terça-feira, 30 de abril de 2013

IGREJA MUNDANA...

"O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que o “maior perigo para a Igreja é tornar-se “mundana” e apelou à oração por todos os seus membros.
“Quando a Igreja se torna mundana, quando tem dentro de si o espírito do mundo, quando tem a paz que não é a do Senhor, mas a paz mundana, a Igreja é uma Igreja fraca, uma Igreja que será vencida e incapaz de levar mesmo o Evangelho, a mensagem da cruz”, declarou, na homilia da missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta, onde reside."


Li aqui


- Posted using BlogPress from my iPad

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Desculpa lá, ó João


Foi no domingo 
que não reconheci um amigo da infância

Encontrei-me ontem com um amigo de infância que não via há muitos anos, mas de quem sempre guardei recordações que sustentaram uma amizade sincera. Os tempos passaram sem possibilidades de nos cruzarmos e cada um ficou no seu canto.
Quando caminhava pelo passeio da Av. José Estêvão, na manhã de domingo, surgiu o inesperado encontro. Tão inesperado... que nem o conheci. Olhei para o seu rosto, cabelos grisalhos, tez marcada pela idade, rugas profundas a deformarem-lhe a fisionomia, olhos que denunciavam tristeza. O meu amigo reconheceu-me e teve a bondade de me avivar a memória ciciando, com a maior tranquilidade, o nome de sua falecida mãe. Era ela uma mulher robusta, determinada, que impunha respeito. Até parece que a estou a ver. Tanto bastou para que a minha memória voltasse à vida.
Com o passar dos anos, sinto em mim fenómenos no mínimo curiosos, que decerto os psicólogos saberão definir. A memória terá compartimentos onde vai armazenando, com extremo cuidado, o importante, o menos importante e o supérfluo... E por aí fora.
Acontece que nem sempre põe no sítio próprio o que há para guardar, criando em nós uma natural confusão que nos deixa ficar mal. Foi o que se verificou comigo neste domingo friorento e ventoso. Não reconhecer um amigo na rua torna-se muito doloroso para mim.
É verdade que diversas vezes, depois de uns minutos de conversa, tem sido possível em breves momentos descobrir a caixa certa onde tenho bem arrumadas as ideias. E quando tal não se verifica, fico mesmo incomodado. Desculpa lá, ó João, o meu embaraço da manhã de domingo.

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues






- Posted using BlogPress from my iPad

domingo, 28 de abril de 2013

Misericórdia de Ílhavo


Provedor Fernando Maria recebe Medalha de Mérito
da União  das Misericórdias


Um Lar de Idosos é sonho à espera de forças 

Na cerimónia comemorativa do aniversário da Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo (SCMI), que se realizou no sábado, 27 de abril, na sede do concelho, o provedor Fernando Maria da Paz Duarte afirmou que foram 94 anos com a preocupação de cumprir as «obras de misericórdia», sempre em luta «por uma sociedade mais fraterna, mais solidária e mais justa». Durante todos estes anos, a Santa Casa «foi crescendo nas suas respostas», enfrentando os desafios de cada tempo. Mas na década de 80 do século passado foi reativada, depois de um período menos atuante, voltando-se para novas valências da área da criança, dos idosos, da saúde e da reabilitação, disse o provedor. E acrescentou: «Num período mais recente, continuou o seu crescimento, com o RSI (Rendimento Social de Inserção), o espaço sénior, a reabilitação e a Unidade dos Cuidados Continuados (UCC), mas também no campo da cultura, com o orfeão.» 

Scott




Helloooooooooooo! 
Maria Donzília Almeida

Eu sou o Scott, o novo habitante da casa! Não tenho nenhuma relação com o Scott Mckenzie, o cantor americano que ficou famoso, na década de 60 do século passado. Apenas no imaginário da minha dona, que nutre por ele uma saudade enorme.... Faz-lhe lembrar os tempos de juventude...e isso é sempre bom! 
Eu cá estou, não a substituir o anterior inquilino, pois nestas coisas ninguém substitui ninguém, mas apenas a fazer companhia canina a quem tem a minha espécie, em alta consideração. 
Devo ter poucas semelhanças com o Boris meu antecessor, acho até que nem lhe chego aos calcanhares....nem tenho isso, calha bem! Não que a dona faça comparações, mas, pela conversa que lhe ouço e pelo modo nostálgico como fala dele, adivinha-se que ele era um gentleman. Era de raça nobre, tinha pedigree! E portava-se como tal! 

A Generosidade

Centro Cultural da Gafanha da Nazaré e os seus reflexos

A campanha “A partilha”, iniciativa promovida pela Diocese de Aveiro e integrada na Missão Jubilar em curso, até dezembro deste ano, rendeu já seis toneladas de produtos não perecíveis, que a Cáritas Paroquial  da Gafanha da Nazaré se encarregará de distribuir por pessoas e famílias notoriamente carenciadas. 
Em plena crise económica e social, os paroquianos, gafanhões e não só, souberam responder, com muita generosidade, aos apelos lançados pelo nosso Bispo, D. António Francisco, e repetidos pelo nosso prior, Padre Francisco Melo, e seus mais diretos colaboradores, Padres César e Pedro José. 
Segundo informações que colhi, a recolha de produtos alimentares, sobretudo, continua, pelo que é de admitir que as seis toneladas sejam ultrapassadas muito em breve.

sábado, 27 de abril de 2013

Ética da libertação, com o imperativo moral

Mercadodiceia, ética e utopia
Anselmo Borges

Anselmo Borges



Primeiro, foi a Providência divina. Deus, na sua omnipotência e infinita bondade, acompanha a humanidade no combate contra o mal - Deus é o anti-Mal -, de tal modo que tem fundamento a esperança do triunfo final do bem. Depois, pela secularização da Providência, a própria história aparece como justificando-se a si própria, no quadro de uma historiodiceia: "A história do mundo é o julgamento do mundo." Finalmente, os mercados são a nova presença do divino, de tal modo que através do seu jogo, mediante uma "mão invisível", tudo se conjuga para que, embora cada um lute pelos seus próprios interesses, dessa luta resulta o maior bem para todos. Sequência: teodiceia (justificação de Deus frente ao mal), historiodiceia (justificação da história), mercadodiceia (justificação dos mercados) - Adriano Moreira utiliza a expressão: "Teologia do Mercado".

FAMÍLIA: Santuário da Vida e do Amor





AMAI-VOS COMO EU VOS AMEI
Georgino Rocha

Esta recomendação é feita por Jesus e tem “sabores” muito ricos e plurais: mandamentos novo, testamento vital, espelho do amor mútuo a Deus seu Pai, núcleo fundamental e dinamismo permanente da comunidade cristã, credencial do testemunho dos discípulos, força e imperativo de humanização qualificada de toda a sociedade. Os momentos cruciais da vida de Jesus entram na “recta” final. É hora de abertura total, de confidências, de comunicação de “últimas” vontades. E o amor surge com toda a sua energia e amplitude. É um amor de entrega, de serviço, de perdão. A atestá-lo está a ceia de despedida, o lava-pés, o episódio de Judas.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

O batismo é um direito de todos


Batismo das crianças sim ou não? 
D. António Marcelino 



Continua a ser frequente ouvir pais chocados porque o pároco se nega a batizar o seu filho, dada a sua situação matrimonial, e também a não aceitar os padrinhos propostos por não serem idóneos. O batismo é um direito de todos. Cada criança que vem ao mundo é já divina por natureza. Deus a criou à sua imagem e semelhança e a torna capaz, com a Sua graça, de viver e crescer na fé, até à plenitude da vida cristã. 
Esta realidade obriga os responsáveis da Igreja a ponderarem bem a atitude a tomar ante o pedido do batismo feito pelos pais de uma criança. A situação atual da sociedade e da Igreja faz com que aumentem os casos de pais que não receberam ou romperam, por opção ou imposição, o sacramento do matrimónio. Este facto leva, por razões pastorais óbvias, a que não se possa ou deva celebrar, sem mais, o batismo das crianças. Porém, o que pastoralmente é mais válido será sempre acolher bem os pais e ajudá-los a aceitar caminhos acessíveis, que os preparem para poderem garantir, com a sua ação e testemunho, a celebração do sacramento com futuro. Isto significa que deve haver esperança justificada de que a criança que recebeu o batismo será educada na fé pelos pais, padrinhos e outros familiares, nomeadamente os avós. Na idade própria, a paróquia estará preparada e disponível, para que a criança possa contar na catequese de um auxílio determinante para a sua vida de cristão com as opções pessoais que vier a tomar. 

quinta-feira, 25 de abril de 2013

A liberdade pode ser pintada de todas as cores


A liberdade de ser… 
Sónia Neves 
Agência Ecclesia 

As primeiras vezes que ouvi falar na palavra liberdade foi em jeito de recordação… Na minha cidade de Aveiro realizou-se o primeiro Congresso Republicano, em oposição ao regime do Estado Novo. 
Não percebia bem o que era ser livre mas lembro-me de os meus avós contarem a agitação subtil, quase misteriosa, de uma ida a um congresso destes, num teatro conhecido da cidade. 
“Não tínhamos liberdade para nada, havia medo e não nos deixavam falar. Íamos de fugida!”. 
Aquela frase encerrava toda a minha primeira noção de liberdade. Eram longas as conversas a querer saber mais, onde a minha curiosidade se alinhava à vontade de agora falar do que passaram “noutros tempos”, como diziam. 
Hoje pergunto-me o que é isso de liberdade? 
Gosto da palavra, da forma como soa e dos valores que traz atracados. A liberdade é encarada numa forma extrema de “se fazer o que quiser” mas não a vejo assim. O dicionário diz que é o “direito de proceder conforme nos pareça, contando que esse direito não vá contra o direito de outrem”. 
Acredito, mas vejo a liberdade de formas várias.


25 de abril de 2013

Meditando


Há 39 anos,  assisti ao nascer deste dia
Maria Donzília Almeida


Há 39 anos, na segunda metade do século XX, assisti ao nascer deste dia, logo ao eclodir da revolução, em ambiente de trabalho. Ali, ao lado, na escola mais próxima da área de residência, na Escola Técnica de Ílhavo. 
Nessa época, qualquer professor que abraçasse a profissão, tinha emprego garantido, sendo que muitas vezes se iniciava o magistério, com o curso incompleto. 
Vivia-se numa ditadura, as pessoas não podiam dizer mal dos governantes, sob pena de sofrerem represálias e perderem o emprego, caso fosse no setor público. 
Mas... o povo gosta de se exprimir, sem censura, sobretudo para dizer mal, de tudo e de todos. 
Conquistámos essa grande prerrogativa, a liberdade de expressão, que é tão do agrado dos intelectuais! 
Ah! Conquistámos também um feriado, o que hoje, com a redução que foi feita, nesse domínio, é uma mais valia e permite ao povo ir para a rua regozijar-se com “as conquistas de Abril”! 
Eu passei-o em casa, desfrutando de um dia primaveril, no meio do meu jardim policromático! 
As revoluções provocam uma reviravolta nas sociedades modernas, reestruturando a fundo as suas instituições e é notória a mudança que ocorreu na sociedade portuguesa, a todos os níveis. Basta estar atento e observar com olhar crítico, o nosso país, aqui, arrumadinho, na “ocidental praia lusitana”! 
Constato isso, por exemplo, quando viajo de comboio e sinto a diferença entre o hoje e os tempos de estudante, em que os comboios eram autênticos galinheiros pejados de “magalinhas”! Às vezes aconteciam cenas caricatas, em que o vernáculo enchia as cabines, a tresandar a suor! 
Neste contexto, não direi “Belos tempos!”, transpondo o modificador do nome, para a atualidade. 
Há, no entanto, uma coisa que se mantém inalterável, no antes e no pós 25 de Abril! Ontem, como hoje, continuamos...à espera de melhores dias! 

25.04.2013

Ditadura do medo


Mal vai uma democracia quando se fala em Ditadura do medo.



- Posted using BlogPress from my iP

25 de Abril: O negativo não nos pode levar ao desânimo


Aí está mais um 25 de Abril. Para celebrar e para contestar, na liberdade que o Movimento das Forças Armadas nos ofereceu em 1974. Para celebrar a riqueza que a liberdade representa; a certeza de que a liberdade nos deu a democracia; a convicção de que não há outra forma de viver em sociedade senão em democracia. Para contestar o desenvolvimento não conseguido; a justiça social que tarda em se aplicar; a falta de trabalho que atrofia os sonhos e o presente de 20 por cento dos portugueses ativos; a fome que alastra a olhos vistos; a corrupção que não desaparece dos nossos horizontes, qual lobo vestido de cordeiro.
Importa sublinhar, no entanto, que nada do negativo nos pode derrotar nem levar ao desânimo. Uma sociedade adulta e responsável tem nas suas mãos o seu futuro. Assim o queira.

A Justiça em Portugal


Não me repugna admitir que Isaltino Morais, o autarca de Oeiras, esteja inocente. Foi, finalmente, preso e sobre isso não posso nem devo pronunciar-me. Contudo, repugna-me aceitar que no nosso País a Justiça seja tão lenta. Não discuto se é competente ou incompetente. Porém, pelo que se vê, a nossa Justiça está a ser injusta. Tantos anos para decidir um caso. Tantos anos para decidir e concluir tantos casos. E não haverá maneira de termos em Portugal uma Justiça célere, à altura de uma sociedade democrática?

Ver notícia aqui

quarta-feira, 24 de abril de 2013

"ECONOMIA E MUNDO OPERÁRIO. OPORTUNIDADES"





O antigo secretário geral da CGTP-IN, Carvalho da Silva, e o antigo secretário de estado da saúde, Óscar Gaspar, participam num debate promovido pela Diocese de Aveiro, subordinado ao tema “Economia e mundo operário. Oportunidades”.
A sessão que faz parte do programa da Missão Jubilar realiza-se esta sexta-feira, no Auditório CEFAS, em Águeda, e começa às 21h.
Depois de um debate sobre a acção social que contou com a presença do arcebispo de Braga e do ministro da solidariedade e seguranca social, outro sobre o diálogo inter-religioso que recebeu Jorge Sampaio e António Couto, este é o terceiro debate que a Diocese aveirense promove com o objectivo de auscultar aquilo que o mundo tem a dizer à acção da Igreja.
Terá transmissão em directo no canal de televisão online da Diocese.

Fonte: Diocese de Aveiro

- Posted using BlogPress from my iPad

Aniversário da cidade recordado sem festa



Saneamento básico 
vai ficar quase 
a 100 por cento 



O 12.º aniversário da elevação da Gafanha da Nazaré a cidade foi recordado sem festa, com a presença da Câmara Municipal de Ílhavo e Junta de Freguesia, presididas, respetivamente, por Ribau Esteves e Manuel Serra. De significativo, apenas o hastear das bandeiras, visitas ao novo edifício da Escola Secundário (ES), ao complexo do Grupo Desportivo da Gafanha (GDG) e ao espaço do antigo mercado, que vai ser reconvertido em parque de estacionamento para 80 automóveis, importando as obras em 80 mil euros, inteiramente suportados pela Câmara. 
As visitas serviram, fundamentalmente, para valorizar a importância das instituições referidas e para equacionar situações, no caso do GDG, a precisarem de soluções a breve prazo, em especial no Parque de Campismo. 
O edifício da Escola Secundária mereceu rasgados elogios do presidente da Câmara, por se tratar de uma obra de «muita qualidade» que importou em 14 milhões de euros e que justificou «uma luta de muitos anos» de parte da autarquia. Ribau Esteves adiantou que o Ginásio daquela escola, que possui todos os requisitos modernos, ficará aberto à comunidade, mediante protocolo assinado entre a CMI e a ES. 
Quanto ao GDG, o autarca ilhavense reconheceu que o complexo desportivo precisa de ser melhorado, em especial o Parque de Campismo, «que não está bem, que não está licenciado e que necessita de ser qualificado», apostando a Câmara em elevá-lo à categoria de uma estrela, «de forma que possa dar lucros que beneficiem o Grupo Desportivo». 

terça-feira, 23 de abril de 2013

DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO DE AUTOR

O PRAZER DE LER
Maria Donzilia Almeida

Mesa de cabeceira do Zé da Rosa

Também chamado Dia Mundial do Livro, é um evento comemorado todos os anos no dia 23 de abril e organizado pela UNESCO, para promover o prazer da leitura, a publicação de livros e a proteção dos direitos de autor. O dia foi criado na XXVIII Conferência Geral da UNESCO que ocorreu entre 25 de outubro e 16 de novembro de 1995.
A data de 23 de Abril foi escolhida porque nesta data, do ano de 1616, morreram Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Garcilaso de la Vega. Para além disto, na mesma data, em outros anos, também nasceram ou morreram outros escritores importantes: Maurice Druon, Vladimir Nabokov, Josep Pla e Manuel Mejía Vallejo.

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues




- Posted using BlogPress from my iPad

segunda-feira, 22 de abril de 2013

DIA INTERNACIONAL DA TERRA - 22 de abril






NA NATUREZA NADA SE CRIA E NADA SE PERDE
Maria Donzilia Almeida


Neste dia, exprimo o meu extremado amor à terra, na polissemia do seu significado: amor à Terra, planeta azul de que sou uma hóspede honorífica; amor à terrra natal que elevo a um grande pedestal, onde resido e desfruto dos seus encantos: à terra, húmus vivificador, qual ventre materno que faz explodir em vida, tudo aquilo de que é inseminada!
Neste sentido restrito, respeito-a, cuido-a e sou uma defensora acérrima do seu equilíbrio ecológico!
Daí ser uma ativista militante nas questões da reciclagem que defendo, promovo e pratico.
Para comemorar este dia, deixo apenas o pensamento de Lavoisier, que incorporei e algumas imagens das minhas práticas, em favor desta maravilha que é o planeta Terra!

sábado, 20 de abril de 2013

O Mundo é espantosamente belo!


Li na RR




- Posted using BlogPress from my iPad

Quem é o estúpido?

AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ESTUPIDEZ HUMANA
Anselmo Borges


Este - "as leis fundamentais da estupidez humana" - é o título de um livrinho famoso, publicado há muitos anos, mas sempre actual. Apareceu em inglês, depois em italiano. Acabo de lê-lo em francês. O seu autor, Carlo M. Cipolla (1922-2000), historiador da economia, foi professor na Universidade de Berkeley e na Escola Normal Superior de Pisa.
Para estabelecer as leis fundamentais da estupidez, é preciso, primeiro, definir quem é o estúpido. Para isso, ajudará a comparação com outros tipos de gente. Diz o autor que, quando temos um indivíduo que faz algo que nos causa uma perda, mas lhe traz um ganho a ele, estamos a lidar com um bandido. Se alguém realiza uma acção que lhe causa uma perda a ele e um ganho a nós, temos um imbecil. Quando alguém age de tal maneira que todos os interessados são beneficiados, estamos em presença de uma pessoa inteligente. Ora, o nosso quotidiano está cheio de incidentes que nos fazem "perder dinheiro, e/ou tempo, e/ou energia, e/ou o nosso apetite, a nossa alegria e a nossa saúde", por causa de uma criatura ridícula que "nada tem a ganhar e que realmente nada ganha em causar-nos embaraços, dificuldades e mal". Ninguém percebe por que razão alguém procede assim. "Na verdade, não há explicação ou, melhor, há só uma explicação: o indivíduo em questão é estúpido."


DOU A VIDA A QUEM ME SEGUE
Georgino Rocha




Esta garantia é dada por Jesus na sequência da parábola do Bom Pastor. Surge no diálogo tenso com as autoridades dos judeus. Não faz nenhuma excepção. Está aberta a todos. Apenas indica algumas condições. E a observância destas são indispensáveis para que a garantia/promessa seja efectivamente realizada. É feita aquando da festa da Dedicação do Templo, em Jerusalém. Mas tem como horizonte as “rotinas” do tempo comum e os acontecimentos da história de toda a humanidade. Desde que sejam satisfeitas as condições apresentadas.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Instituições da Gafanha da Nazaré de mãos dadas em “Olhares Abertos”

Exposição até domingo

Hugo Coelho, Padre Francisco e Eduardo Arvins

“Olhares Abertos” é uma iniciativa das IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social) de matriz eclesial da Gafanha da Nazaré, nomeadamente, do Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Nazaré, Obra da Providência e Fundação Prior Sardo, que surgiu com o objetivo de estimular e enriquecer o desenvolvimento de interações e mútuo conhecimento, fatores geradores de dinâmica de cooperação entre instituições, como resposta otimizada no exigente contexto atual, como se lê num texto de apresentação. 
A ação levou à prática uma exposição de fotografia, patente no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré entre  19 e 21 de abril, que reflete trabalhos realizados no primeiro trimestre de 2013, sobressaindo a partilha de olhares personalizados, de pendor humanista, social e solidário, ao serviço do bem-comum. 

Padre Francisco, Ribau Esteves e Manuel Serra

O pároco da Gafanha da Nazaré, Padre Francisco Melo, enalteceu a importância das três instituições ligadas à Igreja Católica estarem unidas nesta iniciativa, fruto de «um pequeno percurso», numa perspetiva de se trabalhar em conjunto. Lembrou que estas IPSS têm valores em comum, em especial «o do serviço, que queremos prestar no âmbito da Igreja». 
O Padre Francisco frisou que houve visitas mútuas entre as instituições, das quais resultou esta exposição, “Olhares Abertos”, onde temos «os olhares dos mais novos, que são o nosso futuro, que nos desafiam a um futuro de esperança». Disse ainda que não faltam os olhares dos que nos «antecederam na vida e que nos dão a garantia de que vale a pena caminhar». 
Manuel Serra, presidente da Junta de Freguesia, afirmou que a Gafanha da Nazaré tem razões para se sentir muito feliz por tudo quanto se faz, «em termos exemplares», como esta ação, sobretudo por escolherem, se é que o fizeram, para a sua inauguração, o dia em que se comemora «o aniversário da elevação da nossa terra a cidade». Por isso, todos estamos de parabéns, disse. 

Visitantes


Ribau Esteves, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, depois de afirmar que durante a manhã, no âmbito das celebrações do aniversário da elevação a cidade da Gafanha da Nazaré, esteve em visita de trabalho no novo e moderno edifício da Escola Secundário, nas instalações do Grupo Desportivo da Gafanha e na zona do novo parque de estacionamento, anexo à Junta de Freguesia, salientou a premência de olhar o futuro, «futuro que já chegou, fazendo coisas de forma diferente». E acrescentou: «As exigências novas e as dificuldades novas exigem de nossa parte soluções novas, instituições mais fortes, com mais escala e com mais capacidade para responderem às solicitações que as pessoas nos fazem.» 
O Presidente da Câmara manifestou o desejo de que «estes “Olhares Abertos” nos abram o espírito, nos alimentem a inteligência e nos deem coragem, porque a forma melhor de fazermos as coisas para o nosso comodismo é sempre fazermos como fizemos; a forma mais exigente, aquela que é mais geradora, é fazer de forma diferente, respondendo às novas exigências do tempo novo, que vai chegar». 

Fernando Martins

Gafanha da Nazaré é cidade há 12 anos




A Gafanha da Nazaré é cidade há 12 anos. O acontecimento, isto é, a festa que os gafanhões viveram no dia 19 de abril de 2001, merece ser recordado sempre. Na Junta de Freguesia, as bandeiras, desfraldadas ao vento, disseram a quem passa que a nossa terra revive algo importante num ambiente festivo. É óbvio que não vou, hoje e aqui, dizer que a cidade precisava de muito mais. Quero, tão-só, sublinhar a data, para que cada um a comemore ao seu jeito. 
A imagem das bandeiras está acompanhada de uma outra, que tem um certo significado. Talvez pouca gente saiba que as duas oliveiras que se veem brotaram de um tronco, com 300 anos, que ali foi mandado colocar pelo presidente da Junta, Manuel Serra, em 2010, na esperança de que pudéssemos contemplar um sinal de perenidade. Gostei do simbolismo da oliveira. E por isso o apresento neste meu espaço.

O HOMEM LIVRE...

"O homem livre é aquele que vê os erros com a mesma claridade que a verdade."

G. K. Chesterton

Nota: Boa afirmação. Poderemos dizer que não abundam os homens livres? Talvez. Mas sempre haverá homens que se esforcem por ver erros e verdade com a mesma claridade.


- Posted using BlogPress from my iPad

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Índia: país multicultural

Vestígios da presença portuguesa por toda a parte
Maria Donzília Almeida

Esperando o nascer do sol no Ganges
Desde que Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia, em 1498, que a curiosidade lusitana jamais parou de se imiscuir neste destino exótico. A minha concretizou-se em 2008, mas optei por outro meio de transporte, diferente do utilizado pelo navegador português, Vasco da Gama. Mais veloz, poupando-me ao enjoo e ao escorbuto, caso contrário gastaria mais que o período de férias, concedido pelo patronato! 
Uma jovem (!?) democracia, desde 1947, apenas dois anos, mais velha que a autora destas linhas. Uma economia emergente, a 10ª no ranking mundial. De todos os contrastes verificados neste país do extremo oriente, desde o exotismo das gentes, ao esplendor dos monumentos, do Kamasutra aos palácios dos marajás, vou evocar aqueles que são já, uma marca nos roteiros dos agentes turísticos. 
Umas das 7 maravilhas do mundo, praticamente todos já o viram em inúmeras fotografias, mas o que poucos sabem, é a história que está, por detrás, deste inigualável monumento. O Taj Mahal é uma ode ao amor e representa toda a eloquência deste sentimento. Durante séculos, inspirou poetas e outros artistas, que tentaram captar a sua magia em palavras, cores e música. Multidões de viajantes têm cruzado continentes inteiros, para ver esta esplendorosa beleza, poucos lhe ficando indiferentes.

Cardeais, bispos, monsenhores e padres a sonhar carreira na Cúria Romana

Interpelação do Papa à Igreja e toda a hierarquia 
 António Marcelino 

António Marcelino


Com toda aquela corte de gente a rodeá-lo, cardeais, bispos, monsenhores e padres a sonhar carreira na Cúria Romana, que continuam com as suas vestes coloridas e vistosas, e a não quererem mudar, como se sentirá o Papa Francisco? Com o desconforto de quem espera? Com a normal compreensão e paciência de quem respeita? Mais voltado para mostrar que para falar? Todas as hipóteses se podem formular. Mas a pergunta é pertinente, dado que ele optou, desde o primeiro momento, pela simplicidade no viver, no vestir, no calçar, no comunicar, no relacionar-se, como que a querer dizer que coisas supérfluas e vistosas que choquem não são com ele e a sua opção é a simplicidade e a disponibilidade de quem serve. 

Gafanha da Nazaré é cidade há 12 anos


Comemorações do 12.º Aniversário 



Amanhã, dia 19 de abril,  assinala-se o 12.º Aniversário de Elevação da Gafanha da Nazaré a Cidade, com um conjunto de ações que marcam a data, honrando a década passada e o futuro que juntos queremos continuar a construir a cada dia. 
O Programa das Comemorações, que está centrado em visitas de trabalho tendo a Educação, o Desporto e a Regeneração Urbana como temáticas, é o seguinte: 

08.30h – Hastear das Bandeiras (junto à Sede da Junta de Freguesia); 

09.00h – Visita à Escola Secundária da Gafanha da Nazaré; 

10.30h – Visita ao Grupo Desportivo da Gafanha; 

11.30h – Apresentação do Projeto de Qualificação Urbana no terreno do  antigo Mercado da Gafanha da Nazaré (no local da obra). 

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Os generosos ficam na memória do povo

OS BOLSOS DA MORTALHA
António Marcelino

Ao denunciar os que enriquecem por caminhos sujos e de corrupção, o Papa Francisco recordou uma palavra da sua avó que ela dizia com a sabedoria de mulher humilde, mas realista: “As mortalhas não têm bolsos”. Ao ouvir lembrei-me de uma quadra popular, ao jeito do António Aleixo: 

“Tenho uma viagem marcada
 Fazê-la, quando, não sei
 Do que tenho não levo nada
 Levo tudo quanto dei”

Não falta gente a pensar que a mortalha tem bolsos a abarrotar, e que é perdido o que se reparte e dá aos mais pobres de tudo. A alegria de dar, recorda a Bíblia, é maior do que a de receber. E eu acrescento: é maior do que a de guardar avaramente o que se tem a mais. Não faltam exemplos a confirmá-lo ao longo da história. Ainda hoje, quem fica, de modo grato, na memória do povo? Os avarentos e forretas ou os generosos e disponíveis? A vida tem a missão de nos ensinar. Ela realiza-se na história de cada um e a história, para quem a souber ler, será sempre a mestra de vida.


- Posted using BlogPress from my iPad

COIMBRA: 17 de abril de 1969



Alberto Martins levanta-se e pede a palavra
Maria Donzília Almeida

Desde tenra idade, que a vida me foi preenchendo com acontecimentos marcantes. Neste dia, evoco o meu ano de caloira na Academia de Coimbra, em que foi lançado o embrião daquilo que viria a nascer, em Abril de 1974.
Há 44 anos atrás, era eu uma jovem de 19 anos, a dar os primeiros passos na senda de Minerva, postada ali, em grande plano, no átrio da Faculdade de Letras.
Naquela manhã primaveril de 17 de abril de 1969, por ocasião da inauguração do Edifício das Matemáticas, a cidade de Coimbra estava em polvorosa. Vieram, a Coimbra, os Ministros das Obras Públicas, da Educação, o Prof. Hermano Saraiva e o então Presidente da República, Almirante Américo Tomás.

Passos Coelho e Seguro com encontro marcado


Portugal enfrenta um momento crucial. Pelas notícias que nos chegam, estamos a ficar mal na fotografia, com o precipício mesmo ali ao lado. Seria bom que Passos Coelho e António José Seguro se unissem para salvar o país da bancarrota. Na impossibilidade de se construir um Governo de Salvação Nacional, que implantasse um esquema que respeitasse o ser humano, ao menos que os partidos da área da governação se entendam para bem de todos e para fazerem o necessário e possível depressa e bem. Será viável? Eu gostaria que fosse, mas...
O problema da falta de entendimento está, a meu ver, no orgulho que todos alimentam e levam à prática. Cada líder, neste caso Passos Coelho e Seguro, senhor da verdade toda, da honestidade toda e da solução única, procura apenas empoleirar-se no poder para si e seus clientes, menosprezando o povo português. Custa-me dizer isto, mas tenho quase a certeza de que as posições de raiva entre um e outro, ou entre uns e outros, vão permanecer intocáveis. Depois, se a democracia se deixar arrombar, não se queixem. O povo português tem de começar a perceber que há gente nos poderes sem capacidade para o diálogo.

DESEMPREGO: O grande drama de Portugal

Padre Lino Maia


«O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) afirmou hoje à Agência ECCLESIA que o desemprego, “o grande drama de Portugal”, diminui a esperança e aumenta a depressão, o vício e a marginalização.
Com a falta de trabalho “as pessoas ficam mais deprimidas, mais sujeitas a criarem vícios e também mais marginalizadas, dado que uma pessoa desempregada perde um grupo de relações e não está em condições de criar novos laços”, sublinhou o padre Lino Maia.
Quem não tem ocupação profissional “perde a esperança porque um desempregado é alguém que, provavelmente, não encontrará trabalho nos próximos anos”, acrescentou o responsável à margem do seminário ‘Pobreza e Direitos Humanos’ que decorre esta terça-feira na Assembleia da República, em Lisboa.»

Ler mais aqui

Para conhecer o Papa Francisco

"Papa Francisco - Conversas com Jorge Bergoglio": 
família, vocação e escolhas culturais, da leitura, 
à dança, do cinema ao futebol



«"Papa Francisco - Conversas com Jorge Bergoglio", lançado esta terça-feira nas livrarias pela Paulinas Editora, é o resultado de uma entrevista ao arcebispo de Buenos Aires originalmente publicada em 2010 na Argentina.
«Não se trata apenas de uma biografia, mas é um testemunho direto, em primeira pessoa, onde o novo papa dá a conhecer os acontecimentos que marcaram a sua vida, traçando um impressivo auto-retrato», refere a nota de apresentação.
A conversa, que se prolongou por vários meses, é dirigida pelos jornalistas Sergio Rubin, argentino, e Francesca Ambrogetti, italiana.
Apresentamos um dos capítulos da obra, onde Bergoglio fala sobre episódios da infância, família, vocação e as escolhas culturais, da leitura à dança, do cinema ao futebol.»

Ler mais aqui

terça-feira, 16 de abril de 2013

Dia Mundial da Voz - 16 de abril



Neste dia especial, não declamo, nem reclamo, mas proclamo
Maria Donzília Almeida

Numa passagem meteórica pela cidade do Mondego, onde revivo sempre, com nostalgia, memórias da juventude, quis a sorte que me cruzasse, no mesmo hotel, com um médico muito jovem. Também fez estudos nesta urbe universitária e apesar da sua ainda curta vida, protagoniza já, uma carreira brilhante e vaticina-se-lhe um futuro promissor.
Neste dia especial, não declamo, nem reclamo, mas proclamo, de viva voz, umas palavrinhas singelas, mas de grande significado e admiração, para com o nosso herói.

Miguel Augusto Trigo Ribeiro

Dr Miguel Augusto Trigo Ribeiro

Especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética. 
Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. 
Formação específica em Cirurgia da Mama estética e reconstrutiva na Unitá Operativa Complessa di Chirurgia Plastica Ricostruttiva – Istituto Nazionale per lo Studio e la Cura dei Tumori em Milão. Curso de Cirurgia Nasal Estética e Reco2nstrutiva no Centro Médico Teknon em Barcelona. Curso de Cirurgia do Rejuvenescimento Facial no Ilustre Colégio Oficial de Médicos em Madrid.Assistente Hospitalar do Serviço de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Maxilo-Facial do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental.


Médico cirurgião
Inventa harmonia
Gerando beleza
Um escultor!
Em carne natural
Levanta o moral!

Transforma a tristeza,
Reacende a alegria,
Irradia juventude!
Gere a decrepitude
O herói da cirurgia!

Maria Donzília Jesus Almeida
16 de abril de 2013

OS "CHEIOS DE SI"

Os tais comentadores desempregados da política ou à espera de nela encontrarem um lugar ao sol sabem de tudo e mais alguma coisa... De tal maneira que, antes de abrirem a boca, já sabemos o que vão dizer.


Ler aqui


- Posted using BlogPress from my iPad

segunda-feira, 15 de abril de 2013

PÚBLICO: CRÓNICA DE BENTO DOMINGUES






- Posted using BlogPress from my iPad

Dois gafanhões perfilam-se nas autárquicas



Que eu saiba, já há dois gafanhões candidatos às autárquicas. Outros surgirão, decerto. Ribau Esteves será o candidato do PSD à Câmara Municipal de Aveiro, mudando, portanto, para o município vizinho, se vencer, obviamente. Fernando Caçoilo, vice-presidente da Câmara de Ílhavo, durante os mandatos de Ribau Esteves, passa a candidato natural do PSD à autarquia que tem servido. Aos dois desejo os maiores êxitos políticos e pessoais. 
De outros falarei quando souber das suas candidaturas. 
O serviço público, político ou outro, merece-me o maior respeito. Quem se candidata a estes cargos, por espírito de missão, pois só assim o entendo, deve suscitar em nós, os eleitores, o apoio possível, mesmo que esse apoio se possa traduzir em crítica pela positiva. Como, aliás, gosto de pautar a minha intervenção pública.

sábado, 13 de abril de 2013

Almoço de antigos alunos da EICA


Para mais tarde recordar
A alegria da juventude
As conversas de sempre

No cenário único da Costa Nova, hoje, dia de sol quente e luminoso, participei no XIX almoço de antigos alunos da EICA (Escola Industrial e Comercial de Aveiro). O restaurante Marisqueira, com a sua já conhecida lhaneza de trato, proporcionou um encontro agradável para os convivas degustarem, com prazer e animação, acepipes saborosos: Carapauzinhos fritos, presunto bem curado, galeota à maneira, amêijoas à Bulhão Pato, creme de legumes para serenar o estômago, bacalhau com batata assada, sobremesa e café, tudo bem temperado. O prato especial foi a conversa, variada e apetitosa, ao sabor da maré, com estórias que nunca mais acabam, ano a ano renovadas, ano a ano prometidas, porque é preciso alimentar a chama do convívio, da fraternidade que a todos anima, porque é necessário afugentar enxaquecas e males que a idade traz, criar coragem que a vida nos convida a manter, alegria que urge cultivar. 
Cabelos brancos? Peles enrugadas? Pernas trôpegas? Ouvidos que não captam tudo? Corações que se tornaram frágeis? Que importa isso, se os sorrisos se mantêm, se as amizades persistem, se a vontade de estar e de continuar na luta cresce dia a dia, se o companheirismo é mola-real da nossa existência? 
Para o próximo ano, se Deus quiser, voltaremos à mesa da fraternidade, ponto de encontro dos presentes e dos ausentes, que os primeiros saberão recordar. Como hoje aconteceu.

PARA OS AMANTES DA HISTÓRIA

NA ILUSTRAÇÃO PORTUGUEZA - Setembro de 1919




- Posted using BlogPress from my iPad

É com Fé que todos somos homens, quando o somos.


Óscar Lopes e o Transcendente
Anselmo Borges

Óscar Lopes

Figura cimeira da cultura portuguesa do século XX, Óscar Lopes deu contributos fundamentais para a linguística, a crítica literária, a história da literatura. Falámos várias vezes. Em 1970, convidei-o para uma "mesa redonda" sobre "a crise da fé hoje", na qual também participou o bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes. O que aí fica é uma homenagem ao pensador e professor, a partir dessa "mesa redonda".

D. António Ferreira Gomes, que tinha chegado havia pouco tempo do exílio, revelou que tinha "uma cartinha muito breve do Sr. Dr. Óscar Lopes (não combinámos nada), em que diz que a sua participação seria "um depoimento na primeira pessoa do singular acerca daquilo que durante 50 anos julgo ter crido a partir de um fervoroso catolicismo de infância. Apenas desejaria descobrir o melhor de mim mesmo no melhor catolicismo de hoje, e contribuir para tudo aquilo que deveras nos transcende"." E o bispo do Porto acrescentou: "Nós sabemos que a maior parte da nossa boa gente não transcende. Muitas vezes para o povo a religião no geral não significa nada de transcendente." E, depois de denunciar a religião das promessas, a religião utilitária, afirmou: "A religião cristã, entretanto, o limiar diferencial da religião cristã começa quando alguém se debruça sobre o outro, quando alguém se volta para aquilo que o transcende, seja o outro neste mundo, seja o outro absoluto (a relação ao outro absoluto é exactamente também a relação ao irmão). Por conseguinte, eu tenho para mim que quem procura pôr-se deveras em relação com aquilo que nos transcende está numa atitude religiosa. Desculpe, Senhor Doutor, se o ofendo." E Óscar Lopes: "De modo algum."


“Rapazes, tendes alguma coisa de comer?”


JESUS ORIENTA OS DISCÍPULOS EM MISSÃO
Georgino Rocha

Mar Tiberíades


O mar de Tiberíades é cenário aberto e expressivo da acção de Jesus ressuscitado. Acção que nos chega em forma de narrativa com fundo histórico e/ou carácter simbólico. A que faz o relato da aparição/manifestação de Jesus aos discípulos pescadores pertence a este tipo de narrativas e comporta uma mensagem qualificada.

Antes de serem discípulos, alguns dos que seguiam Jesus eram pescadores de profissão, conhecendo bem os tempos e as marés favoráveis, o rumo previsível do peixe em movimento e, consequentemente, as horas propícias para a sua captura. Também lhes eram familiares a barca do trabalho, as redes da esperança, o saco repleto de sonhos alcançados ou de desejos adiados. Esta sábia experiência perdura mesmo durante o acompanhamento de Jesus em que tantas surpresas aliciantes acontecem. 

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Promover a Renovação da Igreja Católica



«Formar comunidades que sejam autênticas escolas de vivência da fé e da comunhão, gerando entre todos os seus membros laços de fidelidade, de proximidade e de confiança, que se traduzam no serviço humilde da caridade fraterna. É este o caminho para avivar o sentido de pertença à comunidade e para fortalecer os laços da comunhão, que é a primeira forma de missão, de acordo com a Palavra de Jesus, Bom Pastor: «Nisto todos saberão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros» (Jo 13,35). De acordo também com a forma de viver das primeiras comunidades cristãs.»

quinta-feira, 11 de abril de 2013

No Povo de Deus todos têm vocação própria

Referências para a renovação e solução dos problemas pastorais 
D. António Marcelino 

António Marcelino

O novo Papa acordou muita gente para a renovação da Igreja e para a urgência de soluções para os problemas das comunidades cristãs. As propostas que aparecem, mais de cariz tradicional, não coincidem com os caminhos que o Papa Francisco propõe e mostra. Deve procurar-se luz onde existe, não onde ela foi perdendo o seu brilho. 

Não é fácil a desmontagem de ideias feitas e experiências vividas em tempos que não estes. O mesmo se passa com as instâncias políticas europeias e nacionais, onde predominam os interesses nacionais e partidários, que empurram sempre para becos de saída difícil. Na Igreja, porém, pela sua natureza e objetivos da missão, as referências têm outra dimensão. A menos que os interesses particulares abafem os comuns, mais abertos à verdade objetiva. 

ENCONTROS IMPROVÁVEIS NO VATICANO

NO PÚBLICO DE HOJE



- Posted using BlogPress from my iPad

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Bom tempo no fim do mês

«No princípio ou no fim, costuma abril ser ruim»

Tendo em conta o provérbio, apoiado na milenar experiência do povo, que não tinha outra forma de registar os seus conhecimentos, vamos acreditar que no fim do mês estará bom tempo, com a primavera esperada e desejada há muito. O abril ruim deve estar a passar...

Rádio Renascença completa 76 anos

Os meus parabéns à RR e a todos quantos a animam dia após dia, desde há 76 anos. É um exemplo, claríssimo, de sucesso, para bem do nosso país e dos portugueses.



«A Renascença completa hoje mais um aniversário: já lá vão 76 anos desde que foi para o ar. Deste modo, fecha-se o ciclo das bodas de diamante, que começou há um ano e que incluiu diversas iniciativas, como uma lotaria nacional e o concerto de José Carreras, passando ainda pela plantação de 75 mil árvores. 
Durante este ano, a Renascença foi também condecorada pelo Presidente da República, tornando-se no primeiro órgão de comunicação privado a ser receber a distinção. 
Hoje, a data é assinalada com uma missa de Acção de Graças, às 18h00, na igreja de São Domingos, em Lisboa. A cerimónia vai ser presidida pelo Padre Vítor Gonçalves, assistente espiritual da emissora católica portuguesa.»

Nota: Texto e foto do site da RR


segunda-feira, 8 de abril de 2013

DIA MUNDIAL DOS CIGANOS - 8 de abril

A caravana lá vai a caminho...



A MAIOR MINORIA DA EUROPA
Maria Donzilia Almeida

Incómodo para uns, polémico para muitos, o tema despertou a minha atenção, desde que foi inscrito no meu ambiente de trabalho.
A temática dos ciganos começou a despertar-me interesse, quando lidei, de perto, com esta minoria étnica, tão significativa. A minha relação com eles, sempre se pautou por uma grande cordialidade e respeito mútuo, em que o trabalho fluía sem impedimentos ou quaisquer constrangimentos. Despertando no comum dos mortais os mais contraditórios sentimentos, são uma camada de gente, muito peculiar, que tem suscitado estudos aprofundados, no sentido duma maior compreensão e consequente integração.
As populações ciganas, atualmente espalhadas por todo o continente europeu são muito diferentes entre si. Todas têm, contudo, em comum, uma única população ancestral, como prova agora o estudo do seu ADN.

Fórum da Juventude para fomentar uma atitude de responsabilidade cívica

Vereadora Beatriz Martins em entrevista ao Timoneiro 

Vereadora Beatriz Martins canta e ajuda a cantar

O Polo da Gafanha da Nazaré do Fórum Municipal da Juventude (FMJGN), de braços abertos e acolhedores no Centro Cultural da nossa cidade, é razão primeira da entrevista que a Vereadora Beatriz Martins, responsável por este setor, concedeu ao Timoneiro. Trata-se de um serviço dinâmico, que acolhe mensalmente 500 jovens, entre as 10 e as 18 horas, de segunda a sexta-feira. 
A riqueza e a importância das iniciativas e projetos que no FMJ se desenvolvem são por demais evidentes, representando, sem dúvida, uma preciosa ajuda para o desenvolvimento integral da juventude. E se é verdade que nos polos do FMJ tudo está concebido para que os jovens estejam plenamente empenhados no que se planifica e faz, importa reconhecer a mais-valia que significa a cooperação da comunidade em geral. Esta entrevista foi conduzida por Fernando Martins, via e-mail. 

O que é e o que pretende a CMI com o Fórum da Juventude? 

— Com a criação do Fórum Municipal da Juventude a CMI pretende prosseguir com uma política de juventude próxima dos Jovens do Município. Neste âmbito surgem os investimentos na construção de novos equipamentos, na criação destes serviços, programas e iniciativas com o intuito de acrescentar mais-valias à formação pessoal e ocupação do tempo livre com qualidade. 

Importa contribuir para a formação, informação e entretenimento dos nossos jovens. 

sábado, 6 de abril de 2013

A ARROGÂNCIA DE QUEM VIVE DE BARRIGA CHEIA

António Marujo,
no DN

"Há uma coisa que não dará para aguentar, claro: a arrogância de quem vive de barriga cheia, achando que só eles é que trabalham e lutam pela vida. Já tínhamos percebido que grande parte da classe política vive em circuito fechado, sem conhecer a vida real das pessoas. Agora, percebemos também que, para boa parte da classe empresarial, as pessoas são apenas factores de produção. Servem apenas para lhes dar dinheiro a ganhar, a eles que, eles sim, são cultos, dinâmicos e trabalhadores.
Se preferirem, podem trocar antes o vosso salário com um sem-abrigo que receba ou não os trocos do "Rendimento Social de Inserção" (que não é social e não insere ninguém, ao contrário do que acontecia quando foi criado como Rendimento Mínimo Garantido). Desse modo, podem juntar ao baixo salário (uma experiência de contorcionismo) a experiência radical de ir à "sopa dos pobres" ou dormir com cartões à entrada de um prédio."


- Posted using BlogPress from my iPad

Estranho aviso





Nas minhas deambulações por aí, um pouco longe da Gafanha da Nazaré, encontro por vezes avisos e dísticos no mínimo curiosos. Como o que ilustra esta mensagem. Por que razão foi necessário escrever, de forma que pudesse ser lido, este aviso? Será que a habitação modesta indiciaria sinais da impossibilidade de alguém viver nela? A porta, com a caixa do correio, não seria prova suficiente?

- Posted using BlogPress from my iPad

O ser humano é realidade sagrada

Desafios para o século XXI
Anselmo Borges

Anselmo Borges

São muitos os desafios que se nos apresentam neste século XXI, ao mesmo tempo com imensas vantagens e imensos riscos.
A sua ordem é um pouco arbitrária, mas começaria pela globalização. Pela primeira vez, somos verdadeiramente uma "pequena aldeia". Devido às redes de transportes e comunicações, fluxos de bens, serviços, capitais, conhecimentos e pessoas, os países e os povos do mundo estão cada vez mais integrados numa sociedade global. O que vai então significar a globalização: simples liberalização económica? Que nova configuração vai ter o mundo, com a emergência dos BRICS e, concretamente, das potências asiáticas, nomeadamente da China e da Índia? E o que será da Europa, se não caminhar para estruturas federativas?

O caminho para a autêntica alegria cristã


CHEIOS DE ALEGRIA AO VEREM O SENHOR
Georgino Rocha

Cerâmica de Jeremias Bandarra
(Igreja da Costa Nova)


A alegria surge espontânea no coração dos discípulos e mostra-se exuberante ao verem o Senhor. E São João - o narrador desta cena de aparição de Jesus – anota outros sentimentos e atitudes: o medo cede lugar à confiança, o limite das portas fechadas na memória do passado e sem perspectiva no presente é superado pela novidade de horizontes que se entreabrem, a dúvida tormentosa e asfixiante da situação vivida dissipa-se com a certeza alegre e contagiante provinda da visão do Ressuscitado, a agitação interior serena com a oferta da paz, a sensação de abandono e orfandade é vencida pela doação do Espírito Santo, presença amiga e revigorante, a consciência do pecado da negação e deserção é regenerada pelo perdão sanador e recuperante.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Poesia para todos os tempos

Um poema de António Gedeão



A MINHA ALDEIA

Minha aldeia é todo o mundo.
Todo o mundo me pertence.
Aqui me encontro e confundo
com gente de todo o mundo
que a todo o mundo pertence.

Bate o sol na minha aldeia
com várias inclinações.
Angulo novo, nova ideia;
outros graus, outras razões.
Que os homens da minha aldeia
são centenas de milhões.

Os homens da minha aldeia
divergem por natureza.
O mesmo sonho os separa,
a mesma fria certeza
os afasta e desampara,
rumorejante seara
onde se odeia em beleza.

Os homens da minha aldeia
formigam raivosamente
com os pés colados ao chão.
Nessa prisão permanente
cada qual é seu irmão.
Valência de fora e dentro
ligam tudo ao mesmo centro
numa inquebrável cadeia.
Longas raízes que imergem,
todos os homens convergem
no centro da minha aldeia.

Sugestão do caderno Economia do EXPRESSO

- Posted using BlogPress from my iPad

Um retrato bonito da Gafanha do Carmo:

A Cândida Pascoal, autora do texto que copiei do Facebook, presta desta forma uma bonita homenagem  à Gafanha do Carmo, terra que lhe está na alma. Gostei muito e daqui, por esta forma, saúdo todos os emigrantes que cultivam o amor à sua  terra-natal. 


Igreja matriz da Gafanha do Carmo

«A minha terra tem uma "Rua De Baixo". Tem um "Café Central" e uma " loja do Ti Larico" e o Talho do Ti Mário da Fátima . No Largo da Igreja há um jardim para as crianças brincarem nesse largo existe aos Domingos no fim da missa uns senhores a venderem fruta , ouro e lençóis . Tem varias pessoa que ainda fazem pão em casa . Flores amarelas de erva azeda em vez de ervas daninhas pelas bermas da estrada. Tem pessoas que dizem sempre "bom dia" a quem passa, mesmo que sejam desconhecidos , tem o Ti Tairoco sentado no seu banquinho , que nos chama de Cachopas 
Ao meio dia toca o Sino. Tem um campo da bola. Um Grupo União Desportivo. Tem um Centro Comunitário onde tomam conta dos nossos idosos , com jovens cheios de entusiamo , o mesmo entusiamo que teve o seu Fundador e a sua equipa . Tem um grupo de pessoas que, eles vestem umas capas vermelhas , elas uma blusa branca e uma saia preta e vão na procissão da festa e funerais .
Um carteiro que se entrega cartas deslocando-se numa Vespa . Tem uma mercearia que toda a gente achou que ia à falência com a abertura do shopping mais próximo mas que resiste porque vende o pão da padeira, frango churrasco ao Domingo e a Quinta, os legumes mais frescos vindos directamente dos fornecedores locais, sempre que lhe falta um cliente idoso mais que um dia na loja, vai tentar saber junto da família e vizinhos se está tudo bem. Teve vacas e ordenhas que fizeram muitas vezes parar o trânsito, às vezes. Tem Senhoras que moram ao pé do adro da Igreja e que vão a todos os funerais e velórios, mesmo que não conheçam os mortos. Tem um sino que se ouve, altaneiro, às onze da manhã de domingo. Tem vizinhos que se cumprimentam por "vizinhos" como se fosse um parentesco. Tem muita gente que não sabe o meu nome mas sabe de quem sou nora ou Cunhada. Tem a ida aos cricos e ao moliço. Tem gente que se conhece pelo nome próprio. 
Do mês de Junho ao mês de Agosto as casas enchem-se ,com gente, filha , prima , Cunhada, netos , de muitos TI Maria e de muitos Tí Maneis .
Tem um Presidente da Junta que pertence aos Escuteiros.

A minha terra tem vida lá dentro. E vocês conhecem esta terra ?;))

Cândida Pascoal»

quinta-feira, 4 de abril de 2013

A caminho de um século de vida


Diamantino Sarabando 
desfia recordações de trabalho duro 

Diamantino Sarabando


Diamantino da Rocha Sarabando é um ancião prestes a completar um século de vida. No dia 2 de Janeiro de 2014, se lá chegar, como nos garantiu, terá 100 anos. «Mas ainda falta muito!», disse-nos com um sorriso bem-humorado. E nessa altura seria justo que a família e a comunidade o ajudassem a comemorar tão feliz acontecimento, como decerto vai acontecer. 
Diamantino Sarabando fala com desenvoltura, intercalando a conversa com um ou outro trocadilho cheio de graça. Mas a sua grande dificuldade está bem patente na necessidade de usar «duas bengalas para se equilibrar melhor». Não sabe ler nem escrever, porque, enquanto menino, «não havia tempo nem escolas para isso». Porém, quando chegámos junto dele, com o ministro extraordinário da comunhão Alfredo Ferreira da Silva, tinha um folheto publicitário na mão, fixando nele os olhos, ao jeito de quem está a ler. Mas não estava: «Estava só a ver as figuras» — explicou-nos. 
Natural da Gafanha da Encarnação, desde pequeno embrenhou-se no trabalho da pesca, ao lado do pai, nas companhas da arte da xávega de S. Jacinto e da Costa Nova, que tinham seis juntas de bois a puxar em cada corda da rede. A princípio tinha de arrastar as cordas até aos bois e poucos anos depois já as atava e desatava. O salário diário era de cinco centavos. Não sabe ler nem escrever porque «não havia tempo nem comer; era preciso trabalhar, mas trabalhar bem» — esclareceu. 
Na sua juventude, as companhas eram batizadas pelos pescadores com nomes que só eles saberiam explicar. Recorda as companhas da Burra, Zana Trana, Landrona e Velhinhos, entre outras que a memória já não consegue trazer até ao presente.


Uns dias na Figueira da Foz


Centro de Artes e Espetáculos
Regressei hoje aos ares da minha Gafanha da Nazaré, depois de uns dias de descanso na Figueira da Foz, onde saboreei o prazer de poder olhar à minha volta sem pressas nem horários. Livres, sem compromissos de maior, para além dos naturais que nos ligam à família, podemos apreciar recantos tantas vezes cruzados mas nem sempre vistos na sua riqueza artística e na sua beleza natural. 
Sei que os olhares fixos no chão, indiferentes ao que nos rodeia, pessoas, paisagens, pedras, janelas, estátuas, riachos e nuvens são sinal de morte lenta, de desprezo pela vida e pelos encantos que ela encerra. Fez-me bem, também, esta mudança de ares envolvida pelo aconchego de familiares e pelas leituras que nunca dispenso, numa procura de paz interior, longe dos ruídos ensurdecedores dos telejornais e equiparados, carregados de nuvens negras prenunciando tempestades terríveis, que teremos de vencer para nos podermos manter de pé.


segunda-feira, 1 de abril de 2013

JOÃO DE BARROS: AQUELE MAR

Junto ao monumento dedicado ao poeta

Aquele mar da minha infância,
bom camarada e meu irmão
a sua voz, o seu olor, sua fragrância
tanto os ouvi e respirei
que trago em mim o seu largo ritmo,
seu ritmo forte,
como se as praias onde espuma
quase me fossem
praias sem fim dentro de mim
ocultas praias, largas praias
do tumultuoso coração…
Aquele mar
meu confidente de horas idas
tudo escutava e adivinhava
do meu pueril e ingénuo anseio.
Nada sonhei que o não dissesse
– frémito de alma, grito ou prece –,
às madrugadas e aos poentes,
ao sol, às nuvens, ao luar,
ora nascendo, ora morrendo
nos longos, longos horizontes
em que se perdia o meu olhar…

JOÃO DE BARROS E O MAR

NA MARGINAL DA FIGUEIRA DA FOZ





- Posted using BlogPress from my iPad

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...