bem entre nós! Fernando Martins

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...