sexta-feira, 31 de julho de 2015

Na despedida do Padre Francisco Melo

Ser Igreja que acolhe, porto de abrigo, âncora firme 
e farol que ilumina nos momentos difíceis da vida

Padre Francisco Melo

«Gostava de pedir desculpa por todas as vezes em que não fui capaz de ser o rosto de Deus para aqueles que me foram confiados.» Foi com estas palavras humildes que o Padre Francisco Melo se despediu dos paroquianos das Gafanhas da Nazaré, Encarnação e Carmo na eucaristia a que presidiu no “Centro Comunitário Mãe do Redentor”, no domingo, 26 de julho, pelas 16.30 horas. O Padre Francisco Melo, por decisão do nosso Bispo, D. António Manuel Moiteiro, vai estudar Teologia Pastoral em Roma. 
O Padre Francisco afiança que nem sempre «foi expressão da misericórdia de Deus» nem teve «coragem e fé para enfrentar e viver a vida». Disse que «houve momentos muito bons e muita alegria» com aquelas pessoas que trabalharam consigo, nomeadamente com «a equipa sacerdotal», mas não deixou de afirmar que «houve momentos difíceis que ficam no coração de Deus e no coração de muitos de nós».
Depois da Eucaristia, houve um momento expressivo de agradecimentos ao Padre Francisco, com palavras amigas e lembranças das três paróquias que serviu ao longo de sete, seis e dois anos, respetivamente. Manuel Sardo, do Conselho Económico e Pastoral da Gafanha da Nazaré, falou da gratidão do povo daquela freguesia pelo «enorme trabalho e dedicação manifestados», pela «coragem sem nunca manifestar desânimo», pelas «palavras de estímulo para com todos» e pelos «ensinamentos nos encontros e nas reuniões mais alargadas».

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Destinos de férias

O Semanário Ecclesia publicou destinos de férias sobre todas as dioceses portuguesas. Jorge Pires Ferreira, director-adjunto do Correio do Vouga, destacou as nossas praias e o Jardim Oudinot, com o navio-museu Santo André.









- Posted using BlogPress from my iPad

Mentalidades e Fome

"É hora de mudar mentalidades e deixar de pensar que não depende das nossas ações se alguém padece fome"

Papa Francisco no Twitter


- Posted using BlogPress from my iPad

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Alunos e professoras da escola da Chave em convívio

Para memória futura, 
alunos e suas professoras de há 50 anos 
conviveram no sábado

Alunos e professoras da Escola da Chave
No sábado, 25 de julho, antigas professoras e seus alunos viveram um dia para evocar memórias, celebrar e partilhar a amizade, durante um almoço no restaurante "O Porão".Para memória futura aqui ficam os seus nomes:

Professora Paula Ramalheira 
e as alunas:

Maria José Teixeira
Justina Abrantes
Margarida Cebolo
Maria Eneida Cravo
Eulália Rito
Emília Gonçalves
Alcina Ferreira


Professora Maria da Glória Capão Filipe 
e os alunos:

Carlos Teixeira
Vitor Teixeira
Hélder Mateiro
Lucílio Marçalo
Fernando Batista
Fernando Almeida das Neves
João Cravo Lourenço
Carlos Estanqueiro
Manuel Cândido Rocha
José Alice Ferreira
Carlos Martins Cardoso

A todos felicito por este encontro organizado pelo Carlos Teixeira, na certeza que possuo de que ficará nas boas recordações de cada um dos participantes. Sei, por experiência própria, o sabor que estes convívios proporcionam.
Saudações amigas  para todos.

Fernando Martins

Alvorada

"Não se pode chegar à alvorada a não ser pelo caminho da noite"

Khalil Gibran (1883-1931


- Posted using BlogPress from my iPad

terça-feira, 28 de julho de 2015

Férias perto de casa



Sabemos que há muitos portugueses que nem querem ouvir falar de férias. São, para eles, simples miragens. Mas haverá quem alimente e leve à prática o gosto de viver uns dias longe das rotinas do quotidiano. Contudo, para ambos os casos, ousamos avançar com algumas propostas que, minimamente, proporcionem descanso, descontração, reflexão e busca de novos desafios. 
Na certeza de que o otimismo precisa de ser cultivado e até acicatado, propomos algumas visitas, leituras, passeios e convívios, bem como, na altura própria, a participação em festas e festivais oferecidos gratuitamente ao povo. Nessa linha se insere, naturalmente, a vivência do Festival do Bacalhau, tema que  abordaremos mais algumas vezes.
Sugerimos a visita a familiares e amigos doentes, conversas com filhos e netos ou com pais e avós, sem pressas, que durante o ano não há tempo para nada, como frequentemente ouvimos dizer.
E já agora, não perca as suas preciosas horas de lazer com programas sem nexo das nossas televisões, mas habitue-se a selecionar, em família, filmes e espetáculos que, pelo seu nível, nos enriquecem sobremaneira. O mesmo diremos das nossas rádios que têm perdido ouvintes em favor da televisão, sendo garantido que algumas mantêm programas carregados de interesse.

domingo, 26 de julho de 2015

A beleza

“A beleza salvará o mundo”

Dostoiewski (1821-1881)




- Posted using BlogPress from my iPad

Rapazes e Velhos


"Enquanto houver rapazes de quarenta anos, é justo que se desculpem as leviandades dos velhos de dezassete"

Camilo Castelo Branco (1825-1890), escritor português

- Posted using BlogPress from my iPad

Livros para férias

Crónica de Frei Bento Domingues 

«A grande leitura de férias 
poderá ser a meditação 
que o Papa Francisco nos ofereceu»


Frei Bento Domingues



1. Durante vários anos, ao interromper estas crónicas durante o mês de Agosto, costumava destacar alguns livros para férias. Dizem-me que já não vale a pena. Hoje, quem não for velho e desajeitado como eu, dispõe dos livros que quiser nos seus iPhones ou iPads, ligados a uma nuvem, limpa, vadia e sempre disponível.
Acerca das férias, a Igreja distribuiu, na Missa do passado Domingo, um texto curioso, tirado do Evangelho de S. Marcos. Por razões óbvias, Jesus de Nazaré resolveu partir para férias com os discípulos: ”vinde para um lugar deserto e descansai um pouco sozinhos. Com efeito, os que chegavam e os que partiam eram tantos, que não tinham tempo nem para comer” [1]. 
Fugiram de barco, mas não adiantou nada. Tinham sido vistos. Quando desembarcaram, Jesus deparou com uma multidão que o procurava e, diz o texto, ficou cheio de compaixão, eram como ovelhas sem pastor. Como poderia ele ficar indiferente perante aqueles que andavam “cansados e oprimidos” [2]?

sábado, 25 de julho de 2015

O artesão Jorge Cardoso continua a criar

Na garrafinha está o presépio

Hoje foi dia de curto passeio para descontrair. Obras em casa provocam sempre um natural desgaste. E ainda não terminaram. Mais uns dias e tudo ficará operacional. 
De passagem pelo Continente, em Aveiro, encontrei o Jorge Cardoso numa feira de fim de semana com artesanato por tema. Este conterrâneo, que conheço há bons tempos, lá estava a atender clientes e curiosos. O seu artesanato é original. Acho que todo o artesanato tem o seu quê de original. 
Desta feita apreciei, com mais cuidado, os seus trabalhos feitos com grãos de arroz. Uns dentro de garrafas minúsculas e outros em belíssimas composições que só o rigor, o cuidado e a arte de manusear produtos tão pequenos explicam. 
Dele ouvi que, para além de manter vivas as suas criações que de início o apaixonaram, com base na utilização de amendoins devidamente tratados para não se deteriorarem, a sua arte não pode estacionar no tempo. Há continuamente desafios que o animam a prosseguir. E ainda nos disse que estará no Festival do Bacalhau em dois espaços: a banca com as suas produções ditas normais e uma oficina para construção de papagaios. Mas disso falaremos na altura, porque há inovações, garantiu-nos o Jorge.

- Posted using BlogPress from my iPad

Eu sou um rural






Eu sou um rural. Disso não tenho dúvidas. Gosto do campo e da sua simplicidade. Comungo, com verdade, a natureza e  dela recebo a imensa riqueza que nos oferece. As cores, os cheiros, a serenidade, a liberdade e a proximidade que em nós cultiva. As pessoas são a nossa família mais alargada. Antigamente, os mais velhos eram todos tios e tias. 
Se é indiscutível que tenho na alma e no sangue o mar e a ria, que me viram nascer e crescer, também é certo que a serra me fascina desde menino, quando ao longe divisava os seus contornos para mim misteriosos. E quando pela primeira vez pisei solo serrano fiquei extasiado, sem fala. 
Em casa, não dispenso o quintal, não para dele cuidar que as forças já não o permitem, mas para apreciar o que da terra brota ou as árvores oferecem. Hoje andei a contemplar as primeiras maçãs de novas macieiras que substituíram as mais antigas que morreram ou definharam. As plantas são como as pessoas. Não são eternas. 

- Posted using BlogPress from my iPad

MEC chegou aos 60 anos


«Hoje é o primeiro dia do pouco que resta da minha vida. O sacana do Salmo 90:10 não se presta a confusões: "Os dias da nossa vida são setenta anos e, caso houver força, chega aos oitenta. Mas é força que só traz trabalho e tristeza: passa num instante e voamos...".»

Nota: O Miguel Esteves Cardoso (MEC) completou 60 anos, razão para dissertar com graça sobre a sua idade. Como leitor assíduo das suas saborosas e oportunas crónicas, aqui o homenageio desta forma tão simples, com a transcrição do seu recente escrito no PÚBLICO

- Posted using BlogPress from my iPad

Francisco: uma Igreja outra

Crónica de Anselmo Borges 
no DN


Papa Francisco 
«A Igreja tem pela frente duas tarefas urgentes: 
a da democracia e a do reconhecimento 
da igualdade das mulheres.»


1-Na recente visita do Papa Francisco à América Latina, foi marcante, para dizer ao que vem este pontificado, o discurso no encerramento do II Encontro Mundial dos Movimentos Populares. Continuou a reclamar "os três t": terra, tecto, trabalho. "Disse e repito: são um direito sagrado." E que estava a falar não apenas de problemas da América Latina, mas de toda a humanidade: "Está-se a castigar a Terra, os povos, as pessoas, de um modo quase selvagem." É preciso "dizer não a uma economia de exclusão e iniquidade", assegurando que "o problema é um sistema que continua a negar a milhares de milhões de irmãos os mais elementares direitos económicos, sociais e culturais" e que este sistema "atenta contra o projecto de Jesus", já que o destino universal dos bens não é um adorno da doutrina social da Igreja, mas uma realidade anterior à propriedade privada. Arremeteu contra o "novo colonialismo que se esconde por trás do poder económico do ídolo dinheiro", lembrando que "a concentração monopólica dos meios de comunicação social, que pretende impor comportamentos alienantes de consumo e certa uniformidade cultural, é outra das formas que o novo colonialismo adopta.

Dai-lhes vós mesmos de comer

Reflexão de Georgino Rocha



«O facto histórico 
tem um alcance simbólico excepcional.
 A razão vê o facto. 
A fé capta o alcance da realidade 
contida no símbolo»


A multidão anda entusiasmada com Jesus. Nem sequer pensa nas suas necessidades básicas: descanso para a fadiga, casa para dormir, pão para alimento. A acção de Jesus e os seus ensinamentos exerciam uma sedução que compensava largamente tudo isso. E lá vai seguindo o Mestre que sobe ao monte, se senta compadecido por aquela gente e dialoga com os discípulos sobre o que fazer para lhe acudir e valer. Quer associá-los ao que vai fazer. E surge o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, a partir da “merenda” levada por um jovem. Jo 6, 1-15.

João, o autor da narrativa que hoje se lê na liturgia da Palavra, inicia um longo discurso/ensinamento de Jesus que continuará a ser proclamado nos próximos domingos. Constitui uma esplêndida catequese sobre a eucaristia, o pão e o vinho do trabalho humano, o corpo e o sangue do Senhor Jesus, entregue por todos e cada um de nós, a humanidade inteira.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Marisco para todas as bolsas

Ria com gosto em agosto 
na Costa Nova



Mesmo não estando em maré de grandes despesas, poderá ser possível degustar uns mariscos mais baratinhos na nossa Costa Nova. Há lá de tudo e para todos os gostos. 


Posted using BlogPress from my iPad

Um amigo


«Que belo é ter um amigo! Ontem eram ideias contra ideias. Hoje é este fraterno abraço a afirmar que acima das ideias estão os homens. Um sol tépido a iluminar a paisagem de paz onde esse abraço se deu, forte e repousante. Que belo e que natural é ter um amigo!»



Miguel Torga
Diário - 1935

Nota: Texto publicado há um ano neste meu blogue.


- Posted using BlogPress from my iPad

Costa Nova: passadiços

As nossas praias


Gosto de caminhar pelos passadiços das nossas praias, apesar de alguns não se apresentarem devidamente cuidados. Gosto do ar que se respira, do cheiro a maresia e da paisagem dunar. Este verão ainda não usufruí da qualidade das nossas praias, mas vontade não me falta. Talvez na próxima semana, se Deus quiser.


Posted using BlogPress from my iPad

Liberdade

"Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir"


George Orwell (1903-1950), escritor e jornalista inglês


- Posted using BlogPress from my iPad"

domingo, 19 de julho de 2015

A bicicleta do Padre Manuel Maria

Merecida homenagem a um homem bom 


Um objeto de pessoa que estimamos, cuidado e guardado com gosto, é sempre uma homenagem merecida. Esse objeto, por mais simples que seja, torna presente as boas recordações que essa pessoa nos suscitou ao longo da vida. A bicicleta do Padre Manuel Maria Carlos, restaurada a rigor, tem agora lugar cativo no Museu Paroquial da Gafanha da Nazaré, graças à sensibilidade do nosso prior, Padre Francisco Melo, e ao saber e esmero do restaurador João Vinagre.
Quando nos foi dada a notícia do restauro da velha bicicleta, surgiu de imediato a necessidade de apreciar o trabalho levado a cabo pelo João Vinagre, motorista marítimo reformado e apaixonado por este tipo de tarefas, por simples prazer e para ocupar o tempo de forma saudável e útil. Já restaurou mais de 20 bicicletas e tem cinco em mãos. A arte de reparar e restaurar bicicletas veio-lhe da juventude, quando aprendeu e trabalhou numa oficina de seu tio Joaquim Vinagre, antes de enveredar pela mecânica, que o levaria a embarcar e a seguir a profissão de motorista marítimo. 
Olhámos para a bicicleta, que lhe foi entregue em «péssimo estado, com peças podres e uma roda inadequada», e logo nos veio à memória o Padre Manuel Maria, que a utilizava nas suas voltas pela Gafanha da Nazaré, tal como pela Torreira, onde foi pároco, entre 1960 e 1974.

A religião não é para mulheres

Crónica de Frei Bento Domingues 


«É sempre como mulheres e homens 
que Deus os cria e recria, sem subordinações 
nem imposições recíprocas»

1. Em 1946, depois de cuidada preparação, começava, em Palma de Maiorca, o conhecido movimento Cursilhos de Cristandade. Eduardo Bonnin Aguiló foi sempre reconhecido como o seu carismático fundador. Vi-o e ouvi-o apresentar-se apenas como “aprendiz de cristão”.
Em Portugal, realizou-se o primeiro cursilho, em Fátima, de 19.11 a 02.12, de 1960. Frequentei o terceiro realizado no Porto. Ainda conservo o meu Guia de Peregrino. 
No princípio, este movimento destinava-se a proporcionar aos homens a descoberta, em três dias, de uma nova paisagem católica e operar uma viragem radical de comportamento pessoal, para alterar ambientes onde os participantes fossem considerados “vértebras da sociedade”.
Cada cursilho obedecia a uma selecção dos participantes, apenas de varões, apoiado em ficha secreta. Era moderadamente interclassista. O cenário do acolhimento, o cancioneiro espanholado, de colores, os gestos, os rolhosdoutrinais, recheados de anedotas certeiras, destinavam-se a desconstruir o imaginário de uma religião beata e para beatas e fazer a passagem exaltante para o essencial de um catolicismo másculo, marcado pela euforia do sacrifício e do testemunho, sem preocupações de transformação social imediata. O grande e repetido enunciado de marca, com eficácia do melhor marketing, era este: a religião católica não é para mulheres.

sábado, 18 de julho de 2015

Postal Ilustrado: Última Ceia

Exemplo de humildade 
e de serviço aos outros

Um trabalho do artista Manuel Ângelo Correia (Foto de Gabriel Faneca)

Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a Sua hora de passar deste mundo para o Pai, levanta-se da mesa, tira as vestes e, tomando uma toalha, coloca-a à cinta. Depois deita água numa bacia e começa a lavar os pés aos discípulos e a enxugá-los com a toalha. Assim se lê no Evangelho de S. João, capítulo 13. Esta cena bíblica, uma das mais conhecidas, associada à última ceia de Jesus com os seus amigos, tem tido lugar garantido nas artes através dos séculos, ficando na história como exemplo de humildade e de serviço aos outros.

Já não há mordaças, nem ameaças

Maria Barroso


Já não há mordaças, nem ameaças, nem algemas
que possam perturbar a nossa caminhada, em que os
poetas são os próprios versos dos poemas e onde
cada poema é uma bandeira desfraldada.

Ninguém fala em parar ou regressar. Ninguém
teme as mordaças ou algemas. – O braço que
bater há-de cansar e os poetas são os próprios
versos dos poemas.

Versos brandos… Ninguém mos peça agora.
Eu já não me pertenço: Sou da hora.
E não há mordaças, nem ameaças, nem algemas

que possam perturbar a nossa caminhada, onde
cada poema é uma bandeira desfraldada e os
poetas são os próprios versos dos poemas.


Sidónio Muralha, "Soneto Imperfeito  da Caminhada Perfeita"

Nota: Por sugestão do Caderno Economia do EXPRESSO, como um poema que Maria Barroso (1925-2015) mais apreciava dizer em público.

Francisco e o "crucifixo comunista"

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias


"As ideologias terminaram 
sempre em ditaduras. 
Pensam pelo povo, 
não deixam o povo pensar"

1. Francisco voltou ao seu continente. Numa maratona de oito dias, percorreu três países - Equador, Bolívia, Paraguai -, que escolheu, entre os mais pobres, ficando bem clara a agenda religiosa, social e política deste pontificado: a Igreja esteve, concretamente na América Latina, ao lado dos vencedores e opressores, mas agora fica do lado dos pobres e desprotegidos. E aí está o pedido humilde de perdão "não só pelas ofensas da própria Igreja, mas também pelos crimes contra os povos indígenas durante a chamada conquista da América".

Férias ao estilo de Jesus

Reflexão de Georgino Rocha


«O descanso e o lazer são vitais 
para a pessoa cultivar o seu ser integral. 
Fazem bem ao corpo e ao espírito»

“Vinde comigo para um lugar isolado e descansai um pouco” é o apelo/convite e a recomendação de Jesus, após ter acolhido e ouvido os discípulos regressados da primeira experiência missionária. Mc 6, 30-34. A narração do que acontecera deixava perceber que a missão decorrera bem. As instruções tinham sido observadas. A confiança na palavra do Mestre estava confirmada. O êxito enchia de alegria contagiante o coração de todos. A sobriedade de meios, a simplicidade de vida, a itinerância doméstica, a eficácia do anúncio, a libertação do espírito oprimido pelas forças do mal são credenciais comprovadas e adquirem valor distintivo de quem é discípulo de Jesus em qualquer circunstância. Partilham o belo da missão. Nada que pareça fofoquice, reacções negativas das pessoas, sacudidelas do pó das sandálias, comentários negativos ào que viram e ouviram.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Abafai meus gritos com mordaças

Maria Barroso


Abafai meus gritos com mordaças,
maior será a minha ânsia de gritá-los!

Amarrai meus pulsos com grilhões,
 
maior será minha ânsia de quebrá-los!

Rasgai a minha carne!
 
Triturai os meus ossos!

O meu sangue será minha bandeira
 
e meus ossos o cimento duma outra humanidade.

Que aqui ninguém se entrega
 
— Isto é vencer ou morrer —
é na vida que se perde
Que há mais ânsia de viver!

Joaquim Namorado, "Promete"

Nota: Sugestão do Caderno Economia do EXPRESSO, como um poema que Maria Barroso (1925-2015) mais apreciava dizer em público.

Missa Nova do Padre João Santos, na Gafanha da Nazaré

O padre não pode ser de Deus 
se não for para os outros 


No momento da partilha do bolo

«Eu venho, Senhor, à vossa presença;/Ficarei saciado ao contemplar a vossa glória./Ficarei saciado ao contemplar a vossa glória.» Foi ao som deste cântico, entoado por toda a assembleia, que enchia por completo a igreja matriz da Gafanha da Nazaré, que o Padre João Santos entrou no templo para celebrar a Missa Nova. Ordenado no dia anterior, 12 de julho, na Sé de Aveiro, por D. António Monteiro, presidiu pela primeira vez a uma eucaristia na nossa paróquia, na segunda-feira, 13 do mesmo mês, na qual se celebraram os 68 anos da ordenação do Padre José Lourenço e os 18 anos dos Padres Pedro José, Ângelo Silva e António Torrão. 
O Padre João Santos que estagiou, como cooperador, nas paróquias das Gafanhas da Nazaré, Encarnação e Carmo, sob a orientação do Padre Francisco Melo, mostrou-se grato pelo apoio que recebeu da equipa sacerdotal responsável pela paroquialidade das três Gafanhas, que todas contribuíram para esta festa significativa, mas não deixou de sublinhar quanto recebeu do Padre Francisco Melo: amizade, confiança, e sentido de organização e obediência.
À homilia, o Padre João Santos referiu que o sacerdote «é sinal de que Deus nunca abandona o Seu Povo nesta caminhada até à nossa morada permanente», adiantando que «é no acolhimento da Palavra de Deus que de facto se joga a nossa vida, mesmo no meio das dificuldades». E frisou que não nos podemos deixar «prender pelo medo da desconfiança nem da tristeza», sendo «luzeiros da Vida de Deus, sem termos medo da bondade nem da ternura, como tantas vezes nos recorda o Papa Francisco». E acrescentou: «Não tenhamos dúvida de que aquilo que fizermos aos mais pequeninos ao próprio Cristo o fazemos.»

Porto de Aveiro


No site da Comunidade Portuária do Porto de Aveiro pode ser apreciado um bloco de fotografias que nos dão uma ideia da beleza desta área situada no Gafanha da Nazaré. Visite o site aqui.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Construtores do Reino de Deus

Bispo de Aveiro na Eucaristia do Crisma:

É importante saber que outros 
foram à nossa frente na santidade

Sara Raquel foi batizada antes de ser crismada

«Quem é Jesus para mim, que vou receber o sacramento do Espírito?» Este foi o desafio que D. António Moiteiro, Bispo de Aveiro, lançou aos 59 jovens que foram crismados na igreja matriz, no sábado, 20 de junho, na eucaristia das 19 horas. Igreja cheia de fiéis, onde decerto pontificaram familiares e amigos dos que assumiram a missão de testemunhar Jesus Cristo na vida pessoal e comunitária, nomeadamente, na família, no trabalho, no lazer, mas ainda na cultura, no desporto e no empenho social e caritativo. A Sara Raquel, antes de receber o sacramento da Confirmação, foi batizada e nesta Eucaristia também comungou pela primeira vez.
Numa alusão concreta ao Evangelho do XII domingo do tempo comum, D. António questionou os crismados sobre a figura de Cristo, «o homem a quem o mar e o vento obedecem», lembrando que Jesus «não é apenas uma figura do passado», porque está sempre connosco. E acrescentou: «É o Espírito Santo que vos dá a verdadeira vida; vida que vós ides viver e testemunhar.»
O Bispo de Aveiro convidou todos os presentes a pedirem ao Espírito Santo que os fortaleça, ajudando-os a serem «cristão a sério», qual «pequena semente — referida no Evangelho — que se vai tornar numa árvore frondosa». E explicou: «Essa semente vai fazer de vós construtores do Reino de Deus.»

ADIG reuniu-se com CMI

Centro Cultural

À semelhança do que aconteceu com a Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, a ADIG reuniu-se com a CMI, para lhe apresentar uma lista de problemas que esperam solução, nomeadamente, a cedência do Auditório do Centro Cultural para espetáculos das associações da nossa terra, maior equilíbrio entre o número de espetáculos nas freguesias de São Salvador e Gafanha da Nazaré e manter o polo museológico “Casa Gafanhoa” aberto ao público, com regularidade, conforme se lê em comunicado de 5 de Junho. A ADIG ainda pede à autarquia ilhavense que pressione a Cimpor e a Administração do Porto de Aveiro para a colocação duma barreira eólica, que defenda a Gafanha da Nazaré do transporte de poluentes, em especial Petcoke e Clinquer, sobre a cidade e povoações a sul, bem como lembra a necessidade de colocação de sistemas de monitorização contínua da qualidade do ar.



segunda-feira, 13 de julho de 2015

XXXII Festival de Folclore na Gafanha da Nazaré

O Etnográfico dá-nos garantias 
de podermos preservar 
a nossa identidade


José Augusto Rocha foi intérprete junto do grupo francês

No sábado, 4 de julho, realizou-se o XXXII Festival de Folclore da Gafanha da Nazaré, este ano enriquecido pela participação do Grouype Folklorique “Terre Baugeoise”, uma comunidade do oeste da França, situada no departamento de Maine-et-Loire. Os outros grupos, para além do anfitrião, Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré (GEGN), foram o Grupo Folclórico de Santa Maria de Moure (Barcelos), Rancho Regional de S. Salvador de Folgosa (Maia) e o Grupo Folclórico de Danças e Cantares “O Cantaréu” (Vila Real), que atuaram, à noite, no jardim 31 de Agosto, animando quantos apreciam as tradições dos antepassados de cada região representada.

Museu de Ílhavo

Férias aqui à volta 
sem grandes despesas



O Museu de Ílhavo, com todo o seu riquíssimo acervo relacionado com a Pesca do Bacalhau e com a Ria, oferece ainda o já célebre Aquário de bacalhaus, o único em Portugal. Recentemente considerado um dos 20 mais espetaculares edifícios do mundo, o aquário permite uma observação próxima com o fiel amigo de todas as mesas portuguesas. Os bacalhaus, originários da Noruega e da Islândia, vivem num habitat natural, criado para o efeito. Pode informar-se pelo telefone 234 329 990.


Estou de volta


Uns dias sem escrever para o meu blogue souberam-me bem. Senti-me em férias, sem ofender a minha condição de aposentado. Olhei para o lado e retirei da minha cabeça o computador o o iPad. Passei por eles apenas para cumprir compromissos assumidos. E hoje, segunda-feira, estou de volta, sem correrias nem grandes azáfamas. 
Boa semana para todos.

domingo, 12 de julho de 2015

Vivemos na rua dos pobres

“Devíamos falar menos sobre a Grécia 
porque também vivemos na rua dos pobres”

Para vencer o clericalismo

Crónica de Frei Bento Domingues 

Para vencer o clericalismo 
é preciso escutar também, 
nas cidades e nas aldeias, 
a voz dos cristãos que lutam 
por uma Igreja de todos 
ao serviço da casa comum



1. A vida é feita de conflitos e consensos. As instituições precisam de mediações e instâncias que saibam estimular e regular a participação viva de todos os seus membros. Esta é também uma questão fulcral das Igrejas.
O último número da revista da faculdade de teologia, Didaskalia [1], é dedicado, precisamente, à Sinodalidade na Igreja. Não é importante apenas pela circunstância de continuar em debate o Sínodo dos bispos sob a família e de vários sínodos diocesanos. Merece especial destaque pela qualidade dos estudos reunidos, de várias nacionalidades, sobre um tema que percorre, desde o começo até aos nossos dias, os momentos mais marcantes da História da Igreja local e universal e que está longe de ter encontrado modalidades perfeitas, para não dizer minimamente aceitáveis.

sábado, 11 de julho de 2015

Buddha Éden

Crónica de Maria Donzília Almeida


«A paz vem de dentro de você mesmo. 
Não a procure à sua volta»

Buda



Se o trabalho dá saúde, o seu oposto, o lazer faz a sua manutenção. Assim, é preciso intercalar a atividade profissional com pausas, para que o desempenho seja profícuo. No final de um exaustivo ano letivo, sabe bem mudar de ares e respirar a mística de um ambiente oriental.
O jardim oriental Buddha Éden, integrado na Quinta dos Loridos, foi a meta curricular, almejada por um grupo de agentes educativos do AEGE.
Aí fica um bonito solar, situado na freguesia do Carvalhal, concelho do Bombarral. Outrora, estas terras foram pertença do Mosteiro de Alcobaça, que as doou a João Annes Lourido, em 1430. No século XVI a família Sanches de Baena reconstruiu este solar que é hoje um belo exemplo da nobre arquitetura rural do século XVIII, ostentando o brasão da família Sanches de Baena. Foi convertido numa unidade hoteleira de luxo e também numa afamada produtora de vinhos, nomeadamente de espumantes.

"Deus morreu", e agora?

Crónica de Anselmo Borges 


Ó Pai, ó Pai! 
Onde está o teu peito infinito, 
para descansar nele?


1. Volto muitas vezes a esse sublime e abissal texto, pavoroso, um dos grandes da grande literatura alemã, que Jean Paul, pseudónimo de Johann Paul Friedrich Richter, escreveu em 1796: "Rede des toten Christus vom Weltgebäude herab, dass kein Gott sei" ("Discurso do Cristo morto, a partir do cume do mundo, sobre a não existência de Deus").
Nele, o célebre escritor descreve um sonho. Pela meia-noite e em pleno cemitério, numa visão apavorante, o olhar estende-se até aos confins da noite cósmica esvaziada, os túmulos estão abertos, e, num universo que se abala, as sombras voláteis dos mortos estremecem, aguardando, aparentemente, a ressurreição. É então que, a partir do alto, surge Cristo, uma figura eminentemente nobre e arrasada por uma dor sem nome. E, com um terrível pressentimento, "os mortos todos gritam-lhe: "Cristo, não há Deus?" Ele respondeu: 

Enviados por Jesus a curar e a libertar

Reflexão de Georgino Rocha




«É preciso sobrepor a relação solidária 
à razão económica, 
o bem de todos aos interesses de alguns»







Jesus marca o ritmo do tempo. Quer que o seu projecto entre numa fase nova: lançar os discípulos na primeira experiência da missão. Mc 6, 7-13. Por isso, faz a escolha dos doze, símbolo da totalidade, confere-lhes poder sobre as forças do mal, define o anúncio da mensagem a proclamar e dá instruções claras e precisas. Tudo em conformidade com o que tinha feito - e eles tinham visto e ouvido - nas viagens pelas aldeias e na ida às sinagogas, no contacto com as multidões, nas conversas em família.
Este modo de proceder constitui a melhor escola de formação: em grupo, com relacionamento personalizado, ensinamentos oportunos e, quase sempre, precedidos de acções envolventes e apelativas, recurso a explicações complementares, autoridade reconhecida e participada por todos, responsabilidades atribuídas progressivamente, riscos calculados e ousadia confiante. Tudo a convergir para formar aqueles que eram/são chamados a testemunhar e a cooperar na realização do projecto de salvação que Deus nos proporciona em Jesus Cristo.

domingo, 5 de julho de 2015

Papa Francisco na América Latina

Papa inicia viagem com mensagem 
em favor dos «mais vulneráveis», 
a «dívida» que a América Latina tem por pagar



«O Papa Francisco chegou hoje ao Equador, após um voo de quase 12 horas, iniciando uma visita de nove dias à América Latina com alertas contra a exclusão e apelos em favor dos mais “vulneráveis”.
"Que as realizações alcançadas no progresso e desenvolvimento possam garantir um futuro melhor para todos, prestando especial atenção aos nossos irmãos mais frágeis e às minorias mais vulneráveis, que são a dívida que toda a América Latina continua a ter”, pediu, no primeiro discurso da viagem, no aeroporto internacional de Quito, perante autoridades civis e religiosas equatorianas, para além de representações das comunidades indígenas locais.»

Li aqui 

NOTA: Viagem a seguir porque não podemos ficar indiferentes ao seu testemunho profético de denúncia e de anúncio. Denúncia das ofensas aos direitos humanos e de anúncio do direito à liberdade e à justiça a todos os níveis.

Infortúnios

«De todos os infortúnios que afligem a humanidade, 
o mais amargo é que temos de ter consciência 
de muito e controlo de nada»

Heródoto (-484/-425), historiador, Grécia Antiga

UMA ENCÍCLICA DESASTROSA

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO


Embora pouco praticantes do ecumenismo 
entre as Igrejas cristãs e de diálogo inter-religioso, 
estamos sempre dispostos a louvá-los


1. No dia 26 de Junho recebi uma mensagem: não deixe de comprar hoje o DN. Ia no comboio! Como os meus ouvidos já confundem os ruídos, consegui perceber, no entanto, que se tratava de alguém muito zangado com a encíclica do Papa. Quando cheguei ao destino, deparei com um artigo de Miguel Ángel Belloso (director da revista espanhola, Actualidad Económica), Um Papa pessimista e injusto.
O artigo não é original, mas merece atenção. Tentarei um resumo. Inscreve-se num conhecido projecto internacional, de católicos e não católicos, destinado a engrossar, cada vez mais, a campanha contra o papa argentino. O autor confessa uma grande admiração pelos papas que imediatamente o antecederam. Bergoglio, pelo contrário, em muito pouco tempo, impulsionou uma revolução na Igreja.

sábado, 4 de julho de 2015

JESUS E A POLÍTICA

Crónica de Anselmo Borges 

Anselmo Borges
«Jesus é "figura determinante" 
(K. Jaspers) na história da humanidade»



1. Em 2011, realizei um colóquio internacional sobre "Quem foi/Quem é Jesus Cristo?", com especialistas de vários horizontes do saber. Paulo Rangel foi um dos conferencistas. Ele acaba de publicar o texto, numa edição apoiada pelo Grupo do Partido Popular Europeu, com tradução para francês e inglês e uma belíssima reprodução da Pietà (segundo Delacroix) de Van Gogh, 1889: Jesus e a Política. Reflexões de Um Mau Samaritano. Para a apresentação, convidou o ex--presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, agnóstico, e o filho deste, João Gama, católico, professor de Direito Fiscal na Universidade Católica. O Salão Árabe do Palácio da Bolsa foi pequeno para acolher centenas de pessoas, numa grande noite cultural sobre Jesus.

Navio-museu Santo André

Um museu a visitar 
durante as férias de verão


O Navio-museu Santo André, no Jardim Oudinot, também é ou deve ser visita obrigatória, por ser um testemunho vivo da pesca do bacalhau por arrasto. Construído em 1948, na Holanda, deixou os mares e a pesca do fiel amigo em 1997. Foi restaurado e hoje é uma lição expressiva para os amantes da nossa história da pesca do bacalhau. Está em exposição permanente, sendo a visita explicada ao pormenor por legendas e vídeos. Pode informar-se pelo telefone 234 329 990.

SURPREENDIDOS POR CAUSA DE JESUS

Reflexão de Georgino Rocha

A sociedade está organizada 
com base no binómio 
honra e vergonha

Nazaré


Jesus deixa Cafarnaum e faz uma visita a Nazaré, terra em que reside durante muitos anos e onde é bem conhecido. Mc 6, 1-6. Ao sábado, vai ao culto na sinagoga, como bom judeu. Observa as práticas rituais e, quando chega a vez da intervenção dos presentes, toma a palavra e faz um ensinamento que provoca assombro na assembleia. A reacção é imediata, pois o seu estatuto social não condizia com tanta sabedoria. A vida quotidiana da sua família era tão normal que ninguém notava algo de estranho. A inserção na comunidade local e nas práticas cultuais identificava-o como verdadeiro nazareno.
E neste ambiente simples e sóbrio, Jesus vive em comunhão profunda com Deus Pai, em união filial com Maria, sua Mãe, em relação com os demais familiares, com a vizinhança. Dá-nos a lição do amor à família, ao silêncio e ao trabalho, segundo Paulo VI, na homilia que faz aquando da visita a Nazaré, em 1964.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

PESTINHAS — GAFANHA DA NAZARÉ

Grupo de Dança 
e Associação Cultural 


Neste mês de julho, em que a Câmara Municipal promove a primeira edição do Marolas – Ílhavo 2015, dedicamos a rubrica “Associações” às Pestinhas – Grupo de Dança – Associação Cultural. 
Criado por Helena Semião, a 6 de dezembro de 1992, o Grupo de Danças Pestinhas começou com 8 elementos, tendo adquirido o estatuto de Associação Juvenil no ano 2004 e, mais recentemente, o de Associação Cultural do Município de Ílhavo. 
A sua principal atividade é a promoção da prática de dança (faixas etárias a partir dos 6 anos sem limite de idade), bem como a realização de inúmeros espetáculos que têm lugar não só no Município de Ílhavo, mas também por todo o país. 
Atualmente composta por 40 elementos, a Associação realiza todos os anos um Sarau comemorativo do seu aniversário e participa em várias animações tais como festas de Escolas, Saraus, jogos de Basquetebol e Futebol, Campeonatos e Concursos de Hip Hop, Desfiles, Corsos Carnavalescos, associações Pestinhas - Grupo de Dança - Associação Cultural entre outras. O grupo tem participado igualmente em diversos eventos promovidos pela Câmara Municipal de Ílhavo, como é o caso da Semana Jovem, da Feira da Saúde e das Marchas Sanjoaninas. As inscrições estão abertas durante todo o ano e para todos os estilos de Dança: 
» Dança para crianças dos 6 aos 13 anos e Dança para adultos a partir dos 35 anos, pela Coreógrafa Helena Semião; 
» Dança para jovens entre os 14 e os 30 anos e Aulas de Zumba e Localizada, pela Dançarina/ Coreógrafa Patrícia Queirós. 

Principais Atividades

. Sarau do Aniversário do Grupo (dezembro); 
. Sarau incluído na Semana Jovem/ Marolas – Ílhavo 2015 (julho); 
. Participação nas Marchas Sanjoaninas de Ílhavo; . Participação no Corso do Carnaval de Vale de Ílhavo; 
. Zumba - Angariação de Fundos para os Bombeiros Voluntários de Ílhavo e Zumba Colour 2015; 
. Concurso Vestidos de Chita
. Etc.

Rua da Creche, 11
3830-592 Gafanha da Nazaré
Facebook: Grupo Dança Pestinhas Pestinhas

Presidente da Direção
Helena Semião

Fonte: Rubrica Associações da Agenda Viver em…, julho de 2015. A foto é da rede global.

NOTA: Por mais que me esforce, nunca consigo nem conseguirei estar a par de tudo o que acontece na Gafanha da Nazaré e arredores. Já tinha ouvido falar do grupo Pestinhas, mas não me lembro de alguma vez o ter visto atuar. De qualquer forma, é sempre agradável saber que existe mais uma Associação Cultural na nossa terra, com notória atividade. Por isso, a distinção que a CMI lhe concedeu. Os meus parabéns.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Ferryboat para São Jacinto com mais carreiras

Horário de verão 
do transporte fluvial 
de ligação a São Jacinto


Praia de S. Jacinto
Entrou já em vigor o horário de verão do transporte fluvial de ligação a São Jacinto apostando nas ligações em Ferryboat e aumentando o número de carreiras, num contributo para aumentar a utilização da Praia de São Jacinto.
A Praia de São Jacinto representa uma aposta do atual Executivo Municipal na implementação de uma nova política de gestão integrada do território municipal, tendo como objetivo que se venha a tornar num espaço diferenciador do Município e da Região, preservando a sua identidade e apostando ao mesmo tempo na valorização do seu património natural e cultural.

Fonte: CMA

Bandeira Azul nas nossas praias

Praias da Costa Nova e Barra 
continuam com bandeiras de qualidade



Vinte e sete anos depois da primeira atribuição da Bandeira Azul às Praias do Município de Ílhavo, as Praias da Barra e da Costa Nova continuam a merecer a atribuição da Bandeira Azul pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE).
Fernando Caçoilo, Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, afirmou que a autarquia tem um encargo cada vez maior com a segurança das praias, visto que os concessionários dos apoios de praia são cada vez menos, de ano para ano. Nesta época balnear, a segurança das praias custará à Câmara cerca de 17 mil euros, acrescendo, ainda, outras despesas, como a limpeza da praia e dos balneários e a recolha de resíduos.
Congratulo-me com essa merecida distinção, pois a Bandeira Azul é, sem dúvida, uma mais-valia para os veraneantes. e banhistas.

Fonte: CMI

FÉRIAS: Farol da Barra



Aposte, este verão, em fazer uma visita ao Farol de Barra, o nosso farol que é o mais alto de Portugal e um dos mais altos da Europa. Se tiver pernas, pode correr os seus 280 degraus e atingir o topo, ou quase, com 62 metros de altura.  A sua luz, rotativa, pode ser vista a 40 quilómetros de distância.
Às quartas-feiras à tarde está de portas abertas, mas será melhor telefonar (234 369 271) para confirmar. Em tempo de férias, pode ser que as visitas possam ter outros horários. O panorama, visto lá de cima, é espetacular.

Férias perto de casa

FÉRIAS


«Tempo durante o qual não funcionam aulas, tribunais, etc.
Interrupção relativamente longa de trabalho, 
destinada ao descanso dos trabalhadores.»

Dos dicionários



Os dicionários tentam indicar-nos, sintetizando, as definições de Féria e Férias, que são, no fundo, coisas diferentes. Aqui ficamo-nos pelas Férias, que é o que nos interessa para este verão.
As férias de quem estuda ou trabalha nos tribunais têm o peso que têm, mas para os alunos haverá sempre ocupações, quer nas ofertas das autarquias e outras instituições, quer em trabalhos sazonais. Uns dinheiros ganhos neste período fazem muito jeito em tempos de aulas, que as famílias não poderão, em muitos casos, abonar os jovens para uns extras que fogem ao orçamento familiar.

destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...