terça-feira, 30 de setembro de 2008

Pintor António Neves no Centro Cultural de Ílhavo

É inaugurada no próximo dia 4 de Outubro, no Centro Cultural de Ílhavo (CCI), uma exposição de aguarelas do pintor Ilhavense António Neves, denominada LATITUDES. Esta mostra individual de pintura é a primeira deste artista naquele espaço, após as exposições de Cândido Teles e João Carlos Celestino Gomes, que se manterão em local próprio no CCI. Questionado sobre a razão do nome LATITUDES para estes seus trabalhos, o aguarelista confidenciou-nos que, “tal como o significado da palavra, são linhas imaginárias criadas para cortar a Terra, também a pintura é feita de linhas onde o imaginário do artista traça, na tela, horizontes por vezes impensáveis de alcançar ou nunca visitados, sendo esta uma forma de viajarmos por esses locais”. Ao longo de 21 anos de pintura, sente-se, nos trabalhos mais recentes do aguarelista António Neves, uma maior intensidade e rigor nas formas e nas cores, sejam as paisagens quentes e arrebatadoras do Brasil ou do Alentejo, passando pelos tons tristes e bucólicos das margens do Douro e do Tejo, sejam os amarelos dos eléctricos de Lisboa, não esquecendo a nossa laguna e os barcos típicos da região. Viajante inconformado, sempre à procura das realidades imaginadas, é capaz de transmitir o que vê e o que lhe dita a inspiração, exprimindo contrastes, sentimentos, beleza e cores, numa simbiose artística, ao mesmo tempo impondo ao espectador uma serenidade estonteante, comparada com a acalmia de uma qualquer maré baixa do oceano, num fim de tarde de um qualquer mês de Setembro. Com 44 anos, já reconhecido como aguarelista de relevo, encontra-se neste momento a preparar duas exposições para levar, pela segunda vez, ao Brasil (Cabo Frio – Rio de Janeiro) na Galeria AB e no Centro Cultural de Charitas.
Carlos Duarte

Cavaco Silva reconhece trabalho das IPSS

«A CNIS foi esta manhã chamada a Belém. Num encontro entre o Presidente da República, o Pe. Lino Maia e Eugénio Fonseca, ficou patente o reconhecimento que Cavaco Silva tem pelo trabalho das instituições particulares de solidariedade social em Portugal. O Presidente da República quis ouvir o que a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade pensam sobre a situação social, as expressões da crise e perceber a disponibilidade de as instituições continuaram o seu trabalho para reduzir os efeitos da actual crise. O Pe. Lino Maia, Presidente da CNIS, explica à Agência ECCLESIA que Cavaco Silva demonstrou uma “grande preocupação pelo actual momento”. O Pe. Lino Maia lê um “momento difícil que se perspectiva mais complicado ainda, com a sensibilidade financeira mundial, e com implicações graves na situação nacional”.»
Fonte: Ecclesia

Reunião da CMI no veleiro russo gera protesto

Caro Professor Fernando Martins, Algumas vezes, utilizo algum do meu tempo livre observando os comentários do "Pela Positiva". São comentários pessoais e por isso, merecedores e dignos de respeito. Em reunião da Assembleia Municipal quando efectuei aquele requerimento à Exma Mesa, foi porque tal reunião me suscitou dúvida podendo estar em causa decisões importantes tomadas / aprovadas naquela mesma reunião. Não será obviamente, de "tanto quanto sei, ninguém da autarquia se opôs..." que havendo alguma ilegalidade ela o não seja pelo facto de ninguém se opôr. A bem da verdade e liberdade do pensamento não deve o sr professor exprimir-se desta maneira. É claro que todos nós ilhavenses, pertencentes a um mesmo concelho, ficámos deveras satisfeitos com tal espectáculo que foi termos nesta terra maruja a presença dos maiores veleiros do mundo. A minha dúvida, não é de maneira nenhuma "ninharias", ou mesmo "politiquices" porque o sr professor se estivesse na última reunião da Assembleia Municipal e que se prolongou até à uma da manhã de sábado, veria que fui eu, e depois de terem falado PCP e PS, o primeiro a observar aquela acção do executivo, dando nota meritória à presença dos grandes veleiros. O Eduardo Ferreira, sr professor, não faz politiquices porque não tem personalidade tão destrutiva para se atrever a tal. De resto sr professor, queira desculpar mas o seu comentário parece uma defesa do próprio executivo. Aqui, julgo não haver qualquer necessidade desta vontade de defender já que nesta questão não há nada para defender porque o executivo não foi atacado e, mesmo se o fosse, teria concerteza capacidade própria para o fazer. Queira-me com respeito e, se possível, publique este meu pensamento no vosso "Pela Positiva". Eduardo Ferreira
::
Meu caro amigo Não assisti, de facto, à Assembleia Municipal, para fazer um comentário com base no que ali foi discutido. Limitei-me a comentar o que veio a lume na comunicação social e que foi amplamente divulgado. Não pretendi atacar ninguém, mas tão-só a ideia de se perder tempo com a eventual ilegalidade da sessão, pelo simples motivo de ter sido realizada num navio estrangeiro, quando há tantos problemas mais importantes, e urgentes, a debater. Como sabe, tenho o maior respeito pelas ideias dos outros, mas não posso ficar indiferente, como se nada tivesse acontecido, a um protesto que não leva a parte nenhuma. Se o senhor tiver razão, e até admito que a possa ter, apenas vai obrigar a que se realize mais uma reunião da Câmara. Só isso. Permita-me que lhe diga, com toda a honestidade, que nada me liga ao PPD/PSD, a não ser as amizades pessoais, que essas não têm partido político. E neste caso, tenho amigos, muito chegados, em todos os partidos, pela maneira respeitosa como lido com todos eles. De qualquer forma, quero apresentar-lhe as minhas desculpas, prometendo-lhe que ficarei atento ao desenrolar do acontecimento, na certeza de que darei a mão à palmatória, se for caso disso. Fernando Martins

O Fio do Tempo

A consolidação do ser cultural
1. Talvez nunca como hoje as mobilidades desinstalam aquilo que se julgavam ser os públicos e as práticas garantidas. Os vários níveis, pessoais e institucionais, de pertença são desafiados à renovação contínua, sem que com isso se perca aquilo que pode ser «a “ponta” por onde se lhe pegue». É uma virtude imensa a vasta rede de solicitações, das reais às virtuais; mas, tantas vezes, com pena, sente-se o perder de ponte com as memórias essenciais... A coragem da adaptação aos novos cenários, da autocrítica como quem procura antever o futuro, a mudança renovadora como atitude contínua, serão alguns dos ingredientes capazes de unir no presente a memória da história ao desejado futuro humano cultural. 2. Toda a gama mais variada de instituições comunitárias debatem-se com esta problemática. No início de cada ano projecta-se e inscreve-se como objectivo um maior investimento nas redes de relacionamentos (família, escola, sociedade, trabalho), procurando uma maior pertença e participação. Na decorrência das profundas avaliações realizadas, erguem-se propósitos que quererão consolidar as ideias e as práticas de que somos seres culturais e que sem «cultura» activa e participativa acabamos até por ficar a anos-luz do melhor lema de vida, esse que conduziu os grande sábios que nos ajudam a pensar. Da ampla abrangência a ponto de quase-tudo ser cultura, valerá a pena o esforço de focalizar-se em algo que, ainda que não esteja da moda, seja enriquecedor e fortalecedor das raízes que darão fruto comunitário. 3. Se há sector que, no fundo, não deveria sofrer qualquer crise financeira deveria ser a proposta cultural. Porque esta pode ajudar à redescoberta de soluções viáveis e representa o investimento mais significativo, mesmo em educação, para sermos comunidade que aprecia e valoriza o património que temos, para mais nos estimarmos e engrandecermos no património que SOMOS. Está nas mãos de todos?! Alexandre Cruz

Falar em Igreja

De tempos a tempos, surge em público a questão sobre se a Igreja em Portugal deveria ter ou não um órgão nacional na imprensa para funcionar como voz oficial, que deixasse claras as posições da hierarquia católica a respeito dos mais diversos temas da actualidade, permitindo também esclarecer falsidades ou deturpações lançadas noutros meios. Deixando de lado o facto – relevante – de não existirem Igrejas “nacionais” no nosso mundo católico, a grande questão passa, mais do que pela existência de um ou de centenas de meios de comunicação social, pela centralização de posições e opiniões num número restrito de pessoas, por mais responsabilidades que tenham, algo que acaba por parecer um contra-senso numa sociedade cada vez mais aberta ao pluralismo e a novos protagonismos. É verdade que nem todos podem falar em nome da Igreja, mas é curioso notar que, quando se quer saber a posição católica sobre determinado tema, só se assumam como possíveis interlocutores os seus Bispos ou, no máximo, um ou outro sacerdote mais mediático. A Igreja não pode falar sobre a crise em Wall Street? Ou sobre alterações legislativas em curso no nosso país? Ou sobre a onda de criminalidade que enche os ecrãs e as páginas dos jornais? Pode e deve, parece ser a resposta mais óbvia. O que não parece lógico é que se peça sempre aos mesmos que falem de tudo, do futebol à economia, da política à justiça, da cultura às novas tecnologias. Em Fátima, nas Jornadas Nacionais das Comunicações Sociais, o Bispo de Coimbra deixou um apelo directo a todos os baptizados: é preciso “dar a cara”. Em especial, pediu aos jornalistas que se assumam como vozes católicas no meio do barulho mediático, reagindo quando for oportuno às pequenas e grandes provocações que a altivez (e ignorância) de muitos vão lançando de forma indiscriminada e, quase sempre, pouco fundamentada. Falar em Igreja é, afinal, falar como comunidade e não como um mero espectador desiludido com o desempenho da sua equipa, mas impossibilitado de entrar em campo. Independentemente dos meios existentes – e os novos tempos da Internet permitem uma diversificação cada vez maior -, o problema da ausência de voz e de vez persistirá enquanto os católicos não se sentirem comprometidos nesta causa, procurando e oferecendo informação quando forem chamados a isso. Octávio Carmo

O Dia Começou Bem

Espreitando pela janela, manhã cedo, registei um dia bonito. O sol despontava no horizonte e indiciava calor neste Outono acabado de nascer e uma luminosidade que alimenta a alma. Sair para passear um pouco foi decisão tomada de imediato. Ao sair, à beira da minha porta, li esta frase estampada numa carrinha. Não dizia mais nada. Talvez até nem seja preciso dizer mais nada. Mas que é um bom lema de vida, lá isso é. O meu dia começou assim muito bem...
Claro que eu gostaria que lhe acrescentassem um simples "o", ali antes de "bem". Leiam agora... Não seria um grande lema para toda a vida?
FM

Favores e Cunhas

O escândalo das casas distribuídas, por rendas simbólicas, pela Câmara de Lisboa, a amigos, amigos de amigos, correligionários, artistas, jornalistas e outros, que se fazem valer da sua projecção social para reclamar favores, não deixa de ser curioso. Curioso, porque, em alguns casos, as habitações foram para pessoas exímias em pregar justiça social; e porque se apoiaram em compadrios, tão ofensivos das normas democráticas. Claro que, depois da denúncia, alguns beneficiários, decerto envergonhados, já começaram a devolver o que de mão beijada receberam. Esta questão vem lembrar o eterno hábito da senhora cunha, descarada ou camuflada, tão em voga na nossa sociedade, em desfavor do seguimento normalíssimo da lei. Não sei de onde veio esta maneira de ser e de estar na vida, mas gostaria de saber. Não acredito que seja por congénita deformação mental; muito menos por deficientes bases educativas. Talvez por convencimento de que as leis são injustas, que é preciso contornar, ou pura e simplesmente por desonestidade. O que se sabe é que muitos, se puderem contornar as leis com uns favorzinhos, ficam felicíssimos. Tanto os que pedem como os que dão. Estará isto, realmente, no sangue dos que seguem esses caminhos? FM

Postais da Figueira da Foz

Pelourinho do século XVIII
O pelourinho da Figueira da Foz pode ser apreciado na Praça General Freire de Andrade. Trata-se de um símbolo do poder local e da administração autónoma da justiça, datado de 1782. A coluna torcida é coroada por um capitel, onde se destacam as armas nacionais.

Paul Newman: Um Homem de Estatura

A propósito do recente falecimento do actor de cinema Paul Newman, recebi da minha leitora Madona um texto que, pela sua oportunidade, aqui transcrevo, em parte.

Foi num programa radiofónico, esta manhã. Um conhecido jornalista da nossa praça, na sua crónica matinal, diária, referia uma homenagem, feita a uma celebridade da sétima arte, de nacionalidade americana, falecida há dias. Depois de enumerados os seus grandes sucessos, alguns, êxitos retumbantes na indústria cinematográfica, ficaram-me gravadas na memória, algumas façanhas deste actor. Na sua época, em parte a minha, dado que é um pouco mais velho que eu, foi a coqueluche das jovens e adolescentes, que suspiravam quando o viam contracenar com as actrizes mais belas de Hollywood. Refiro-me ao galã de olhos azuis que enfeitiçou meio mundo feminino. Era másculo, dinâmico... e possuía uns penetrantes olhos azuis! Na verdade, o que mais me impressionou na sua biografia, foi a referência à sua mulher, também actriz. Mas que sacrificara a carreira, em prol da família. Mas… ainda não foi isso que prendeu a minha atenção e que se gravou na memória. Paul Newman, esteve casado 50 anos, com a mesma mulher! É de facto de um colosso, um homem, que vivendo num meio, onde se troca de parceiro como quem troca de camisa, ter feito semelhante proeza! Justificava a sua constância, dizendo que “se tinha bife em casa, não precisava de ir procurar hamburger fora”. (…) Grande homem, tu, Paul Newman! Foste grande em tudo! Foste, verdadeiramente, um homem de estatura! E é por esses que eu mantenho um secreto fascínio! Madona

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O Fio do Tempo

A fuga do passeio espacial
1. Desde os tempos da guerra fria (entre os Estados Unidos da América e a União Russa) que a conquista do espaço representa a maior afirmação da humanidade. A chegada americana à Lua, em 1969, ficaria para sempre registada como esse sinal político confirmado de se ser superpotência no panorama mundial. Ninguém duvida do interesse para a investigação científica dessas viagens espaciais. Mas, sejamos realistas: elas, mesmo no seu potencial científico, são bem mais realizadas numa estratégia de ânsia de poder do que numa lógica de investigação como serviço generoso à humanidade. É assim! 2. Quase que existe nestas lides das potências uma “moda” criada que prefere bem mais o atirar-se à fuga para o espaço do que o mobilizar-se para a resolução dos problemas essenciais na terra. É bem mais fácil responder e afirmar-se com tecnologia, mesmo que seja espacial, que com sentido de Humanidade. O que foram os anos 60 para EUA e Rússia, são agora os tempos da China. Depois dos Jogos Olímpicos «excepcionais» o homem chinês quase imitou Armstrong ao saudar no seu passo «o mundo inteiro», agitando a bandeira chinesa. O novo herói é Zhai Zhigang que caminhou 15 minutos no espaço (27-09-2008). 3. Também se comenta que a viagem, designada de missão Shenzhou VII, ocorreu alguns dias antes do aniversário dos 50 anos da americana NASA e pouco antes do 1 de Outubro, dia feriado nacional na China em que é celebrada a «grandeza» imperial. Nestes contextos e na gestão da afirmação, pouco parece importar o leite contaminado ou as condições, tantas vezes desumanas, em que é alavancada a gigante potência do século XXI. Por vezes anuncia-se o fim das ideologias que deram lugar exclusivo ao económico. Não é verdade, embora talvez estejamos mais que nunca diante daquele triste lema em que «o mal de uns é a sorte dos outros.» Jogo China versus EUA.

domingo, 28 de setembro de 2008

OUTONO

O Outono, que chegou e pelos vistos p'ra ficar, com todo o seu manto de suaves matizes, sugere-me este poema dos tempos de outrora...
Outono
Os tons dourados Do teu manto E os avermelhados Em espanto Ou nostalgia, Descem em nós A melancolia. Cobre-se a natureza Que rescende a mosto Dum véu de tristeza. Sentido ao sol-posto. E neste sabor Há pranto Ou louvor? Madona
Nota: Este poema, colocado no meu blogue nos comentários, por alguém que assina Madona, vem agora, aqui, para a ribalta, por sugestão do leitor assíduo João Marçal. O meu obrigado para ambos.
FM

Reunião da CMI no veleiro russo gera protesto

Aquando da Regata dos Grandes Veleiros, que atraiu ao Porto de Aveiro muitos milhares de visitantes, a Câmara Municipal de Ílhavo (CMI) deliberou fazer a reunião habitual a bordo do veleiro russo Sedov. Pessoalmente, considero muito feliz a iniciativa, pelo simbolismo de que se revestiu, ao sublinhar, de forma original, a importância por todos atribuída à regata. Mas houve quem criticasse a decisão da autarquia, já que, dentro do veleiro, e segundo as normas internacionais, a CMI estaria em território estrangeiro. Tanto quanto sei, ninguém da autarquia se opôs, tendo até apoiado tão simbólica ideia de mostrar quanto o povo considerou meritória a Regata dos Grandes Veleiros. Tenho para mim que a grande maioria dos ilhavenses (e neles incluindo os gafanhões, naturalmente) até gostou que a reunião se tivesse realizado no veleiro russo. Noutro qualquer, teria o mesmo gosto, penso eu. As políticas, porém, às vezes têm destas coisas, perdendo tempo com ninharias e descurando o verdadeiro valor da iniciativa da autarquia, num momento em que tudo o que se fizer para promover a nossa região pode ser fundamental para o seu progresso.
FM

Qual é a melhor qualidade de um professor?

Arsélio Martins e Tomás Fidélis
A revista PÚBLICA de hoje traz uma entrevista curiosa. Arsélio Martins, o professor do ano em 2007, responde a questões postas pelo Tomás Fidélis, um aluno brilhante em 2008. Professor e aluno da mesma escola travaram um diálogo interessante, que vale a pena ler, para longa e necessária reflexão sobre a escola, os professores e os alunos que temos. A dado passo, o Tomás pergunta, para uma resposta desafiante: Qual é que acha que é a melhor qualidade de um professor? A melhor qualidade de um professor é ter aprendido bastante para saber que sabe muito pouco. E saber que é muito importante que a geração seguinte seja melhor que ele. É preciso que faça todos os esforços para que quem vem a seguir tenha mais conhecimentos e competências e desempenhe um papel melhor. A minha mãe dizia assim: “Eu quero o melhor para os meus filhos.” Os professores devem ter esta pulsão como fundamental. Acrescida da humildade de saberem que têm de estudar, ler e cultivar-se todos os dias. Um professor que também não consiga ligar a sua disciplina a um conjunto mais vasto de saberes é muito pobre e faz com que os estudantes sejam pobres. Tem de ir ao contratempo, participar na vida social, ter as suas ideias.
Foto da PÚBLICA

O Fio do Tempo

A política da agenda diária
1. Nestes dias vieram à ribalta algumas das contas do negócio dos combustíveis. Quando muitos questionam o modelo do capitalismo (até lhe chamam de “selvagem”!), o certo é que das ditas contas lucrativas o Estado vai buscar fatia significativa. Relata o estudo da Visão (25-09-2008) que «cada cêntimo a mais, do gasóleo e da gasolina, representam 230 mil euros nos cofres» de lucro por dia, este conseguido às custas da dependência energética que, no fim de contas, convém grandemente aos poderes. As inverdades, omissões e estratégias dos dois sistemas de poderes, sejam os capitalistas sejam os estatais, servem-se fortemente das conjunturas mais que servem… 2. Como eco da recente apresentação pública de livro de Marques Mendes, que não deseja o regresso antes pelo contrário, vem uma certa renegação da condição política, ele que esteve anos a fio nessa linhagem das lideranças. Denunciar-se que se sente surpreendido tantas vezes com a pequenez de horizontes da «agenda» política dos partidos no parlamento é constatação que os cidadãos fazem e pedem que seja diferente. Na reflectida desilusão de um dirigente político (seja de que quadrante partidário for…) em relação à «classe política» está a tristeza de um povo que olha para cima e tem dificuldades em sentir-se efectivamente representado. 3. Vive-se o clima propício para o crescer da indiferença em relação ao bem comum. No difícil comum ganha-pão da agenda diária, a preferência dos silêncios abre espaço desmedido ao fracturante. Hoje eleva-se o pormenor, o acessório, a minoria, a bandeira da inclusão de cada um mas, tantas vezes, em detrimento da visão de conjunto de uma sociedade como comunidade. As malhas do tecido social e cultural correm o risco de se quebrarem e, pior ainda, de não se sentir a sua falta. É democrático o querer da minoria…; mas não será urgente o pensar-agir comunitário?

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 96

AS CIÊNCIAS NATURAIS
Caríssima/o: Ora aqui está um assunto que sempre ... (o que eu ia a escrever, Santo Deus!... o que vale é que o computador tão depressa escreve como apaga,... safa, agora ia a sair delita!...) ..., mas vou completar: um assunto que sempre me interessou, bem como aos meus companheiros. Também aqui se ia para o tal quarto (que não tinha nada de escuro!...) decorar a teoria, mas com uma diferença: o que se lia e estudava reflectia-se na nossa cabeça em imagens bem reais. Reinos da Natureza: animal, vegetal e mineral; exemplos: a porca lá de casa, a couve do quintal e a pedra com que o Amílcar rachou a cabeça do... Mesmo quando o estudo incidia sobre o corpo humano não havia dificuldade que ainda a semana passada se tinha matado o porco e o Ti João André o desmanchou e nos mostrou o coração, os pulmões... e por aí fora, à medida que ia pondo para o alguidar e separando a fressura das tripas, até que chegou à bexiga que nos mandou bater e secar para depois jogarmos à bola... Com o tipo das raízes, ou o dos caules, mesmo até o recorte das folhas e as corolas das flores ou as características dos frutos, aquilo era uma 'saladinha de frutas' bem preparada, não havia sabor, cor ou trincadela em falso para a identificação que nos era exigida... Já na mineralogia não era tão linear: pedras e barro, bom, até bonecos fazíamos e pequenos púcaros, mas se o livro falava em minérios havia alguma hesitação. Mas isto para quem morava à beira da oficina do Ti Zé do Lino logo se rasgava o horizonte: ferro, cobre, chumbo... Era de facto uma aprendizagem baseada numa experiência de vida que, muitas vezes, nos levava a pedir mais que aquilo já nós sabíamos, só que a dificuldade estava em distinguir a Zoologia, da Botânica e da Mineralogia, nomes tão complicados para coisas que, desculpai-me, eram tratadas por nós... aos pontapés! Manuel

sábado, 27 de setembro de 2008

Declaração de Conimbriga

Jovens da Terceira Idade, em passeio
1. Envelhecer é o maior atributo da vida, expressão completa da existência.
2. Todo o ser humano tem o direito a envelhecer com saúde, segurança e dignidade.
3. A sociedade deverá proporcionar a todos os que atingirem a fase superior da vida meios para uma existência condigna em termos sociais, familiares, económicos, médicos e culturais.
4. Os seniores têm a obrigação de transmitir à família e à sociedade a cultura e sabedoria acumuladas ao longo da vida.
5. Os seniores têm direito ao convívio com os seus netos naturais e adoptivos, ajudando-os e acompanhando-os e transmitindo, pelo exemplo, valores, princípios e ensinamentos.
6. Os seniores têm direito a que sejam respeitadas as suas disposições e vontades, no estrito respeito pela ética e pela lei.
7. A sociedade tem a obrigação de adaptar e construir as estruturas, de valorizar e modificar a organização social e ensinar os cidadãos em função da nova realidade social, fruto do envelhecimento.
8. Os seniores devem associar-se, formal ou informalmente, na defesa dos seus interesses e na promoção dos seus valores.
9. Os seres humanos têm o direito e o dever a envelhecer com arte e a estimular a arte do envelhecimento.
Conimbriga, 27 de Setembro de 2008.
NOTA: Transcrita, com devida vénia, do blogue Quarta República
Foto da Revista "Maior Idade", da CMI

UM NÃO CONVERTIDO EM SIM

A cena parece um enigma com aspectos de armadilha. Mas é antes uma historieta com grandes ensinamentos de vida. Passa-se com Jesus e os chefes do povo na esplanada do Templo em Jerusalém. Um homem tem dois filhos e diz a um: vai trabalhar na vinha e ele, solícito, diz que sim, mas não foi; e diz a outro: vai trabalhar também para a vinha e ele, contundente, não vou, mas depois reconsiderou e foi. Qual fez a vontade do Pai?! Ambos, em algum momento, dizem fazer-lhe a vontade. Mas basta dizer?! O trabalho da vinha fica feito com palavras de assentimento?! Este momento fugidio não constituirá um símbolo emblemático de tantas fases da vida que têm o mesmo sentido e alcance? Sinceramente acho que sim. Estou convencido que, se as “coisas” se resolvessem com palavras, muitas coisas correriam melhor e funcionariam mais certo. Tudo, não, porque diz-se cada uma que nem a honra escapa, quanto mais a ética de povos civilizados! Ambos, em algum momento, negam corresponder ao pedido feito. Afirmam-se pela oposição, manifestam o impulso da sua vontade pela negação. A afirmação na vida, sendo importante, não é tudo e pode fazer-se de várias maneiras. A reacção impulsiva, tendo a sua riqueza fugaz, não constitui o modo normal de viver do ser humano, nem se mantém pujante durante muito tempo ou garante qualquer solidez para a estabilidade do futuro. A vontade do Pai é clara e benevolente: fazê-los partilhar do trabalho da vinha, deixarem a estéril ociosidade, serem prestáveis e sentirem-se úteis, desenvolverem capacidades, adquirirem competências. Esta relação constitui o núcleo principal da historieta. O homem da vinha é Deus Pai. Os filhos são todos os humanos. A vinha é o mundo ou a sociedade organizada em qualquer das suas modalidades, a Igreja e as comunidades e os movimentos que a configuram e realizam a sua missão. Trabalhar na vida é assumir um serviço socialmente útil, sentir-se responsável pelo que faz ou omite, partilhar o que se tem e manifestar o que se é, reconhecer os outros e as suas capacidades ou limitações, dar as mãos na prática da solidariedade, organizar-se funcionalmente para alcançar os objectivos pretendidos, viver em constante comunhão com a benevolência do Pai, cultivar a paciência confiante, saber intervir a tempo e em conjunto, saborear o descanso merecido, apreciando o fruto alcançado. Felizmente, há trabalhadores exemplares na vinha do Senhor. A história vai-se fazendo com o seu esforço, por vezes, heróico e martirial. A humanidade vai-se dignificando com a sua entrega generosa permanente. A Igreja vai-se “ramificando” e infiltrando com os seus gestos de amizade e atitudes de proximidade. O mundo, qual vinha do Senhor, vai-se desenvolvendo com as negas de uns, logo transformadas em afirmações de coerência generosa, e os sins de outros que rapidamente se tornam inconsequentes, desistindo de tão nobre propósito, sem qualquer explicação aparente. Muitos destes trabalhadores nem sequer chegam a ser conhecidos na voracidade do tempo. Resta-lhes o “livro de Deus”, onde a vida humana tem um registo de qualidade. Georgino Rocha

FESTA NA COSTA NOVA

Costa Nova antiga. Seria dia normal ou de romaria?
ROMARIA DA SENHORA DA SAÚDE MANTÉM A TRADIÇÃO
Este fim-de-semana vamos ter festa rija na Costa Nova, em honra de Nossa Senhora da Saúde. Amanhã há missa, procissão e as tradicionais devoções particulares a Nossa Senhora. Para além disso, que é o substrato religioso das festividades em honra dos padroeiros, neste caso da padroeira da paróquia da Costa Nova, vem a romaria do povo das redondezas, ao jeito de quem encerra a época balnear. Diz o padre Rezende, na sua Monografia da Gafanha, que “Frei João Pachão, no século Jerónimo Pachão, das Aradas, naquele tempo já frequentador da Praia, fundou em 1822 ou em 1824, com o auxílio das companhas e com esmolas do povo, uma capela de madeira, que dedicou a Nossa Senhora da Saúde”. A história continua e a dado passo, com mais banhistas a procurarem a praia, José da Graça, de Ílhavo, gerente de uma das companhas, avançou com a ideia de construir outro templo, porque o primeiro não oferecia as condições mínimas para o culto. Continua o padre Rezende: “Com o concurso das outras companhas pôs mãos à obra, e em 1890 tinha erguido a linda capela, que a brisa do mar beija a toda a hora, numa saudação fagueira.” “Todos os anos – garante o autor da Monografia – desde a sua fundação, é celebrada a festa à sua excelsa Padroeira, no último domingo de Setembro, atraindo à praia multidões de devotos e forasteiros.” Mais adiante, sublinha que a devoção é tanta que não faltam ofertas valiosas, tais como “Cordões, libras, ligas, anéis, crucifixos, medalhas, (tudo de oiro), velas, ex-votos de cera, outros ex-votos, azeite, novenas, orações, tudo ali era levado pelos verdadeiros devotos em agradecimento à SS. Virgem, pelas graças recebidas”. E depois acrescenta: “Pena é que os pseudo-festeiros, ou devotos-arrecadadores, dessem aplicação desconhecida às esmolas que anualmente subiam a alguns contos.” (permitam-me um à parte: nestas coisas, de vez em quando, não falta quem se aproveite da devoção dos fiéis) Diz ainda o padre Rezende que, “Nesse tempo de esbanjamentos, foi a família do Dr. Luís de Magalhães, quem manteve com esplendor o culto da capela. Está bem paramentada pela generosidade das famílias Magalhães e Maia Alcoforado”. Fernando Martins

FÁTIMA

Um terço dos visitantes do santuário são católicos não praticantes
Um terço dos visitantes do santuário de Fátima são católicos não praticantes, revela um estudo a apresentar hoje, em Fátima, por ocasião das comemorações do Dia Mundial do Turismo. A autora do trabalho, Graça Poças Santos, disse à agência Lusa que “existe hoje uma religiosidade menos enquadrada institucionalmente e mais assumida individualmente”. “Uma boa parte da população portuguesa que nos Censos Populacionais do Instituto Nacional de Estatística se afirma como católica, tem uma prática religiosa muito intermitente ou mesmo nula”, adiantou a docente. Graça Santos traçou o perfil de quem se desloca a Fátima, recorrendo ao trabalho de investigação da sua tese de doutoramento, a que acresceram os resultados de 384 inquéritos e também entrevistas a autarcas e pessoas ligadas à hotelaria, religião e turismo. Segundo o estudo, o visitante de Fátima é maioritariamente do sexo feminino, tem uma idade média de 50 anos, é casado e apresenta formação igual ou inferior ao 2º ciclo. A maioria dos visitantes de Fátima reside em Portugal (71,1 por cento dos inquiridos) e trabalha sobretudo nos sectores secundário e terciário. Leia mais em Ecclesia

MINHA PÁTRIA É A LÍNGUA PORTUGUESA

Dois leitores assíduos do meu blogue recordaram a célebre frase de Fernando Pessoa. Aqui a deixo para melhor a sentirmos.
FM
«Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse. Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-m'a do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.»
Livro do Desassossego, por Bernardo Soares, ed. de Jacinto do Prado Coelho, Lisboa, Ática, 1982 vol. I, págs. 16-17 In Ciberdúvidas

BIMILENÁRIO DE SÃO PAULO: A JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ

Nada move tanto o ser humano como a necessidade de reconhecimento. O que vale a minha vida? O quê ou quem lhe dá sentido? Vale para quê e para quem? Quem lhe dá valor? Quem me reconhece? De muitos modos e por múltiplas vias, pela violência e pela paz, pelo amor e pelo ódio, por caminhos estreitos e grandezas sublimes, são estas perguntas que querem ver-se respondidas. Durante um ano (entre 28 de Junho de 2008 e 29 de Junho de 2009), será lembrada, através de congressos e actividades múltiplas, a figura de São Paulo, determinante para o cristianismo e para a História mundial. Nasceu entre 6 e 10 depois de Cristo, talvez no ano 8. De perseguidor dos cristãos, tornou-se apóstolo, erguendo o cristianismo a religião universal. Converteu-se a caminho de Damasco, pelo ano 33, num "encontro" imprevisível com Jesus ressuscitado. Foi uma experiência de tal modo avassaladora que daí para diante nada a não ser o anúncio da mensagem do Deus de Jesus lhe interessou. Foi decapitado no ano 64, em Roma, depois de percorrer o Mediterrâneo oriental e sem poder chegar à Espanha, como tinha programado. E qual foi a sua experiência radical? Deus ressuscitou Jesus, o crucificado, mostrando desse modo que é um Deus de vivos e não de mortos, que não faz acepção de pessoas, que olha para a pessoa enquanto pessoa, independentemente das suas qualidades. Diante de Deus, todos os seres humanos valem como pessoas radicalmente iguais. Então, o que justifica o Homem não são as obras da Lei judaica - a circuncisão ou os rituais religiosos exteriores e os tabus alimentares. Também não é a Filosofia que o justifica - e Paulo conhecia bem nomeadamente a filosofia estóica -, porque a Filosofia põe as perguntas últimas, mas não tem resposta plena para elas. Como escreverá na Carta aos Romanos, "o Homem é justificado pela fé". Como diz o teólogo D. Marguerat, a descoberta de Paulo é a da "pura gratuitidade da graça". Nada se entende do pensamento de Paulo (Saulo é o nome aramaico de Paulo, nascido em Tarso, na actual Turquia), se não se compreender como ele "dinamitou" a imagem de Deus. Via-o omnipotente, e agora vê-o a actuar na extrema fragilidade. Pensava que era um tirano, e "descobre-o solidário". Pensava que estava longe, e "vê-o presente em todo o sofrimento". "Deus só se deixa descobrir por aqueles que abandonam o imaginário do deus despótico e se deixam 'justificar', isto é, acolher, tendo como base apenas a sua confiança nele." Nas suas recentes Conversas Nocturnas em Jerusalém, onde apela para a necessidade de reformas constantes na Igreja - "a força reformadora tem de vir de dentro" -, o cardeal Carlo Martini, exegeta eminente e antigo arcebispo da maior diocese católica do mundo, Milão, elogia Lutero como "um grande reformador", que inspirou também reformas no Concílio Vaticano II. Ora, segundo Lutero, o núcleo da mensagem da salvação encontra-se na fé - "o Homem justifica-se pela fé" e não pelas indulgências e toda a parafernália religiosa exterior. Claro que não se pode ser ingénuo e é sabido que mesmo as comunidades paulinas, ao princípio carismáticas, se foram lentamente organizando institucionalmente. Mas, por outro lado, também é preciso ter presente que a fé não cresce automaticamente na proporção directa da institucionalização. Perguntava-me, há pouco tempo, em exclamação negativa, um amigo dominicano, professor de exegese bíblica na Universidade de Lovaina: "Como foi possível o movimento de fé no Deus de Jesus ter desembocado no Vaticano, com um Papa chefe de Estado?" O cardeal Martini, que sabe que a fé é um combate - "quando vejo o mal no mundo, perco a respiração e compreendo as pessoas que concluem que não há Deus"; mas, por outro lado, só com os olhos da fé, algo pode mudar: da fé e da confiança "nasce a esperança, apesar do sofrimento" -, diz que "se impressiona com a pergunta de Jesus: 'quando o Filho do Homem voltar, encontrará fé?' Jesus não pergunta: encontrarei uma Igreja grande e bem organizada? Ele sabe também valorizar uma Igreja diminuta e pequena, que possui uma fé forte e age em consequência." Anselmo Borges, no DN

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

REVISTA LER

Para quem gosta de livros e de leituras
Quem gostar de livros e de leituras tem na revista LER, do Círculo de Leitores, um excelente suporte. Dirigida por Francisco José Viegas, a LER publica-se todos os meses, excepto em Agosto.Para além de um conteúdo variado, com diversificada informação de livros publicados e a publicar, a revista oferece crónicas e críticas de real importância, a par de uma grande entrevista. Pela LER, que começou uma vida nova em segunda série, já passaram António Lobo Antunes, José Saramago e Margarida Rebelo Pinto. O número deste mês apresenta, em longa e circunstanciada entrevista, Eduardo Lourenço, de 85 anos, “O homem que ensina Portugal a pensar”. Quem gostar de Eduardo Lourenço, ficará a conhecer um pouco melhor este nosso compatriota, emigrante em França, mas que mantém uma ligação afectiva e efectiva a Portugal e a tudo o que por aqui se passa, sobretudo a nível cultural, e não só. Até parece que vive permanentemente entre nós, tendo em conta o que reflecte sobre o que se publica, o que se faz e o que se diz no nosso País. Sugestões de leitura, os livros que podemos esperar no início de uma nova temporada, Best-Sellers em diversos países, curiosidades de escritores, histórias e apontamentos, relação de livros recentemente publicados e extractos de obras completam esta edição da revista LER. A não perder, obviamente.
FM

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Igreja Católica recusa ministrar sacramentos pela Internet

O presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais rejeitou hoje, em Fátima, a possibilidade de a Igreja poder ministrar sacramentos on-line, informou o SOL.
Questionado sobre a hipótese dos sacerdotes poderem confessar pessoas on-line, uma das sugestões deixadas no decurso das Jornadas Nacionais das Comunicações Sociais, D. Manuel Clemente citou a experiência pessoal para negar tal hipótese. «Eu, quando me confesso, quero diálogo face a face. Não quero apenas ter a minha ideia de interlocutor», afirmou, declinando, ainda, a eventualidade de transmissão de casamentos ou funerais na Internet. No caso dos outros sacramentos, lembrou que «se trata de uma comunidade que celebra e para uma comunidade são precisos pelo menos dois», adiantou aquele semanário.

Música partilhada

Um vídeo gentilmente enviado pelo Nelson Calção, com a amizade de sempre. A música é, indubitalmente, um bom motivo de encontro e de partilha. Um abraço, com votos de bom regresso, quando for hora disso.

O Fio do Tempo

A reinvenção da Economia
1. Os dias são de continuada turbulência. A economia virtual (do vender o que não se tem com segurança) tem os dias contados. Os anseios repetidos pelos especialistas são o milagre da regulação. As reflexões globais em realização, que também recuam décadas e vão mesmo aos anos 30, falam-nos de um safanão que tem raízes bem mais profundas que a agitação diária das bolsas de valores. Todavia, a resposta a este cenário terá se ser nova porque o momento é mesmo inédito. Dizem os estudiosos que também os cataclismos económicos são sinais de mudanças de época. 2. Em causa acabará por estar a realidade de uma economia virtual de modelo publicitário que cresceu desmedidamente, mas que não consegue nem pode libertar-se de todo o potencial, hoje insubstituível, das novas formas de comunicação. O reajustamento ao novo império asiático a par da mágica especulação dos mercados imobiliários e bolsistas a que se juntam as energias (petróleo e outras que virão…) como elemento central da vida das sociedades, tudo conjugado avoluma o risco e a incerteza, palavras-chave dos períodos de recessão. Mas os tempos actuais são ainda mais gritantes, pois a escalada da urgência humanitária a par da asfixia das classes médias está a conviver com a meia dúzia de ricos superpoderosos. 3. Onde iremos parar? Em Maio passado um conjunto de ex-governantes, entre os quais Jacques Delors, escreveu ao Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso. A exigência era a legítima aspiração humanista em que «Os mercados financeiros não podem governar-nos». Esta urgente concepção de vida digna para além da economia, todavia, não se obtém de forma simplista. É preciso rever tudo, logo a partir dos fins últimos dos bens materiais “ao serviço”. Ser feliz não pode continuar a ser ter muito dinheiro. É possível mudar a mentalidade? Alexandre Cruz

Aldeia da Luz

Os moradores da Aldeia da Luz, segundo vi e ouvi na televisão, não estarão felizes. Foi uma aldeia construída, de raiz, para substituir a que foi ocupada pela barragem do Alqueva. Aparentemente, tem todas as condições para se viver bem, com traçados rectilíneos e casas novas, decerto de acordo com as actuais exigências para as pessoas se sentirem comodamente instaladas. Igreja moderna, chaminés vistosas, ruas sem buracos… Mas nem assim os moradores se vêem compensados. Porquê? Simplesmente porque é uma aldeia sem memória, sem história, sem alma. As pessoas não podem conviver nos antigos recantos que as acolhiam com intimidade, com carinho. Nem podem sentar-se nos velhos bancos cheios de segredos. Deram-lhes tudo, mas esse tudo, sem alma, não é vida. E por isso, de quando em vez, os habitantes da nova povoação lá vão espreitar à velha aldeia, na ânsia de captarem as forças telúricas que tanta falta lhes fazem.

Poema de Neruda

Para Marieke, minha leitora assídua, galega de raízes e de coração
Vuelve, España Espãna, España corazón violeta, me has faltado del pecho, tú me faltas no como falta el sol en la cintura sino como la sal en la garganta, como el pan en los dientes, como el odio en la colmena negra, como el día sobre los sobresaltos de la aurora, pero no es eso aún, como el tejido del elemento visceral, profundo párpado que no mira y que no cede, terreno mineral, rosa de hueso abierta en mi razón como un castillo.
Pablo Neruda
Excerto do poema Vuelve, España, in Antologia, da Relógio D´Água

Subsistência empreendedora, no reverso do "país"

"Existe uma tendência muito visível para a eliminação da economia de subsistência; até se considera que tal eliminação é um imperativo do desenvolvimento económico e da dignificação do trabalho. Tudo isto é verdade, em parte, mas também é verdade que a economia mais regular não resolve inúmeros problemas de emprego e de rendimentos. Portanto, há que optar: ou pela eliminação da economia de subsistência ou pela sua integração gradual na economia mais regular: a primeira hipótese é a que vem predominando; a segunda parece claramente a mais defensável, até porque os «empresários» e os outros trabalhadores honestos da economia de subsistência lutam por trabalho e rendimentos dignificantes."
Acácio Catarino, em artigo publicado no Correio do Vouga, aborda, de forma muito simples, mas objectiva, uma questão pertinente, ligada a mais de dois milhões de trabalhadores que no nosso país lutam diariamente pela subsistência. Leia aqui para reflectir.

LEIS PARA TODOS, POR OPINIÃO E DECISÃO DE ALGUNS

"Aqui há anos, quem optava pela união de facto, à margem das leis do Estado, ridicularizava o casamento porque “não são os papéis que dão a felicidade” e reagia, negativamente, sempre que se falava de qualquer forma legal para a situação. Mas verificou-se que podia haver benefícios fiscais e os papéis deixaram de repugnar… O INE diz que os divórcios crescem em flecha. Gente da ribalta e com influência nas leis vai coleccionando casamentos e divórcios. Que benefícios para a família, filhos e casal? E para a sociedade? Casar, descasar, voltar a casar e a divorciar-se pode ser um ideal de família a sério e de sociedade equilibrada? Será que a família, célula vital, por excelência, da nossa sociedade, ainda interessa aos legisladores? Será que a Constituição, em relação a outras formas, goza do respeito devido? Será legítimo, ao legislar sobre minorias, que se proponham às famílias formas que as destroem e aos seus valores, empurrando-as para facilidades que não querem?" António Marcelino
Clique aqui para ler todo o artigo

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

REGATA DOS GRANDES VELEIROS

Ontem, terça-feira, depois do nevoeiro muito fechado que atrasou a partida, os Veleiros deixaram o Porto de Aveiro, rumo ao Funchal. Partiram, mas deixaram saudades. Como se dizia antigamente, na hora da saída dos bacalhoeiros: Boa viagem e que regressem com saúde.

O Fio do Tempo

E a Teresa continua!
1. Não é novidade a apetência da Teresa Guilherme para a exploração radical das emoções na Tv. Quem não se lembra da polémica despertada quando do primeiro big brother? Preocupante é o hábito destas programações que se vai generalizando e a massa crítica que se vai diluindo a ponto de perder a sua força capaz de propor uma alternativa ética de qualidade. O programa «O Momento da Verdade» da SIC é esse rosto actualizado da máquina concorrencial em que, quanto pior melhor para as audiências, essas que telecomandam autenticamente o panorama das comunicações. 2. A degradação do programa referido, de que nenhum órgão que se digne faria publicidade, talvez venha tornar patente mais uma vez o gosto lusitano para a intriga na praça pública. O entretenimento transformado como lavadouro de roupa suja aparece como o novo ópio do povo, dissuasor dos próprios compromissos de co-responsabilidade social a assumir. O crescer destas tendências para o “quanto mais esquisito mais dinheiro dá”, deita por terra todo o esforço diário e comprometido das mais variadas apostas na educação em geral. O empenho e o trabalho está a deixar de ser premiado; a falcatrua compensa, quanto mais melhor. 3. E para ajudar à festa emocionante, agravando mais o cenário, vemos familiares de concorrentes que foram enganados a aplaudir cada resposta confirmada pelo teste polígrafo. A razão do aplauso talvez seja mesmo o deus do dinheiro, pois que a honradez caiu por terra. Vale a pena perguntar se esses responsáveis da Tv se preocupam sobre a semente que lançam… Já bastavam os cinemas. Parece que o crime e traição que se denunciam nas notícias às 20h têm no passo seguinte o seu próprio laboratório. E ainda: onde está a ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social? Não nos deveria mobilizar numa consciência ética e crítica? Alexandre Cruz

Plágios

O PÚBLICO denuncia hoje, em Nota da Direcção, ao lado do Editorial, a transcrição de parte de um seu texto, da edição online, pelo Diário de Notícias, sem qualquer referência à fonte. Apesar do pedido de desculpas apresentado pelo DN, o PÚBLICO lembra que até as gralhas mostram o plágio. Infelizmente, isso acontece um pouco por todo o lado, numa clara falta de respeito pelos autores, que chegam a investir o seu tempo, e não só, na procura do suporte para as notícias e crónicas que publicam. E tal acontece um pouco por todo o lado. Até na blogosfera. E se é verdade que alguns amigos têm autorização para utilizar os meus textos, também não posso aceitar que outros sejam, de facto, indelicados, injustos e desonestos. O seu a seu dono. FM

REGATA DOS GRANDES VELEIROS

Sédov - Sino Creoula Carranca - Oman
Aqui ficam três registos da ilhavense Ana Maria Lopes, que comanda, com perícia, o Marintimidades. Pormenores de veleiros que nos visitaram no último fim-de-semana, para gáudio de muitos amantes das coisas do mar.

Dia Mundial para a Erradicação da Pobreza: 17 de Outubro

Levanta-te e actua!
“Dia 17 de Outubro é o Dia Mundial para a erradicação da pobreza e, à semelhança do ano passado, espera-se que volte a ser um grande momento de mobilização a nível nacional e internacional. Em 2007, mais de 43 milhões de pessoas levantaram-se para exigir aos líderes mundiais que cumpram as suas promessas para acabar com a pobreza e desigualdade. Portugal contribuiu com mais de 65 mil vozes nesta iniciativa. Este ano precisamos da tua ajuda para bater um novo recorde e a enviar uma mensagem ainda mais forte para os nossos governantes. Estamos a meio caminho de 2015, ano que marcará o final do período para alcançar os Objectivos do Milénio. É urgente “Levantarmo-nos e Actuarmos”, para que os governos honrem os seus compromissos. Tal só acontecerá se tomarmos uma posição clara.”
Clique aqui para ler mais

Memórias da Romaria da Senhora da Saúde

No carrocel
Cá, para nós, a festa dos Grandes Veleiros, grandiosa, mesmo com alguns boas perturbações atmosféricas, já acabou. Agora, vem aí a romaria…p’ra te comprar uma flor…A minha mais antiga recordação desta romaria é uma fotografia, no terraço da minha casa, em que tenho dois anos, com um grande laçarote na cabeça. A armação da festa comprova a data – fins de Setembro de 1946. Vivia no “coração” da romaria.Outra, bastante mais forte e de que ainda hoje me recordo vivamente, foi a minha integração na procissão, “vestida de anjinho” – a primeira e a única vez. Cá perdurou “o boneco” tirado “à la minuta”, como mandava a tradição. Só que foi uma procissão complicada e agitada, porque durante o seu trajecto, deflagrou um forte incêndio na, à época, Pensão Pardal, na esquina norte da Estrada do Banho. Alterado o percurso, o susto apoderou-se de todos, crianças, jovens e adultos. As chamas lambiam as outras casas e todos temiam que se propagassem às casas vizinhas. Foi um alvoroço. Postos a par da ocorrência por residentes, lá vieram os Bombeiros de Ílhavo acudir ao sinistro que poderia ter alcançado proporções gigantescas, dado que as casas da proximidade eram palheiros de madeira ressequida.Depois de tamanha confusão, felizmente sem consequências de maior, lá chegou o “anjinho” assustado, a casa. Na ausência de data na fotografia, lá fiz algumas diligências para situar a ocorrência no ano certo – foi no domingo da Festa de 1951 (in O Ilhavense de 10 de Outubro de 1951).
Ana Maria Lopes

terça-feira, 23 de setembro de 2008

OUTONO

SE DESTE OUTONO Se deste Outono uma folha, apenas uma, se desprendesse da sua cabeleira ruiva, sonolenta, e sobre ela a mão com o azul do ar escrevesse um nome, somente um nome, seria o mais aéreo de quantos tem a terra, a terra quente e tão avara de alegria. Eugénio de Andrade
In O Sal da Língua

REGATA DOS GRANDES VELEIROS

ORGANIZAÇÃO COM NOTA DE EXCELENTE
Hoje à tarde, a Regata dos Grandes Veleiros deixou o Porto de Aveiro, com rumo traçado para chegar à cidade do Funchal, que está a celebrar meio milénio de existência. O espectáculo da saída da barra foi presenciado por numeroso público, que vibra sempre com navios, mastros, velas, sirenes estridentes e marinheiros. No final, o presidente da Câmara, Ribau Esteves, anunciava que a organização tinha sido premiada com nota de Excelente, pelo alto nível dos serviços prestados e pelo acolhimento manifestado aos veleiros e suas tripulações. Da parte da manhã, bem esperei pelos veleiros, mas o nevoeiro intenso, que cobria totalmente a boca da barra, impediu a saída, para tristeza de imensa gente que enchia os paredões mais próximos. Segundo li na Rádio Terra Nova, mais de 350 mil pessoas visitaram os 22 veleiros atracados no Porto de Aveiro, participando na festa rija que a Câmara Municipal de Ílhavo, de braço dado com a APA (Administração do Porto de Aveiro), ofereceu a todos. Ribau Esteves, presidente da autarquia e grande entusiasta por este desafio em que apostou, garantiu que estão já a ser preparadas novas candidaturas a duas regatas, uma europeia e outra transatlântica, para 2012/2013.
Nota: Tenciono publicar amanhã algumas fotos da saída dos veleiros

O Fio do Tempo

Nas raízes da inovação
1. Como tantas outras, «inovação» pode ser palavra gasta. Há mesmo já quem diga inovar a inovação. Para além dos malabarismos da linguagem, importa aprofundar a atitude inspiradora. No contexto do início de ano escolar, esta capacidade de sermos parte das soluções merecerá nota de louvor. Este ano a Lição de Abertura da Sessão Solene da abertura do Ano Académico da UA contou com a presença do Presidente Executivo da Portugal Telecom SGPS, SA, Eng. Zeinal Bava. A temática da comunicação era: «A inovação como chave do sucesso». Podendo ser hoje esta uma temática de lugar-comum, valerá a pena, acima de outros aspectos e mesmo dos naturais prós-e-contras que existem em tudo, destacar duas ideias fundamentais. 2. Quando Zeinal sublinha que «uma equipa é sempre mais inteligente que uma pessoa sozinha» acentua uma tecla essencial que tem sido um dos parentes pobres da mentalidade portuguesa. Ao destacar que, mais que os mecanismos de retorno da satisfação do consumidor, o ideal será que este tome parte da solução inovadora a encontrar, representa uma sintonia empática de inteira correspondência entre o que se oferece e o que se procura. Muito acima dos patamares meramente comerciais, vale a pena destacar as potencialidades criadoras do trabalho em grupo, pois até é bem mais fácil uma pessoa escrever um livro sozinha do que gerar um trabalho de plataforma em «rede» entre diversas áreas e saberes. Também as noções de retorno, auscultação, como processo criador merecem mais atenção… 3. Claro que tudo é aprendizagem, mesmo a inovação. Esta não cai do céu, precisa mesmo da capacidade de «arriscar» para acertar. Também este é um processo de sabedoria tão importante. Porque não criar-se mais hábitos de gente de diferentes áreas e estruturas sentarem-se à mesma mesa? Seria surpreendente! Alexandre Cruz

O PODER DO LINK

O desenvolvimento da informática, da electrónica e das telecomunicações estão na origem das revoluções mediáticas constantes a que as últimas décadas do séc. XX deram origem. Da convergência das tecnologias de cada um desses mundos resultou uma nova matriz onde se processa a comunicação: a matriz digital. Que oferece sempre novas ferramentas à transmissão de conteúdos, que os torna progressivamente mais céleres e cada vez mais acessíveis. Trata-se de uma realidade sempre nova, que foge a estereótipos comunicacionais de outros tempos. Resulta antes do contributo de um conjunto vasto de actores, todos os cidadãos mesmo, e emerge em qualquer recanto da vida pessoal, familiar ou social: porque são muitos os emissores ao nosso alcance e ainda mais os receptores desses pixéis, a nova sebenta onde se inscrevem mensagens em circulação constante pelas redes de comunicação. Claro que todos os conteúdos têm de passar por esta comunicação, porque é também aí que acontecem, hoje, as relações humanas e a construção social. O que exige saber, arte de comunicar. Retórica, oratória e não só: também a capacidade de explorar o poder do link. Se o bom discurso ou o bom sermão é avaliado imediatamente por reacções espontâneas do auditório, a audiência das mensagens que se colocam nas redes virtuais é uma constante incógnita: quem "agarra" um texto, imagem ou som? Até que recanto do mundo pode chegar o que eu coloco num blog, num portal da internet ou no anexo de um mail? Quantos "cliques" passam por um título e quantos reencaminhamentos "sofrem" as mensagens? Num qualquer recanto, eu posso partilhar conteúdos para o grande universo da rede, aguardando que sejam visitados. Mas o desejo de qualquer autor é vê-los linkados. É esse o maior desafio da comunicação em rede: encontrar ligações noutro espaço, noutra página da internet, num mail ou sms e, dessa forma, fazer aumentar exponencialmente os "caminhos" para uma foto, um vídeo ou um texto colocado num qualquer "quintal digital". Depois de linkado, fica ao alcance de um "clique", em qualquer parte do mundo. O poder da comunicação, em sociedades digitalizadas, é cada vez mais o poder do link. Paulo Rocha

Cinema na Televisão

"Quer os cinéfilos gostem ou não gostem, o cinema hoje passa muito além da projecção em sala conhecendo uma crescente divulgação em DVD e através da televisão. As condições de imagem, em formato e em qualidade, não têm comparação possível, mas é um facto que sem estes novos suportes estaria inacessível a maior parte das obras de outros tempos. Se nos referirmos apenas à televisão aberta, com quatro canais, só nos dois dias do último fim-de-semana foram apresentados 24 filmes, ou seja, uma dúzia por dia. É um número considerável que respeita uma variedade muito grande e abrange diferentes épocas de produção." Francisco Perestrello Clique aqui para ler mais

Voluntariado Universitário

HÁ SEMPRE TEMPO, SE QUISERMOS
Há projectos que me merecem um cuidado especial. O Voluntariado Universitário é um deles, porque promove o serviço em favor dos que mais precisam. Na proposta dirigida aos universitários das escolas superiores de Aveiro diz-se que há sempre “tempo”, de acção e reflexão, para dedicar ao bem comum. Se todos quisermos, claro. Para cada um e à medida de cada qual. Em Explicações no Bairro de Santiago, no Voluntariado Hospitalar, em Instituições Comunitárias, no Estabelecimento Prisional de Aveiro. É óbvio que tem de haver informação e preparação. As inscrições estão abertas no CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura) e na AAUAv (Associação Académica da Universidade de Aveiro).

Faleceu Adolfo Roque

As notícias de hoje referenciam a morte de Adolfo Roque. Um industrial de sucesso, mas também um exemplo cívico para todos. Águeda e o País ficaram mais pobres. Para além de provedor da Santa Casa da Misericórdia, o comendador Adolfo Roque envolveu-se em diversas instituições, dinamizando-as, sem nunca descurar o espírito de bem-fazer que sempre o animou. Era um benemérito por excelência e um homem bom por natureza. Paz à sua alma.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O Fio do Tempo

O tempo do regresso 1. O retomar das actividades impele-nos ao reerguer de projectos. Nos cenários de um surpreendente mundo em convulsão transformadora, e em que não podemos fugir dele mas actuar renovados nele, o estabelecer de objectivos ambiciosos que consigam gerar pontes de cooperação na busca de soluções é, hoje, uma claro sinal da necessária e inspirada procura revitalizadora. O mundo está como os humanos o fazem. E diante dele sempre houve, pelo menos, duas tentações: a cómoda “fuga ao mundo” típica de quem julga ter adquirido já a verdade plena, como se ela não existisse para o aperfeiçoamento comunitário; ou o diluir-se de tal modo no mundo perdendo a força crítica, afogando-se no conformismo, no deixar andar, no não vale a pena. 2. O retomar dos vários níveis de actividade, como a função educativa do aprender escolar, a missão política de servir o bem comum, as propostas de sentido de vida das Igrejas, os projectos de concertação social, humanitária e cultural, os novos programas das grelhas televisivas, os futebóis, as músicas, os espaços comunitários, tudo o que se move e pode mobilizar para uma sociedade melhor, especialmente em tempos de apregoada crise, em todos os recantos teria sentido fazer aquela “pausa” que pode gerar objectivos nobres em ordem a sermos, pelo menos, melhor Humanidade. Tudo porque a sabedoria e a bondade educativa que dessa pausa provêm também podem ser antídoto inspirador para tantos dos males sociais. 3. Após a pausa veraneante, chegado o Outono, retomamos. É o sexto ano, agora com outro nome: «o fio do tempo». Depois de alguns anos com «Universalidades» e o ano passado com a «Linha da Utopia», agora avançamos sobre «o fio do tempo». Não o meteorológico! Mas sobre os sinais do tempo actual. Único, todos actuamos nele! Alexandre Cruz

Ainda a Senhora dos Navegantes

FOLCLORE AO LADO DOS VELEIROS
Quem participa em cerimónias oficiais, no âmbito da freguesia ou do município, regista, com gosto, a participação do Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré (GEGN), bem como de outras instituições culturais. Nas festas que se realizaram este fim-de-semana, referenciadas neste meu espaço, sublinho a representação de um par de gafanhões antigos, concretamente, dos princípios do século passado. A Isabel e o Acácio, casal na vida real, membros do GEGN desde a primeira hora, apresentaram-se como gafanhoa em traje de inverno e como feirante, para mostrar as modas doutros tempos. Fizeram-no agora como o têm feito por todo o país e até pelo estrangeiro, onde o Grupo se desloca, na sua missão de exibir, com galhardia, o folclore da região das Gafanhas. Ontem, o GEGN, para além da responsabilidade de organizar os festejos em honra da Senhora dos Navegantes, em parceria com o Stella Maris e com a paróquia de Nossa Senhora da Nazaré, e ainda com o apoio da Câmara Municipal de Ílhavo, da Administração do Porto de Aveiro e de outras entidades, oficiais e particulares, também ofereceu um Festival de Folclore, que contou com a participação do próprio Grupo e dos Grupos de Cantares da Associação Cultural da Azurara da Beira (Mangualde) e Danças e Cantos dos “Olhos de Água” (Pinhal Novo - Palmela). Soube bem saber que, afinal, o Folclore teve o seu lugar ao lado dos Grandes Veleiros, que atraíram milhares de pessoas à nossa terra.
FM

OUTONO

O Castanho e as Castanhas vêm aí
Não podemos exigir das estações do ano aquilo que elas não têm a obrigação de dar. O Outono, que hoje começa, está no seu legítimo direito de começar com chuva e, para já, sem sol à vista. Querer o contrário, isto é, um dia luminoso e bonito, é pedir o ilógico. Portanto, há que aceitar a natureza, com tudo o que ela tem para nos oferecer em cada época do ano. O importante, a meu ver, é criarmos em nós o gosto por descobrir no Outono, se possível, o belo até no horroroso. Será um exagero, mas tem uma pontinha de verdade. Assim, até me está a saber bem ouvir a chuva a cair nesta manhã sombria, sem ponta de sol, sem ponta da alegria esfusiante que um dia de Primavera ou de Verão nos pode proporcionar. E não é verdade que, com o Outono, vamos poder apreciar a beleza e a riqueza do castanho com todos os seus matizes? E também não é nesta época que podemos saborear as castanhas assadas, mesmo que elas venham embrulhadas numa folha de jornal ou de lista telefónica?
FM

domingo, 21 de setembro de 2008

REGATA DOS GRANDES VELEIRO

FESTA NO PORTO DE AVEIRO

Por gentileza do meu amigo Dinis Alves, aqui fica um vídeo que mostra a alegria que os Grandes Veleiros trouxeram ao Porto de Aveiro. A festa continua amanhã.

Senhora dos Navegantes na Festa da Ria



Nós, os da beira-mar e beira-ria, somos assim, no dizer poético do primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro, D. João Evangelista de Lima Vidal: nascemos “na proa de alguma bateira…” e “somos feitos, dos pés à cabeça, de Ria, de barcos, de remos, de redes, de velas, de montinhos de sal e areia, até de naufrágios. Se nos abrissem o peito, encontrariam lá dentro um barquinho à vela, ou então uma bóia ou uma fateixa, ou então a Senhora dos Navegantes". 


A festa, de que falei por aqui algumas vezes nos últimos tempos, mostra isso mesmo. Começou no sábado, no Stella Maris, também a celebrar uma data festiva, para lembrar a bênção da primeira pedra do actual edifício-sede, que aconteceu em 18 de Setembro de 1983. 
Na homilia da missa de acção de graças, presidida pelo nosso bispo, D. António Francisco, não faltou o momento para a evocação de quantos, ao longo de décadas, contribuíram para que esta instituição fosse, realmente, uma âncora para muitos trabalhadores do mar e suas famílias. Mas D. António soube dizer, com oportunidade, que importa agora alimentar “perspectivas de futuro”, respondendo a outros desafios e avançando por “novos caminhos”, sabendo “remar com os ventos da esperança”.
Hoje, à tarde, a procissão pela ria, com a Senhora dos Navegantes no barco “Jesus nas Oliveiras”, rodeada de gente que se acomodou à sombra da sua bênção, foi um sinal expressivo de fé, graças ao trabalho do Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, que em boa hora levantou do esquecimento esta iniciativa do Padre Miguel Lencastre. 
D. António Francisco, com presbíteros e diáconos do arciprestado, associou-se, presidindo à festa da ria, dos marítimos e suas famílias, bem como das gentes da borda d´água, ávidas de algo diferente, que lhes acicate o sentido do divino. Ali vimos irmandades, a Filarmónica Gafanhense, Grupos Folclóricos, autoridades civis e militares e o povo a emoldurarem o ambiente. Barcos grandes e pequenos, de trabalho e de turismo, e muita gente engalanaram a ria até ao Forte da Barra, passando por São Jacinto que soube, como manda a tradição, honrar Nossa Senhora, com gestos expressivos de devoção à Mãe de Deus, que vela permanentemente por todos os que sulcam as águas dos oceanos e da nossa laguna. 
Uma volta pela Meia-Laranja, antes da Senhora dos Navegantes chegar à sua capelinha, no Forte da Barra. A eucaristia, animada pelos grupos etnográficos convidados para a festa, foi outro momento alto. Na véspera, no Stella Maris, D. António Francisco lembrou que, com Nossa Senhora, aprendemos a chegar a seu Filho Jesus, estabelecendo, com Ele, um verdadeiro diálogo de esperança. E foi isso, decerto, o que aconteceu durante a missa celebrada junto da Senhora dos Navegantes, no Forte da Barra, antes de todos demandarem outras festas. 

Fernando Martins

Bairrismos doentios

“TURISMO DO CENTRO DE PORTUGAL”
É público que a nova Entidade Regional de Turismo do Centro, designada por “Turismo do Centro de Portugal” poderá ficar sedeada em Aveiro. Numa manifestação doentia de bairrismo provinciano, o presidente da câmara coimbrã, Carlos Encarnação, segundo li no Diário de Aveiro de hoje, considera “aberrante” esta decisão e ameaça que Coimbra não integrará a nova estrutura de turismo, se tal ideia for por diante. Pensava eu, talvez na minha ingenuidade, que os bairrismos saloios estariam a diluir-se na sociedade democrática e que o respeito pelos outros tenderia a impor-se. Mas não, afinal. Não tem conta o número de vezes que diversos departamentos regionais foram instalados em Coimbra e noutras cidades, em desfavor de Aveiro, sem que ameaças ofensivas como as de Carlos Encarnação tivessem surgido, que me lembre, por estas bandas. Discordar é uma coisa. Ameaçar, por retaliação ou chantagem, é outra. Coimbra tem todo o direito de dizer que não concorda. Mas cheira-me a ridículo ameaçar que não fará parte do “Turismo do Centro de Portugal”, se este organismo ficar com sede em Aveiro. Se todos nos comportássemos assim, seria bonito! FM

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 95

A GEOGRAFIA... E OS MAPAS
Caríssima/o: Viajar de comboio pelas pontas dos dedos..., poderia ser este o ponto de partida para um conto de encantamento ou para uma viagem interminável de terror sem fim. Mas o que estava em jogo era a aprendizagem da Geografia ou Coreografia de Portugal (Continental, Insular e Ultramarino, com passagem rápida pelo Brasil e seus estados e pelo Mundo Universo...). Não se trata, pois, de ir, ir e não voltar! Ali, naquela Escola do Ti Lopes, estudava-se com afinco para preparar o exame e, na quase totalidade, tirar o “passaporte” para o mundo do trabalho. Como já disse, «o Professor mandava-os sempre para aquele quarto, onde se sentavam no chão, cada um no seu canto, e aí cantarolavam palavra a palavra até papaguearem as vírgulas e os acentos. Quando a cantilena diminuía de intensidade, sinal de que o estudo chegara ao fim, logo um recado os chamava para a sabatina!...» e o “saber” era debitado desde a rosa dos ventos (vá lá a nossa cabeça matutar para descobrir porquê 'rosa' e ainda mais 'dos ventos'!...) até à leitura do planisfério que, noutros painéis, se transformava em mapa-mundi, e ia passando pela situação de Portugal, os limites ou fronteiras, as serras, os rios, os cabos,... o clima, as produções, as indústrias, as termas, ... e por aí fora; ah, vinham depois os Açores, a Madeira, Cabo Verde... até Timor, tintim por tintim, não fosse esquecermos que o pico mais alto de Portugal era o Pico de Ramelau!... Claro que hoje é motivo de muita admiração e de incomensurável incredulidade para os de tenra idade o armazenamento de tantos dados na nossa memória! Mas eles ficavam lá e expandiam-se quando a pergunta do examinador era disparada..., não podia sair aos tropeções ou engasgada, tinha de ser pronta, rápida, certeira e com certo ar de felicidade atingida... Mas... para que servia todo esse “saber” engavetado? Era assim, e ponto final. Ainda há dias falando com um antigo companheiro destas lides, ele comparava os conhecimentos que acumulou (e até lhe serviram para ... e para...) com o que seus netos não sabiam: - Olha, é uma tristeza! Ainda hoje sei as serras todas e os sistemas... (E mais do que depressa a cantilena: 'sistema galaico-duriense...Para os mais novos convém esclarecer que as serras estavam distribuídas em quatro sistemas como se de quatro ligas de futebol se tratasse...) E eu ia sorrindo, ouvindo recordando e contrapondo ao que o Oliveiros ia declamando, agora já com os olhos fechados... Também eu ainda criança fora para o Liceu de Aveiro e, no primeiro ano (esta coisa de termos que traduzir tudo complica um pouco as coisas: o primeiro ano equivale, na numeração que não em conhecimentos nem em valências, ao actual quinto...), ora dizia que no primeiro ano a nossa doutora de Português indicou um tema para uma redacção (os mais novos poderão traduzir por 'composição', embora...); o tema era o mais simples que se possa imaginar e não tinha grau superior de dificuldade, mas embaraçou o nosso estudante que tartamudeou: - Senhora Doutora, não posso fazer a redacção!... A professora sorriu incrédula e perguntou: - Então por quê? - É que... eu nunca vi um comboio... Era verdade: como poderia escrever sobre 'o comboio' se nunca o tinha visto, ele que morava ali na Gafanha e já frequentava o Liceu!? As coisas que o ensino tecia! Manuel

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

REGATA DOS GRANDES VELEIROS

FESTA NO PORTO DE AVEIRO

Os Grandes Veleiros chegaram ontem, para partirem, no dia 23, rumo ao Funchal. Ali, com a sua presença, vão associar-se aos 500 anos da fundação da capital da Madeira. Hoje, depois do cerimonial da chegada, iniciou-se a visita aos Veleiros. Em terra, como podem ver, houve momentos de alegria.

ÍLHAVO: Fórum Náutico

Creoula
A bordo do “Creoula”, numa viagem entre Lisboa e o Porto de Aveiro, foram traçadas as coordenadas do “Fórum Náutico do Município de Ílhavo”. Delinearam-nas 14 entidades das 18 convidadas pela autarquia ilhavense, sublinhando o presidente Ribau Esteves que este foi um passo importante, com vista a criar “uma plataforma institucional de grupo e de conjunto que vai valorizar esta área tão importante e cada vez mais atractiva”, em especial no sector náutico de recreio, conforme pude ler no Diário de Aveiro. Esta aposta pretende congregar todas as isntituições ligadas ao mar e à ria, nomedamente, clubes, empresas e marinas, em especial para incentivar o gosto pelas actividades náuticas, promovendo a região, sob todos os pontos de vista.

REGATA DOS GRANDES VELEIROS

De hoje até à próxima terça-feira, 23 de Setembro, o Município de Ílhavo acolhe, no Terminal Norte do Porto de Aveiro, a Regata dos Grandes Veleiros. Uma iniciativa de grande impacto, que conta com a parceria do Porto de Aveiro. A iniciativa da passagem por Aveiro da Regata dos Grandes Veleiros é da Câmara Municipal de Ílhavo. Venha visitar alguns dos maiores e mais belos veleiros do mundo. A cerimónia de abertura realiza-se este sábado. Com início às 14:00, vai decorrer no Porão de Salgado do Navio-Museu Santo André. Meia hora mais tarde começam as visitas aos Veleiros. Às 16:00, no Jardim Oudinot, realiza-se a “Corrida Mais Louca da Ria 2008”. A animação no Jardim Oudinot prossegue até à uma da manhã de domingo.
Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

Festa de Nossa Senhora dos Navegantes

Só tive contacto com a festa em honra de Nossa Senhora dos Navegantes aí pelos meus quinze anos, nos anos sessenta. Todavia, pelas conversas a que assistia à mesa apercebi-me da sua particularidade em relação a todas as outras: era a uma 2ª feira, patrocinada por um organismo público -a JAPA- e mexia com o comércio em Aveiro que era normal fechar neste dia. Não sei se para possibilitar a participação nos piqueniques no Jardim Oudinot, se por respeito à reabertura da Barra que revitalizou a cidade após anos de incertezas durante os períodos em que esteve encerrada, se por ambas as razões. O certo é que as conversas sobre esta festa nos tempos idos me deixou esta ideia de diferença. Mesmo antes de a conhecer me apercebi que as pessoas que a procuravam tinham uma conduta diferente. Havia um acorrer de gentes das redondezas que se identificavam com esta festa e ao vê-los passar sabia para onde iam ou de onde vinham. A festa começava e acabava na 2ª feira. Era usual no regresso trazerem um penacho daqueles arbustos que ornamentavam o jardim e essa foi para mim durante muito tempo a imagem de marca desta festa. Numa família ligada à vida do mar era natural evocar muitas vezes Nossa Senhora dos Navegantes e a data desta festa era por vezes usada como referência ao regresso dos navios empenhados na pesca do bacalhau. Os povos da Gafanha viviam esta festa com grande adesão. Ficava-lhes mesmo à porta e permitia mais um dia de folguedo. Depois desta só a Nossa Senhora das Areias, em São Jacinto. Dalgumas histórias que ouvi de tempos que não vivi lembro uma passada com os meus avós aqui da Gafanha: depois de folgarem na Nossa Senhora da Saúde no Domingo, passaram à Nossa Senhora dos Navegantes na 2ª feira. Ao fim da tarde regressaram a casa moídos e cansados. O meu avô adormeceu na cozinha enquanto a minha avó tratava das lides domésticas. Findas estas, e já mais recuperada acordou o marido pois apetecia-lhe ir ao Fogo. Ele respondeu-lhe que já tinha festa que chegasse e voltou a adormecer. Para que ele não arrefecesse a minha avó cobriu-o com uma manta de lã de ovelha que tinha tecido em solteira. Do cabide retirou o gabão do meu avô que envergou, cobriu a cabeça com o capuz e arrancou para a festa. Não havia iluminação pública e o gabão ajudava a disfarçar a ousadia de uma mulher de se meter sozinha ao caminho. Na festa, num botequim iluminado por um gasómetro petiscou umas enguias fritas enquanto esperou pelo Fogo. Findo este comprou uma rosquilha ao desbarato e regressou a casa. Ao outro dia à merenda serviu rosquilha e chouriça ao meu avô. Ele foi petiscando distraidamente até que reflectiu que o gosto era diferente do da côdea de broa habitual e perguntou: “onde arranjaste a rosquilha?” Ela respondeu: “no Fogo da Nossa Senhora dos Navegantes.” Ele só disse: “o teu juízo anda mais alto que o Farol.” João Marçal

Bicentenário da Abertura da Barra de Aveiro

Hoje, pelas 21:30, no Centro Cultural de Ílhavo, vai realizar-se o Concerto de encerramento das Comemorações do Bicentenário da abertura da Barra de Aveiro. Participações do Coro da Casa do Pessoal do Porto de Aveiro (direcção: Artur Pinho), Coral de Salreu (direcção: Daniel Fernandes), Coro de Santa Joana (direcção: António Costa), Coro Infantil de Santa Joana (direcção: Susana Matos e Sandra Morais), Orquestra Filarmonia das Beiras e da soprano Ângela Alves (direcção: Artur Pinho). Realce para a estreia absoluta de “mar da Alma – Pistis Sophia”, obra encomendada pela Administração do Porto de Aveiro para celebrar os 200 anos da abertura da Barra de Aveiro. A obra é da autoria de Rui Paulo Teixeira, contando com a direcção musical do Maestro Artur Pinho.
Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

O BOSÃO DE HIGGS E O LIVRO DO GÉNESIS

Quem, no passado dia 10, se não sentiu entusiasmado com o sucesso do início da megaexperiência em curso através do megaacelerador de partículas no CERN, na fronteira entre a Suíça e a França? Há um modelo-padrão na Física, mas há uma partícula que falta, o famoso bosão de Higgs. Ela está prevista pela teoria. Mas, como disse o físico Carlos Fiolhais, ela pode não aparecer. "E podem aparecer outras partículas, o que significaria que a teoria actual teria de ser revista". O próprio cientista deixa-se fascinar pela "imaginação da Natureza". De qualquer forma, o conhecimento humano do Universo avança e está em expansão... É natural que também os crentes sejam arrastados pelo entusiasmo da investigação e se esforcem por fazer avançar o conhecimento da realidade a nível científico. No caso cristão, trata-se mesmo de uma exigência da fé. De facto, no Evangelho segundo São João, está escrito que "no princípio havia o Logos (Razão, Palavra); o Logos estava em Deus e o Logos era Deus. Por Ele é que tudo começou a existir". Isto significa que, se o mundo foi criado pelo Logos, o mundo é racional e deve ser investigado racionalmente pelos seres humanos. Frente ao carácter gigantesco da experiência em curso, que nos deveria levar à máxima proximidade do que se seguiu ao Big Bang, alguns cientistas chegaram a utilizar linguagem quase religiosa para a designação do bosão de Higgs, dando-lhe o nome de "partícula de Deus". O físico Michio Kaku escreveu: "Esta máquina, o superacelerador, levar-nos-á tão perto quanto humanamente é possível à maior criação de Deus, a Génese. É uma máquina da Génese, concebida para estudar o maior acontecimento de toda a história: o nascimento do Universo". Neste enquadramento, o Prémio Nobel da Física Steven Weinberg disse que as descobertas esperadas podem diminuir a importância de Deus na nossa compreensão do Universo. Anselmo Borges Leia todo o artigo no DN

destaque

NATUREZA NA MINHA TEBAIDA

Gosto da natureza… Quem não gosta?! Gosto tanto, que nem prescindo dela. E se possível, ou quando possível, instalo-a ao pé de mim, para...