sábado, 28 de fevereiro de 2009

Os nossos emigrantes

Tito Estanqueiro na primeira pessoa

Tito numa sessão de trabalho

O brasileiro é alegre e muito dado a festas
Quando cheguei ao Brasil, em 1981, tinha apenas 15 anos. Vivia o fervor da adolescência e a vontade de trilhar um caminho diferente, pois sentia que em Portugal as possibilidades não seriam muito grandes. Recebeu-me meu saudoso pai, Manuel Teixeira Estanqueiro, mais conhecido por Manuel Rito, com todo o carinho de quem muito queria a minha presença por perto. Manaus foi a cidade que me acolheu nos primeiros tempos. Era uma cidade de ruas largas, praças grandes, mas pouco cuidadas, e o Teatro Amazonas, fruto do período áureo do ciclo da borracha, sobressaía pela sua imponência. Tudo muito diferente da região de Aveiro.

Tito com esposa e filho

Verifiquei de imediato que o brasileiro é alegre, muito dado a festas para comemorar tudo, com o churrasquinho no final do expediente ou a propósito de um simples jogo particular da selecção brasileira, que faz parar o país. Imaginem como é quando se trata de competição oficial para a Copa do Mundo.
As saudades não faltaram e subsistem, mas a forma como o brasileiro tudo faz para que qualquer um, que aqui chega, se sinta em casa, foi e é a tónica dominante que me fez ficar por cá até hoje.

Dirigentes da instituição em que trabalha

Senti saudades da minha mãe e irmã, tal como de outros familiares e amigos. As telecomunicações não eram tão desenvolvidas como hoje. Lembro-me de ter ligado para saber o resultado final de um jogo do nosso Sporting, com que dificuldades! Tudo isto me alimentava o sonho de um dia regressar a Portugal, para estar mais perto da família e para desfrutar das coisas boas em que o nosso país é pródigo. Naquela altura, as saudades de Portugal eram de certa maneira “combatidas” com a Emissora Nacional, mesmo que as ondas curtas não permitissem escutar, com precisão, as informações e a música portuguesa.

Tito numa homenagem que lhe foi prestada

Falando do “Funchal”, recordo que o meu pai, piloto aviador comercial, não deixava de fazer um voo rasante sobre o paquete, quando ele navegava entre Santarém e Manaus, caso passasse próximo. Desde que cheguei, convivi com jovens da minha idade, embora houvesse uma enorme diferença no relacionamento. O jovem brasileiro era mais ousado... e as meninas muito atrevidas. Entrei na escola técnica para frequentar o segundo grau (que dá acesso ao ensino superior), que não completei. Aí vi que não havia respeito para com os professores, como era habitual em Portugal. Mas nas áreas do conhecimento, não havia grandes diferenças. Com o falecimento do meu pai, num acidente de aviação, em Junho de 1982, só mais tarde, como autodidacta, me preparei e fiz os exames do segundo grau.

Perder o pai é sempre um trauma, mas a vida ensinou-me que temos de estar preparados para tudo. Talvez isso explique uma das grandes verdades que o brasileiro diz: “para que você ouse o máximo no seu dia-a-dia, viva hoje como se fosse o seu último dia, pois um dia você acerta.” Depois, em 1984, tirei o brevet de piloto comercial e comecei a voar para os locais mais distantes da Amazónia, onde o acesso só era possível por navegação fluvial ou aérea. Mesmo aí, o brasileiro acolhia os forasteiros, oferecendo-lhes o que de melhor havia na cidade. O povo impressionou-me pela sua forma de encarar a vida, de viver o Carnaval, de opinar sobre tudo o que no dia-a-dia o afecta. Posso dizer que, pese embora as dificuldades, que são enormes, pelas disparidades regionais, é um povo muito empreendedor. Após a incursão pela aviação, mudei-me para Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, Estado que tem a maior parte do bioma Pantanal. Ingressei na Universidade Pública e completei a licenciatura de Ciências Económicas, com a qual voltei ao mercado de trabalho. Mais tarde, surgiu a possibilidade de tirar o mestrado em Ciências Económicas e lá consegui essa meta com algum brilhantismo. Foram tempos divididos entre Campo Grande e São Paulo. Esta última cidade é, sem dúvida, única; não falta nada, tem tudo o que se pode imaginar. Se visitar não deixe de conhecer o Mercado Municipal e o Museu da Língua Portuguesa. Vale a pena. Permitam-me que evoque um grande amigo, já falecido, António M. Cravo Cascais, com quem privei imensos momentos e de quem lembro a sua inegável dedicação e preocupação, após o falecimento do meu pai. Estou-lhe muito grato.

Depois de uma tentativa falhada de regressar de vez à Gafanha da Nazaré, com a Débora, pensei que talvez tenha errado em ter emigrado, mas, como diz a Ti Vitória, minha avó, agora “não adianta chorar pelo leite derramado”.
A minha vida, presentemente, está assente no Brasil. Em 2006, fruto das amizades realizadas e da competência que me é reconhecida, passei a desempenhar funções de director técnico da SEBRAE/MS, no Mato Grosso do Sul, uma instituição que apoia as micro e pequenas empresa. Assim, passei a ter a nossa Gafanha da Nazaré apenas como local das minhas férias, até porque empreendi novos desafios que vieram com a chegada do João Vítor, primeiro filho, e das novas responsabilidades assumidas.
Oásis de progresso
Quando havia a oportunidade, lá dava eu um pulo a Portugal para rever família e amigos. O período mais difícil foi entre 1982 a 1985, quando passei quase mil dias longe do que eu mais considero. Esse interregno ensinou-me que o dinheiro vale para ser usado em vida. De nada adiantaria eu fazer o habitual que os portugueses fazem: montar uma padaria, passar 20 anos sem ir a Portugal e depois regressar com alguma pompa. Quantas histórias parecidas escutei!
Desde 1985, quase todos os anos visito os parentes e amigos, como diria o meu bisavô, Ti Sarabando. Já são mais de 25 viagens que muito contribuíram para estar na nossa Gafanha.
As visitas são corridas, falta tempo para estar com todos, para partilhar horas de convívio, mas não deixo de ouvir quem me conta como tem evoluído a nossa terra. Sou um defensor do desenvolvimento económico, mas digo que faltou, durante imenso tempo, visão a alguns líderes políticos para reclamarem a expansão do Porto de Aveiro. Perdemos a chance de ter um desenvolvimento sustentável para as nossas gentes, implementando uma marina e a respectiva envolvente, que geraria mais emprego e poderia permitir uma outra dinâmica, colocando esse ponto ocidental da costa atlântica como oásis do progresso. Mas os novos Portos de Aveiro aí estão a preparar-se, certamente, para assumir um grande futuro, embora por vezes algumas obras portuárias descaracterizem o bucolismo da sempre acolhedora terra dos nossos pais e avós. Texto elaborado a partir de uma entrevista, via e-mail, com o Tito Estanqueiro, economista, emigrante no Brasil, mas com as marcas das saudades da nossa terra e das nossas gentes bem presentes.
Fernando Martins

AUTOCARROS ATEUS E CRISTÃOS

O slogan "Deus provavelmente não existe. Deixe, pois, de se preocupar e goze a vida", que tinha começado por percorrer Londres, chegou à Espanha, nomeadamente a Barcelona e a Madrid, devendo alcançar outras cidades espanholas.
Como já aqui escrevi, trata-se, antes de mais, de um acto de liberdade de expressão. No quadro do respeito pela lei, todos têm direito a manifestar as suas opiniões e crenças. Este direito é, evidentemente, extensivo aos ateus.
Depois, é interessante que no "cartaz" se leia: "provavelmente". Não se diz que não há Deus, diz--se que "provavelmente" não há. Isto significa que os autores dos cartazes perceberam que não podem demonstrar a não existência de Deus. A afirmação da existência de Deus ou da sua não existência não é objecto de ciência, pois não pode haver verificação empírica. O ateu não pode dizer que "sabe" que não há Deus; ele apenas pode dizer que "crê" que não há Deus. Como o crente também não "sabe" que Deus existe; ele "crê" que Deus existe.
E entende-se todo este movimento ateu, que deve obrigar os crentes a pensar. Não foram frequentemente os crentes que deram uma imagem de Deus que obrigava ao ateísmo? Não se deve ser ateu face a um Deus mesquinho e ridículo - pense-se, por exemplo, no criacionismo americano, segundo o qual os primeiros capítulos do Génesis devem ser tomados à letra -, invejoso da alegria dos humanos e impedindo a sua realização e felicidade?
É precisamente o que se dá a entender na segunda parte do slogan: "Deixe de se preocupar e goze a vida." Deus aparece como impedindo a alegria de viver, de tal modo que a probabilidade da sua não existência seria o pressuposto para finalmente se viver de modo expansivamente humano.
Isso deve levar os crentes a reflectir, pois, embora seja fonte de vida, de salvação e realização plena da existência, de facto, muitas vezes foi pregado um Deus que amesquinha a vida, um Deus incompatível com a ciência, um Deus vingativo - ele até apanharia os ateus no inferno... -, um Deus desgraçadamente invocado para legitimar o que é contra Deus: a violência, o terrorismo, a guerra.
Mas também é preciso perguntar aos autores dos cartazes: que entendem por "deixe de preocupar-se e goze a vida"? Seja como for, crentes e não crentes têm de viver com responsabilidade e empenhar-se na luta por uma vida boa e justa para todos.
O lema do cartaz programado para a Itália pela União de Ateus e Agnósticos Racionalistas seria: "A má notícia é que Deus não existe. A boa é que não é preciso."Parece que foi impedido pelas autoridades. Lamentavelmente, pois esta publicidade dos autocarros ateus obriga toda a gente a pensar e é bom e urgente pensar no mais importante. O pior é não pensar, não se interrogar. A pergunta por Deus, seja para afirmá-lo seja para negá-lo, é a pergunta maior e é mesmo o fundamento da dignidade humana. O ser humano é digno, porque pode perguntar pelo Infinito.
Mas, afinal, Deus não é preciso? Também o crente reconhece que Deus não pode ser um tapa-buracos, a compensação para a nossa ignorância e impotência, a legitimação ideológica da ordem social e política ou a chave de abóbada de um sistema.
De qualquer modo, Deus tem a ver com o sentido último e a salvação. Foi talvez neste quadro que Nietzsche, sete anos antes de enlouquecer, escreveu a Ida, mulher do amigo F. Overbeck, pedindo-lhe que não abandonasse a ideia de Deus: "Eu abandonei-a, não posso nem quero voltar atrás, desmorono-me continuamente, mas isso não me importa." Como escreveu Wittgenstein, "crer num Deus quer dizer compreender a questão do sentido da vida, ver que os factos do mundo não são, portanto, tudo. Crer em Deus quer dizer que a vida tem um sentido".
Nas ruas de Madrid, compareceram também autocarros cristãos: "Deus existe. Desfruta a vida em Cristo." Claro que há esse direito. Mas seria lamentável uma "guerra" de cartazes. Os crentes devem sobretudo testemunhar Deus pela vida, pela combate a favor da justiça, pelo amor. E é também fundamental uma pastoral da inteligência, no diálogo entre a fé e a razão.
Anselmo Borges
In DN

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Aveiro: Concurso para valorizar o património

"TRABALHOS ESCOLARES"
Promovido pela Câmara Municipal de Aveiro e pela ADERAV (Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro), está a decorrer o concurso "Trabalhos Escolares", com o objectivo de fomentar a envolvência das crianças e dos jovens nas questões da valorização do património e da história da região, através da participação em trabalhos escolares que reforcem a ligação à matriz identitária aveirense, valorizando em especial o património histórico, artístico e cultural do concelho. O concurso é dirigido aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, que frequentem estabelecimentos escolares no concelho de Aveiro. O regulamento e ficha de inscrição estão disponíveis na página da autarquia na Internet. O concurso está aberto a dois géneros de trabalhos: ensaio e artes plásticas.

Afinal somos felizes

Jovens felizes (foto do meu arquivo)
Segundo uma sondagem publicada na revista Visão, 73,5% dos portugueses consideram-se felizes. Afinal, com tantas crises por tantos apregoadas, os nossos compatriotas ainda conseguem sorrir e ser felizes no dia-a-dia. Assim é que é! Vale a pena acreditar que, apesar-de tudo, não nos faltam razões para estarmos de bem com a vida. Claro que há sempre, como sempre houve, os Velhos do Restelo, que só se sentem bem a pregar desgraças e a descrever dramas, que os há, sem dúvida. Mas o que há de bom não supera os maus agoiros? Digam lá se é assim ou não!

Aventuras de um Boxer...

É o cão mais bonito desta Aldeia Global e... Arredores! Poderá parecer hiperbólica esta afirmação, mas corresponde ao sentimento que a sua dona, extremosa e cheia de orgulho, nutre por esta criatura. De pêlo tigrado e ostentando um aspecto feroz, numa “cara” de poucos amigos, cumpre na íntegra os deveres de que está acometido: anfitrião e segurança da “mansão” vitoriana, na apreciação ternurenta dum amigo da casa. Aquela casa tem mística! - reafirma o mesmo, incluindo o protagonista da história que vai ser narrada. Com efeito, recebe um tratamento principesco, numa família de acolhimento que o considera parte integrante da mesma. Em afecto, em partilha criativa, em amizade, quase devoção pelos donos, em nada se distingue dos seus pares humanos. Em educação, faz inveja a muitos progenitores que têm alguma dificuldade em inculcar regras e valores à sua prole. Vive num espaço amplo, um jardim, sem limites, nem prisões, nem interdições de espécie nenhuma. Come em prato próprio, bebe de uma larga taça, que apenas não evoluiu como as de champanhe, para flute! Precisa de ampla superfície para que a língua lhe possa fazer os movimentos necessários ao sorver da água. Para comer... já sabe! Sentadinho, pois é assim que fazem os meninos! E... esperteza, inteligência sem par! Percebe a ordem para sentar-se, em qualquer uma das línguas que a dona fala; em todas, o significante contém um som sibilante, o que contribui para uma rápida e pronta interiorização do significado. É um cão poliglota, como já o apodou a amiga da dona, também ela falante de “n” línguas! Um cão exemplar! Um cão que obedece, sem contestação às ordens da dona, tanto no que se refere à postura à mesa, como, quando se insinua com o seu “casaco de pele”, através do vidro fosco, da porta da cozinha. Enquanto era bebé, antes de ter interiorizado as normas de conduta e etiqueta(!?), raspava na porta, como qualquer cão rafeiro... antes de sofrer a metamorfose da Educação Cívica! E... em termos de dedicação... ah... é exclusivo da dona! Se alguém partilha com ela esse dom generoso da afectividade do canino, isso não lhe retira o direito de exclusividade! Tem esta qualidade suprema, apanágio de... só alguns humanos! Nunca trocou a dona, por algum petisco que lhe tenham oferecido, na rua, em qualquer passeio, contrariando o velho aforismo, ”Fraco é o cão a quem se dá o osso e o rejeita!” E faz inveja a quantos o olham com desdém e o amofinam: - Vida de cão! Quantos dariam por ter só uma diminuta fracção dos mimos e afagos que a dona lhe dispensa! Até o estragas com mimos! -Chega a ouvir das pessoas amigas que se espantam com o nível de aquisições comportamentais adquiridas, numa ainda jovem e buliçosa vida! Mas o que mais espanta a quantos o conhecem e às visitas da casa é o conhecimento perfeito e o autodomínio demonstrado, perante a demonstração de liberdade e autonomia, concedidas pelos donos, bem conceptualizadas, num cerebrozinho de canino sobredotado!!! Vivendo em plena liberdade, como referido atrás, enfrenta a cancela totalmente franqueada, sem se evadir para o exterior, como uma prova bem clara da sua confiança e maturidade(!?) É um adulto, consciente dos seus deveres de guardião e membro da família, demonstrando um apurado grau de responsabilidade! Nem as cadelinhas insinuantes, que passam em matilhas, na rua adjacente, o conseguem demover dos seus votos de fidelidade!? Não fosse a excepção confirmar a regra, levaria a dona a afirmar com propriedade: - Quanto mais conheço os homens, mais gosto do Boris!!
Mª Donzília Almeida

SCHOENSTATT: Festival da Canção-Mensagem

Há anos, o Festival da Canção-Mensagem, uma iniciativa da Juventude Masculina de Schoenstatt, fez furor na Gafanha da Nazaré e arredores. Movimentava muita juventude, de todas as idades, e o salão da nossa igreja matriz estava sempre replecto de claques que aplaudiam as suas canções favoritas. Fiz parte do júri, em algumas edições, e lembro bem os aplausos e os protestos que se seguiam ao festival. Bons tempos... Leia mais aqui.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Mais um livro de Mons. João Gaspar

“Aveiro – 2009 – Recordando Efemérides”
Depois de amanhã, sábado, pelas 17.30 horas, no Museu da Cidade, será feito o lan-çamento do mais recente livro de Mons. João Gaspar, da Academia Portuguesa de História e com inúmeros trabalhos publicados. O livro que agora foi dado à estampa, intitulado “Aveiro – 2009 – Recordando Efemérides”, é mais uma obra que nos convida a revisitar a história de terras e gentes aveirenses, pelo que vai ter, forçosamente, largo sucesso. Como novidade, faz recuar a data de baptismo de Aveiro para 922, destronando assim o ano 959, até agora considerada a data da primeira referência à cidade dos canais, da responsabilidade de Mumadona Dias, que por aqui possuía marinhas de sal. Na próxima semana, voltarei ao assunto, com mais pormenores, obviamente.

Sinais de Primavera

Oficialmente ainda estamos longe da Primavera. Só lá para 21 de Março é que ela nos vai brindar com a sua alegria. Mas não há dúvida de que a Primavera quer mesmo chegar. Porque deve estar a sentir quão desejosos estamos de a usufruir. Olhando para as árvores e arbustos, as cores primaveris aí estão, cheias de pujança.

A Corrupção Compensa

Esta semana um empresário de Braga foi condenado por corrupção activa. Trata-se da conclusão de um julgamento na primeira instância, logo a sentença ainda poderá ser alterada em tribunais superiores. Curiosa foi a pena aplicada ao crime: 5 mil euros de multa. Ou seja, uma ninharia para um negócio de milhões. A explicação jurídica para esta desproporção está em não ter sido provado que a tentativa de corrupção se destinava a que o alvo dela (o vereador da Câmara de Lisboa Sá Fernandes) praticasse um acto ilícito, mas apenas que exercesse a sua influência no sentido de uma decisão camarária lícita. Parece que até há uma década um acto deste tipo nem sequer seria criminalizado. Sejam quais forem as justificações legais para esta surpreendente decisão judicial, a verdade é que estamos perante um absurdo. Ou, se quisermos, um incentivo à corrupção. É que, com estas leis, a corrupção compensa quando estão envolvidos negócios de muito dinheiro. A dramática crise da justiça portuguesa também decorre de leis insensatas e mal feitas. Francisco Sarsfield Cabral In RR

Que sentido para um debate "Prós e Contras"?

DEBATER NÃO É O MESMO QUE DIALOGAR
Debater não é o mesmo que dialogar. Quem debate quer vencer o outro. Quem dialoga quer enriquecer-se com a partilha e o contributo do outro. O debate tem claque a bater palmas. O diálogo não a tem, nem a quer. O debate dá-se bem com o barulho. O diálogo quer silêncio para pensar e interiorizar. Debate-se na praça pública, dialoga-se no deserto fecundo e fértil. No debate, opõem-se ideias e convicções. No diálogo, somam-se parcelas de verdade, para uma verdade maior e comum. No debate, extremam-se campos e sobem-se muros. No diálogo, abrem-se frechas por onde passe a luz e se possam dar as mãos, até se chegar, de vez, ao derrube de fronteiras. A vida de todos os dias mostra que é mais fácil debater do que dialogar, porque no debate se procuram louros e adeptos, ao passo que no diálogo se procura a união, para se usufruir um património que a todos pertence, mas que ninguém o tem por completo, nem o tem para si próprio. A sociedade caminha mais com o diálogo. Divide-se mais com o debate. O diálogo exige humildade e respeito por quem é diferente, condição indispensável numa sociedade plural. O debate tem raízes de suficiência e o outro é sempre um adversário a vencer ou a abater. Quando em gente diferente se contrapõe a vontade de dialogar com a vontade de vencer, o caminho comum torna-se impossível. Então, a vontade parece não ser mais de se ir em conjunto para onde todos se sintam bem, mas ir para um destino, onde alguns não têm lugar ou são rejeitados na coabitação com os diferentes. De vez enquanto, e segundo os temas, ouço o ”Prós e Contras”, àquela hora horrível que leva a pensar que se trata de um programa à segunda-feira para quem não trabalha na terça. É um programa com algum sentido para se poder apreciar a realidade da nossa sociedade, mas que não leva, normalmente, a outras conclusões. Cada um está na sua e procura impor a sua. Se aparece algum interveniente que julga que vai para dialogar, onde se respeite e seja respeitado, depressa se desilude e torna-se um rotulado, a quem se despreza ou se aplaude. Observar, até onde possa chegar o nosso olhar, as partes em debate ou que assistem ao mesmo, não difere da observação de um jogo de futebol com equipas em luta e claques de apoio a gritar a toda a hora, sem que o árbitro as possa calar. Mas futebol já temos que chegue. Nunca, e menos ainda em democracia, se podem canonizar opiniões, apreciar o valor das mesmas pela imposição do maior número ou pela frequência e tempo dos aplausos. A história desmonta serenamente os absolutismos pessoais e de grupos, as vitórias fictícias, o poder esmagador dos poderosos que acabam débeis, porque o tempo os foi fragilizando inexoravelmente. Por isso, ela é mestra de vida para os que lhe estão atentos e dela não recordam apenas datas, anedotas, páginas do seu agrado. O valor de um povo reside no respeito que cada um tem pelos outros, pelos valores culturais comuns, pelo que história de todos foi e vai ensinando. Donos absolutos, só à custa de um povo esmagado ou amordaçado. Seja nos debates televisivos, seja nos debates parlamentares, seja nas leis feitas de costas para o bem comum, seja na persistência em impor valores e substituir ou contrapor culturas, sem ver o que têm de válido para integrar ou de espúrio para pôr de lado. Se nem este juízo for claro, o caminho para discernir, com um contributo alargado e objectivo, será o do diálogo, não o do debate das ideias fixas e das razões que não aceitam outras. Não será já tempo de “Prós e Contras”, mesmo com o favor das audiências, se avaliar sobre se o seu contributo social é positivo ou negativo? Sobre se educa um povo, ou se vai cavando fossos em vez de lançar pontes? Sobre se o debate ali feito fomenta ou não a aprendizagem do diálogo, necessário ao país para poder ir mais além? António Marcelino

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Fome no Mundo

Corar de vergonha Para os católicos de todo o mundo, começa hoje a Quaresma. Um tempo especial de preparação para a Páscoa. A grande festa do Cristianismo. Para estes mais de mil e cem milhões, esta Quarta-feira ficará marcada pela prática do jejum. Mas, se para a maior parte dos cerca de 280 milhões que habita na Europa, um dia de privação voluntária de alimentos será, sobretudo, razão para dar graças pela sua abundância, nos restantes dias do ano, para a quase totalidade dos 150 milhões que habita em África, o mais provável é que este seja apenas um dia com a mesma fome de outro qualquer… Apesar de trinta anos de progressos - segundo o Banco Mundial - há ainda hoje mais de mil e 400 milhões de pobres que vivem com pouco mais de um dólar por dia. Um estudo da ONU revelou-nos, esta semana, um dado ainda mais chocante: metade da comida que actualmente se produz no mundo é desperdiçada. Não fosse assim e não só chegaria para alimentar a totalidade da população mundial como aquela que se prevê venha a existir em 2050. Para isso, bastava que se aumentasse a eficiência na cadeia alimentar e se combatesse o desperdício. Um terço do leite produzido nunca é bebido. Um quarto da produção americana de frutos e vegetais apodrece na distribuição. Metade do lixo dos aterros australianos é constituída por restos alimentares. Um terço dos alimentos comprados na Grã-Bretanha nunca é ingerido. Em tempos de crise, um mundo assim devia fazer-nos corar de vergonha. Basta querer para mudar. Graça Franco In RR

ÍLHAVO: XI Festilha

Tuna Feminina da AA da Universidade de Aveiro
Festival de Tunas de Ílhavo
As Tunas Universitárias vão voltar ao Município de Ílhavo para integrar a 11.ª edição do Festilha - Festival de Tunas de Ílhavo, que decorrerá no próximos dia 28 de Fevereiro pelas 21.30 horas. A iniciativa, da responsabilidade da Câmara Municipal de Ílhavo, em colaboração com a Tuna Universitária de Aveiro, realiza-se este ano no Centro Cultural de Ílhavo. O habitual Concurso de Tunas conta com a participação da TEUP - Tuna de Engenharia da Universidade do Porto, Copituna d'Oppidana - Tuna Académica da Guarda, TUNADÃO 1998 - Tuna do Instituto Superior Politécnico de Viseu e da Tuna Bruna - Tuna Académica da Universidade Internacional da Figueira da Foz. Regista-se ainda a presença da Tuna Feminina da Associação Académica da Universidade de Aveiro e da TUA - Tuna Universitária de Aveiro, sendo que estas não se apresentam a concurso.

Entrada na Barra de Aveiro

Tive um amigo que todos os dias, por norma, ia até à Barra. Dizia-me com ar muito sério que não passava sem lá ir. Se um dia falhasse, por razões imponderáveis, garantia-me que tinha o dia estragado. Eu não sou tanto assim, mas quando posso lá vou. É que há cenas, como esta, tão simples, que nos transmitem uma serenidade inexplicável. Adivinhem como o navio desliza pelas águas mansas do nosso mar.

Depois do Carnaval… Já estamos na Quaresma

UMA QUARESMA DIFERENTE
Apesar das crises, que muitos de nós sentimos no dia-a-dia, não faltou quem tenha vivido o Carnaval, com alegria e até euforia. Tem sido sempre assim, desde que registei esta festa popular como obrigatória, sobretudo para quem tem espírito para tal. Depois aprendi que o Carnaval mais não é do que uma válvula de escape para a seguir entrarmos na Quaresma, período mais dado à meditação, à oração e à partilha do que pudermos com os que mais precisam. Isto em espírito cristão, mas com abertura a todos os homens e mulheres de boa vontade. Penso que não faltarão, nesta quadra, ricos que possam receber e pobres que possam dar. É tudo uma questão de boa vontade. Hoje sugiro que vejam, aqui, a mensagem quaresmal do Bispo do Porto, D. Manuel Clemente. Pode ser um bom ponto de partida para vivermos este ano uma Quaresma diferente

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Casting para canal de televisão online na UA

Este é uma iniciativa destinada a abrir um canal de televisão online formado por alunos da universidade de Aveiro. Chama-se Seca2.tv (www.seca2.tv) e procura estudantes com vontade de participar no projecto. Se tem vontade de experimentar ser produtor/realizador, operador de câmara, jornalista, pivot, editor de vídeo ou designer, ou tem apenas curiosidade pelo projecto, apareça Segunda-feira, dia 2 de Março, às 17h00, no Bar do Estudante. Basta inscrever-se em www.seca2.tv
Leia mais aqui

FLORINHAS DO VOUGA com nova Casa

Nas Florinhas do Vouga (Foto do meu arquivo)
AS FLORINHAS DO VOUGA VIVEM A OUSADIA DA CARIDADE
"Setenta anos depois da sua fundação é outra a vida das crianças e das famílias e bem diferente a realidade humana e social de Aveiro. Mas continua a ser necessária esta Instituição. Como Instituição da Igreja, as Florinhas do Vouga vivem a ousadia da caridade evangélica, onde se espelha e afirma o amor de Deus pelo seu povo e como Instituição prestigiada e amada de Aveiro sentem-se ao serviço da cidade, da diocese e da região. Não pode ter limites nem demoras o serviço aos mais pobres. Os pobres não podem esperar. Que o digam os sem abrigo, que diariamente recebem a Ceia com calor! Não pode haver fronteiras no horizonte da missão que Florinhas do Vouga assumiu ao procurar fazer bem o bem, lá e sempre, onde for necessário. Que o digam tantas vidas sofridas, espelhadas no rosto das crianças da Creche, do Jardim de Infância e do A.T.L., na voz tantas vezes silenciada das famílias do Bairro de S. Tiago, dos carecidos de refeição ou de vestuário, no olhar ansioso de jovens e adultos em busca de um futuro digno e na procura preocupada de tantos outros que sabem que aqui encontram portas sempre abertas e gente de coração livre e disponível para iluminar caminhos de alegria e de esperança."
Do discurso do Bispo da Aveiro, no dia na inauguração

Paciência

Quando vou até ao mar, e vou muitas vezes, deito sempre um olhar aos pescadores que ali esperam, pacientemente, que o peixe resolva olhar para a isca que o anzol segura para enganar o freguês. Os pescadores são mesmo o símbolo perfeito da calma, da serenidade, da paciência, do amante do silêncio e da solidão. Aprecio-os por isso tudo.

Crónica de um Professor....

Carnaval 2009: "O mundo é um grande palco... onde todos nós somos actores!" Nesta quadra de Carnaval, ocorre-lhe à memória esta frase lapidar do grande dramaturgo do teatro isabelino, William Shakespeare. Este retratou, de forma magistral, as emoções, as paixões, os conflitos que assaltam a alma humana, na sua peregrinação pela terra. E, numa quadra em que cada um põe à prova toda a sua imaginação, a sua criatividade o seu sentido crítico, impõe-se ainda com maior acutilância. Todos e cada um de nós protagonizam o seu papel, no palco enorme que é a vida. Esta vai-se desenrolando em sucessivos actos, cenas, mais ou menos dramáticos, mais ou menos tragicómicos. Uns papéis são espontâneos, improvisos, outros mais ou menos ensaiados, conforme a perícia do actor e a acuidade dos espectadores! Às vezes, anda-se uma vida a ensaiar um passo, um sorriso, uma cena. E tão verdade é, que os nossos alunos, a cada passo, referem “a cena”, como algo que faz parte intrínseca das suas vivências. “Qual é a cena, meu?”- ouve-se com frequência na boca dos nossos adolescentes, da juventude hodierna! Interpelada pelos seus alunos sobre a fantasia que iria vestir neste Carnaval, e fazendo uma retrospectiva da sua vida, responde a teacher, em tom melancólico: A minha fantasia? A minha fantasia preferida... ora, deixem-me pensar! Depois de alguns momentos de evocação e mergulhada numa nostalgia, algo incómoda, respondeu a teacher: Eu... o que gostaria de “vestir” era a figura duma fada, numa veste resplandecente coberta de lantejoulas, empunhando uma varinha de condão! A sua função docente, impusera-lhe que fizesse bem a distinção entre a referida varinha de condão e a imagem recorrente para todas as donas de casa que é a famigerada varinha mágica. Com a evolução semântica da língua, não pode hoje falar nesses termos, pois faz evocar à memória de toda a gente, aquele utensílio existente em todas as cozinhas e que miraculosamente tritura a sopa deixando-a reduzida a puré! -Imaginem agora, meninos, a teacher, vestida de fada, com uma varinha mágica na mão! Pronta a triturar o caldeirão de sopa onde se afogou o João Ratão por um enormíssimo golpe de azar! Mas... que faria com a sua varinha de condão? Inquiriram os mais curiosos. Começava a fazer “milagres”, aqui e agora, nesta sala de aula! Injectava em todas estas cabecinhas que me estão a ouvir, uma enorme, gigantesca vontade de... aprender... Inglês e não só! Aprender muita coisa, quase tudo aquilo que os vossos professores teimam em vos ensinar! Depois... partiria para o vasto mundo... e contagiaria toda a gente duma “doença” a que se chama HARMONIA... UNIVERSAL! Bastava-me apenas isso! Sim, porque... por arrastamento… todos os problemas mundiais teriam aí a sua solução! E... o que seria verdadeiramente assombroso... é que o mundo sofreria uma enorme metamorfose! Dum inferno vivo... passar-se-ia de imediato a um paraíso terrestre! Mª Donzília Almeida 22.02.09

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Ruas da Gafanha da Nazaré: Manuel da Rocha Fernandes

Um presidente da Junta de Freguesia
que merece o nosso reconhecimento
Manuel da Rocha Fernandes (acrescentava Júnior, para que não fosse confundido com seu pai, que tinha o mesmo nome), mais conhecido por Senhor Rocha ou Mestre Rocha, foi presidente da Junta de Freguesia entre 1942 e 1963. Exerceu essas funções, tanto quanto sei, pelo gosto que tinha em servir a sua e nossa Gafanha da Nazaré. Faleceu em 1985, com 78 anos de idade. Sendo certo que “Deus, que é Deus, não agrada a todos”, como reza o ditado, também terá os seus críticos. Contudo, a balança pende mais para o lado dos que recordam o quanto de importante fez na freguesia. Justa é, portanto, a rua que lhe dedicaram e que liga, perpendicularmente, as ruas Camilo Castelo Branco e Padre Américo. Não se trata de uma rua com muito movimento, mas nem por isso deixa de assinalar a acção deste gafanhão em prol da nossa terra. No seu livro “Hidro-Aviões nos céus de Aveiro”, Joaquim Duarte, que conheceu de perto e conviveu com o Senhor Rocha, recorda os tempos em que o nosso homenageado foi um conceituado Mestre nas oficinas da Escola Naval de S. Jacinto. Referiu que era um Mestre “estimado na Escola, quer pelo pessoal militar, quer pelo pessoal civil, a que pertencia e de quem veio a ser chefe durante vários anos”. Noutra passagem do seu livro, sublinha os grandes melhoramentos que valorizaram bastante o viver das gentes de então, de que destacou “o Mercado, o Edifício dos Correios, Escolas e novas estradas”, mantendo “acesa disputa com presidentes da Câmara de Ílhavo, sempre na defesa da sua terra”. Enquanto presidente da Junta, o Senhor Rocha defendeu estrategicamente a zona da igreja matriz, “centro geográfico da Gafanha da Nazaré”, como costumava frisar, para ali se instalar o mercado e os Correios, que muitos queriam ver na Cale da Vila, por na altura ser o lugar da freguesia com mais comércio e indústria. Para as ruas, lutava sem tréguas para conseguir traçados rectilíneos. Era paciente e arguto negociador com os proprietários, demonstrando-lhes as vantagens de haver ruas com poucas curvas. Recordamos que era bom orador e homem disponível para servir, também na comunidade religiosa. Foi durante muitos anos ensaiador do grupo coral, que dirigia, sobretudo, nas missas festivas. Chegou a ensaiar e a dirigir outros corais, ainda nas eucaristias das festas, nas Gafanhas da Encarnação e do Carmo. Lembramos bem que era acompanhado, muitas vezes, pelo Padre Redondo ao órgão. Ainda nos garantiram que o Senhor Rocha é o autor dos cânticos do Cortejo dos Reis, e não só, que os mais antigos recordam com saudade, como comprovámos, há dias, ouvindo melodias suas, entoadas pela Maria Lourenço, a sacristã da nossa paróquia. Fernando Martins

Passeios pelos Canais da Ria de Aveiro

É sempre agradável apreciar a cidade e arredores, com olhos embarcados no moliceiro ou aparentado, cirandando pelos Canais da Ria. As viagens sucedem-se e a experiência sai sempre enriquecida.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Farol da Barra de Aveiro

É sempre agradável apreciar o nosso Farol. Mas para saber mais, clique aqui. Vale a pena.

Bolacha Americana

Quem há por aí que não goste de Bolacha Americana? Eu confesso que gosto muito, mas não a posso comer. Mas de quando em vez, lá vai uma... O vendedor da Bolacha Americana, que tanto se via nas praias, no Verão, agora aparece, com alguma frequência, em busca de outros mercados. E faz bem, porque há sempre quem aprecie ficar com a boca doce. Hoje, na Feira das Velharias, eu pude testemunhar isso mesmo. Só não comprei porque...

AVEIRO: Feira das Velharias

Há sempre algo para matar saudades

Sei que há quem não goste de antiguidades e de velharias. As peças consideradas antiguidades tem um peso muito grande na memória dos mais idosos. Móveis antigos, por exemplo, são quase garantia de perenidade. Para o meu gosto, ficam sempre bem numa casa qualquer. Há quem prefira o mais moderno e o minimalista, em particular. Mas, como disse o escritor Mário Cláudio, qualquer mossa numa peça moderna inutiliza-a, qualquer mossa numa peça antiga deixa-a na mesma. De qualquer forma, há gostos e apetites para todos, desde o mais moderno ao mais antigo.

No caso das velharias, onde nem sempre o bom gosto impera, podemos encontrar de tudo, não tanto com arte, mas com utilidade decorativa, e não só. Hoje fui à Feira de Velharias que se realiza em Aveiro, no quarto domingo de cada mês. Como me sinto bem em Aveiro, também me senti lindamente na Feira, que se estendo dos Arcos e Praça Melo Freitas até à igreja da Vera Cruz e depois para a Praça do Peixe. Havia de tudo, ao jeito da Feira da Ladra, onde nunca fui, mas de que tenho ouvido falar. Desde louça antiga e outra a fingir de antiga, até livros velhos e novos à mistura. Desde LPs de vinil, até grafonolas de manivela. Desde rádios a cair de podres, até mesas a fingir de antigas. Desde relógios de bolso, até canetas de tinta permanente que não servem para nada, nem para decorar o que quer que seja. Eu virei-me para os LPs e lá comprei três, de jazz, de mais de 20 anos. Estou a ouvi-los e acho que valeu a pena. FM

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 119

BACALHAU EM DATAS – 9
A CAPITANIA DA TERRA NOVA DO BACALHAU
Caríssimo/a:
1520 - «Para o período de 1520 a 1525 continuam a existir dados referentes a uma colónia de pescadores de Viana instalada na costa da Terra Nova. A existência destas colónias permite pensar que a forma de pesca então praticada seria a chamada pesca sedentária.» [HPB, 21]
1550 - «Segundo a Corografia Portuguesa [...] o número de naus destinadas à pesca da Terra Nova em 1550 seria de 150.» [HPB, 21] «Em 1550, segundo António de Oliveira Freire (1739), os moradores de Aveiro “empregavam mais de 150 embarcações no comércio, que então estava levado ao maior auge, principalmente o do bacalhau”.
Também o bispo de Coimbra, D. João Soares, afirma que, especialmente a parte extra-muros, chamada Vila Nova (actual freguesia da Vera Cruz, onde se concentravam os pescadores e mareantes), havia beneficiado imenso com a pescaria do bacalhau, actividade responsável pelo envio de cerca de 50 embarcações à Terra Nova.»[Oc45, 77]
1567 -«...[O]ra em 1506, o mesmo rei [D. Manuel I] reivindicou para si o dízimo da pesca da terra Nova, nos portos de Aveiro e Viana do Castelo, mostrando como ela era importante para a sua fazenda e, nessa mesma altura, a pedido do próprio e dadas as circunstâncias, acabaria por conceder ao mesmo Vasqueanes os benefícios que já tinha dado a seus irmãos desaparecidos [Gaspar e Miguel Corte Real]. Esse benefício foi renovado por D. João III em Setembro de 1522, passadas para seu filho em 1538, confirmadas por D. Sebastião em 1576 e reconfirmadas em 1577. Entretanto, no ano de 1567 foi lá enviada uma expedição que avaliou das condições da terra e que determinou a criação de uma capitania própria (Capitania da Terra Nova), que viria a ser entregue ao herdeiro dos Corte Reais em 12 de Julho de 1574.» [Oc45, 19]
«De Viana partiu nessas datas [1520/1530] um grupo de colonizadores com destino à Terra Nova do Bacalhau, com a intenção de reforçar a colónia [vd. 1506], que, financiada por comerciantes de Aveiro e da ilha Terceira, controlava uma grande parte do litoral. A esta segunda vaga portuguesa seguiu-se uma terceira em 1567, composta de duas naus e de uma caravela com mantimentos e gente, sobre os quais as fontes, infelizmente, não são esclarecedoras. A colónia mantinha-se em 1574, como demonstra a nomeação de Manuel Corte Real para a Capitania da Terra Nova, e novamente em 1579 de Vasqueanes Corte Real.» [Oc45, 28-29]
Esta última transcrição remete-nos para assunto deveras curioso e que dará para estudo paciente e, quiçá, bastante promissor e profícuo: a Capitania da Terra Nova. Que apareça um «Corte-Real» que faça valer os seus direitos!
Manuel

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Nuno Álvares Pereira vai ser canonizado no dia 26 de Abril

O Papa Bento XVI anunciou hoje a canonização este ano de dez beatos, entre os quais o carmelita português Nuno de Santa Maria Álvares Pereira, segundo um comunicado do Vaticano.
Nuno Álvares Pereira integra, ao lado de quatro italianos, o primeiro grupo, que será canonizado no próximo dia 26 de Abril. Os quatro italianos são o padre Arcangelo Tadini (1846-1912), fundador da Congregação das irmãs operárias de Sagrada Família, a religiosa Caterina Volpicelli (1839-1894), fundadora da Congregação das Ancelles do Sagrado-Coração, o teólogo Bernardo Tolomei (1272-1348), fundador da Congregação do Mont-Olivet, e Gertrude Caterina Comensoli (1847-1903), fundadora das Irmãs Sacramentinas.
Ler mais aqui

SÓCRATES na inauguração da Plataforma Portuária

Ministro das Obras Públicas, primeiro-ministro, presidente da APA e secretária de Estado dos Transportes
Nos últimos 50 anos, nunca se investiu tanto no Porto de Aveiro
A Plataforma Logística Portuária de Cacia foi ontem inaugurada, em cerimónia presidida pelo Primeiro-Ministro, e que contou com a presença do Ministro dos Transportes, Obras Públicas e Comunicações, e da Secretária de Estado dos Transportes, entre outras individualidades. José Sócrates sublinhou a “importância que este investimento do Porto de Aveiro tem, desde logo para a economia regional”: “A valorização do Porto de Aveiro é absolutamente decisiva para que a região possa ganhar mais atractividade económica e maior competitividade” – afirmou o líder do governo, acrescentando: “Quero sublinhar também a importância que este investimento tem para o conjunto da economia nacional. Esta obra não é apenas uma obra regional” – disse. “Nos últimos 50 anos nunca tivemos um período em que o Estado tivesse investido tanto no Porto de Aveiro. Estamos a recuperar o tempo perdido, porque não fazia o mínimo sentido não estar, o Porto de Aveiro, dotado de uma ligação ferroviária. A isto chama-se investir na performance logística do País e na melhoria da competitividade de um porto que é absolutamente essencial para o conjunto da economia nacional” – continuou José Sócrates, considerando significarem, “estes últimos três anos e meio, um período de ouro para o Porto de Aveiro”.
Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

COMO RECONHECER DEUS?

Há relativamente pouco tempo, coloquei esta pergunta a um grupo de crentes: "Se Deus lhe aparecesse, dizendo 'aqui estou, sou eu o Deus', como o reconheceria?" As respostas, no meio de imensa perplexidade, foram muito interessantes. Que Deus não pode aparecer directamente. Que ninguém, como diz a Bíblia, pode ver Deus. Que Deus é inobjectivável. Que se manifesta indirectamente: nas pessoas, nos acontecimentos, no esplendor da beleza - aqui, recordei a exclamação de uma sobrinha minha com 11 anos, nos Alpes, numa tarde irradiante de Sol sobre a neve e as montanhas todas à volta: "Parece Deus!" Que, para os cristãos, Jesus é a revelação de Deus. Que a experiência de Deus se dá nas experiências-cume de plenitude. Que lhe pediriam um milagre claro, que se visse e o credenciasse. Ele devia manifestar o seu poder. Quando se fala de Deus, a questão nuclear é saber de que Deus é que se fala. Que se quer dizer quando se diz Deus? O mais comum é associar Deus ao poder. Deus deve ser, antes de mais, a omnipotência. Deus deve ser infinitamente bom e poderoso, mas sobretudo poderoso. No entanto, a mística Simone Weil, cujo centenário do nascimento se celebra este ano, preveniu: "A Verdade essencial é que Deus é o Bem. Ele só é a omnipotência por acréscimo." Por isso, "é falsa toda a concepção de Deus incompatível com um movimento de caridade pura". Afinal, a revelação de Cristo é essa: Deus é puro amor. O escândalo: "Eu não vim para ser servido, mas para servir." Não se nega a omnipotência divina. O Poder de Deus, porém, não é Dominação e Espectáculo, mas Força infinita criadora. O Deus de Jesus é o Deus- amor, o Deus-origem-infinita-pessoal-criadora. A modernidade, pela secularização, quis herdar a omnipotência divina, postergando a bondade. A crise que está aí hoje visível no universo económico-financeiro é mais funda, pois é uma crise de civilização, cuja raiz é esta herança religiosa. Neste contexto, referindo-se à Igreja, o teólogo X. Pikaza recria de modo alegórico o passo evangélico da cura da sogra de Pedro. Na alegoria, a sogra de Pedro é a Cúria Romana. Jesus chega e cura-a. E depois, alegoricamente? A Cúria (sogra), que significa casa, corte do Kyrios ou Senhor, estava doente. A casa de Pedro é o Vaticano, um Estado, e quem manda é a Cúria, como ainda recentemente se mostrou no caso dos lefebreveanos. Não protege o Papa, mas impõe-se a ele. Ela "sofre de inércia, de poder". Jesus cura a Cúria para que, como a sogra de Pedro, se ponha a servir os outros. Que consequências teria a cura da Cúria Romana, que funciona há dez séculos enquanto os Pedros (Papas) vão mudando? Como Jesus, que, segundo o Evangelho, cura as pessoas diante da casa de Pedro, a Cúria curada veria gente que viria para curar-se. Sobretudo gente mais pobre e perdida (os "endemoninhados", os doentes). Agora também lá vão muitos, mas "vão curar-se ou em busca de prebendas?" Ainda segundo o Evangelho, Jesus saiu de noite, para rezar e ir ao encontro das pessoas também noutros lugares. Na alegoria, Jesus parte porque não quer ficar fechado na casa de Pedro. Jesus não tem "Cúria". Também Pedro e os funcionários da Cúria têm de sair da sua casa, da Cúria, para ir à procura de Jesus, conhecer o mundo e cuidar dele. A Igreja está em crise e precisa de conversão. Neste sentido, há 15 dias, a propósito da "falta de vocações", o director do DN, num texto subordinado ao título "Os erros da Igreja", exemplificados nos escândalos dos padres pedófilos, a intransigência quanto aos métodos de planeamento familiar, "declarações absolutamente estúpidas" como as do bispo Williamson a negar o Holocausto, alguns investimentos dúbios no plano dos negócios, escrevia que o resultado é que "a religião vai desconfiando dos seus missionários e o ambiente não aconselha a 'vocação'". E João Marcelino concluía: "Um dia pagaremos bem caro a crescente desagregação desse factor de união ocidental, bem patente sobretudo na Igreja Católica mas que também afecta todo os ramos do cristianismo." Anselmo Borges, in DN

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Ílhavo bebe água de boa qualidade


Análises confirmam elevada qualidade da nossa água

A Câmara Municipal de Ílhavo, à semelhança dos anos anteriores, voltou a receber Parecer Positivo do Instituto Regulador de Águas e Resíduos (IRAR), relativamente ao Programa de Controlo de Qualidade da Água do Município. A lei obriga a que sejam efectuadas análises em número representativo e que cubram toda a rede de abastecimento, de acordo com uma listagem de parâmetros, a fim de se apurar se água tem qualidade para ser consumida pelos munícipes.
Com base nos resultados obtidos com as análises já efectuadas, foi confirmada a elevada qualidade da água distribuída pelos serviços municipais, para cada uma das suas zonas de abastecimento. Para mais informações consultar site da Câmara Municipal (www.cm-ilhavo.pt), área do Ambiente, no subitem do Abastecimento de Água.

Fonte: Newsletter da CMI

Fórum da Juventude aberto à colaboração com as escolas

ESPAÇO COM VIDA PARA TODOS OS JOVENS

Fórum da Juventude da Gafanha da Nazaré tem porta aberta no Centro Cultural. Trata-se de uma iniciativa da Câmara Municipal de Ílhavo, que aposta em oferecer aos jovens, entre os 12 e os 19 anos, um ambiente acolhedor, denominado “A tua nova casa”, como nos referiu Paulo Costa, vereador da autarquia ilhavense, para este sector.

O vereador do Pelouro da Juventude frisou que tem havido a preocupação de colaborar “o máximo possível com as escolas”, e que o Fórum tem cerca de 1700 inscritos nas mais diversas áreas criadas para os seus utentes. Ainda referiu a importância dos cursos e concursos, enquanto lembrou que é sempre valorizado o princípio de que os jovens podem avançar com ideias e projectos de sua iniciativa.
Quem entra neste espaço percebe facilmente que ali há vida. Paredes decoradas, uma exposição de pintura de uma jovem artista gafanhoa, computadores, revistas, gente que chega e que sai, com rostos que denunciam interesse.

Cartazes variados anunciando eventos e sinais claros da sensibilização para o ambiente e para a reciclagem, tudo nos diz que rapazes e raparigas ali podem encontrar propostas importantes para a sua formação.

Paulo Costa adiantou-nos que o Fórum vive o dia-a-dia numa perspectiva de “estimular os jovens para que descubram e desenvolvam as suas capacidades”. E a propósito, sublinha que os artistas mais novos podem apresentar naquele espaço “a sua primeira exposição”, momento único na vida de qualquer pessoa.

Mas não se julgue que o Fórum da Juventude se limita a proporcionar um ambiente capaz de levar os seus utentes a descobrirem as suas capacidades. Ali funciona também o Serviço de Apoio à Formação e ao Emprego, paralelamente com Cursos de Informática e com as Oficinas Criativas.

As Oficinas, que abrangem uma pluralidade de temas, vão permitir experiências enriquecedoras nas áreas da Fotografia, da Trapologia, das Artes Florais, do Teatro, da Dança e da Língua Gestual, entre outras. A participação nestas oficinas está dependente de inscrição e no final cada jovem receberá o respectivo Certificado de Participação. O Fórum da Gafanha da Nazaré funciona de segunda a sexta-feira, das 10 às 12.30 horas e das 12.30 às 18 horas. Fernando Martins

Regresso da Pesca

O regresso da pesca, na manhã de ontem, mostra a serenidade do pescador. De pé, sem ondas que o incomodem, o pescador olha quem o aprecia, à entrada da barra de Aveiro. Paredões e pedregulhos completam o enquadramento, com o azul da água salgada e o pequeno barco que volta da faina a sobressaírem. Agora vai ser a venda do peixe e o descanso, ao fim de uma noite de trabalho árduo.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Praia da Barra:

É Preciso Encontrar Soluções Definitivas

Na Praia da Barra, o mar voltou a atacar, chegando a ameaçar bares e a deixar as populações preocupadas. A praia viu fugir-lhe parte das suas areias, tão importantes para a época balnear que se aproxima a passos largos. A questão é cíclica e não há, aparentemente, técnica que resolva o assunto de vez. Mas também é verdade que, se o mar ataca, o homem contra-ataca. A reconstituição do areal está em curso, com máquinas escavadoras e camiões a laborarem em pleno. Pelo que já se sabe, 50 mil metros cúbicos de areia estão a ser movimentados, apesar de as ondas, com alguma frequências, surgirem ameaçadoras. Mas a vontade humana de garantir a praia para os milhares de veraneantes que nos visitam, ano após ano, e tranquilizar as populações é mais forte. Durante duas semanas, os mais cépticos podem confirmar a azáfama que por ali vai, graças à intervenção oportuna da Câmara de Ílhavo, que fez chegar ao Instituto da Água (INAG) as suas inquietações. E segundo este instituto, está a ser seguido o princípio de recolocar na praia a areia que o mar dali retirou, nos últimos tempos. Daí que, como presenciámos, a máquina escavadora tenha andado a trabalhar com as lagartas assentes no oceano. É garantido que esta situação se tem repetido ao longo dos tempos, o que obrigou os responsáveis a responderem com obras e mais obras, bem patentes aos olhos de todos. Mas de um dia para o outro, com ventos fortes e chuvas intensas, marés vivas e correntes que ninguém esperava, tudo se torna frágil face à força das ondas que atacam sem piedade. Paredões mar adentro, reforço com pedras e blocos de cimento, reposições dos areais e preservação das dunas têm sido as respostas aos ataques do Atlântico. Porém, não se julgue que este fenómeno se verifica apenas na Praia da Barra. Costa Nova e Vagueira, para falar somente do que está mais perto de nós, também têm sido vítimas da fúria das ondas. O INAG, segundo informações que colhemos, vai voltar a intervir na Barra, espera-se que antes da época balnear, não só para reforçar o areal, mas também para emprestar mais consistência à zona dunar. Nessa altura, está prevista a colocação de mais de um milhão de metros cúbicos de areia. Entretanto, Carlos Borrego, docente da Universidade de Aveiro e especialista em questões ambientais, em declarações à Rádio Terra Nova, alerta para a necessidade de se encontrarem soluções definitivas, de forma a deixar tranquilas as populações. Fernando Martins

Superar Interesses, Enfrentar Dificuldades

"Se cada vez mais se faz tábua rasa da dignidade de cada pessoa e da igualdade radical de todas, independentemente da sua raça, língua, cor ou religião; se o bem comum deixou de ser norma orientadora das leis e das decisões políticas; se teimamos em falar mais de direitos que de deveres; se os valores morais e éticos sofrem alterações à revelia da objectividade; se tudo passa a ser classificado segundo interesses e ideologias inconsistentes; se o agradar passou a ter mais importância que o servir e o trabalhar, então ninguém pode estranhar que o vazio social, que se foi implementando, atinja os deveres de justiça, as relações laborais, as regras da convivência, o apreço exagerado pela riqueza, a cultura da solidariedade e da responsabilidade, a discriminação pessoal."
António Marcelino
Leia todo o artigo aqui

Dia Luminoso

CÉU AZUL O dia luminoso que hoje nos foi dado mostra um céu azul que indicia a fuga do frio para breve. E no céu azul diviso ao longe muito longe dois traços que se cruzam reflectindo uma harmonia que saúdo. Ela aí está como riqueza oferecida neste dia luminoso.

Crónica de um Professor...

A DEFESA
Não, não tinha medo de ser abalroada pelo autocarro escolar e ir desta para os anjinhos! Atirara, em tom provocatório, àquele aluno, que a interpelara acerca da sua colagem ao autocarro que conduzia os alunos para a Escola. E, como a missão dum professor, cá na terra, é fazer felizes (!?) os seus alunos, sabia a teacher que sem a sua acção pedagógica a "charingar-lhes" o juízo, eles iriam dar pulos de contentes, com a libertação de mais um incómodo, uma obrigação!!! Bela forma de testar a sua popularidade! No seu pequeno percurso para a Escola, várias vezes a teacher se postava, atrás do autocarro escolar, tão coladinha a ele, que suscitou a pergunta... naquela criatura, que observava todos os gestos, actos e decisões da “sora”. Na verdade, os seus olhos inquiridores, dum verde-água cristalino encadeavam a teacher, que não conseguia resistir ao seu ar matreiro... Chega a ser perturbadora a limpidez e transparência do seu olhar! - Vai ser mais um arrasa-corações, daqui a uns tempos! Decretaram a teacher e o DT, em conciliábulo!! Um coro de vozes se ergueu imediatamente, a contestar aquela afirmação, liderado pelo Kevin. A sonoridade britânica do nome, associada a uma carinha laroca, havia conquistado a teacher! Uma cabeleira farta, a emoldurar-lhe o rosto de feijão miúdo, fazendo inveja a tantos carecas incipientes, os óculos de correcção, na crista da moda, semiescondidos, haviam despertado a simpatia e a ternura maternal, que o envolviam no seu amplexo pedagógico. A reciprocidade dessa afeição, despertou nele a responsabilidade duma defesa intransigente! Ma não era o único a bater-se em defesa da “mártir”! Outros, tomando o partido da defesa, engrossaram as suas fileiras, contra as intenções suicidas(!?) da teacher! Lá estava também o Paulinho, aquela criaturinha cândida, defensora dos valores da família... que havia, dias atrás, anunciado com circunspecção, que o seu cão, guarda da casa, acabara de ser pai! O DT e a teacher sorriram com bonomia, ao ouvir aquela notícia da boca dum aluno tão responsável, com tanta naturalidade! Nem todos comungavam desta facção, pois apareceram rapidamente os detractores, que apodaram de graxistas os correligionários do menino Kevin! No fim dessa aula, despediram-se alguns com um beijinho na face da teacher e... foram avisando que não se colasse tanto ao autocarro escolar!
Mª Donzília Almeida 18.02.09

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Aveirenses Ilustres: D. Manuel de Almeida Trindade

No dia 26 de Fevereiro, quinta-feira, entre as 18.30 e as 19.30 horas, vai ser homenageado o antigo Bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade, falecido em Agosto do ano passado. A homenagem insere-se no âmbito do Ciclo Aveirenses Ilustres e terá lugar no auditório do Museu da Cidade. O palestrante convidado vai ser o actual Bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos.

Celebrar a República sem reabrir feridas

Nada será feito para dividir os portugueses
As comemorações oficiais do centenário da República querem “mobilizar” a sociedade portuguesa, sem reabrir quaisquer feridas do passado. A garantia foi hoje dada por Artur Santos Silva, presidente da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República (CNCCR), durante a conferência de imprensa que serviu para apresentar o programa comemorativo. Este responsável frisou que há que evitar uma “visão passadista”, contrapondo-lhe uma preocupação prospectiva, descobrindo elementos que possam ser úteis na construção do futuro do país. Neste sentido, Santos Silva assegurou que nada será feito para “dividir os portugueses”, saudando como um facto “extremamente positivo” a presença de D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, entre os membros da Comissão Consultiva da CNCCR.
Ler mais aqui

Laura Vaz em Moçambique

Voluntária com grande espírito de serviço
Li a notícia, no Correio do Vouga, da partida da Laura Vaz para Moçambique, onde vai trabalhar, durante um ano, como voluntária. Já aposentada, não assumiu um resto de vida, curto ou longo, acomodada em atitudes passivas. Conheço o seu entusiasmo e a sua alegria de viver, tantas vezes em tarefas para os que mais precisam. Sempre com o seu sorriso contagiante. E se é certo que poderia continuar por aqui, envolvida em inúmeras actividades, a verdade é que a Laura vai mesmo deixar-nos, com a convicção de que, em Moçambique, fará mais falta. Ali vai trabalhar com crianças, com a vivacidade que lhe conhecemos, com o espírito de serviço que a caracteriza. Vai com muitas ideias, mas nem a noção de que nem tudo será possível fazer a demove de partir, com um gosto pela vida e pelo bem-fazer que tem de mexer connosco. Boa viagem e bom trabalho, Laura. Por cá ficaremos à espera de notícias tuas. Que vais ter muito que contar, do muito que hás-de fazer, lá isso vais.
Fernando Martins

Praia da Barra

(Clicar para ampliar)
Cada Dia Cada Paisagem
Cada dia cada paisagem é a melhor recomendação para quem visita a Praia da Barra. O que é preciso é olhar. Hoje apreciei diversas cenas. Esta foi uma delas. Os pára-quedistas, descarregados no ar pelo avião, até parece que vão cair no mar, mesmo à boca da barra. Mas não. O dia está lindíssimo, com sol brilhante, mas ainda não apetece mergulhar no oceano. Esse treino virá para o Verão. Sabe-se lá se os pára-quedistas, um dia qualquer, em tempo de paz ou de guerra, terão mesmo de descer para as águas, de um rio ou de um mar!

António Lobo Antunes

Sobre a origem da escrita:
«Será Deus que escreve pela nossa mão?»
Sobre a origem da escrita e da inspiração literária, interrogava-se em entrevista recente António Lobo Antunes: "Até que ponto o livro é do autor ou ele foi apenas um meio de que o livro se serviu para existir? É um problema que sempre se me pôs enquanto leitor em relação aos grandes livros. A Guerra e Paz é feita pelo Tolstoi ou através do Tolstoi? A grande literatura, a grande pintura e a grande música é feita pelos autores dos livros, dos quadros ou das sinfonias ou por uma outra entidade que, por hipótese, é comum a todos e que toma diferentes tonalidades consoante a personalidade?" – Mas que outra entidade é que poderia ser? – perguntou-lhe o entrevistador – "Não sei, será Deus que escreve pela nossa mão?" (DN, 16.02.2009) Escreveu P. António Vieira: "O amor fino não busca causa nem fruto. Se amo, porque me amam, tem o amor causa; se amo, para que me amem, tem fruto: e amor fino não há-de ter porquê nem para quê. Se amo, porque me amam, é obrigação, faço o que devo: se amo, para que me amem, é negociação, busco o que desejo. Pois como há-de amar o amor para ser fino? Amo, porque amo, e amo para amar. Quem ama porque o amam é agradecido. Quem ama, para que o amem, é interesseiro: quem ama, não porque o amam, nem para que o amem, só esse é fino." Paulo Pires do Vale In Pastoral da Cultura

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Mensagem Quaresmal do Bispo de Aveiro

:
Uma Igreja renovada na fidelidade e no amor :
Na sua Mensagem Quaresmal, o Bispo de Aveiro, D. António Francisco, lembra que é na Páscoa de Jesus que somos chamados a viver a “nobreza dos seus sentimentos, a audácia dos seus gestos, a entrega corajosa da sua paixão, a alegria jubilosa da sua ressurreição.” Recomenda, depois, que “A Quaresma surge como um tempo especial para contemplarmos o modelo de vida que Jesus nos comunica”, o que constitui “uma oportunidade privilegiada para intensificarmos a renovação da Igreja diocesana”, no sentido de a tornar, “no mundo, farol de esperança para todos”, servindo “com desvelo os mais pobres.”
Pode ler toda a Mensagem aqui

Acordo Ortográfico deverá entrar em vigor ainda neste semestre

"O ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, afirmou hoje que o novo acordo ortográfico deverá entrar em vigor no primeiro semestre de 2009, mas tudo depende de negociações com os outros países da CPLP. "Estamos em conversações com os outros países da CPLP [como Cabo Verde e São Tomé e Príncipe] para ver se encontramos uma data para o adaptar nos documentos oficiais, nas imprensas nacionais e que os diários oficiais [Diário da República] dos vários países passem a adoptar a ortografia do novo acordo ortográfico", disse Pinto Ribeiro. O ministro falava em Lisboa no final do lançamento do FLIP 7, uma ferramenta informática criada pela empresa Priberam que permite uma conversão automática do português de Portugal e do Brasil de acordo com as novas normas ortográficas dos dois países. Esta ferramenta está já a ser testada na Imprensa Nacional Casa da Moeda, entidade responsável pela edição do Diário da República (DR). Assim que o acordo ortográfico entrar em vigor em Portugal, todos os documentos oficiais terão de obedecer às novas regras da escrita em língua portuguesa. Com a ferramenta informática FLIP 7, quem escrever em português terá a opção de converter automaticamente o texto segundo o novo acordo ortográfico, sejam as normas do Brasil sejam as de Portugal."
Leia mais no Público

Fome de Primavera?

Paisagem da ria de Aveiro
Eu não sei se é fome de Primavera ou cansaço de um Inverno chuvoso e frio o que sinto. Só sei, e bem, é que ontem e hoje pude, por alguns momentos, dispensar as casacas e sobretudos para andar por aí, saboreando um sol acariciador. E foi muito bom. De tal modo, que me apeteceu partilhar esta satisfação com os meus amigos. Deixei a minha tebaida, pus de lado algumas leituras, fechei o rádio e olhei, sôfrego, a luminosidade dos dias, o calor que me aconchegou, o rosto de gente alegre. Deu para perceber que, realmente, a Primavera está a caminho. Ainda falta? Claro. Mas ela há-de vir com toda a sua beleza.
FM

destaque

NATUREZA NA MINHA TEBAIDA

Gosto da natureza… Quem não gosta?! Gosto tanto, que nem prescindo dela. E se possível, ou quando possível, instalo-a ao pé de mim, para...