segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Torreira: Xávega em hora de descanso


Garantiram-me, na Torreira, no domingo, que estávamos em época de muito e excelente peixe. Tempo de fartura e de muito trabalho. O pior estaria na procura, que leva os preços a cair. Bom para quem compra e mau para quem vende. Não sei se estes desequilíbrios ou balanços de sobe (pesca) e desce (preço) serão bons ou maus sinais. No meio, como diz o povo, estará a virtude. 
Contudo… Boas pescarias para os pescadores da Torreira e não só.

Festa de aniversário da Filarmónica Gafanhense

Uma sociedade é tanto mais rica 
quanto mais instituições vivas tiver

A banda já com  novo maestro e novo fardamento

Maestro: A Filarmónica Gafanhense vai ser minha bandeira

Paulo Miranda: Temos uma banda que nos orgulha

Paulo Costa: Temos de ser capazes de dar mais confiança aos mais jovens
Fernando Caçoilo: A Casa da Músico vai oferecer melhores condições de trabalho.
Carlos Rocha: Com tanta gente nova, a banda  tem o futuro assegurado


Padre César valorizou a importância das parcerias

«Uma sociedade é tanto mais rica quanto mais instituições vivas tiver» — frisou Fernando Caçoilo, Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, durante uma cerimónia inserida no concerto musical que se realizou no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, domingo, 23 de outubro, pelas 16 horas, integrado nas celebrações do 180.º aniversário da Filarmónica Gafanhense. 
A Filarmónica Gafanhense, também conhecida por Música Velha de Ílhavo, celebrou o seu aniversário sob o signo da cultura musical entre nós. Romagem ao cemitério, em homenagem a dirigentes, sócios, músicos, professores e maestros da associação falecidos; Eucaristia de Ação de Graças e em sufrágios das almas dos que já nos deixaram fisicamente, na igreja matriz; concerto no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré e, ainda, jantar-convívio no Stella Maris, que reuniu 280 pessoas, sendo a cozinha e serviço das mesas assegurados por mães de alunos, esposas de músicos, diretores e amigos. 
No concerto, Paulo Miranda, presidente da Música Velha de Ílhavo, anunciou a apresentação do novo maestro, Henrique Portovedo, e a aquisição de um novo fardamento, a fim de «melhorar a imagem da banda nas suas diversas apresentações, na região e pelo país», tendo em conta que o agora substituído já tinha 16 anos de uso. O novo fardamento foi apresentado na segunda parte do concerto, com entrada dos executantes muito aplaudida. Os diversos números do concerto mereceram fortes aplausos de um anfiteatro cheio. 
Paulo Miranda destacou que a escola de música, «que tanto nos orgulha», é reconhecida por pais, encarregados de educação e comunidade da Gafanha da Nazaré como uma mais-valia «para o enriquecimento musical de todas as crianças», contando, nesta data, com 43 alunos, distribuídos pelos vários instrumentos de sopro, percussão e piano. Anunciou o início de um processo de fusão das duas coletividades dedicadas às artes musicais, nomeadamente, a Escola de Música Gafanhense e a Filarmónica Gafanhense, que já partilham recursos humanos e instrumentais.
Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), referiu que os 180 anos da banda, «uma instituição que fez o seu trajeto», justificam a festa que se estava a viver, louvando o trabalho que todos os dirigentes, maestros, professores e músicos desenvolveram ao longo de todo este tempo. Felicitou os que criaram e conseguiram manter uma banda com qualidade, salientando que, presentemente, com novo maestro, novo fardamento e Casa Nova, muito em breve, haverá melhores condições para formação, ensaios e festas da associação. Disse que a Casa da Música vai ser partilhada também pelo Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, com espaços independentes.
O pároco da Gafanha da Nazaré, padre César Fernandes, manifestou a sua satisfação por confirmar, mais uma vez, que «a banda tem muita juventude: crianças, pré-adolescente, adolescentes e jovens, entre músicos adultos», referindo que este «é um modo correto de encarar o futuro».
O padre César ficou agradado com a notícia de que o saudoso padre Miguel Lencastre, antigo pároco da nossa terra, nunca regateou o apoio à banda. «Foi algo que me surpreendeu, pela importância destas parcerias», disse. E acrescentou: «fica aqui o meu apoio e a parceria muito próxima com a nossa banda.» Ainda frisou o contributo da Diocese de Aveiro que cedeu o Stella Maris para a Filarmónica ter casa enquanto não se abrissem as portas da Casa da Música. 
Carlos Rocha, presidente da Junta de Freguesia, afirmou, ao referir-se, naturalmente, à instituição em festa, que, «quem olha para uma estrutura destas, com tanta gente nova, tem o futuro assegurado». «A Junta de Freguesia não poderá ficar indiferente a esta manifestação extraordinária de trabalho», sublinhou. Aplaudiu a aquisição do fardamento novo, «concretização de um sonho», enquanto formulou votos de que «outros sonhos possam surgir». 
Paulo Costa, vereador da cultura da CMI, apontou, com oportunidade, a necessidade de no seio da banda nascer uma orquestra de jazz, de que o município está carente. E adiantou que a nossa juventude exige que todos «sejamos capazes de dar mais confiança aos mais jovens». E o maestro, Henrique Portovedo, depois de agradecer a forma como foi acolhido, prometeu que estaria atento ao pedido do vereador Paulo Costa. E concluiu: «A partir de hoje, a bandeira da Filarmónica será a bandeira que irei defender».

Fernando Martins

domingo, 30 de outubro de 2016

Andanças com ria à vista - 3


Não é uma ilha no meio da laguna aveirense, mas parece. Ao longe, muito ao longe, a silhueta da serra e pelo caminho, ainda à beira da água, aldeias que indicam vida. Hoje foi assim, entre a Torreira e S. Jacinto, com passagem de ferryboat no regresso a casa. Soube muito bem este passeio de um dia apenas. Mas há mais fotos e registos para partilhar.

A Igreja e a Política: que Igreja e que política? (2)

Crónica de Frei Bento Domingues 

1. Continuando, como prometemos, na temática do Domingo passado, lembro o que escreveu José M. Mardones [1]: depois das revoluções norte-americana e francesa, do século XVIII, marcos da modernidade, a religião abandonou o campo da política. Tinha deixado de ser necessária para legitimar o que podia ser perfeitamente legitimado pela razão humana. Ergueu-se, então, um muro entre Igreja e Estado, muito fino na América e uma separação abrupta e violenta na Europa. A partir daí, os crentes sentiram muitas vezes a tentação, não de trabalhar no âmbito da política, mas de politizar a religião e de religiosizar a política.
Emilio Garcia Estébanez estudou, de forma crítica, o percurso ocidental, desde Platão até aos nossos dias - passando por Aristóteles, os Estoicos, Sto. Agostinho, S. Tomás e Maquiavel, etc. - das relações entre ética e política [2]. Procurou esclarecer a ambiguidade da noção de bem-comum, muito celebrada na Igreja Católica.

Todos os santos e fiéis defuntos

Reflexão de Georgino Rocha
  
FELIZES OS MISERICORDIOSOS



Jesus inaugura a sua missão pública com o manifesto da felicidade proclamado com a maior solenidade: Sobe à montanha, rodeia-se dos discípulos, tendo a multidão ao alcance da sua vista. Fala com autoridade, semelhante à de Moisés. Mateus e Lucas retratam a cena e emolduram-na com vários elementos de grandiosidade.
O discurso inaugural condensa-se nas bem-aventuranças de quem aceita e vive esta mensagem. E Jesus vai enumerando situações concretas de felicidade: ter um coração aberto e disponível, de pobre, como Maria de Nazaré a quem a prima Isabel saúda dizendo: “Feliz és tu porque acreditaste”; aceitar a verdade do seu ser, a humildade, sem falsas aparências, como Zaqueu que acolheu Jesus em casa e repartiu os bens; chorar lágrimas de dor e de arrependimento como a pecadora pública que reconheceu Jesus em casa do fariseu e o distinguiu com o perfume do amor; ter fome da justiça que faz brilhar a dignidade humana, como a viúva teimosa que não deixou em paz o juiz iníquo, enquanto não foi atendida; ser misericordioso, como Deus Pai de Quem Jesus é rosto qualificado e filho muito querido.

sábado, 29 de outubro de 2016

Políticos capazes de mentir


«Há mais uma polémica com licenciaturas falsas a assombrar o governo. Desta feita, o protagonista é Nuno Félix, chefe de gabinete do secretário de Estado da Juventude e Desporto que se demitiu do cargo depois da divulgação de que terá declarado duas licenciaturas que afinal não concluiu.»

Li aqui  e aqui

NOTA: Como é possível que políticos e outros tenham a desfaçatez de mentir, sabendo que, mais tarde ou mais cedo,  acabarão por ser descobertos? Que gente é esta que vai para cargos de responsabilidade governamental sob a capa de licenciaturas que não possui? Não seria mais correto, mais decente e mais transparente assumir o que é  e como é? Ou será que, neste país de doutores, não há gente, políticos ou outros, capaz de desempenhar tarefas de responsabilidade, sem o Dr. antes do nome? 


O sol destes dias...


O sol destes dias, aconchegante e luminoso, embora com prenúncio de alguma chuvada, trouxe-me à lembrança os dias bonitos que lavam a alma e despertam sorrisos. Vi isso mesmo nesta foto em que a Lita sorri para a vida no Jardim Oudinot.
Bom fim de semana para todos

As últimas palavras de gente ilustre

Crónica de Anselmo Borges 
Tenho muitas vezes um sonho: que a todos, antes do instante supremo da morte, fosse dada a possibilidade de responderem a estas perguntas ou parecidas: "O que é que eu vi da vida? Que digo sobre o mistério de ser, de existir?" Isto resultaria na grande biblioteca da humanidade.
Philippe Nassif publicou Ultimes, resultado da sua investigação sobre as últimas palavras de gente ilustre, antes de morrer, que fez acompanhar de um comentário. O que aí fica, em vésperas do Dia dos Defuntos, é uma selecção.

1. Anton Tchékhov. "Há muito que não bebia champanhe." Médico e escritor russo, comprometido com o alívio do sofrimento e o amor do próximo. Tuberculoso, manda chamar um médico e pede-lhe... champanhe. "Ich sterbe" (estou a morrer). Vira-se para a mulher, pronuncia as suas últimas palavras e esvazia tranquilamente a taça.

2. Luís XIV. "Porque é que chorais? Pensáveis que eu era imortal?" Impressiona que, já no fim, o Rei Sol lembre a sua condição mortal.

3. Johann Sebastian Bach. "Vou finalmente ouvir a verdadeira música." A sua música não fora afinal senão aproximações das harmonias divinas. "O paraíso é música."

4. Marcel Proust. "Agora posso morrer." Reencontrou o Tempo. "Não o dos relógios, mas o tempo verdadeiro, no qual passado, presente, futuro fazem um só e assim nos libertam."

5. Sarah Bernhardt. "Ama." Talvez a maior actriz do seu tempo, antes de entrar em coma, coloca docemente a mão na cabeça de um jovem comediante, a quem deixa a suprema recomendação: "A vida não vale a pena ser vivida a não ser que se saiba desposar, amorosamente, tudo o que acontece."

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Em casa, recebe Jesus com alegria

Reflexão de Georgino Rocha


Jesus vive a paixão intensa de dar visibilidade ao rosto de Deus Pai. Recorre aos meios facilitadores indispensáveis: atitudes de proximidade e encontro com as pessoas, sobretudo excluídas da sociedade e da religião oficial, estilos de comunicação como as parábolas, as sentenças e os discursos, as caminhadas por cidades e aldeias, o “rebuliço” da multidão, o convívio de amigos, a visita a famílias. Esta paixão sobrepõe-se a tudo: ao descanso, ao alimento, às apreciações críticas, aos protestos públicos. Mostra-nos assim a força do desejo, a determinação da vontade, a persistência na decisão. Mostra-nos o projecto de que está incumbido e nos deixa como legado de missão a realizar, aqui e agora, ao longo da história. 

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O Homem e o seu Sonho


"O HOMEM é do tamanho do seu SONHO"

Fernando Pessoa

Num bloco de notas oferecido pela Visão

Sonhar é preciso, com os meus votos de excelente fim de semana, que começa amanhã, sexta-feira, à noitinha.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Andanças com ria à vista - 2

Gafanha de Aquém
Gafanha de Aquém com igreja de São Salvador à vista
Engenho e arte do homem lagunar
Engenho e arte com terra à vista
A laguna espelha o céu
Quem nasce entre ria e mar, jamais deixará que lhe arranquem da alma este gosto que dá vigor para viver. Mar e ria, ondas e marés, bordas e praias que se inclinam e nos convidam a olhar as águas mansas onde se espelha o céu, estão no ADN do homem da ria e do oceano. 
Nas minhas andanças com laguna à vista, há sempre motivos a registar e pormenores que sobressaem nos quotidianos que vivemos. E mesmo quando as águas do mar e da ria se tornam encapeladas, com ondas e correntes impetuosas e destruidoras, nem assim ficaremos revoltados porque a bonança não tardará.
Hoje, mais uma vez, a juntar a imensas vezes, a laguna convidou-me a olhar enternecido para ela, levando-me a sonhar numa viagem de ponta a ponta, entre a entrada da barra e o Furadouro, com passagem pelos inúmeros canais, na esperança de que a maresia me estimule vivências mais serenas e mais partilhadas.

domingo, 23 de outubro de 2016

A Igreja e a Política: que Igreja e que política? (1)

Crónica de Bento Domingues 
no PÚBLICO de hoje


1. A Igreja Católica está em alta! Foi a exclamação de um amigo ao mostrar-me, numa rua do Porto, a primeira página do jornal, Le Monde. No Vaticano, está o Papa Francisco, António Guterres no topo das Nações Unidas e o episcopado francês surge, na praça pública, com um grito de alarme para que os responsáveis da direita e da esquerda reencontrem o verdadeiro sentido da política. A laicidade do Estado é um quadro jurídico que deve permitir a todos - crentes de todas as religiões e não-crentes - viverem juntos, com as suas diferenças.
Não deitei água fria naquela euforia. Ele tinha vivido, desolado, o inverno da Igreja desde os anos 80 do séc. XX e com melancolia a mediocridade das lideranças do catolicismo português. Fomos conversar.
É um facto que o Papa Francisco é uma figura mundialmente respeitada. Não apenas pelo seu empenhamento na reforma da Igreja, mas sobretudo porque esse esforço não se destina a fixar-se em questões da instituição ou baixar os braços dos adversários e acusadores.

sábado, 22 de outubro de 2016

Utopias, distopias, retrotopia

Crónica de Anselmo Borges 




Coube-me a honra de um convite para participar no magno evento cultural Folio, na bela Óbidos, com uma fala sobre utopias e distopias, a que acrescentei retrotopia, pelas razões que direi.


1. Foi Thomas More que cunhou o termo utopia, com a publicação, há 500 anos, de A Utopia, cujo título em latim é mais longo: De Optimo Reipublicae Statu Deque Nova Insula Utopia (sobre o melhor estado de uma República e sobre a nova ilha da Utopia). Ele sabia do que falava, concretamente do poder, pois foi chanceler. A Igreja canonizou-o em 1935. A Utopia é uma ilha imaginada lá longe no oceano (utopia tem o seu étimo no grego: ou, que se lê u, que significa não) e tópos, com o significado de lugar. Portanto, Utopia é um não lugar; de qualquer forma, um ideal que indica o caminho.
A utopia supõe a distopia (também do grego: dys, que significa mau, duro: portanto, um mau lugar, o oposto a utopia). Assim, na primeira parte, More critica os males que atravessavam a sociedade inglesa, do despotismo e venalidade dos cargos públicos à sede de luxo por parte dos privilegiados e à injustiça e opressão que provocam. Na segunda parte, descreve uma sociedade ideal, que imaginariamente já se encontra realizada na ilha da Utopia. Neste sentido, embora haja vários tipos de utopias, a utopia nasce como eutopia (mais uma vez, do grego: eu- bom, feliz, e tópos, um lugar bom e felicitante, como na palavra Evangelho: eu+angelion, notícia boa, feliz, felicitante).

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Gafanha da Nazaré — Movimento Apostólico de Schoenstatt

Registos da visita de hoje
 
Um símbolo de acolhimento com a âncora da nossa terra

O Santuário abraçado por árvores, arbustos e flores

Casa José Engling  sempre  florida

As pedras vivas neste arranjo decorativo

Uma explicação oportuna

As flores sempre presentes

Jovem entra no Santuário
Como faço periodicamente, passei hoje com a Lita pelo Santuário de Schoenstatt. Sentimos que ali se respira um ambiente acolhedor, marcado pelo silêncio e pelo culto da natureza. Arvoredo com bons anos, mas com zonas de reflorestação, denotando que alguém sabe que os espaços que nos envolvem precisam de atenção e cuidados. Pouca gente, que a hora era de trabalho para quem trabalha. Mesmo assim, registámos que era constante a passagem de pessoas. Chegavam, olhavam à volta como que a reconfirmar que Schoenstatt se caracteriza por ser um recanto “onde é bom estar”. Entravam... pelo tempo de estada, simplesmente para uma curta e  porventura habitual oração ou meditação, e partiam, a pé, de carro ou de bicicleta.
Esta passagem arrancou do meu subconsciente vidas ligadas a Schoenstatt, umas ainda entre nós e outras que já partiram para o Pai, como a Dona Maria da Luz Rocha, mas também trabalhos e canseiras dados a sorrir, coisa própria de quem se dá por amor. 
Sou do tempo da mata da Gafanha quase sem nada de importante no meio dos pinheiros, que raramente engrossavam, e vi crescer arruamentos para a todos servir, instituições variadas, o casario da Colónia Agrícola e a chegada de Schoenstatt, com muita gente que me habituei a respeitar. 
Hoje valeu a pena ter saído de casa. Aliás, vale sempre a pena sair de casa, nem que seja para um simples passeio.

Algumas datas:

— O Movimento Apostólico de Schoenstatt (MAS) foi fundado em 18 de outubro de 1914, na localidade do mesmo nome, na Alemanha, pelo padre José Kentenich;

— O MAS entrou na Gafanha da Nazaré em 1970, com a vinda do padre Miguel Lencastre para desempenhar as funções de coadjutor, com a concordância do pároco, padre Domingos Rebelo;

— Como é característica fundamental da missão de Schoenstatt, o Movimento necessita de um Santuário, cópia do original, fonte de graças e local de veneração da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt;

— O MAS destina-se a todas as pessoas das várias faixas etárias, de ambos os sexos, mas ainda a sacerdotes regulares e seculares, bem com a Irmãs. Há os Padres de Schoenstatt e as Irmãs de Maria, entre outros consagrados. No fundo, o MAS está aberto a todos os que apostam “num novo homem para uma nova sociedade”

— No dia 22 de maio de 1977, foi inaugurado um nicho;

— Em 25 de março de 1979, foi inaugurada a Casa das Irmãs de Maria e dada a primeira pazada do futuro Santuário em terras da Diocese de Aveiro, por D. Manuel de Almeida Trindade;

— No dia 1 de maio do mesmo, foram iniciadas as obras de construção do Santuário, de que foram impulsionadores a Irmã Custódia, os padres Miguel Lencastre e António Maria Borges e Vasco Lagarto;

— Em 20 de maio de 1979, foi benzida a pedra angular do futuro Santuário;

— A 21 de outubro de 1979, foi inaugurado o "Santuário Tabor Matris Ecclesiae" por D. Manuel de Almeida Trindade; 

— A 21 de setembro de 1993, o Santuário de Schoenstatt é declarado, por D. António Marcelino, Bispo de Aveiro, Santuário Diocesano;

— A Casa José Engling foi sonho nascido em 1980, graças à inspiração do padre Rúbens Severino, então pároco da Gafanha da Nazaré, e da Juventude Masculina de Schoenstatt. Foi inaugurado em 29 de janeiro de 1985.

— No Santuário cultivam-se as graças do acolhimento, da transformação interior e do envio apostólico. A espiritualidade do MAS assenta no vínculo à Aliança de Amor com Nossa Senhora, na ligação ao Santuário por visita assídua e adoração ao Santíssimo Sacramento, e na atenção aos ensinamentos o fundador, Padre José Kentenich.

Fernando Martins

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

MANIFESTO-ME NA ORAÇÃO QUE FAÇO

Reflexão de Georgino Rocha


O  Fariseu e o Publicano (Abadia de Ottobeuren)
O olhar de Jesus centra-se nas atitudes das pessoas e nas formas do seu relacionamento. Adverte em “coisas” que contradizem o projecto de salvação que vem anunciando. Dá conta de que há quem se considere justo e despreze os outros; de quem aproveite a oração no Templo para se exibir e fazer comparações humanas depreciativas; de quem está cheio de si e das suas obras e não deixa espaço para Deus nem para os demais; de quem apenas reconhece a situação em que se encontra proveniente da sua profissão odiada, “pecadora”.
Adverte e quer repor a verdade. Recorre à parábola do fariseu e do publicano que vão ao templo, como era hábito dos judeus, para orar. Cada um leva o que tem no coração, santuário da nossa realidade mais profunda. Cada um faz oração a seu jeito e manifesta-se tal como é.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Andanças com ria à vista - 1

Comecei por aqui, mas não comprei flor de sal. Ficará para a próxima

O reflexo é mais nítido do que o original
Sei pouco de passarada, mas percebi que estas aves posaram para a fotografia
Porto de Pesca Longínqua com poucos navios. Bem visível está o Santa Maria Manuela com os seus quatro mastros
Do outro lado da ria. Do longe se faz perto
De vez em quando é preciso sair de casa, mesmo com dificuldades no andar. Mas vale a pena o sacrifício pelo prazer de manter animada a memória cheia de imagens de tantas décadas de vida. Hoje por aqui, depois ainda à volta da laguna aveirense. A seguir outros recantos, que a região está cheia de desafios. Curiosamente, senti que toda a vida estive muito alheio ao outro lado da ria. Sem barco à mão, ficamos analfabetos, ou quase, em relação a certas margens. Bem ouço que é preciso passar às periferias, mas temo as caminhadas. 

D. João Evangelista ordena inquérito aos acontecimentos de Fátima

1917 — 19 de outubro

«O ilustre aveirense D. João Evangelista de Lima Vidal, então arcebispo de Mitilene e governador do Patriarcado de Lisboa, ordenou que se procedesse a um inquérito sobre os acontecimentos extraordinários de Fátima, iniciando assim o processo canónico das aparições da Virgem Maria às três crianças (João Gonçalves Gaspar, Lima Vidal no seu Tempo, II, pg. 80) – A.»

“Calendário Histórico de Aveiro”
de António Christo e João Gonçalves Gaspar


NOTA: É curioso verificar como não me lembrava desta efeméride em que esteve envolvido D. João Evangelista de Lima Vidal, apesar de ter lido o livro escrito por Mons. João Gaspar. Aquele que veio a ser o primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro afinal também esteve ligado ao processo das aparições de Fátima. 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Não haverá salvação?

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO de domingo



«A devoção que retém as pessoas nas igrejas, nas sacristias, 
está a opor-se a um Jesus em viagem para as periferias sociais e culturais.
 Foi isto que o papa Francisco veio lembrar: só vale uma Igreja de saída!»


1. Por causa do texto do passado domingo, recebi um telefonema longo, tentando mostrar-me que já não existem deuses, homens ou mulheres que nos possam salvar. O mundo está irremediavelmente perdido. Os cristãos são os mais culpados pela enganosa ideia de salvação. Depois da derrota de Jesus de Nazaré, inventaram a fé na impossível ressurreição. Não havendo remédio contra a morte, só ela nos pode livrar do mal de existir.
Depois desta metafísica veio uma sumária lição sobre a responsabilidade europeia no actual desconcerto do mundo. No séc. XIX, a filha da civilização das Luzes cegou-se com o alargamento das suas zonas de dominação. Duas guerras mundiais, de horrorosos extermínios, tornaram a memória do século XX numa vergonha sem nome.
Das ruínas surgiu a ideia de construir uma Europa como nunca tinha existido. Num momento de lucidez, alguns dirigentes de partidos democratas-cristãos e sociais-democratas consentiram em criar as condições para a sua união. Não previram que os sucessores iriam desprezar as boas regras da cooperação e do funcionamento democrático das instituições. Com desníveis económicos tão acentuados e sem o desenvolvimento de uma cultura de diálogo intercultural — a partir da família, da escola e das relações de trabalho — os velhos demónios do nacionalismo populista voltaram a agitar-se.
Os eurocépticos passaram a queixar-se do casamento e a calcular as vantagens e inconvenientes de um divórcio. O outro europeu está a tornar-se um adversário e os acossados pela guerra e pela fome que lhe batem à porta são seleccionados conforme o contributo que possam representar para os seus interesses e necessidades.

sábado, 15 de outubro de 2016

Ílhavo, Terra Milenar — Uma exposição a não perder

Exposição no Centro Cultural de Ílhavo 

“Se no passado se vê o futuro, e no futuro se vê o passado, 
segue-se que no passado e no futuro se vê o presente, 
porque o presente é futuro do passado, 
e o mesmo presente é o passado do futuro.”

Pe. António Vieira


Fernando Caçoilo e Paulo Costa

Fernando Caçoilo e Maria Isabel Ribeiro


Eliana Fidalgo na visita guiada







Com o jogo de palavras simples e sabiamente ordenado pelo Pe. António Vieira, foi inaugurada hoje,  15 de outubro, no Centro Cultural de Ílhavo, pelas 17 horas, a Exposição “Ílhavo, Terra Milenar”. Vai ficar patente até 17 de abril de 2017, sendo certo que durante um ano será, garantidamente, enriquecida, graças ao contributo dos munícipes, mas não só. Aliás, este foi o desafio lançado a todos os presentes pelos autarcas e demais responsáveis da equipa que coordena o projeto — CIEMar-Ílhavo —, que abarca o estudo do passado e do presente, rumo ao futuro.
Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, sublinha que deu luz verde a este projeto na convicção de que a nossa história é importante e merece ser mais conhecida. «Pode haver muito conhecimento, mas se não for partilhado pela comunidade, se ficar guardado na gaveta, não serve absolutamente para nada», disse. Refere ainda, entre outras considerações, que «o passado nos dá força e conhecimento para percebermos o que devemos fazer para o futuro das nossas gerações». 
Paulo Costa, vereador da Cultura e dinamizador deste aliciante trabalho, que considera «ambicioso», frisa a importância de todos conhecermos melhor a nossa história «mais sistematizada». Adianta que nos próximos seis meses serão desenvolvidas diversas iniciativas, de forma regular, nomeadamente, conversas, colóquios e debates, dirigidas a vários públicos. 
Admite que a partir deste trabalho-base haverá trabalhos mais intensos, com investigação mais profunda, estando em preparação uma monografia do município «a várias mãos». Salienta que a história do povo «nunca está escrita» porque precisa constantemente de ser «reescrita». Nessa linha, Paulo Costa está certo de que esta exposição «deverá ser um incentivo para conversar e para discutir», no sentido de «conhecermos o passado para prepararmos o futuro». Garantiu, também, que o projeto “Ílhavo, Terra Milenar” vai chegar às escolas.
Maria Isabel Ribeiro, da equipa do Prof. Saul Gomes, responsável científico desta ação da autarquia, valoriza a presença de representantes das universidades de Coimbra e Aveiro e o trabalho dos investigadores voluntários, afirmando que «a história nunca está acabada». «Este é um trabalho organizado, coordenado e metódico, que se apoia em pesquisas, incluindo a investigação arqueológica».
Garante que o Foral Manuelino de Ílhavo, cujo estudo foi já publicado pela autarquia ilhavense, «foi um momento marcante», e sobre a mostra patente no Centro Cultural lembra que «há trabalhos que não têm a visibilidade de uma exposição». «O conhecimento não pode ficar fechado numa biblioteca; serve se servir aos cidadãos».

Fernando Martins

O vinho na Bíblia

Crónica de Anselmo Borges 



Em tempo de vindimas e vinho novo, 
fica aí uma alusão ao vinho na Bíblia.


1. O vinho é tão importante, com funções tão significativas no convívio social e na vida toda, que os antigos até pensavam que ele era uma criação dos deuses. Dioniso - Baco para os romanos - era o deus do vinho, que ensinou aos homens a arte do cultivo da videira e da preparação do vinho. Ele é de tal modo exaltante que, na leitura dos clássicos, da grande literatura, como belos poemas, grandes tragédias, romances geniais, dizemos que ficamos "inebriados". Diante do esplendor da beleza - o maior exemplo, para mim, é sempre a música, a grande música -, há quem exclame: "Uma bebedeira de beleza!" Num dos mais extraordinários diálogos filosóficos de sempre sobre o amor - o Banquete (Simpósio), de Platão -, lá está o vinho. Na Bíblia, as referências ao vinho são muitas. Tanto no Antigo como no Novo Testamento.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Clube de Vela Costa Nova


O Clube de Vela Costa Nova 
é um dos mais antigos clubes náuticos 
da zona do estuário 
da Ria de Aveiro 




O Clube de Vela Costa Nova é um dos mais antigos clubes náuticos da zona do estuário da Ria de Aveiro. 
Localizado na bonita e singular Praia da Costa Nova do Prado, a cerca de 10 minutos das cidades de Ílhavo e de Aveiro, o Clube de Vela Costa Nova promove a náutica de recreio nesta zona da Ria. 
Fundado em 1981 e dotado do estatuto de Associação de Utilidade Pública, o Clube de Vela Costa Nova tem na Vela Ligeira e de Cruzeiro o seu principal foco de atividade, tendo-se constituído, ao longo dos seus mais de 35 anos de atividade, como referência na formação de jovens velejadores e na divulgação das classes de vela mais tradicionais. As suas escolas de Vela e de Náutica de Recreio, ambas certificadas, são hoje em dia uma referência a nível nacional. 
As 4 Horas da Costa Nova associações Clube de Vela Costa Nova constituem uma Regata emblemática organizada anualmente durante o mês de agosto na zona da Ria em frente à Costa Nova. Esta prova, na qual participam anualmente dezenas de barcos, é hoje em dia um evento marcante na promoção da vela e da região, sendo, por si só, um cartaz que atrai à Costa Nova largas centenas de visitantes e adeptos do desporto náutico. 
Com cerca de 900 associados, o CVCN procura ser hoje uma associação virada para o futuro e uma referência entre os maiores e mais modernos Clubes da Região Norte de Portugal. Com um longo historial rico e marcante na promoção da vela e investimentos patrimoniais elevados, o CVCN pretende manter-se como uma instituição de excelência, contribuindo para a valorização dos seus sócios e do meio onde se encontra inserido, bem como promover turística e culturalmente a Costa Nova, o Município de Ílhavo e a Ria de Aveiro.

Principais Atividades 

- Escola de Vela (todo o ano); 
- Escola Náutica de Recreio (cursos de Marinheiro, Patrão Local, Patrão de Costa, Patrão de Alto Mar, Radiotelegrafista Classe A, Radiotelegrafista Geral); 
- Regata 4 Horas da Costa Nova; 
- Circuito da Ria de Cruzeiros; 
- Organização de Campeonatos Nacionais Federados de Vela.

Clube de Vela da Costa Nova

Av. José Estêvão 
3830-453 Costa Nova do Prado

Tel 234 369 300 Telm 963 898 568
www.cvcn.pt cvcn@cvcn.pt

Presidente da Direção

Paulo Ramalheira

Fonte: Agenda "Viver em..." da CMI

Nota: Fotos do meu arquivo

A força da oração confiante e persistente

Reflexão de Georgino Rocha
Papa Francisco em Bangui
Uma viúva teimosa e um juiz sem escrúpulos, iníquo, são os protagonistas da parábola que Jesus narra para mostrar aos discípulos a necessidade da oração confiante e persistente. A queixosa não deixa em paz quem lhe pode valer, fazendo justiça. Via-se acossada por um perseguidor que não a largava. Não tinha qualquer outra defesa: familiares ou vizinhos, amigos, crentes praticantes ou indiferentes religiosos. Sentia-se amargurada e só. Certamente lhe ocorrem várias saídas. Escolhe uma, a mais coerente e honesta. Cheia de determinação, dirige-se ao juiz, o encarregado de velar pelo cumprimento do direito. Pede-lhe justiça. Nada mais. Que o adversário deixe de a atormentar. Que possa viver em paz. Que a liberte da amargura e do medo.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Exposição “Ílhavo, Terra Milenar”

Conhecemos o passado, 
preparamos o futuro


Sábado | dia 15 de outubro | pelas 17h00 |
no Centro Cultural de Ílhavo |Inauguração da Exposição 
“Ílhavo, Terra Milenar”

Patente até 17 de abril de 2017

Muito mais do que um fim, esta exposição marca o início de uma investigação profunda, sistemática e consistente sobre o Município de Ílhavo, abordando os aspetos mais marcantes na nossa imensa História, impossível de materializar  na sua totalidade dentro destas quatro paredes. 

Um caminho sempre em aberto 
em direção ao conhecimento, 
suscitando a união e a paixão 
da Gente da Terra

Fonte: CMI

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Horror às rotinas


1.Tenho horror às rotinas. Aceito, promovo e defendo as mudanças em todos os setores da vida. Outros pensarão o contrário; sentem-se mais seguros com o status quo. Não é por acaso que de vez em quando altero a fisionomia dos meus blogues. Gosto de inovar, de mudar, de abrir portas e janelas para entrar ar fresco, de aceitar alternativas. Outros sentir-se-ão bem como sempre estiveram: sentados nas mesmas cadeiras, percorrendo os mesmos trilhos, abordando os mesmos temas, pregando os mesmos sermões.
Mudar é procurar novos caminhos, definir novos desafios, apostar em ideias renovadoras. Tudo, naturalmente, em consonância com o espírito do possível e do necessário. Olhando atentamente os sinais dos tempos que mudam com aragens frescas e desafiantes. 

2. No domingo, li o PÚBLICO sob a luz coada pela janela do meu Sótão, com a curiosidade de perscrutar as mudanças avançadas pela nova direção, presidida por David Dinis. O P2 voltou para quebrar a monotonia do caderno único. Reportagens interessantes a par de textos mais ligeiros. Para não cansar. Lê-se o primeiro caderno e depois vamos ao segundo. Há algumas novidades e outras hão de seguir-se para se não cair na rotina. Adivinham-se novos colaboradores para acicatar as nossas curiosidades impostas por este espantoso mundo da comunicação social. 

3. Permitam-me que destaque o “Regresso a casa” na rubrica “A esquina do mundo”, do fundador do jornal, Vicente Jorge Silva. Jornalista competente que marcou, passados quase 30 anos, o jornalismo de referência no nosso país. 
Vicente Jorge Silva comoveu-se com o convite, apesar de escrever, na hora da despedida, a 29 de novembro de 1997, que “Nada é mais inabitável do que um lugar onde se foi feliz” [Cesare Pavese]. E depois contou a chegada à Redação: «vi-me envolvido numa onda de afecto intenso, emocionado, que pude partilhar com aqueles que haviam trabalhado comigo e outros que tinham chegado depois da minha partida. Foi um momento mágico que não esquecerei e que selou o meu reencontro com o PÚBLICO.»
Não será preciso dizer mais nada. Continuarei leitor do PÚBLICO e do Vicente Jorge Silva. 
Só mais uma palavra: gostaria que o António Marujo também regressasse. Há uma lacuna que só ele poderia preencher no âmbito do religioso, espiritual e transcendente, de matizes muito diversos.

Fernando Martins

domingo, 9 de outubro de 2016

As Mulheres na Igreja

Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO

Mulheres com o Papa Francisco 
1. O ciclo de tertúlias, de Janeiro a Novembro de 2016, na Biblioteca de Belém, é inteiramente dedicado às mulheres. No passado dia 29, o tema era As mulheres na Igreja, desenvolvido pela filósofa Maria Luísa Ribeiro Ferreira e moderado por Maria João Sande Lemos. Como carta fora do baralho, pediram-me uma intervenção.
Lembrei-me, imediatamente, da antiga distribuição das pessoas no espaço da igreja da minha aldeia: os homens à frente, as mulheres e crianças atrás. O padre dizia a Missa, em latim, de costas para todos.
As mulheres limpavam a igreja, enfeitavam os altares e algumas ensinavam a “doutrina” às crianças. Dizem-me que, nas igrejas das cidades, as actividades e associações femininas eram mais abundantes e variadas.
A partir dos anos 30 do século passado, a Acção Católica teve um papel muito activo na renovação da vida da Igreja. Manteve, em todas as suas expressões, a separação entre masculina e feminina. O assistente era sempre um padre.
Nos anos 60, para os Cursos de Cristandade, a religião não era para mulheres. A versão feminina surgiu apenas para que elas pudessem entender o repentino fervor dos maridos cursilhistas.
Na mesma época, casos como o da Juventude de Cristo Rei - inteiramente misto e em perfeita autogestão democrática – eram raros. 
Os chamados Institutos femininos de Vida Consagrada nunca precisaram de nenhuma ordem para se multiplicarem, mas também nunca eram dispensados da autorização masculina. 
Compreendo que as novas gerações já não saibam o que isso quer dizer e as mais velhas não gostem de o lembrar. No entanto, o tema, As mulheres na Igreja, é recorrente, mas falar do papel dos homens na Igreja parece insólito. Porque será?

sábado, 8 de outubro de 2016

Já se encontra em Deus o Padre Jeremias Carlos Vechina

Notícia da Agência Ecclesia 

Antigo provincial da Ordem dos Carmelitas Descalços 
em Portugal deixa um legado de dedicação 
à espiritualidade e à formação

(Foto de SN/AE)
Faleceu o padre Jeremias Vechina, antigo Provincial da Ordem dos Padres Carmelitas Descalços em Portugal e Superior do Convento carmelita em Fátima e Paço de Arcos.
A informação foi avançada hoje pela congregação à Agência ECCLESIA, numa nota em que destaca o percurso deste religioso de 77 anos, que tinha cumprido recentemente 50 anos de sacerdócio.
Natural da Gafanha da Nazaré, na Diocese de Aveiro, e nascido no meio de uma família numerosa, com mais sete irmãos, o padre Jeremias Carlos Vechina iniciou o seu percurso vocacional no Seminário Carmelita Missionário de Viana do Castelo, em 1953.
Seguiu depois para Espanha para fazer o noviciado e a sua formação, nomeadamente em filosofia e teologia, nas localidades de Larrea, Vitória e Bilbau, respetivamente.
A ordenação sacerdotal chegou a 11 de setembro de 1966 e nos anos seguintes esteve em Roma para estudar espiritualidade.
Além dos cargos que exerceu na Ordem dos Carmelitas Descalços, já referidos, o padre Jeremias Vechina foi diretor das Edições Carmelo e Mestre de Noviços.
Enquanto especialista em espiritualidade carmelita, sobretudo em ligação à vida e obra de Santa Teresa de Jesus e de São João da Cruz, empenhou-se em vários movimentos da vida da Igreja Católica, procurando aí transmitir o carisma e a razão de existir da congregação, também junto dos Carmelitas Seculares, o ramo laical da Ordem.
Foi também nessa condição que colaborou várias vezes com a Agência ECCLESIA, sobretudo através do Programa ECCLESIA, na Antena 1, como aqui recordamos.
Ao longo da sua vida, dedicou ainda especial atenção à formação dos sacerdotes diocesanos e religiosos, dando o seu contributo em inúmeros retiros e encontros.

JCP

Li aqui

NOTA: Acabo de receber, via Agência Ecclesia, a triste notícia do falecimento do Padre Carmelita Jeremias Carlos Vechina, meu colega da Escola Primária da Cambeia, Gafanha da Nazaré. Éramos  sensivelmente de mesma idade (ele nasceu em 21 de novembro de 1938 e eu três dias depois, 24 do mesmo mês)  e comungámos dos mesmos ideais cristãos. Ele optou pelo seminário, talvez inspirado pela convivência com três tios padres, João Maria, José Maria e Manuel Maria Carlos. que deixaram memória de fé e dedicação à Igreja entre nós. Especializado em espiritualidade, foi sempre um bom amigo, com quem de vez em quando trocávamos recordações em esporádicos encontros de velhos condiscípulos.
É irmão ainda de um padre, José Carlos Vechina, também carmelita.
Pelo que dele conheço, sei que o Senhor da Misericórdia, tendo em conta os méritos e a entrega incondicional do Padre Jeremias à Boa Nova de Jesus Cristo,  já o acolheu no seu terno regaço maternal,
Apresento condolências aos Padres Carmelitas e à numerosa família do Padre Jeremias.



O funeral será realizado hoje, domingo, pelas 16 horas,
na Igreja do Carmo, em Aveiro, 
seguindo depois para o Cemitério da Gafanha da Nazaré


destaque

AS TRAPALHADAS COM AS MULHERES NA IGREJA (I)

Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 1. O Cardeal norte-americano Joseph William Tobin, arcebispo de Newark, nasceu em 1952. É o mais v...