terça-feira, 31 de maio de 2016

O dia dos irmãos


Ainda não vi direitinho que hoje é o Dia dos Irmãos, mas a minha Lita já mo garantiu, depois de ter telefonado aos irmãos. Não telefonei ao meu irmão, conhecido por Armando Grilo, mas que eu tratava por Menino,  porque, confesso, não tenho o telefone do céu nem sei se haverá e-mail que me permita  entrar em contacto com os amigos. Sei, isso sim, que no dia de Páscoa recebo uma chamada de um telemóvel que exibe o seu nome... O meu sobrinho e afilhado Luís Miguel faz questão de me saudar nesse dia, estabelecendo a comunicação com a memória do meu irmão. Gosto muito desse gesto.
Se é verdade que não há contacto telefónico nem e-mail para cavaquear seja com quem for que esteja no seio de Deus, certo é que, no dia a dia, vivo acompanhado pelos meus queridos familiares e amigos que já deixaram a vida terrena, ficando todos eles com lugar cativo nas minhas mais felizes recordações. E é curioso que, quando os evoco, só chegam até mim momentos agradáveis. Histórias tristes não entram nas nossas conversas. Pode ser que um dia  comece a escrever sobre o melhor que todos me legaram... De qualquer forma aqui vai para o Menino uma saudação de eterna saudade.
Sobre o meu irmão, pode ler o que escrevi aqui. 

Festa da Fé na Gafanha da Nazaré

Não devemos ter medo de afirmar 
a nossa adesão a Jesus Cristo






No domingo, 29 de maio, na Eucaristia das 10 horas, 65 pré-adolescentes fizeram a sua Profissão de Fé, depois de uma preparação de três anos, sob a orientação de seis catequistas. Estes pré-adolescentes, que contam já com seis anos de catequese sistemática, sentiram-se naturalmente apoiados pelos pais, que testemunharam na cerimónia ser sua obrigação ajudar os filhos «a crescer também na fé e no amor a Deus e à Igreja».
Os catequistas, na altura própria, disseram que os catequizandos «foram aprofundando a sua fé e a sua experiência de Jesus Cristo», aprendendo «a conhecer melhor Deus, seu filho Jesus e o Espírito Santo». E os pré-adolescentes reconheceram, pela voz de um deles, «que este dia é um passo consciente no crescimento da fé», referindo que querem continuar, «pela vida fora», a caminhada que agora começaram, «com a ajuda de Deus, dos pais e de toda a comunidade cristã».
À homilia, o nosso prior, Padre César Fernandes, fez um apelo a todos para que assumam publicamente a sua fé, testemunhando Jesus Cristo com coragem. «Não devemos ter medo de afirmar a nossa adesão a Jesus Cristo», disse.
Dirigindo-se aos pais, sublinhou que eles «têm de ser os primeiros a dar o exemplo». E recordou que os pais e padrinhos assumiram, no batismo destes pré-adolescentes, «o compromisso de os educar na fé cristã».

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Capela de Nossa Senhora dos Navegantes

Efeméride — 30 de maio de 1863


Concluiu-se neste dia — algures se diz que em 2 de junho — a construção da  capela de Nossa Senhora dos Navegantes, junto do Forte da Barra, que importou em 400 000 réis  (Campeão das Províncias, 1-6- 1901: Marques Gomes, O  Distrito de Aveiro, pag. 146) — A.

In "Calendário Histórico de Aveiro"
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

Nota: Curiosamente, o Padre João Vieira Resende diz, na "Monografia da Gafanha", que a referida capela começou a ser construída em 3 de dezembro de 1863. 

ADIC volta a reunir-se com a APA





Quatro elementos da ADIG (Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha da Nazaré) reuniram-se mais uma vez com o Presidente do Conselho de Administração do Porto de Aveiro (APA), Braga da Cruz, a quem apresentaram alguns problemas que afetam as populações da Gafanha da Nazaré.
Em comunicado tornado público, a ADIG considera que o diálogo foi proveitoso, deixando os representantes daquela associação com «a convicção de que poderemos esperar aspetos positivos para a nossa cidade» e, decerto, para toda a região abrangida pela área portuária.
Na reunião foram levantadas questões relacionadas com petcoke, areias, serradura e pó de cereais, clinquer, derrame de carbonato dissódico ou outros produtos, Forte e casario, zona da vala do Oudinot e barreira arbórea, estacionamento para pesados, marina da Gafanha da Nazaré e praia do Jardim Oudinot no Forte.
A todas estas questões, a administração da APA respondeu, desejando-se que as soluções necessárias e urgentes venham a ser concretizadas em tempo útil. 
As respostas da APA podem ser lidas aqui.

domingo, 29 de maio de 2016

Notas do Meu Diário — Praia de Mira


Quando passo um fim de semana sem grandes preocupações dou-me conta de que à minha volta, bem perto de casa, o mundo gira carregado de emoções. Leio os jornais, online e em papel, e fico com remorsos de não ter saído ao encontro da vida das comunidades. Depois já é tarde. 
O PÚBLICO explicou ontem por que razão a Praia de Mira ostenta com vaidade e lógico orgulho a Bandeira Azul há 30 anos, a única praia portuguesa campeã nesta área. E até do mundo, alvitra o repórter Luciano Alvarez. As fotos são de Paulo Pimenta. 
Na reportagem sublinha-se que o segredo está nas pessoas e toda a população se sente corresponsável pelo galardão merecidamente atribuído ininterruptamente durante três décadas. 
Já fui vezes sem conta à Praia de Mira e gosto do que vejo. Mas esta reportagem do PÚBLICO vai obrigar-me a voltar lá, agora com outros olhos e de espírito aberto para perceber melhor o porquê desta beleza ao pé da porta. Depois direi.

Mais Te encontro, mais Te procuro ainda

Crónica de Frei Bento Domingues 


1. Ó Deus, Trindade Santa,/ ó luz mais radiosa que toda a luz,/ fogo mais ardente que todo o fogo,/ Tu és um oceano, a paz,/ Tu és um mar sem fundo,/ mais eu mergulho, mais eu me afundo,/ mais eu Te encontro, mais eu Te procuro ainda./ Sede que Tu saciaste no deserto um dia,/ para sempre ficar com sede de Ti.[1]
Esta oração é um poema. Não precisa de comentários. Traz consigo a sua própria inteligibilidade simbólica. Pode exigir uma iniciação, mas nunca a sua substituição.
Tentei, desde muito cedo, inscrever-me numa corrente de pensamento teológico que pratica a modéstia subversiva como atitude básica da inteligência da fé. Estou a referir-me a S. Tomás de Aquino que, em poucos anos de vida – morreu aos 49 anos – produziu uma obra monumental de análise filosófica, de exegese bíblica, de selecção patrística, sempre em confronto aberto e criativo com as várias correntes do seu tempo, de horizontes culturais e religiosos muito diferentes. Ditou um impressionante e rigoroso guião para principiantes na investigação teológica, para que não se perdessem na floresta de opiniões para todos os gostos[2]. Procurou abrir novos caminhos, na escola de Alberto Magno. Mas os pseudo discípulos viram nesse guião um repouso, uma preguiça, um substituto de constantes interrogações. Como escreveu Umberto Eco, fizeram de um incendiário, um bombeiro. Um pensador subversivo e condenado foi promovido a padroeiro de uma ignorante ortodoxia.

sábado, 28 de maio de 2016

Notas do meu Diário: Uma tarde no sótão

Dedico este apontamento aos confrades 
da Confraria Gastronómica do Bacalhau



De vez em quando dá-me para isto: fujo da trivial normalidade e meto-me no sótão. Fecho os olhos, passo pelas brasas, ouço o silêncio, leio e pego algo que está para ali esquecido, como que em sono eterno. 
Hoje peguei na revista ILUSTRÇÃO, 1928, e deparei com publicidade daquela época. Interessante. Dá que pensar nas mudanças que entretanto se operaram até aos nossos dias. Esta publicidade, que partilho e dedico aos confrades da Confraria Gastronómica do Bacalhau, desta nossa terra que um dia foi batizada com o nome justo e pomposo de Capital do Bacalhau, terá tido a sua utilidade. 
Apresenta um quadro, como podem ver, em que sobressai uma máquina a petróleo que eu conheci perfeitamente, porque em minha casa até havia duas, uma mais barulhenta e outra mais silenciosa, e por baixo lá vem em “Opiniões Insuspeitas” , a recomendação que aos confrades diz respeito:

O bacalhau: 

“Um fogão d’estes da Vacuum, 
Com pressão em alto grau,
Atesto p’la minha honra
Que até estende o bacalhau!”

Meus caros confrades… E se experimentassem? 
Bom domingo para todos, com ou sem bacalhau preparado desta maneira. 

Nota: Desculpem a foto do telemóvel, mas o digitalizador está lá em baixo...

As nossas praias continuam com a Bandeira Azul

Bandeira Azul será hasteada 
em 314 praias e 17 marinas
Praia da Barra
Praia da Barra - Dunas
Costa Nova - Casas Típicas
Praia da Costa Nova - Dunas 
«A Bandeira Azul vai ser hasteada este ano em 314 praias, mais 15 atribuições do que em 2015, ultrapassando pela primeira vez a barreira das três centenas, anunciou nesta sexta-feira o presidente da associação promotora em Portugal.
O galardão vai ser entregue também a 17 marinas, mais duas do que no ano passado.
No ano em que se comemoram 30 anos de Bandeira Azul, sob o mote “Trinta anos, trinta critérios, um objectivo”, José Archer referiu que o facto de a Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) atribuir mais de 300 distinções a praias é uma marca “significativa”.
Este número “representa aproximadamente 55% das praias designadas [com reconhecimento oficial] em Portugal”, colocando, percentualmente, o país no topo a nível mundial, afirmou o responsável aos jornalistas, após a conferência de imprensa de anúncio das atribuições deste ano, em Lisboa.
Em termos de valores brutos, Portugal, com 314 Bandeiras Azuis, é o quinto país com mais galardões conferidos, entre os 54 países que os atribuem, atrás da Espanha (578), Turquia (436), Grécia (395) e França (379).»

Li no PÚBLICO 

Eucaristia: a revolução

Crónica de Anselmo Borges 

Última Ceia. Painel Cerâmico  de Manuel Ângelo Correia
1. Um bispo, pessoa inteligente e estimável, perguntou-me: "O que é que se responde a uma criança de 12 anos que, depois de uma procissão do Santíssimo, me veio dizer: "Tu não levavas Cristo, pois não? Tu não podias com ele!..."" Respondi-lhe: "Olhe, senhor bispo, o que é que se deve responder exactamente não sei. Sei é que se não deve ensinar o que, depois, leva até uma criança a fazer observações dessas." Tudo por causa da Eucaristia e da presença real de Cristo.
Jesus, na iminência da condenação à morte, ofereceu uma ceia, a Última Ceia. Nela, abençoando o pão e o vinho, que significam a entrega da sua pessoa por amor a todos, disse: "Fazei isto em memória de mim." Os primeiros cristãos reuniam-se e, recordando (recordar é uma palavra muito rica, pois significa voltar a passar pelo coração) essa Ceia, o que Jesus fez e é, celebravam um ágape, o "partir do pão", uma refeição festiva e fraterna em sua memória, abertos a um futuro novo de Vida. E aconteceu o que constituiu talvez a maior revolução do mundo: se algum senhor se tinha convertido à fé cristã, sentava-se agora à mesma mesa que os seus escravos, em fraternidade.

Jesus admira e elogia a fé do Centurião

Reflexão de Georgino Rocha


Jesus vai a caminho da casa do Centurião para satisfazer o seu pedido: curar um servo muito estimado que estava quase a morrer. É surpreendido por uma delegação de notáveis anciãos que vem ao seu encontro. Acolhe-a com solicitude e ouve a “carta” de recomendações que trazia: Estima a nossa gente e mandou construir a sinagoga; é digno de ser atendido.
Esta declaração destaca um modo contrastante com o habitual. O exército romano ocupante impunha as suas leis e promovia os seus símbolos; frequentemente menosprezava ou destruía os vestígios locais da identidade das populações. Interessar-se pelos súbditos e promover o seu bem-estar era estranho e tornava-se merecedor de uma atenção especial. O cuidado revelado pela vida e saúde do servo mostra o ambiente próximo e familiar que cultivava com todos os que o rodeiam e servem. O recurso aos anciãos judeus e aos amigos enviados põe em realce a rede de relações sociais e religiosas que mantinha e apreciava.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Inaugurações na Vista Alegre

Presidente da República elogia 
a evolução da Vista Alegre

Descerramento da placa
O espetáculo do fogo de artifício
Durante a visita do PR
O Presidente da República elogiou ontem à noite a evolução da Vista Alegre, salientando a forma como conseguiu ultrapassar a crise, criando postos de trabalho e promovendo atividades culturais. 
Marcelo Rebelo de Sousa referiu a importância do «pão para a boca» e do «pão para alimentar o espírito», traduzidos nos empregos que criou e na ampliação do Museu. 
Quem esteve presente sentiu a enorme empatia estabelecida entre o Presidente e os inúmeros convidados e o povo, que compareceu de forma muito significativa. Em nota enviada à comunicação social, a CMI lembra que foram inauguradas obras de conservação e restauro na capela de Nossa Senhora da Penha de França e no Teatro da Vista Alegre, mas ainda de ampliação do Museu e da Creche.
Na referida capela da Vista Alegre, onde repousam os restos mortais de D. Manuel Moura Manuel, antigo Bispo de Miranda, foi celebrada a Eucaristia, presidida por D. Jorge Ortiga e concelebrada pelo Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, e pelo prior de Ílhavo, Padre António Cruz, estando presentes, ainda, representantes da família Pinto Basto. 

Ler mais aqui  e aqui 
Ver fotos aqui 


“Partilhar sabe bem”

BANCOS ALIMENTARES 
VOLTAM A APELAR À SOLIDARIEDADE
A 28 E 29 DE MAIO


«Bancos Alimentares voltam a apelar à solidariedade com nova Campanha de Recolha de alimentos a 28 e 29 de maio.
• Campanha reúne 43.000 voluntários, 2.630 instituições parceiras e 21 bancos alimentares;
• Mais de 426.000 pessoas apoiadas pelos Bancos Alimentares;
• 25 anos a levar comida a quem mais precisa;

Os Bancos Alimentares contra a Fome realizam no fim-de-semana, nos dias 28 e 29 de maio, mais uma Campanha de Recolha de Alimentos com o objetivo de levar comida a quem mais precisa e, desta forma, contribuir para inverter o cenário de carência alimentar que continua a afetar muitos cidadãos e famílias. Também disponível online no sitewww.alimentestaideia.net»

Pode ler mais aqui

NOTA: Todos já sabemos, garantidamente, o que são os Bancos Alimentares e a quem se destinam. O texto de cima, transcrito do portal da Federação dos Bancos Alimentares, diz o essencial, mas no link assinalado podemos ficar a saber muito mais. 
Com as crises sobejamente conhecidas, que afetam imensa gente, importa salientar a importância dos nossos contributos. 
Que ninguém se esqueça neste fim de semana, são os meus votos.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Engenharia popular


O nosso povo é capaz de tudo. Se não há dinheiro para projetos de engenheiros ou arquitetos, muito menos apoios de quem quer que seja, ele próprio se encarrega de tudo. Parte das necessidades, estuda a situação, traça as prioridades e avança para o que considera indispensável. Neste caso, tudo fez. Deus quer, o homem sonha e a obra nasce — ensinou o poeta. Tudo o mais virá por acréscimo. E a Ria está cheia destes improvisados cais... 

Governo, pessoas e paz

«Quanto a mim, o melhor governo é o que deixa as pessoas mais tempo em paz»

Walt Whitman (1819-1892), poeta

Li no PÚBLICO

quarta-feira, 25 de maio de 2016

O que há de belo no crer?


«Na tua opinião, o que há de belo no crer?». Dos 150 inquiridos, só oito responderam que não há nada de belo. Para os outros 142, crentes ou não crentes, crer é belo porque dá esperança, permite nunca sentir-se só, ter um sentido para a própria vida. Dito por jovens que não acreditam, parece revelar uma nostalgia de Deus que comove e faz pensar.

Ler mais aqui


Festa do Corpo de Deus

Reflexão de Georgino Rocha


FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM

Jesus recomenda vivamente aos seus discípulos/apóstolos que façam o que Ele acaba de realizar. A ceia de despedida reveste-se de especial importância. Em breve, deixaria de estar fisicamente presente. A morte arrebatá-lo-ia violentamente. Mas o amor criativo “inventa” a maravilha de ficar. Por isso, toma o pão, parte-o e reparte-o. O mesmo faz com o vinho. Acompanha o gesto com as palavras clarificadoras: É o meu corpo entregue por vós; é o meu sangue derramado por vós e pela humanidade toda. E acrescenta: ”Fazei isto em memória de mim”.

O tesouro confiado por Jesus fica em “mãos de barro”. Já as primeiras comunidades cristãs o testemunham. Os cristãos de Corinto apresentam queixa a Paulo a propósito do que acontecia nas suas assembleias litúrgicas. A primeira parte era dedicada ao pôr em comum os dons pessoais para a refeição de todos e estava a gerar descriminação contínua, pois os ricos faziam grupo à-parte, deixando os empobrecidos abandonados a um canto. Apesar disso, participavam todos na celebração da eucaristia como irmãos, professavam a mesma fé, recitavam as mesmas orações e comungavam o mesmo corpo de Cristo.

terça-feira, 24 de maio de 2016

“Por entre poetas”

Um livro de Domingos Freire Cardoso



Li, serenamente e com prazer, o mais recente livro de poemas (sonetos) de Domingos Freire Cardoso, ilhavense, mais concretamente, como faz questão de sublinhar, chousavelhense, desde que nasceu, já lá vão sete décadas, «dez vezes o sete, por muitos considerado um número mágico». Assim se lê em “A origem deste livro”, no qual esclarece que este conjunto de 70 sonetos se destina a assinalar o seu 70.º aniversário. Contudo, o autor acrescenta, como muito importante, que este livro é, acima de tudo, «uma pequena homenagem aos poetas glosados cujos versos serviram de inspiração» ao seu trabalho.
O “Prefácio” de Maria Eli de Queiroz, escritora, jornalista e Mestra em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, enriquece o trabalho do autor de “Por entre poetas”. Reconhece o talento de Domingos Cardoso «como expoente na literatura portuguesa trovadoresca contemporânea, afirmando ainda que, por isso, não constitui para si tarefa difícil prefaciar o terceiro livro do autor.
«As poesias de Domingos Cardoso surpreendem pela brilhante imaginativa», afirma a prefaciadora, acrescentando que «o sonetista demonstra a capacidade de operar a fusão literária com vários parceiros que o inspiraram a compor novas estrofes, valendo-se de um processo artístico pouco usual nos meios culturais».
Maria Eli de Queiroz recomenda aos leitores que «o poeta foi capaz de valorizar ideias de novidade, de originalidade, embora obedecendo a regras impostas pelo entrelaçar de signos poéticos já existentes».
Tal como refere, importa não tardar a nossa surpresa, deixando «que a leitura do livro fale melhor sobre a obra, fale melhor pelo autor, fale melhor pela tradição de sonetar». E citando Cecília Meirelles finaliza assim o “Prefácio”:

«Um poeta é sempre irmão do vento e da água: 
deixa seu ritmo por onde passa.»

Para além do que foi dito e transcrito, permitam-me mais algumas, poucas, considerações, porque gosto de ler Domingos Cardoso, como aprecio o seu labor em prol das artes de escrever, animando e ajudando, quantas vezes, autores e editores. E fá-lo com gosto, tanto quanto sinto e pressinto.
O seu livro, que li de fio a pavio, registando a facilidade de inspiração e domínio da escrita do verso, que nasce dele espontaneamente, merece mesmo ser meditado. Com uma nota curiosa: os seus sonetos remetem-nos para outros tantos poetas, que apetece ler ou reler. Não os cito porque são muitos. E as ilustrações, a preto e branco, são um belo e oportuno complemento dos sonetos do Domingos Cardoso.



E o talvez e o depois e o nunca mais
Vieira da Silva 
in “Marginal (Poemas breves e cantigas), 
p. 33

E o talvez e o depois e o nunca mais
Vieram adensar os meus porquês
Dessa dúvida mórbida que fez
Não zarpar nunca o meu barco do cais.

Com receios do vento e temporais
E faltando no lastro a intrepidez
Prisioneiro da própria pequenez
Nunca teve o governo de um arrais.

Ficaram por fazer as travessias
Desde as áfricas às oceanias
Da água em turbilhão ou chão de prata.

Fantasma cadavérico no porto
Ninho da rataria é um nado-morto
À espera da mortalha da sucata…

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Vista Alegre em festa


Clicar na imagem para ampliar

O amor


Eu gosto do amor e gosto de amar. E também gosto de ser amado. O amor é uma expressão do sublime. Não o canto porque estou longe de ser poeta. Mas não se julgue que o amor é só o que está a pensar. Há muito que amar e muitas formas de amar. Há imensa gente a amar e outra tanta à espera de ser amada. Há amor para todos os gostos e a falta dele causa desgostos. Há amor conjugal, filial, paternal, maternal, e por aí fora, até ao fim do mundo. Há amor entre jovens e entre velhos. Entre homens e mulheres e até pelos animais. Pelos pobres e pelos infelizes, pelos felizes e pelos que procuram a felicidade. Há o amor a Deus e o amor de Deus. Mas este é do tamanho do Universo. 
Um dia destes passei pelo Centro Cultural da Gafanha da Nazaré e trouxe comigo esta marca indelével de quem ama. Se calhar até está a sofrer por amor. Não sei  quem escreveu “Amo-te”. Será rapaz ou rapariga, homem ou mulher? Será correspondido ou não? Talvez este gesto corresponda a um desabafo. Pode ser uma atitude de esperança. Ou um grito de mágoa?

Padre Américo, fundador da Obra da Rua

Nos 60 anos da sua morte 


No próximo dia 30 maio, pelas 18h30, no Auditório Mestre Hélder Castanheira [Universidade de Aveiro], por ocasião dos 60 ANOS DA MORTE DO PADRE AMÉRICO, FUNDADOR DA OBRA DA RUA, terá lugar a apresentação de dois livros, a saber:

PADRE AMÉRICO, Frei Junípero no Lume Novo
RAÍZES DO TEMPO, À Volta de Padre Américo

As obras, da autoria de Henrique Manuel Pereira, serão apresentadas por:
Pe. Manuel Mendes [Diretor da Casa do Gaiato de Miranda do Corvo]
Prof. Doutor Belmiro Fernandes Pereira [Faculdade de Letras da Universidade do Porto]

domingo, 22 de maio de 2016

Primeiros Diáconos Permanentes da Diocese de Aveiro

22 de maio de 1988
Da esquerda para a direita: Carlos Merendeiro, Fernando Reis,
João Casal, Afonso Henrique, D. Manuel, Augusto Semedo,
Sousa e Silva (não foi ordenado), Joaquim Simões, Fernando Martins
 e Daniel Rodrigues. Falta o Luís Pelicano.
Lita, Luís Pelicano, Afonso Henrique e Joaquim Simões

Fernando Reis e esposa Margarida
Padre Georgino,  nosso mestre de jornada
D. António Marcelino
Os primeiros diáconos permanentes da Diocese de Aveiro foram ordenados no dia 22 de maio de 1988 pelo nosso bispo, D. António Marcelino, estando presente como convidado especial D. Manuel de Almeida Trindade, Bispo Emérito de Aveiro. Completam-se hoje, precisamente, 28 anos. Desse primeiro grupo fazia parte eu próprio com a noção da responsabilidade plena da entrega ao serviço da Igreja, como Ministro Ordenado, para o serviço que o meu bispo entendesse por bem nomear-me. 
O grupo não era grande, mas percebi em todos a certeza de que se encontravam preparados para servir e não para serem servidos, máxima que continua a inspirar-nos. 
Para memória futura, permitam-me que refira os que assumiram a ordenação. São eles:

Afonso Henrique Campos de Oliveira, de Recardães
Augusto Manuel Gomes Semedo, de Águeda
Carlos Merendeiro da Rocha, da Gafanha da Nazaré
Daniel Rodrigues, da Glória
Fernando Reis Duarte de Almeida, de Óis da Ribeira
João Afonso Casal, da Glória
José Joaquim Pedroso Simões, da Gafanha da Nazaré
Luís Gonçalves Nunes Pelicano, da Palhaça
Manuel Fernando da Rocha Martins, da Gafanha da Nazaré

Destes nove, três já se encontram junto do Pai, decerto com outras tarefas ou no merecido descanso. São eles o Carlos Merendeiro da Rocha, o Daniel Rodrigues e o João Casal. O Carlos com a paixão pela catequese, o Daniel com o entusiasmo pela defesa de causas na comunicação social, em especial na área da Pastoral dos Ciganos, e o João Casal com o gosto enorme pela implantação de Grupos Cáritas nas paróquias. Foram para mim, e com certeza para muitos, exemplos de vida pelo testemunho de fé nas comunidades em que trabalharam com um dinamismo  que eu de perto bem conheci.
Aos restantes, que eu saúdo com muita amizade e a quem endosso votos de saúde, otimismo, paz, sentido de partilha e amor à Boa Nova de Jesus Cristo, na certeza de um mundo novo, quero prometer que rezarei por todos. 

Augusto Semedo 
Permitam-me uma palavra especial ao meu querido amigo Augusto Semedo, em recuperação pelo AVC que o atacou. Quero testemunhar-lhe a minha gratidão pela sua vida que ajudou a cimentar a minha fé. Em hora dolorosa para mim, deixou tudo para me acompanhar ao Hospital onde fui socorrido no momento exato de um enfarte. O Semedo foi e é um cristão de fé sem barreiras junto dos feridos da vida, integrado na Sociedade de São Vicente de Paulo e não só. Pela oração, pela exemplo, pela cultura, pela pastoral e pela ação sem alardes um muito obrigado, meu caro Semedo. 

Fernando Martins

Para saber mais sobre o Diaconado Permanente na Diocese de Aveiro clicar  aqui 

Figuras de santidade

Crónica de Frei Bento Domingues 

Padre Américo

Agustina escreve o hino mais belo sobre a condição humana, 
que deveria figurar em todas as escolas do mundo

1. A incerteza, sublinhada pelo Papa Francisco, acerca da sua vinda a Fátima, em 2017 - “Um momento, ainda não disse que vou, mas que gostaria de ir…” - não ajuda o apetecido desenvolvimento comercial da preparação de um evento marcante nos anais do Santuário mais rico do país. O investimento exige um quadro estável para os negócios. Fátima, com 55 hotéis disponíveis, não deixará os seus peregrinos sentir o que eram as agruras e privações de há cem anos!
O bispo de Leiria-Fátima está, no entanto, absolutamente convencido que o argentino virá, a menos que problemas com a saúde o impeçam [1].
Nesta vinda ainda não se fala de um programa para pôr a Igreja portuguesa a mexer, acusada, em alguns sectores, de estar muito parada e só reagir quando vê os seus interesses corporativos ameaçados. Como, porém, dispomos da imagem de Nossa Senhora a viajar pelo país e pelo mundo, compreende-se que os católicos lusitanos, no geral, não sofram de ansiedade com as propostas da nova evangelização. Esperam que a “debandada da juventude” se cure com a idade.
Oiro sobre azul seria que a presumível visita papal coincidisse com a canonização dos pastorinhos e a beatificação da Irmã Lúcia, embora haja outros casos bem colocados na fila de espera.

sábado, 21 de maio de 2016

Faleceu o António Gandarinho

O Gandarinho já repousa 
no coração maternal de Deus


A triste notícia do falecimento do António Gandarinho apanhou-me de surpresa esta tarde. Todas as mortes de familiares e amigos próximos, como é o caso, deixam-nos perplexos, não obstante sabermos que somos finitos e apesar da fé nos garantir que depois da vida terrena ingressamos no seio maternal de Deus. 
A amizade que me unia ao António Gandarinho vem desde a juventude, quando convivemos na JOC (Juventude Operária Católica), onde ele exerceu, pela ação e pelo exemplo, funções diretivas, testemunhando, no dia a dia, ele no mundo do trabalho e eu no mundo académico, a fé em Jesus Cristo, na esperança da ressurreição em Cristo. Não era dos que falavam muito, mas sabia ouvir, indicar caminhos de bem, propor soluções de justiça, de verdade e de vida alicerçada na sua qualidade de batizado e de militante cristão, pugnando pela justiça social em favor de todos os trabalhadores e de todos os homens de boa vontade.
Sempre vi o António Gandarinho como um servidor da Igreja, dando o exemplo de simplicidade e disponibilidade, atento aos mais sofredores, orante, generoso, solidário e amigo de toda a gente. E como dirigente da Ação Católica inquietava-se quando algum jocista faltava às reuniões. Era preciso que todos vivessem, no mundo do trabalho, e não só, o famoso e ainda atual método do fundador da JOC, Joseph Cardijn, assente no Ver, Julgar e Agir, que levava ao conhecimento dos problemas dos jovens trabalhadores, analisando-os à luz dos princípios cristãos, para depois se atuar em conformidade, tendo em conta a doutrina social da Igreja. A meta fundamental seria a dignificação da juventude operária, numa época em que não havia sindicatos livres e à altura de defenderem, com legitimidade, os seus interesses e valores. 
Depois de casado, o seu dinamismo de cristão não diminuiu, integrando-se ou colaborando com associações, irmandades e instituições da paróquia. Passou para a LOC (Liga Operária Católica), foi Ministro Extraordinário da Comunhão mais de 30 anos, membro da antiga Comissão Fabriqueira e do Grupo Bíblico, defendendo que, «sem conhecimento da Palavra de Deus, os católicos não podem dar grande fruto, através do testemunho» — confidenciou-me numa entrevista que um dia me concedeu.
Recordo já com saudade o António Gandarinho, e nesta hora, dolorosa em especial para a família, apresento os meus pêsames com as minhas orações pela sua alma à esposa, Evangelina Filipe Teixeira, e aos filhos, Maria da Nazaré, Paulo Manuel, Dorinda Maria, Marco António e Carla Patrícia, bem como aos restantes familiares e aos muitos amigos. 

Fernando Martins

NOTA: O funeral realiza-se na igreja matriz da Gafanha da Nazaré na próxima segunda-feira, 23 de maio, pelas 15h30. A missa de 7.º dia terá lugar na próxima sexta-feira pelas 19h00 e será presidida pelo nosso bispo, D. António Moiteiro.

Bruce Springsteen é um «profeta bíblico»

O concerto do "Boss" narrado por José Tolentino Mendonça


«A noite pertence a Bruce Springsteen. E o concerto desta quinta-feira pode bem ser contado como essa poderosa revelação»: é com estas palavras cheias de acordes que José Tolentino Mendonça descreve o concerto do cantor e compositor norte-americano que atuou em Lisboa, no primeiro dia do festival "Rock in Rio".
Em texto publicado hoje na página do jornal Expresso, o padre e poeta escreve que «por duas horas e três quartos, unindo canções quase sem pausas, ao jeito do fumador que acende compulsivamente os cigarros uns nos outros, e está ali ocupado unicamente com a sua obsessão, Bruce foi ele próprio» para as 67 mil pessoas que, segundo a organização, assistiram ao concerto.
«Ouvíamo-lo apenas a arrancar para os músicos o sinal "um, dois, três" e a deixar-se ir: a guitarra, a harmónica, a garganta recôndita e o resto, claro. Os braços levantados, os saltos, as palmas, a noite transformada em paisagem sonora, o microfone partilhado com o público, o avanço pela plataforma para ser tocado por um mar de mãos, para propagar-se também fisicamente, mostrando que não podia estar nem mais entregue, nem mais próximo», refere o vice-reitor da Universidade Católica.
Para Tolentino Mendonça, Bruce Springsteen «é um cowboy do asfalto. Um profeta bíblico. Um aborígene que vem até nós descendo o rio na sua jangada. Um sonhador insone. Um soldado cheio de ferimentos, a maior parte deles incuráveis, dos combates do amor. Um vigia da alegria e dos seus abismos. Um narrador para a solidão dos homens e para a invencível esperança. Ele é tudo isso. E também uma central alquímica de altíssima voltagem, uma rebentação de vida que não resigna, um incrível fenómeno estelar em expansão».

Ler mais aqui 

Também o jornal do Vaticano se refere Bruce Springsteen. Ver aqui 

Uma sociedade ameaçada

Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias



1 A actual sociedade europeia de que fazemos parte tem, na expressão do filósofo E. Husserl, uma nova "forma de vida", isto é, um horizonte novo de vivência, sentido e autocompreensão, a partir de três princípios fundamentais.
Trata-se de uma sociedade à qual foi possibilitado imenso bem-estar, derivando daí novas possibilidades de auto-realização e também um feroz individualismo, que apenas reivindica direitos ignorando deveres.
Por outro lado, as novas tecnologias têm um impacto decisivo nas sociedades, e não só no plano socioeconómico: mudam as mentalidades. Por exemplo, estar ligado à rede, navegando, afecta a vivência de si e do mundo. A concepção de espaço é outra, muda sobretudo a vivência do tempo. Tudo é rápido, vertiginoso. Tem-se a sensação de estar ao mesmo tempo em toda a parte, mas num tempo fragmentado, que não faz tecido. No bombardeamento simultâneo de notícias e opiniões - toda a gente se pronuncia sobre tudo, sem hesitações nem perplexidades -, o que acontece é a dispersão labiríntica, que dificulta a construção de uma identidade narrativa consistente. Paradoxalmente, a ligação global produz solidões penosas. Há um sentimento de quase omnipotência, seguindo-se daí que tudo o que é tecnicamente possível se deve realizar, sem perguntas de outro foro, ético, humanista. A satisfação imediata e o facilitismo são outras características de uma sociedade líquida e mole, cujo deus é o dinheiro.
Desta forma de vida faz parte ainda a crítica religiosa, no sentido de um laicismo agressivo.

REJUBILA! A SANTÍSSIMA TRINDADE VIVE EM TI

Reflexão de Georgino Rocha


“Então, Deus vive em mim. Que maravilha! – exclama a bondosa senhora após a conversa com o seu pároco a propósito de uns problemas de consciência. “Vive em mim, faz-me companhia, anima-me quando estou esmorecida, abre-me aos outros e tantas outras coisas lindas e boas. Que felicidade!”
As suas exclamações são muitas mais. O encanto da descoberta manifesta a novidade surpreendente de quem se dá conta desta realidade da fé cristã. Deus faz-nos seus templos. Escolhe-nos para sua morada (Jo 14, 23). Vive ao nosso ritmo. Humaniza-se e assume a nossa fragilidade. Relaciona-se connosco a partir de dentro. Enobrece a consciência, ilumina a inteligência, mobiliza a vontade para causas nobres e quer ajudar a equilibrar os afectos. Dá sinais claros de ser um Deus comunhão, único e uno, na trindade de pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. A Santíssima Trindade que, hoje, celebramos festivamente.

Uma semana com mais cor


Não há nada melhor do que começar o fim de semana com a natureza florida. Cor é alegria, saúde, otimismo, paz de espírito, tranquilidade física e tudo o mais que pudermos imaginar. Estas flores, que não sei identificar, nasceram e cresceram nas margens da ria. Batidas pela maresia, nem assim esmoreceram, continuando a crescer rumo ao céu. Não foi preciso preparar o terreno, nem cavá-lo, nem estrumá-lo, muito menos sachá-lo, tão-pouco adubá-lo. E as flores, saudáveis, luminosas, desafiantes, dão-nos lições de que, quando há vontade e coragem, tudo é possível.
Bom fim de semana para todos.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

GDG — Atletismo

Inauguração da Pista de Atletismo
Para não cair no esquecimento


“Queremos chegar à I Liga dentro de cinco anos”

Grupo Desportivo da Gafanha 
quer chegar mais longe e mais alto

João Paulo Ramos, presidente do GDG
«Empenho, compromisso e sentido de responsabilidade são palavras que o empresário João Paulo Ramos tem na ponta na língua. “Quem estiver comigo para trabalhar, muito bem. Quem não estiver ou não quiser arregaçar as mangas, siga caminho. E quem não me conhece, passa a conhecer”. Eis o cartão-de-visita do novo presidente do Grupo Desportivo da Gafanha (GDG), confirmando-se a sua eleição esta noite (21.30 horas), encabeçando a única lista conhecida a sufrágio.
As ideias do futuro presidente fervilham. “Queremos colocar o Gafanha na I Liga dentro de cinco anos”, afirmou de forma sublinhada. “Parece impossível? Temos de dar um impulso ao clube mais representativo da região, para que a região reconheça o seu mérito e o seu trabalho. Sabe uma coisa? Não vou andar atrás das entidades que devem ajudar o clube, mas sim trabalhar para que elas vejam o que é o GDG. A mentalidade é muito importante e só depois a capacidade financeira. Dou-lhe um exemplo: na época 2017/18, o Gafanha terá o segundo sintético. Escreva isso”.
Um exemplo de como um símbolo pode ser aproveitado para alavancar o plano: está garantido o apoio da ex-atleta olímpica Teresa Machado. A ex-atleta “cedeu direitos de imagem” ao Gafanha para que os possa utilizar nas campanhas das modalidades e mostrar como a região “faz” campeões. Nuno Pedro vai continuar a treinar a equipa principal que garantiu a manutenção no Campeonato de Portugal Prio, mas com funções alargadas: será coordenador de todo o futebol.»

Li no Diário de Aveiro online. Pode ler tudo na edição de papel.

Divórcio entre Igreja e arte contemporânea tem de acabar

«Está na altura de a Igreja
e da arte contemporânea
se reencontrarem»,
afirma Rui Chafes

Rui Chafes
«O escultor Rui Chafes considera que «está na altura de a Igreja e a arte contemporânea se reencontrarem, o que tem de ser feito com o máximo rigor e exigência».
Em entrevista publicada na mais recente edição do Jornal de Letras, o artista, distinguido com a edição de 2015 do Prémio Pessoa, declara o seu interesse pela relação «com o espaço sagrado, com a arquitetura religiosa, com o gótico, o barroco».
«São lugares de acolhimento para a arte contemporânea, que entrou em profundo divórcio com a Igreja do séc. XX. Mas é sempre tempo de retomar uma relação que sempre existiu. E é preciso fazê-lo de uma forma inteligente e pertinente», salienta.
A entrevista de duas páginas centra-se na exposição "Ascensão", que Rui Chafes concebeu para a igreja de S. Cristóvão, em Lisboa, integrada no projeto em quatro etapas "Não te faltará a distância", com curadoria de Paulo Pires do Vale.»
 
Ler mais aqui

Visita ao Porto Canal

Crónica de Maria Donzília Almeida

Estação Porto Canal

Prof. João Silva
Contemplando Valquiria

Relvado

Bancadas
Pessoas que têm medo de pensar (fronemofobia),
ligam a televisão, para desligar o cérebro!
Steve Jobs

Fazendo jus ao slogan “Por um envelhecimento ativo”, que tem o seu expoente máximo no Prof João Silva, pela dinâmica que imprime às suas aulas e pela energia que dele emana, partimos para mais uma Visita de Estudo, organizada por ele.
Mais uma vez, o destino foi a Cidade Invicta.
É sempre bom revisitar lugares e gentes, onde deixamos um pouco de nós, e trouxemos um pouco, das pessoas que conhecemos e das experiências que vivemos. Devo confessar, sem desprimor para ninguém, que tive alunos brilhantes na Invicta. E os pais? Alguns mereciam um cantinho no Quadro de Honra e Excelência. O Aslam Sadrudrine Jamal, o menino persa, ocupa esse lugar, na minha memória…
Começamos por visitar o Porto Canal, um canal de televisão português dedicado a todo o território nacional, com uma programação diversificada em diversas áreas: informação, desporto e entretenimento. De facto, embora detenha conteúdos relativos ao FC Porto, é um canal generalista, que trata temas de todas as áreas, abrangendo todas as matérias. Estas são transmitidas, ao público, através de uma programação de qualidade, sendo a única estação televisiva com praticamente 100% de produção portuguesa própria.

destaque

NATUREZA NA MINHA TEBAIDA

Gosto da natureza… Quem não gosta?! Gosto tanto, que nem prescindo dela. E se possível, ou quando possível, instalo-a ao pé de mim, para...