quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

António Gandarinho: Um católico disponível para o serviço da Igreja

António Gandarinho



António de Jesus Gandarinho, 79 anos, casado com Evangelina Filipe Teixeira, aposentado da função pública, cinco filhos, três netos e um bisneto, é um membro ativo da comunidade católica da Gafanha da Nazaré. Pessoa sóbria, está ao serviço da Igreja para o que for preciso, demonstrando uma disponibilidade exemplar, apesar das suas limitações de saúde. E é assim desde muito novo.
Operário da construção civil desde tenra idade trabalhou cinco anos nas obras de remodelação da igreja matriz, na paroquialidade do Padre Domingos Rebelo, período em que, durante uns tempos, desempenhou funções de sacristão, sucedendo a Manuel Pata, que ocupou o cargo 33 anos. Mas essas tarefas ainda as exerceu, esporadicamente, em substituição dos sacristães, por razões diversas.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Porto de Aveiro vende areia para alargamento dos terminais

Areia no Porto de Aveiro (Foto FM)

«A hasta pública de areia ontem realizada pela Administração do Porto de Aveiro (APA) irá permitir libertar uma área portuária área para o alargamento dos terminais. Em causa estão 100 mil toneladas de inertes que a administração portuária liderada por José Luís Cacho pôs no mercado. As areias ficaram depositadas na área portuária “quando foi feita a construção do porto”. “Temos de libertar aquela área rapidamente, porque neste momento é um prejuízo e temos de procurar minimizar os encargos. O Porto precisa daquela área para construir lá a plataforma logística”, esclareceu o administrador.
A operação de venda foi criticada pelo Bloco de Esquerda. “É “inadmissível que areias removidas de uma área bastante afectada pela erosão costeira sejam vendidas em leilão e não usadas para a reposição de sedimentos na costa”, avalia o partido.»

Li no DA

Aveiro não esquece D. António Francisco

AÇÃO DE GRAÇAS PELO MINISTÉRIO EPISCOPAL
DE D. ANTÓNIO FRANCISCO NA DIOCESE DE AVEIRO




Entretanto, o novo Bispo do Porto toma posse em 5 de abril

O novo bispo do Porto vai tomar posse a 5 de abril, no Paço Episcopal, e a entrada solene vai decorrer no dia seguinte, numa celebração na catedral portuense, pelas 16h00, anunciou hoje a diocese.

Ler mais aqui


A Igreja Católica é uma instituição credível

«Apesar de toda a corrente secularista que invade a sociedade, em muitos países – mesmo onde o cristianismo está em minoria – a Igreja Católica é uma instituição credível perante a opinião pública, fiável no que diz respeito ao âmbito da solidariedade e preocupação pelos mais indigentes. Em repetidas ocasiões, ela serviu de medianeira na solução de problemas que afectam a paz, a concórdia, o meio ambiente, a defesa da vida, os direitos humanos e civis, etc. E como é grande a contribuição das escolas e das universidades católicas no mundo inteiro! E é muito bom que assim seja. Mas, quando levantamos outras questões que suscitam menor acolhimento público, custa-nos a demonstrar que o fazemos por fidelidade às mesmas convicções sobre a dignidade da pessoa humana e do bem comum.»

Papa Francisco, 
em A Alegria do Evangelho

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

50 anos dos Cursilhos de Cristandade de Aveiro

"Livro Comemorativo dos 50 Anos 
do Movimento dos Cursilhos de Cristandade 
na Diocese de Aveiro"



"Livro Comemorativo dos 50 Anos do Movimento dos Cursilhos de Cristandade na Diocese de Aveiro", de Domingos Cerqueira, edição do Secretariado Diocesano dos Cursilhos de Cristandade da Diocese de Aveiro, dezembro de 2013.

No Prefácio, D. António Francisco dos Santos evoca a efeméride dos 50 anos do primeiro Cursilho de Cristandade de Homens de Aveiro, que se realizou em Dezembro de 1963, coincidindo com as celebrações dos 25 anos da restauração da Diocese de Aveiro.
Meio século depois, precisamente na altura em que a Igreja Aveirense vive a Missão Jubilar dos 75 anos da restauração da diocese, o Movimento dos Cursilhos de Cristandade também está em festa jubilosa, com celebrações e publicação de um livro evocativo, repleto de memórias, testemunhos, encontros, mensagens, reflexões e fotografias de homens e mulheres que experimentaram ultreias, cursilhos e momentos marcantes de oração e ação que definiram caminhos do Reino.



Lembra o Bispo de Aveiro que «No desdobrar de cada página encontramos nomes e sentimos a vida e a fé de milhares de homens e mulheres que viveram e continuaram a viver os Cursilhos de Cristandade. Reencontramo-nos com estes nomes e com estas vidas que nos falam de agentes apostólicos e pastorais dedicados e generosos leigos, consagrados, diáconos, presbíteros e bispos». E mais adiante, D. António sublinha que «É de Cristo que recebemos também hoje o convite a reavivar a memória destes cinquenta anos, a agradecer a Deus o bem realizado pelo MCC na nossa Diocese e a intensificar o sentido de Missão».
Mário Braga, presidente do Secretariado Diocesano do MCC, recorda que o entusiasmo dos homens e mulheres que um dia participaram num Cursilho de Cristandade não pode adormecer, porque assumiram o compromisso de levar «a todos os ambientes a Boa Nova de que Deus nos ama, fermentando com o nosso testemunho de amizade e sinceridade os ambientes em que o Senhor nos quis colocar».
O autor, Domingos Cerqueira, oferece à Igreja de Aveiro e à sociedade em geral um excelente trabalho de recolha e síntese, mostrando à evidência a importância do MCC nos mais diversos contextos, que se estendem muito para além dos adros das igrejas.

Fernando Martins




Fernando Caçoilo no Conselho Nacional da Pesca



Gostei de saber que o Executivo Municipal tomou conhecimento da deliberação do Conselho Diretivo da ANMP – Associação Nacional de Municípios Portugueses em convidar o Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, para seu representante no Conselho Nacional da Pesca (mandato 2013-2017), convite este aceite por Fernando Caçoilo, conforme se lê no site da autarquia. Em minha opinião, trata-se de um convite ajustado à importância do nosso município, ou não fosse ele, como foi justamente batizado, a capital do bacalhau.

Conversas no Museu de Aveiro


HÁ CADA VEZ MAIS SEM-ABRIGO NUM PAÍS COM UM MILHÃO DE CASAS VAZIAS

Algo está errado neste país, Porugal, com tantos sem-abrigo. Em Portugal e pelo mundo fora, dito rico e civilizado. Dá para pensar...

Ler mais aqui


- Posted using BlogPress from my iPad

Ares do Buçaco

Com a Lita na serra do Buçaco (Foto do meu arquivo)

Eu gosto muito da nossa região, que tem como matriz a ria e o mar. Desde que acordamos até à hora do descanso noturno, a maresia inunda-nos a todos, o que nos leva até a dizer que ela entrou no nosso sangue. E quando descansamos, no sossego da noite, nem aí nos libertamos por completo da ria e do mar, com sons que enfeitam o ar que respiramos. Mas também gosto da serra com penedias e arvoredos, estradas sinuosas e horizontes a perder de vista. Há meses passei umas largas horas no Buçaco e foi na Cruz Alta que enchi os pulmões da pureza daquela paisagem. E fiquei com saudades... 


PORTO DE AVEIRO NOS LUGARES DA FRENTE

2013 foi o melhor ano 
de sempre nos portos nacionais

Porto de Aveiro (foto FM)

«Os sete principais portos do continente registaram, em 2013, “o maior valor anual de sempre” de mercadorias movimentadas, anunciou o IMT – Instituto da Mobilidade e Transportes. No total, atingiu-se cerca de 79,3 milhões de toneladas movimentadas, a que corresponde um aumento de 16,7 por cento em relação a 2012. O crescimento mais significativo registou-se no porto de Sines, (+27,8%), seguindo-se o porto de Aveiro, Figueira da Foz e Setúbal, com taxas de crescimento de 19,2 por cento, 18 por cento e 15,7 por cento, respetivamente.»



segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Novo bispo de Porto quer ser “apóstolo da bondade, da proximidade e da simplicidade”

Li na Rádio Renascença online
Texto de Eunice Lourenço


D. António Francisco dos Santos despede-se de Aveiro 
com gratidão e vai para o Porto com alegria e confiança 

D. António Francisco (Foto FM)



“Servir a todos a chegar a todos, com simplicidade”, são as prioridades de D. António Francisco dos Santos, o bispo de Aveiro escolhido pelo Papa Francisco para liderar a diocese do Porto. Em entrevista à Renascença, conta como vive esta surpresa, dá graças pela Igreja do Porto e começa a despedir-se da diocese em que, diz, aprendeu a ser bispo e serviu durante oito anos. 


Como é que recebeu esta nomeação?
Como uma surpresa. Perante a decisão do Santo Padre, só consegui colocar-me de joelhos diante de Deus e colocar-me nas mãos de Deus. Esta surpresa inquieta e ao mesmo tempo desafia.
Por outro lado, sentia-me e sinto-me tão feliz em Aveiro, ao ver esta Igreja de Aveiro caminhar. Aqui vivi e trabalhei e servi como bispo durante oito anos, senti esta Igreja crescer na alegria do Evangelho, mobilizar-se para a missão nessa experiencia extraordinária que foi a missão jubilar. 
Diante de mim, nos projectos humanos, tinha desafios a envolver toda a comunidade cristã e toda a diocese, mas esta surpresa de Deus obriga-me e desafia-me a colocar-me nas suas mãos, como é o meu lema episcopal. 
Apesar da dor da separação desta igreja de Aveiro, agora é tempo de olhar o futuro com confiança e partir com alegria ao encontro da Igreja do Porto.


Salva-Vidas

Salva-Vidas Comandante Afreixo (foto de FM)

No Jardim Oudinot está, em exposição, junto ao Navio-museu Santo André, uma embarcação que, durante anos, serviu o Instituto de Socorros a Náufragos. Conhecido como Salva-Vidas, não sei, mas gostaria de saber, quantas vidas puderam ser salvas graças a este barco a motor. Foi batizado com o nome de Comandante Afreixo, em homenagem decerto ao ministro do mesmo nome, que também teve um papel preponderante na criação do município da Murtosa.

Alimentação da Praia da Barra


«O Executivo Municipal tomou conhecimento da informação emanada do Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente referente à autorização da abertura do procedimento concursal da empreitada de alimentação artificial da Praia da Barra, uma intervenção que visa minorar o défice que na mesma se verifica.
A obra será da responsabilidade da Agência Portuguesa do Ambiente.»

Fonte: CMI

Nota: Vamos apostar numa praia "reconstruída"  para a próxima época balnear. E, já agora, que essa melhoria perdure no tempo, se o temporal nos não incomodar. E mais ainda: Que os técnicos descubram forma de dominar o mar bravo.

Ainda a transferência do Bispo de Aveiro para o Porto

Texto de João Paulo Costa no JN

Transferência de D. António Francisco 
indignou a região de Aveiro

D. António na Gafanha da Nazaré
(foto do meu  arquivo)


Um dia antes do anúncio oficial da transferência do bispo de Aveiro para a Diocese do Porto, quatro padres de Aveiro foram a Lisboa falar com o Núncio Apostólico, o diplomata da Santa Sé em Portugal, a quem manifestaram a "surpresa, indignação e tristeza pela saída de D. António Francisco", confirmou ontem o JN. A conversa com o monsenhor italiano Rino Passigato foi uma última tentativa para evitar a mudança de D. António, mas a decisão estava tomada, pois nesse mesmo dia já tinha aceite o convite do Papa para assumir o Porto.
Esta iniciativa dos padres espelha a tristeza que a transferência de D. António está a provocar nos 10 municípios que compõem a Diocese de Aveiro. "Amado pelo seu povo", como o próprio afirmou anteontem na primeira despedida, D. António deixa saudades não apenas nas 101 paróquias que governava.
"Estou triste pela saída de D. António, apesar de compreender a sua importância para um distrito amigo como o do Porto", afirmou ao JN o presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA). Ribau Esteves lembra a preocupação que "este bispo do povo sempre mostrou junto dos órgãos do Poder para ajudar quem mais precisa", levando a CIRA a convidá-lo para integrar o seu Conselho Consultivo. "Aceitou e marcou presença, numa atitude inédita em Portugal, e que mostra a excecionalidade de D. António", acrescenta o também autarca de Aveiro.

 "Levam-nos o que é bom"

Também os fiéis não escondem o mau momento. "Levam-nos tudo quanto é bom. É um bispo que cativa muito, é dinâmico e foi incansável nas celebrações da Missão Jubilar", diz Lucília Teiga, de Ílhavo. A proximidade com que lidava com os jovens, nas celebrações eucarísticas, é também ressalvada. "A minha neta fez o crisma com ele e todos os jovens adoraram a forma como ele os abordou e cativou", conta ao JN Dina Vidal.

Com Salomé Filipe

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Reforma Financeira


«Uma reforma financeira que tivesse em conta a ética exigiria uma vigorosa mudança de atitudes por parte dos dirigentes políticos, a quem exorto a enfrentar este desafio com determinação e clarividência, sem esquecer naturalmente a especificidade de cada contexto. O dinheiro deve servir, e não governar! O Papa ama a todos, ricos e pobres, mas tem a obrigação, em nome de Cristo, de lembrar que os ricos devem ajudar os pobres, respeitá-los e promovê-los. Exorto-vos a uma solidariedade desinteressada e a um regresso da economia e das finanças a uma ética propícia ao ser humano.»


Papa Francisco, 
em A Alegria do Evangelho

JUSTIÇA

«Há pessoas neste mundo que gastam todo o seu tempo à procura da justiça, não lhes sobrando tempo algum para a praticarem»

Henry Billings Brown 
(1863-1913),
 juiz norte-americano 

QUEM SÃO OS ZELOTAS?

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO




1. Reza Aslan (1) nasceu no Irão, vive nos USA e é apresentado como um investigador, um académico e um escritor de renome internacional. A sua obra, O Zelota, surge com o propósito de recuperar o Jesus da história, o Jesus antes do cristianismo. A tese é simples: Jesus foi um revolucionário judeu que, há dois mil anos, atravessou a província da Galileia reunindo apoiantes para um movimento messiânico, com o objectivo de estabelecer o Reino de Deus, mas cuja missão falhou quando, após uma entrada provocatória em Jerusalém e um ataque descarado ao Templo, foi preso e executado por Roma pelo crime de sedição.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Com D. António Francisco

Um testemunho do Padre Georgino Rocha

D. António Francisco e Padre Georgino Rocha
(Foto FM)

COM DOM ANTÓNIO FRANCISCO

Desde a sua chegada, surpreendeu-me o seu modo de olhar as nossas "coisas". Era um olhar diferente, transparente, assertivo. Depois, esse olhar fez-se proximidade, amizade. ajuda e serviço que mobilizava energias um pouco adormecidas. Veio a seguir a visão do futuro próximo da diocese, do seu seminário, da Casa Sacerdotal, do seu plano de pastoral e da missão jubilar que coroava a festa dos 75 anos da restauração. Via-se claramente que a adesão ia crescendo e os dinamismos surgidos germinavam e exigiam continuidade e novo suporte. A reorganização das estruturas, a actualização das normas pastorais e a renovação de procedimentos... surgiam como garantia do espírito novo. Acompanhei e participei, também pela rede virtual, esta onda crescente.
A Dom António devo uma atenção especial pela sua compreensão, carinho e presença insistente e paciente. Gostei sinceramente de colaborar com Ele de modo habitual e nas tarefas específicas que me pediu. Guardo no coração a pedagogia vivida: chegar como quem aprende, observar como quem se maravilha, acompanhar como quem aceita ritmos diferentes, ponderar como quem quer tomar decisões acertadas, situar-se à frente, no meio ou atrás como quem preza sobretudo a comunhão, rasgar horizontes como quem sonha com o futuro emergente no quotidiano e no modo como é vivido.
Com Dom António Francisco. o presente faz-se um hoje que importa apreciar e viver. Bem-haja. E que continue a ser Bispo que entre nós se manifestou de forma tão qualificada. Um abraço amigo!

D. António Francisco e as portas da fé

Novo Bispo do Porto acredita 
que diálogo entre Igreja e sociedade
passa pelos «umbrais da arte»




«O diálogo entre a Igreja e a Sociedade passa, mais vezes do que imaginamos, pelos umbrais da arte e aí se abrem as portas da fé, porque a arte e a cultura transportam em si um ministério profético», sublinhou o prelado em 2013 no texto de apresentação da exposição “Diocese de Aveiro – Presente e Memória”.

Para o até agora bispo de Aveiro, uma das poucas dioceses portuguesas com um setor da Pastoral da Cultura formalmente instituído, a relação dos católicos com outras perspetivas atravessa «necessariamente» os «caminhos abertos da Cultura, em que a Igreja soube tantas vezes ser pioneira».

«Estejamos também nós disponíveis para fazer deste diálogo franco um serviço e um tesouro sem esquecer nunca que a arte transporta em si um ministério profético», apelou então D. António Francisco dos Santos.

Ler o texto de Rui Jorge Martins aqui 

O que pensam os católicos sobre a Igreja?

Crónica de Anselmo Borges 



1- A Bendixen & Amandi realizou, entre Dezembro de 2013 e Janeiro de 2014, com 12 038 fiéis adultos de 12 países maioritariamente católicos dos cinco continentes, para a Univisión, a principal televisão em espanhol dos Estados Unidos, uma sondagem sobre temas importantes na e para a Igreja. Fiabilidade: 95%.

Alguns resultados, com dissonâncias entre a doutrina e a opinião e vivência dos fiéis. a) Anticonceptivos: 78% a favor; 19% contra; 3% não responderam. b) Ordenação sacerdotal das mulheres: 45% a favor; 51% contra; 4% não responderam. c) Casamento dos padres: 50% sim; 47% não; 3% não responderam. d) Aborto: 8% deve permitir-se sempre; 65% nalguns casos; 33% nunca; 2% não responderam. e) Quanto ao casamento homossexual, há acordo com a doutrina: 66% contra; 30% a favor; não responderam 4%. f) Como avalia o trabalho do Papa Francisco? 41% excelente; 46% bom; 5% medíocre; 1% mau; 7% não responderam.

VIVE O AMOR PERFEITO

Uma reflexão de Georgino Rocha




O padrão de felicidade proposto por Jesus aos seus discípulos adquire novas facetas que dão rosto humano às bem-aventuranças. O ensinamento feito na montanha vai mostrando, por contrastes, a beleza e a elevação a que todos nós estamos chamados. A disponibilidade pronta e radical para ir mais longe e chegar ao fundo do coração é especialmente apreciada e destacada. E, vigoroso e atraente, brota o apelo/convite a viver, sempre, o amor perfeito que dá um novo sentido a situações consideradas positivas sob o ponto de vista legal e saneia completamente as negativas.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Joana Gramata da Gafanha da Encarnação

Crónica de um professor, 
por Maria Donzília Almeida

Joana Gramata

Está no imaginário de quase todos os habitantes da Gafanha da Encarnação, este gentílico, nomeadamente nos mais antigos, os que emergem do século passado. Integra até um topónimo, que me traz gratas recordações, pois foi lá que nasci e passei os verdes anos da minha meninice e adolescência. Perdeu o sentido, quando dali partiu o patriarca, deixando a casa que habitou, cheia de recordações e amargura! 
A Gafanha da Gramata, ou Gafanha da Maluca começou a designar-se por Gafanha da Encarnação, só em 1848, um século anterior ao meu aparecimento neste mundo. Joana Maluca e o seu segundo marido tinham mandado erigir, nesse ano, a primeira capela dedicada a Nossa Senhora da Encarnação, neste lugar.
A designação de Gramata, proveio de uma planta marinha existente na zona. A atual vila da Gafanha da Encarnação tomou aquele nome, não só pela existência da tal planta, mas pela necessidade de a distinguir da Gafanha da Nazaré.

D. António Francisco: um bispo próximo e acolhedor

Uma evocação pessoal 



Jamais esquecerei o dia 8 de Dezembro de 2006, data em que D. António Francisco dos Santos entrou solenemente na Sé de Aveiro para ocupar a cadeira de Bispo Residencial. Dia da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal e Mãe da Igreja. À mesma hora em que se dirigia ao Povo de Deus que lhe havia sido confiado pelo Santo Padre, recolhia eu ao hospital com um incómodo de saúde. E se não pude ouvir a sua voz e refletir a sua mensagem, senti a sensibilidade do novo Bispo de Aveiro, no dia seguinte, provavelmente na primeira visita que fez, na diocese, a um doente internado. Estou-lhe muito grato por isso.
Foi assim que conheci, pessoalmente, D. António Francisco, que entrou na cadeia apostólica, entre nós, tendo na retaguarda prelados tão distintos, como homens e como pastores, todos empenhados, cada um à sua maneira, no crescimento do Reino de Deus em terras de Aveiro.
Natural de Tendais, Cinfães, foi nomeado Bispo de Aveiro pelo Papa Bento XVI, em 21 de Setembro de 2006. E na saudação que dirigiu à diocese garantiu que todos teriam lugar no seu coração de bispo. «Que ninguém se sinta sozinho, esquecido, excluído ou à margem do meu desvelo de servir, independentemente da sua condição social, convicção de fé, cor ou cultura.»
Com estes propósitos, D. António Francisco recordou, na tomada de posse: «Sou uma diocese nova, recém-restaurada. Mas o caminho percorrido é grande e belo, com etapas marcantes de dois Sínodos diocesanos a cujos dinamismos me vinculo. É meu dever assumi-los. É meu desejo continuá-los. Há vidas doadas a Deus, à Igreja e ao Seu Povo, que hoje e sempre devemos recordar, agradecer e merecer.»
Num olhar atento, percebe-se que D. António Francisco é, essencialmente, um bispo com uma capacidade rara para ouvir, sem pressas. Atento ao mundo e à diocese, o seu espaço de intervenção pessoal, direta e próxima, o nosso Bispo privilegia a pessoa, com todos os seus problemas e anseios, mas ainda com as suas limitações e dificuldades.
Pessoalmente, não posso deixar de apreciar a sua serenidade, a sua humildade no contacto com todos, a sua fé esclarecida e atuante, o seu desejo de inovar e a procura das melhores soluções, para implantar e dinamizar o Reino de Deus entre nós.

Fernando Martins

Mensagem de D. António Francisco à Diocese de Aveiro

FOI À VOZ DE DEUS QUE SEMPRE PARTI



Caros Diocesanos,

Nesta hora, não encontro outras palavras senão estas ditas, por Deus quando chamou Abraão: “Deixa a tua terra, a tua família e vai para a terra que eu te indicar” (Gén 12, 1).
Foi à voz de Deus e seguindo o Seu chamamento que sempre parti. Desde a minha primeira missão, como jovem diácono, nos confins do Alto Douro.
Em todos os lugares permaneci e trabalhei, por pouco ou muito tempo, com alegria. Sempre me senti livre para daí partir no dia seguinte, se necessário fosse. Sempre, de igual modo, me senti disponível para aí permanecer.
De todos os lugares fiz minha terra até ao fim. De todas as pessoas sempre me senti irmão. Em todos os lugares onde vivi e nos diferentes múnus que a Igreja me confiou eram previsíveis as mudanças. Menos aqui!
Aveiro era para mim lugar, desígnio e missão até ao fim. Nunca aqui fui estranho nem me senti estrangeiro. Mas, hoje, compreendo, melhor do que nunca, que também aqui era simplesmente peregrino. Só Deus basta e só Cristo permanece.

D. António Francisco dos Santos - Bispo Eleito do Porto




«D. António Francisco dos Santos, de 65 anos, foi hoje nomeado pelo Papa Francisco como novo bispo do Porto, sucedendo a D. Manuel Clemente, que em julho de 2013 deixou a diocese para assumir o cargo de patriarca de Lisboa.
O novo responsável pela diocese nortenha era até agora bispo de Aveiro e anuncia o desejo, na sua primeira mensagem à Igreja Católica no Porto, de uma particular “presença junto dos doentes, dos pobres e dos que sofrem” para procurar fazer um “caminho de bondade e de esperança na busca comum de um mundo melhor”.
“Quero ser apóstolo das Bem-Aventuranças nestes tempos difíceis que vivemos”, escreve, no texto enviado à Agência ECCLESIA.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Nasceu um novo oráculo

Por Pedro Correia 
no Delito de Opinião




«Os "analistas políticos" portugueses detestam ministros das Finanças e adoram ex-ministros das Finanças.
No dia em que se demite ou é exonerado do Governo, um ministro das Finanças deixa de ser a pessoa mais incompetente deste país para se tornar um oráculo dos tempos que virão e um poço de sapiência não só a nível financeiro mas também político.
Ganha imediato lugar cativo na televisão e todos procuram beber os seus conselhos.

É raro o dia em que não desfilam nas pantalhas ex-ministros das Finanças deste rincão: Silva LopesMedina CarreiraJoão SalgueiroMiguel CadilheMiguel Beleza,Braga de MacedoEduardo CatrogaPina MouraManuela Ferreira LeiteBagão Félix,Campos e Cunha - e agora até o extraordinário Teixeira dos Santos. Um deles,Cavaco Silva, é Presidente da República. Outro, Guilherme d' Oliveira Martins, preside ao Tribunal de Contas. Outro ainda, Vítor Constâncio, é vice-presidente do Banco Central Europeu.
Este país, como nenhum outro, aprecia "magos das finanças". Desde que já não estejam, na ala nascente do Terreiro do Paço, ao serviço da coisa pública.»

Ler mais aqui

Nota: Foto de Daniel Rocha/Público


Bondade

«A confiança na bondade dos outros 
é um notável testemunho da própria bondade»

Michel de Montaigne 
(1533 – 1592)

Couto de Esteves merece uma visita

O meu filho Fernando foi hoje, em serviço, a Sever do Vouga e veio encantado com a tranquilidade que por aquelas bandas se vive e respira. Ao almoço falou do que viu e sentiu, em contraste com a agitação e confusão que encontrou à medida que se aproximava de Aveiro, sobretudo a caminho das praias. E tanto bastou para que eu corroborasse tudo quanto disse, ouvindo ele de minha parte uma visita de algumas horas que fiz a Couto de Esteves, há cerca de um ano. De facto, Couto de Esteves, vila antiquíssima e com história, que já conhecia há muito, merece uma visita de limpeza de alma, tal é a pureza de ares e a profunda serenidade que por ali é possível experimentar. Até disse ao meu filho que terei de levar à prática uma estada na vila limpa e asseada de Couto de Esteves  para retemperar o espírito e o corpo, que bem preciso.

Santo Estêvão, padroeiro da vila,
em casa particular

Matriz e Cruzeiro em dia de leilão 
Casa particular
Casas de pedra e rua estreita

Pelourinho 
Casas de pedra 



Forte da Barra espera investidores


Há muito se espera o restauro do Forte da Barra, também conhecido por Castelo da Gafanha. O presidente da Câmara de Ílhavo, Fernando Caçoilo, adianta à Rádio Terra Nova que uma solução passará por investidores particulares que dessem vida àquele edifício de interesse público e histórico. Eu congratulo-me com a ideia, porque está provado à saciedade que as entidades oficiais não têm capacidade para isso. Portanto, venham os investidores. Diz o autarca ilhavense:  «O Forte, no âmbito do acordo com a APA, depende de investidores que assumam a recuperação. Todos lutaremos para que isso aconteça. Já esteve próximo mais não foi possível. Será mais fácil haver investidores com um ambiente de recuperação económica. Associando este equipamento acredito que o espaço destinado para equipamento hoteleiro no acesso ao Santo André possa ser importante. Temos a marina que não sendo fácil não está esquecida.»

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Miguel Ângelo morreu há 450 anos



«Miguel Ângelo (Michengelo di Lodovico Buonarroti Simoni) nasceu a 6 de março de 1475 em Caprese, então República de Florença, atual Itália, e morreu há 450 anos, a 18 de fevereiro de 1564, em Roma, integrada então nos Estados Pontifícios.
Escultor, pintor, arquiteto e poeta, Miguel Ângelo exerceu uma influência sem paralelo na arte ocidental. Os frescos no teto da Capela Sistina, cenário que a Santa Sé escolhe quer para a eleição do sucessor de Pedro quer para encontros com artistas e personalidades do mundo da cultura, constituem hoje, possivelmente, a sua obra mais conhecida.
Foi o primeiro artista a ser objeto de biografia - duas, para sermos exatos - enquanto ainda estava vivo.
Tornou-se aprendiz aos 13 anos, talvez depois de ultrapassar as objeções do pai, aprendendo do pintor mais proeminente de Florença, Domenico Ghirlandaio. O ensino ficou acordado por um período de três anos, mas Miguel Ângelo saiu no primeiro ano porque não tinha mais nada a aprender, conta um dos biógrafos.»

ler mais aqui

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

São Jacinto celebra aniversário

Freguesia chega aos 59 anos com queixas sobre a “saúde”, mas com promessas de normalização das relações com a “mãe” Câmara Municipal de Aveiro (CMA)

«S. Jacinto assinalou, ontem, o 59.º aniversário da criação daquela freguesia. Entre queixas sobre o abandono a que se sentiu votada “nos últimos oito anos”, escutou Ribau Esteves garantir “tempos de mudança positiva” nas relações entre aquela freguesia e a CMA.
Ao Diário de Aveiro, António Costeira referiu que “a freguesia não está muito saudável, mas está à medida dos dias que vivemos actualmente, com muitas dificuldades, mas com a responsabilidade e o interesse em tentar melhorar”.»


Nota: Ao ler esta notícia, como leio, normalmente, o que a São Jacinto diz respeito, logo me lembrei dos bons momentos que lá passei como professor, durante dois anos. Mas também me lembrei de uma conferência proferida por Mons. João Gonçalves Gaspar, em 2003, nas comemorações do quinquagésimo aniversário da criação da paróquia, primeiro passo ou passo importante para a criação da freguesia, que ocorreu em 16 de fevereiro de 1955, por decreto governamental n.º 40.065.
Aqui ofereço ao povo e amigos de São Jacinto fotocópia do decreto da criação da paróquia, assinado por  D. João Evangelista de Lima Vidal, Bispo de Aveiro, em 3 de Fevereiro de 1953. E ainda uma fotocópia das assinaturas dos membros da Comissão "Pró - São Jacinto".




Nota: Imagens e referências retiradas da conferência proferida por Mons. João Gaspar em São Jacinto, a que tive o prazer de assistir.

QUARESMA DE 2014

Mensagem do Papa 




«À imitação do nosso Mestre, nós, cristãos, somos chamados a ver as misérias dos irmãos, a tocá-las, a ocupar-nos delas e a trabalhar concretamente para as aliviar. A miséria não coincide com a pobreza; a miséria é a pobreza sem confiança, sem solidariedade, sem esperança. Podemos distinguir três tipos de miséria: a miséria material, a miséria moral e a miséria espiritual. A miséria material é a que habitualmente designamos por pobreza e atinge todos aqueles que vivem numa condição indigna da pessoa humana: privados dos direitos fundamentais e dos bens de primeira necessidade como o alimento, a água, as condições higiénicas, o trabalho, a possibilidade de progresso e de crescimento cultural. Perante esta miséria, a Igreja oferece o seu serviço, a sua diakonia, para ir ao encontro das necessidades e curar estas chagas que deturpam o rosto da humanidade. Nos pobres e nos últimos, vemos o rosto de Cristo; amando e ajudando os pobres, amamos e servimos Cristo. O nosso compromisso orienta-se também para fazer com que cessem no mundo as violações da dignidade humana, as discriminações e os abusos, que, em muitos casos, estão na origem da miséria. Quando o poder, o luxo e o dinheiro se tornam ídolos, acabam por se antepor à exigência duma distribuição equitativa das riquezas. Portanto, é necessário que as consciências se convertam à justiça, à igualdade, à sobriedade e à partilha.»

Francisco, Papa 

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Um poema de Ary dos Santos

Por sugestão
do Caderno Economia
do Expresso

Arte Peripoética

Aristóteles, visita
da casa de minha avó,
não acharia esquisita
esta forma de estar só
esta maneira de ser
contra a maneira do tempo
esta maneira de ver
o que o tempo tem por dentro.
Aristóteles diria
entre dois goles de chá
que o melhor ainda será
deixar o tempo onde está
pô-lo de perto no tema
e de parte na poesia
para manter o poema
dentro da ordem do dia.
Aristóteles, visita
da casa da minha avó,
não acharia esquisita
esta forma de estar só.
Ele sabia que o poeta
depois de tudo inventado
depois de tudo previsto
de tudo vistoriado
teria de fazer isto
para não continuar
com que já estava acabado
teria de ser presente
não futuro antecipado
não profeta não vidente
mas aço bem temperado
cachorro ferrando o dente
na canela do passado
adaga cravando a ponta
no coração do sentido
palavra osso furando
pele de cão perseguido.
Aristóteles, visita
da casa da minha avó,
não acharia esquisita
esta forma de estar só
esta maneira de riso
que é a mais original
forma de se ter juízo
e ser poeta actual.
Aristóteles, visita
da casa da minha avó,
também diria antes só
do que mal acompanhado
antes morto emparedado
em muro de pedra e cal
aonde não entre bicho
que não seja essencial
à evasão da palavra
deste silêncio mortal.

Ary dos Santos,
em Adereços, Endereços.
Lisboa, 1965.

Ficção para compreender o mundo

«O ter-me tornado um leitor modificou-me muito, o livro e a leitura são talvez a forma mais reflexiva de olhar para o mundo e de o compreender. Percebe-se o mundo em parte pela televisão mas ela distorce a realidade, enquanto o livro… E não falo apenas do livro rigoroso do historiador mas da ficção. O Eduardo Lourenço dizia que conhecemos ainda mal como se vivia no Estado Novo porque há muito poucos romances e pouca ficção dessa época.»


 Eduardo Marçal Grilo, 
em entrevista a Maria João Avillez
 para o caderno 2 do PÚBLICO de hoje


CÓDIGO GENÉTICO (3)

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO de hoje



1. Os seres humanos só podem viver como humanos acolhendo, criando e recriando, desconstruindo e reconstruindo as narrativas simbólicas da sua condição inacabada. Apesar de todas as máquinas de desumanização, nunca esgotaremos a música, a poesia, a literatura, a pintura, a beleza das civilizações antigas e modernas.

É próprio da linguagem simbólica viver em figurações materiais, finitas, historicamente marcadas, em passagem permanente ao intemporal, ao infinito, superando-se na sua própria configuração concreta, limitada. A religião e as artes vivem do mesmo fundo de intranquilidade. Apesar de todas as tensões, têm, no impulso de transcendência, uma alma comum, que só morre ou se eclipsa quando instrumentalizada.

Como escreveu Fernando Pessoa, a literatura, como toda a arte, é uma confissão de que a vida não basta. Mas também não a pode substituir.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

OUDINOT SEM CHUVA




Estava com saudades de um dia sem chuva. Dá para ver que tive sorte. Há um velho ditado que diz: "Não há sábado sem sol, domingo sem missa e segunda-feira sem preguiça." Veremos se se confirma. Estou em crer que sim.

Posted using BlogPress from my iPad

O Papa e o maldito sexo. 2

Crónica de Anselmo Borges 

Papa Francisco


Num gesto sem precedentes, o Papa Francisco enviou aos católicos de todo o mundo um inquérito com 39 perguntas, para saber directamente e não já só pelos bispos o que se passa em domínios considerados tabu: novas formas de família, casais homossexuais, uniões de facto, relações pré-matrimoniais, divorciados que voltam a casar e a sua relação com os sacramentos, adopção, contracepção, uniões à experiência, educação religiosa das crianças...



FELIZES OS PUROS DE CORAÇÃO

Uma reflexão de Georgino Rocha 
para esta semana


Jesus sonha um homem novo, feliz, e faz a sua proposta de vida no ensinamento das bem-aventuranças. O local escolhido é a montanha que evoca o sítio em que Deus selou a aliança com o seu povo e lhe deu um código de comportamentos – os mandamentos. No Sinai, Moisés recebe a Lei. Neste monte, Jesus confirma o valor das promessas feitas por Deus e abre-lhe horizontes mais rasgados. 

O Reino – expressão usada para designar esta realidade – está já em realização e o coração prepara-se para o acolher e manifestar. Jesus vem não anular, mas potenciar; não denegrir, mas fazer brilhar; não aprovar os sinais exteriores, mas valorizar as atitudes interiores; não adiar a satisfação das aspirações, mas garantir que, desde já, a felicidade é possível se os ouvintes/discípulos viverem a sua proposta em todas as dimensões.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Mais um jornal online



Até ao fim do primeiro semestre do corrente ano, teremos mais um jornal online, que se afirma independente e fruto de «um novo grupo de comunicação que é 100% português e tem visão global». Nasceu «sem os condicionamentos do papel e assume o sei caráter inovador». Por cá fico à espera para ver e para ler... 

Ver mais aqui


Dia de S. Valentim - 14 de fevereiro

Crónica de Maria Donzília Almeida 
para o Dia dos Namorados


Gosto de pensar no amor 
na terceira idade como um renascer

As intempéries que têm vindo a assolar-nos, neste inverno tenebroso, tanto na meteorologia como na política deste país, têm dado o seu contributo para o humor depressivo deste povo paciente! São muitos os contratempos que a natureza nos tem apresentado e a capacidade de tolerância e encaixe vão diminuindo.
O inverno é mesmo assim, taciturno e melancólico. Mas, alegremo-nos, pois vem aí a efeméride que tem o condão de nos tirar deste torpor depressivo em que mergulhámos.
O Dia de S. Valentim, mais conhecido por Dia dos Namorados, já que estes pouco se importam com a figura do santo, aí vai estar com pompa e consumismo. 
As superfícies comerciais rejubilam com este evento, já que fazem medrar os seus rendimentos. As montras exibem toda uma panóplia de artefactos, que satisfazem os gostos mais requintados e fazem as delícias dos apaixonados.

"Evangelii Gaudium" desafia toda a Igreja

Padre Georgino Rocha considera 
a exortação "uma obra magistral"



O clero de Aveiro foi alertado para os inúmeros desafios lançados a toda a Igreja na exortação apostólica "Evangelii Gaudium". O padre Georgino Rocha, no último dia das jornadas de formação permanente, condensou os principais desafios do que considera ser "uma obra magistral" da autoria do Papa Francisco. 
O sacerdote aveirense afirmou, logo a abrir a sua comunicação, que a "Evangelii Gaudium" é um "texto muito agradável, bem exortativo, num estilo tipo anúncio querigmático".
Citando o presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, D. Rino Fisichella, o sacerdote aveirense mostrou que há "uma continuidade de gestos e palavras" entre o Arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio e o Papa Francisco.


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Um livro para humanizar a sociedade

“Humanizar a Sociedade — Responsabilidade de todos 
Contributo dos mais vulneráveis 
Ensaios, propostas e testemunhos”


Este é o mais recente livro de Georgino Rocha, presbítero da Diocese de Aveiro com responsabilidades pastorais, culturais, académicas e outras, mantendo sempre uma «ligação aos mais vulneráveis e acompanhando grupos de intervenção nas áreas da pobreza, da doença, da prisão, da itinerância (designadamente dos ciganos), da formação de jovens, dos membros das conferências vicentinas e dos agentes da Cáritas», como se lê na contracapa. Com tal currículo, este trabalho é, à partida, uma mais-valia para a formação de crentes e não crentes envolvidos na problemática social e caritativa, todos decerto apostando na humanização da sociedade. 

Capela de S. Gonçalinho com mais 150 anos

Garante o historiador Amaro Neves 


Capela de S. Gonçalinho em dia das cavacas

«Quando, por ocasião das Festas de S. Gonçalinho deste ano, a Mordomia convidou Amaro Neves para intervir na cerimónia que visava assinalar os três séculos da capela, o historiador aveirense fez questão de avisar que não concordava com a tese dos 300 anos do templo.
A mordomia de S. Gonçalinho, presidida por Fernando Catarino, demonstrando saudável 'fair-play', manteve o programa e deu liberdade total de intervenção a Amaro Neves. O historiador gostou e lembra-se de, no dia da sessão que decorreu na Capela de S. Gonçalinho, ter dito que trazia uma prenda: "Mais 150 anos".»

A vergonha do aborto gratuito

Crónica de João Miguel Tavares no PÚBLICO 




De todos os temas dito fracturantes, nenhum é tão complexo como o aborto. Ao mesmo tempo que não existe consenso possível sobre o significado de “vida” e de “pessoa”, é igualmente impossível defender que o feto é apenas uma agremiação de células indistintas, como quaisquer outras.
O que ali está pode não ser “vida”, mas “vida em potência” é certamente, e este simples facto, em conjunto com uma vontade genuína de compreender os argumentos de ambas as partes, poderia ter conduzido o governo que conseguiu a liberalização do aborto até às 10 semanas a um mínimo de equilíbrio e de prudência quando se tratou de propor a regulação da lei n.º 16/2007. Não foi o que aconteceu. O aborto até às 10 semanas não só passou a ser permitido por opção da mulher, como lhe foi dado um estatuto equivalente ao da gravidez: isenção de taxas moderadoras e licenças até 30 dias pagas a 100%.

Ler mais aqui

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

O Miguel Lencastre (Padre)

Um texto de José António da Piedade Laranjeira,
no Correio do Vouga de hoje

Padre António Maria, Fernando Martins, Daniel Rodrigues e Padre Miguel Lencastre

O "Correio do Vouga" de hoje (22 de janeiro) dava, para mim, a inesperada notícia; "Faleceu no Brasil, aos 84 anos, o padre... Miguel Lencastre". Notícia que me apanhou em falta para com o Miguel, o que, mais uma vez, veio pôr em evidência o "não guardes para amanhã o que podes fazer hoje". Foi uma triste notícia que me pôs a recordar os tempos em que nos conhecemos e partilhámos, com mais noventa e oito colegas, uma antiga cavalariça transformada em caserna, ali na Escola Prática de Artilharia, sita na então vila de Vendas Novas, no Alentejo.
Éramos soldados-cadetes a frequentar o curso para oficiais milicianos e por lá passamos, em conjunto, as agruras, para quem não é da região, do clima do alentejo (calor de desmaiar e frio de rachar), e vencendo as dificuldades próprias do curso lá saímos com o posto de Aspirante a Oficial Miliciano.
Mas o Miguel não era fácil de se submeter às rígidas normas militares e era um dos mais irreverentes, encontrando saídas inesperadas para algumas situações que ofereciam riscos se fossem detetadas. Era um gosto vê-lo a planear as suas "manobras táticas" e foi um gozo quando, na récita que organizamos para a festa de encerramento do curso, ele e mais uns tantos se apresentaram como as "mais delicadas e elegantes bailarinas de um ballet russo contratado para aquela récita".
Em tempo, como estudante de Coimbra de capa e batina, viveu uma situação engraçada aqui em Albergaria-a-Velha, pois, pedindo com um outro colega boleia na Estrada Nacional n.°1, na proximidade da Branca e sob chuva intensa, foram atendidos por um automobilista que perante a situação os levou para a Casa Alameda, onde jantaram e dormiram. No dia seguinte, manifestaram interesse em agradecer ao senhor que tudo tinha pago e que devia ser um viajante de alguma empresa e ficaram estupefactos quando souberam que o benemérito era o médico Dr. Flausino Correia, a quem foram agradecer e convidar para participar no "Centenário da República" a que pertenciam.
Passados dias, tendo o Dr. Flausino Correia perguntado se poderia levar mais dois antigos académicos e um leitão assado e qual o traje para a cerimónia, veio a resposta: "Pode trazer os académicos com traje de passeio mas o leitão pode vir nu". (Não posso garantir mas esta resposta teve, de certo, dedo do Miguel.)
Entretanto, num dia de agosto, participando na missa que tinha lugar ao ar livre, na Praia da Barra, o padre que presidia deixou-me surpreso porque não me era estranho, mas a sua pronúncia de brasileiro levantava-me dúvidas, eliminadas quando, após a bênção, desceu do altar e veio-me abraçar. Tinha reencontrado o Miguel e logo ali o convidei para vir a Albergaria passar um serão connosco. Assim se verificou e fizemos-lhe a surpresa de também convidar o Dr. Flausino Correia e esposa e ali ficamos a conhecer outras facetas do percurso do Padre Miguel que usava o relógio de pulso voltado para baixo porque, como dizia... "é um símbolo da alteração da minha vida pois rodou 180 graus".
Do pouco que vivi ligado ao Miguel o que mais me impressionou foi o ter encontrado em Lisboa um nosso camarada de armas e este, à mesa do café, com um ar de muita preocupação, me ter dito: "Sabes como sou amigo do Miguel e ontem estive com ele e perante o que me confidenciou já decidi: vou entrar em contacto com a família e dizer-lhes que o Miguel não está bom da cabeça".
Perante a minha exclamação de surpresa e respectiva pergunta do porquê de tal decisão, a resposta veio seca: "Oh pá, ele quer ser padre... o Miguel!"
Quis ser... e foi.
Insondáveis e inesperados são os caminhos do Senhor.
Adeus, amigo. Descansa em Paz.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Dia Mundial do Doente



A Igreja Católica celebra hoje o Dia Mundial do Doente. E fá-lo para nos lembrar que os doentes devem merecer de cada um de nós uma atenção especial, envolvida pelo sentido da caridade fraterna, da disponibilidade a toda a prova, do amor incondicional. Quem sofre não pode ficar esquecido pelos seus amigos e muito menos ignorado pelos serviços de saúde estatais ou outros, nem tão-pouco pelos familiares próximos ou mais afastados. Mas ainda pelos colegas de trabalho e vizinhos.
Só quem já passou por períodos de doença mais ou menos prolongados saberá reconhecer, em plenitude, o valor dos cuidados que lhe dispensaram, o carinho e a simpatia de quem o visitou. Eu próprio, que estive acamado mais de dois anos na minha juventude, por doença pulmonar que hoje se trata sem cama, posso testemunhar a alegria que sentia quando amigos me visitavam, como dificilmente esquecerei a indiferença com que outros me distinguiram. A vida tem destas coisas. Os primeiros permanecem no meu coração, como é óbvio.
Então, que o Dia Mundial do Doente sirva, ao menos, para nos lembrar que há, garantidamente, amigos nossos que sofrem e que esperam a ternura da nossa amizade.

Pode ler a Mensagem do Papa Francisco para este dia.


A Gafanha

 

«[A Gafanha] Era um lençol desolador de areia branca, de dúzias de quilómetros quadrados, que os braços da laguna debruavam a norte, a leste e a poente, isolando do contacto da vida a solidão árida do deserto.
Lá dentro, longe das vistas, bailavam as dunas, ao capricho dos ventos, a dança infindável da mobilidade selvagem dos elementos em liberdade.
Brisas do mar e brisas da terra, ventos duráveis do norte em dias de estabilidade barométrica, e rajadas violentas de sudoeste a remoinharem no céu enfarruscado de noites tempestuosas, eram quem governava o perfil das areias movediças cavadas em sulcos e erguidas em dunas de ladeiras socalcadas a miudinho.
Era assim a Gafanha do tempo dos nossos bisavós: deserto enorme de areia solta, a bailar, ao capricho dos ventos, o cancan selvagem de uma liberdade sem limites.
Um dia, não longe ainda, um homem atravessou a fita isoladora da Ria e pôs pé na areia indomável. Não sabe a gente se o arrastava a coragem do aventureiro, se o desespero do foragido. De qualquer modo, ele fez no areal a sua cabana, à beira da água, e principiou a luta de gigantes do Gafanhão contra a areia.»

Joaquim Matias,
in Arquivo do Distrito de Aveiro,
vol IX, página 317

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

O Mar pode chegar à Ria




Carlos Coelho: 

“O mar pode chegar à ria em menos de 30 anos 
mas o cenário de não fazer nada é pouco realista”

«Se nada for feito em 30 anos o mar estará ligado à ria. A ideia foi transmitida por Carlos Coelho, investigador do departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro. Ouvido esta semana em seminário organizado pela Delegação Distrital de Aveiro da Ordem dos Engenheiros, o investigador falou de uma progressão que se agrava com as condições climatéricas.


Grandes veleiros em 2016?

No Diário de Aveiro de hoje

Grandes Veleiros (Foto do meu arquivo)

Ílhavo quer voltar a acolher a festa 
dos grandes veleiros em 2016

Paulo Costa, que assume pastas como as da Cultura ou Turismo na Câmara de Ílhavo, avançou, ao Diário de Aveiro, a possibilidade de o município voltar a receber um grande evento náutico internacional. Prometida fica também a requalificação daquele que é um dos maiores cartazes do município, o Festival do Bacalhau

Jornalista:  Maria José Santana


Paulo Costa (Foto do meu arquivo)

Diário de Aveiro: Assume um dos novos pelouros da Câmara Municipal de Ílhavo, o da Maioridade. Porque decidiram ter um pelouro dedicado aos seniores?

Paulo Costa: A Câmara de Ílhavo tem, há já vários anos, diversas políticas que têm como público-alvo esta franja da nossa população, a que decidimos chamar de maioridade. Mas achámos que era necessário ter uma intervenção mais estruturada, mais profunda e envolvendo mais parceiros. Para isso, considerámos que seria importante, neste mandato, que fosse criado o pelouro da Maioridade. E foi assim que ele surgiu.
A esta altura, temos já preparado um conjunto de acções para, durante os próximos quatro anos, fazermos grandes mudanças e investimentos a este nível. Inaugurámos, há um ano, o Fórum Municipal da Maioridade; temos, há vários anos, a Semana da Maioridade; além de outros projectos para os idosos. Agora, estamos a preparar tudo para que, durante este ano, possamos, então, trazer à luz do dia um conjunto de projectos novos, que já estão a ser preparados.

Isso tem a ver também com o facto de a franja da população idosa ser cada vez maior…

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Código genético (2)

Crónica de Frei Bento Domingues  
no PÚBLICO de hoje



1. Nada é inocente, nada está irremediavelmente perdido, tudo precisa de nascer de novo, a começar pelas palavras da fé cristã e dos seus rituais. A dignidade essencial do ser humano manifesta-se, precisamente, na capacidade de se interrogar, de se corrigir, de mudar de rumo, de não se conformar com o mundo tal como se apresenta. A história do cristianismo está carregada de ambiguidades, de equívocos, de pecados, mas a conversão faz parte do seu caminho de reencontro com o seu “código genético”.

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...