Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2017

Anselmo Borges — A cultura da moleza e do achismo

Imagem
1. Só alguns exemplos, aparentemente banais. Onde eu vivo, há uma rua com uma placa bem visível a ordenar que é proibido estacionar. Pois não, senhor, essa rua está, noite e dia, com carros estacionados em fila. Acontece-me frequentemente ver por ali agentes da polícia e dá-me vontade de parar para lhes dizer que, uma vez que não fazem nada, era preferível mandar retirar a proibição, pois, na situação com a qual pactuam, dá para pensar: se aqui, na presença da polícia, se pode transgredir, porque é que não se pode transgredir sempre? Vivo perto de um excelente passadiço junto ao mar. Que delícia andar por ali e à noite contemplar o céu estrelado ("Duas coisas enchem o ânimo de admiração e veneração sempre novas e crescentes, quanto mais frequentemente e com maior persistência delas se ocupa a reflexão: o céu estrelado sobre mim e a lei moral em mim", texto do filósofo Immanuel Kant, na sua pedra tumular, em Königsberg). Nesse passadiço, há placas, bem visíveis e espalhadas …

Georgino Rocha — Ser ou não ser por Jesus

Imagem
O discurso missionário de Jesus, apresentado por Mateus, atinge o seu ponto culminante com o desafio à liberdade dos discípulos a fim de se decidirem por Ele ou não, de serem ou não dignos d'Ele, de consagrarem a vida à Sua causa. (Mt 10, 37-42). O eco do desafio lançado, de forma tão desconcertante, faz estremecer certamente o coração dos apóstolos, pois o contraste é radical entre os pontos de referência aduzidos: o amor aos pais e aos filhos, a cruz e suas circunstâncias, o perder ou ganhar a própria vida. Jesus toca as fibras mais sensíveis do ser humano e quer uma atitude definitiva. Da parte de quem livremente deseja ser discípulo missionário, cristão autêntico e não apenas de nome, por ter sido baptizado ou fazer algumas práticas religiosas. “Nem os laços familiares, nem as ameaças à própria vida, nada pode impedir o discípulo de testemunhar a justiça do Reino”, escreve Frei Raimundo de Oliveira, em comentário a esta passagem do Evangelho.
A liberdade surge em todo o seu e…

Um olhar sobre o passado

Imagem
Tenho andado a consultar jornais antigos, onde depositei, como se fossem bancos, centenas de textos. Confesso que até fico espantado com a diversidade de trabalhos jornalísticos que produzi, paralelamente às minhas ocupações profissionais, oficiais e particulares, tão absorventes. Escrevi sobre tudo e sobre todos. Uns textos estão assinados e outros não. Mas todos identifico, sem me enganar, como filhos diletos que todos são. Disso, naturalmente, darei conta daqui a uns tempos, quando estiver mais folgado. Estas deambulações pela minha vida jornalística trazem-me à memória recordações preciosas e evocações saudosos. Tanta gente que conheci ao longo da minha vida e que já nos deixou. Tanta gente generosa com quem convivi. Tantos eventos que divulguei e tantas histórias que contei. Até um dia destes.
FM
Publiquei aqui
NOTA: Quando reli este texto, editado já lá vão uns sete anos, admiti a hipótese de dar conta do muito que escrevi «daqui a uns tempos», quando estivesse «mais folgado».…

Uma flor solta parece viva, mas está morta

Imagem
«Uma flor solta parece viva, mas está morta. Uma folha viva, oculta na copa, pode parecer morta, mas está viva e dela poderá desabrochar ainda muita vida. O importante não é o movimento, nem a aparência... Às vezes, o que está oculto e quieto é mais fecundo do que aquilo que se mexe muito, parece ter muita vitalidade, mas não é mais do que uma folha morta levada pelo vento...»
José Luís Nunes Martins, na RR

Georgino Rocha: Igreja Caridade — Um olhar a partir de dentro

Imagem
«A caridade política merece destaque especial pela sua relação directa com o bem comum e a qualidade ética da convivência dos cidadãos. Ninguém pode dispensar-se, como pessoa ou associação, ninguém pode alhear-se da grande política. O magistério social da Igreja, passada a fase restauracionista, não cessa de salientar a excelência desta política e de assinalar a urgência da civilização do amor, alternativa daquela que nos envolve até à medula – a do consumo sem medida, apenas limitado pelas cautelas de prevenção de grandes males»
A Igreja é caridade por participação. Só Deus é caridade e vive esta realidade do seu ser na unidade das relações entre as três pessoas divinas. São relações pautadas pelo amor de doação incondicional, autêntica fonte de vida a transbordar e a comunicar-se. Jesus, o Deus humanado, desvenda “a ponta do véu” e abre o acesso a esta fonte insondável. E deixa a Igreja como sinal e instrumento (sacramento) que vive e transmite o que Ele mesmo testemunha: Deus é am…

Regata dos Moliceiros na Ria de Aveiro

Imagem
No sábado, dia 1 de julho, a Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, mantendo a tradição, promove a edição de 2017 da Grande Regata dos Moliceiros da Ria de Aveiro. A partida da etapa competitiva será às 13h do Porto de Abrigo da Torreira, rumo ao Canal das Pirâmides, em Aveiro, com chegada prevista por volta das 14h30. No dia seguinte, 2 de julho, domingo, no Cais da Fonte Nova, no centro da cidade de Aveiro, haverá o Concurso de  de Painéis, pelas  11h; entrega de prémios da regata e do concurso de painéis, às 12h30; seguindo-se o regresso das embarcações, pelas 14h. A iniciativa conta com a parceria da Câmara Municipal da Murtosa, a organização do Rancho Folclórico “Os Camponeses da Beira-Ria” e a colaboração do Sporting Club de Aveiro.
Fonte: Comunidade Portuária de Aveiro

Festa da Vista Alegre com programa variado

Imagem
«É uma festa religiosa diferente do habitual na medida em que inclui uma panóplia de atividades associadas à comunidade operária residente e às suas vivências culturais e lúdicas, visitas ao bairro e aos seus equipamentos, jogos tradicionais e ainda a “venda de oportunidades”, que muita gente atrai a esta festa, a par das celebrações religiosas, que incluem a missa campal, a procissão, e os concertos musicais», lê-se no site da CMI.

Passeio rápido pelos canais

Imagem
Esta foto não é recente. Pelas bandeirinhas, estaríamos em dia de festa. Há uns tempos também fiz a experiência. A viagem foi rápida e monótona. Não havia cicerone que  explicasse fosse o que fosse. Fiquei com a impressão de que o que era preciso era chegar depressa ao fim da viagem. Não sei se agora será diferente, mas se não é algo está mal. Os de Aveiro e região já sabem umas coisas sobre a Ria e Aveiro. Os que vêm de longe talvez fiquem um pouco desiludidos. Sendo assim, tenho pena que não se aproveito este filão turístico que é a nossa Ria.

Daqui a uns anos, os drones vão às compras

Imagem
A notícia que li hoje no DN não me surpreendeu. A evolução tecnológica, que emerge dia a dia a uma velocidade louca, não deixa de nos espantar. Usar um drone com a mesma facilidade com que usamos um telemóvel abre-nos a expetativas inimagináveis. Estou em casa e se me apetecer adquirir um qualquer produto com urgência, pode tornar-se prático com os tais drones. Envia-se um ao supermercado e pronto. Telefona-se ou envia-se um SMS e a empresa resolve o assunto em três tempos. É isto? Parece que sim.

Júlio Cirino: Ilha Terceira — Monte Brasil

Imagem
O Monte Brasil é outro lugar histórico da Ilha Terceira. Por lá encontramos a ermida de Santo António, vários miradouros de onde se vislumbram paisagens deslumbrantes, a cratera de um vulcão, trilhos bem arranjados para as pessoas passearem, um pequeno jardim zoológico com aves multicores e alguns animais, o Pico das Cruzinhas e veados que, habituados às pessoas, nos saem ao caminho corricando com graça. Porém, o monumento mais importante do Monte Brasil é a Fortaleza de São João Batista, mandada edificar por Filipe II, de Espanha, em 1567. Servia para defender a cidade e o porto de Angra dos assaltos dos piratas que por aqui apareciam para pilhar. Mais tarde, já no século XIX, Gungunhana veio deportado para esta Fortaleza. Ganhando a confiança das autoridades militares, e também da população, com o decorrer do tempo as medidas de segurança foram-se amenizando até Gungunhana poder passear livremente no Monte Brasil e depois na cidade.  Em 1899, Gungunhana seria baptizado e crismado n…

Álvaro Teixeira Lopes — Ensinar piano com criatividade e rigor

Imagem
«Formou várias gerações de músicos e grande parte dos professores de piano do país. Por isso, é muito provável que as obras, os aplausos ou os prémios conquistados pelos intérpretes nacionais tenham sementes cultivadas por Álvaro Teixeira Lopes. Professor de Piano e Música de Câmara no Departamento de Comunicação e Arte (DeCA) da Universidade de Aveiro (UA), quando se emociona ao ouvir a música dos alunos sabe exatamente que está a cumprir a missão de fazer crescer asas em cada um deles.»
Li e ouvi aqui

Espaço do Cidadão na Gafanha da Nazaré todas as segundas-feiras

Imagem
O segundo Espaço do Cidadão do município de Ílhavo abriu portas hoje, 26 de junho, na Gafanha da Nazaré, disponibilizando à população mais de 70 serviços. Fernando Caçoilo, presidente da CMI, considerou esta iniciativa da autarquia de «importância vital para a comunidade da Gafanha da Nazaré», tendo  resultado do acordo estabelecido entre a autarquia ilhavense e a AMA (Agência para a Modernização Administrativa). Não está previsto instalar qualquer outro na área concelhia. O autarca adiantou que a abertura deste balcão foi fruto da avaliação feita a partir do sucesso alcançado pelo Espaço do Cidadão na sede do concelho, que conseguiu atender, durante o primeiro ano de serviço, em 2016, mas de mil utentes.  A partir desta data, aquele espaço vai funcionar na sede da Junta de Freguesia por «razões óbvias», ligadas à sua localização, inicialmente apenas às segundas-feiras, ficando garantido que, «se o balcão tiver sucesso», o tempo de atendimento terá de ser alargado, prometeu Fernando …

Parque Infante D. Pedro: 26 de junho de 1927

Imagem
“Foram inauguradas as obras da construção do Parque do Infante D. Pedro, levadas a efeito pela Câmara Municipal de Aveiro, da presidência do Dr. Lourenço Simões Peixinho (O Democrata, 2-7-1927) – J.”
Calendário Histórico de Aveiro”,  de António Christo e João Gonçalves Gaspar
Nota: Enquanto as atuais gerações deambulam, em horas de folga das suas escolas e universidade de Aveiro pelo Fórum, grandes superfícies, cafés e bares, a minha geração passeava pelo Parque Infante D. Pedro, com o seu lago, arvoredo e jardim superior. Não havia trânsito que incomodasse e por ali se circulava à vontade. Na altura da Feira de Março, era ela com os seus desafios que concentrava todas as atenções da juventude escolar.  Guardo mais recordações do parque, onde de vez em quando até remávamos em barquinhos fáceis de governar. Um dia, medi mal a distância quando quis pôr pé em terra, e molhei-me um pouco. Tempo quente secou-me as calças e os sapatos, num já. A minha saudosa mãe nem deu por ela.  Há dia…

Ampliação do molhe norte — 25 de junho de 1981

Imagem
“Na sede da Junta Autónoma do Porto de Aveiro, foi assinado o contrato das obras do porto de Aveiro – 1.ª fase – em que se incluiu o prolongamento do molhe norte, a construção de um novo cais comercial e a regularização hidráulica do canal de navegação (Correio do Vouga, 3-7-1981) – J.”
"Calendário Histórico de Aveiro”  de António Christo e João Gonçalves Gaspar
NOTA: Depois da abertura da Barra, em 3 de abril de 1808, sempre houve necessidade de a melhorar para facilitar, com segurança máxima, a entrada e saída de navios, sobretudo de grande porte. O assoreamento tornou-se uma constante e as correntes marítimas atacavam, em especial nas marés vivas do inverno, as praias do Farol e as demais que se prolongam a caminho da Vagueira, para as proteger. Em 1981 iniciou-se o prolongamento do molhe norte, 1.ª fase, lado de S. Jacinto. Depois prosseguiu..

Maria Teresa Horta — Ninguém me castra a poesia

Imagem
Ninguém me castra a poesia se debruça e me põe vendas censura aquilo que escrevo nem me assombra os poemas
Ninguém me paga os versos nem amordaça as palavras na invenção de voar por entre o sonho e as letras
Ninguém me cala na sombra deitando fogo aos meus livros me ameaça no medo ou me destrói e algema
Ninguém me aquieta a escrita na criação de si mesma nem assassina a musa que dentro de mim se inventa
Maria Teresa Horta, “Resistência”, in “Poesis”, D. Quixote, 2017
Por sugestão do Caderno Economia do EXPRESSO

Bento Domingues — Francolino Gonçalves, Um investigador original

Imagem
1. Carolina Michaëlis de Vasconcelos (1851-1925) diz que, no período medieval, “a literatura portuguesa, em matéria de traduções bíblicas, é de uma pobreza desesperada”. Esta afirmação tem sido repetida, mas nunca desmentida. A primeira tradução da Bíblia, a partir de hebraico e do grego, foi realizada por João Ferreira d’Almeida, que tinha passado, aos 14 anos, do catolicismo ao protestantismo (Igreja Reformada Holandesa). A sua tradução foi publicada e corrigida entre os séculos XVII e XVIII. José Nunes Carreira sintetizou a história da Exegese Bíblica em Portugal [1] nos seus momentos altos e baixos. Frei Francolino Gonçalves foi um dos seus momentos mais importantes. Fez parte dos grandes investigadores da famosa Escola Bíblica de Jerusalém (EBJ), a responsável, desde os finais do séc. XIX, pelo estudo científico da Bíblia, no campo católico. Para dar a conhecer as dificuldades desse grande salto, aconselhou que fosse editada, em Portugal, uma obra incontornável do seu fundador, …

A UA explica... como podem as florestas resistir aos incêndios?

Imagem
A história repete-se todos os anos. Sobem as temperaturas e o tema dos incêndios regressa às capas dos jornais e às aberturas dos noticiários. Desaparece o verde que dá colorido às nossas paisagens e as cinzas tomam conta das nossas matas. A pergunta fica a pairar no ar. Pode a nossa floresta resistir a tantos incêndios? Pode. Como? O professor Jan Jacob Keizer, no Departamento de Ambiente e Ordenamento, avança com algumas pistas para podermos contornar este flagelo.

Tolentino Mendonça: Deixa-me dar-te o verão

Imagem
O verão é feito de coisas que não precisam de nome
um passeio de automóvel pela costa
o tempo incalculável de uma presença
o sofrimento que nos faz contar
um por um os peixes do tanque
e abandoná-los depressa
às suas voltas escuras.
José Tolentino Mendonça
In "A Noite Abre Meus Olhos"

Pergunta Henrique Raposo: Como é que Deus permite isto?

Imagem
«Como é que se articula a evidente imperfeição da cidade dos homens com a ideia de um Deus misericordioso? Ou seja, como é que Deus permite desgraças como a de Pedrógão Grande? Se Deus nos ama, porque é que permite que uma família de quatro morra sufocada e queimada num Renault ou num Opel numa estrada à vinda da praia? Como é que Deus permite uma aflição assim? Como é que Deus permite que um pai veja o seu bebé morrer queimado? Como é que Deus permite que o corpo de um bebé se funda com o alcatrão? Como? É o drama de Job e Eclesiastes, dois dos grandes romances da Bíblia.»
Para ler tudo aqui 

ANTÓNIO CAPÃO — PROMOTOR DA CULTURA POPULAR

Imagem
Texto de Cardoso Ferreira 

«António Capão foi, desde muito novo, um defensor da preservação e valorização da cultura popular, dedicando muito do seu saber e tempo a essa tarefa, o que fez dele um profundo conhecedor das tradições, dos usos e costumes e da etnografia da região, tanto da Bairrada como também de Aveiro.Dos utensílios agrícolas e de uso rural, até aos moinhos, passando pelos teares e pelos jogos infantojuvenis de outros tempos, tudo isso foi pesquisado e registado por António Capão em textos que publicou em livros e na imprensa.»
Publicado na Comissão Diocesana da Cultura 

FRANCISCO NÃO TEM RAZÃO? (2)

Imagem
Crónica de Anselmo Borges no DN

1.Não é exactamente o mesmo o mundo visto do lado dos vencedores e o mundo visto do lado dos vencidos. Afinal, a história que conhecemos e lemos é em princípio a história dos vencedores, até porque são os vencedores, sabem escrever e puseram por escrito os seus feitos e glórias; os vencidos são os vencidos, desapareceram e, mesmo que quisessem narrar o seu lado da história, não sabiam ou não podiam escrever. Não é exactamente o mesmo o mundo visto a partir do centro do poder e o mundo que se vê a partir das periferias. Não é exactamente o mesmo o mundo visto lá do alto da janela mais famosa do mundo, que é a janela do Palácio Apostólico no Vaticano donde os Papas dão a bênção urbi et orbi, e o mundo que se vê a partir de um apartamento modesto da Casa de Santa Marta. Não é exactamente o mesmo o mundo que se vê a partir do Deus omnipotente, significando omnipotência Poder enquanto dominação e não Força infinita de criar, e o mundo que se vê quando se vê…

DECRETO REAL DA CRIAÇÃO DA FREGUESIA

Imagem
“Tendo subido à Minha Real Presença a representação em que muitos habitantes do logar da Gafanha, freguesia d’O Salvador, de Ilhavo, no concelho d’esta denominação, distrito administrativo de Aveiro, e diocese de Coimbra, pedem a creação de uma freguesia no referido logar da Gafanha, tendo ali a sua séde; Considerando que se mostra do processo ser a providencia reclamada de grande conveniencia para o bem espiritual dos requerentes, sem prejuizo para a conservação d’aquella freguesia; Considerando que no dito logar da Gafanha, segundo as informações havidas, ha pessoal suffeciente para o exercicio dos cargos parochiaes; Considerando que é justo arbitrar a congrua do parocho da nova freguesia em cem mil reis, de derrama annualmente; Considerando que na circunscripção parochial deve attender-se a commodidade dos povos; Conformando-me com os pareceres das superiores auctoridades, ecclesiastica e administrativa, e com a consulta do Supremo Tribunal Administrativo; e Usando da auctorização…

TENDE CONFIANÇA. NÃO TEMAIS

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha

A missão confiada por Jesus aos discípulos comporta muitos riscos. E os ouvintes não demoram a reagir. Surge toda a espécie de atitudes: abandono, descrédito, difamação, perseguição, morte. Mateus que narra o discurso missionário deixa perceber o ambiente em que viviam as comunidades cristãs hostilizadas pelos judeus. E a previsão anunciada é já comprovada pelos factos. O texto será possivelmente dos anos 70. E mantém toda a actualidade. Não faltam situações a testemunhá-lo. “Não tenhais medo dos homens”, repete a narrativa hoje proclamada na liturgia. E aduz várias razões, das quais se salientam as seguintes: toda a verdade virá a ser conhecida e nada ficará oculto; os segredos de todas as espécies serão desvendados em público; a temível morte do corpo não é o pior, mas a perdição definitiva da vida plena a que estamos chamados; a certeza confiante e serena de que Deus é Pai solícito que sempre vela por nós, a afirmação clara de Jesus que garante estar sem…

UM DIA DIFERENTE...…

Imagem
Crónica de viagens de Maria Donzília Almeida

“A maravilha em preservar sempre viva criança interior é que podemos abandonar, sempre que necessário, o cárcere da vida adulta!”

Valeria Nunes de Almeida e Almeida







Este ano, o Dia Mundial da Criança teve um sabor diferente. Sobretudo para um grupo de meninos já crescidinhos, a que eu, carinhosamente, chamo JovenSeniores. E, já que há uma segunda infância, regressámos à nossa meninice. Neste dia, por todo o lado se organizam visitas de estudo, que antigamente se chamavam passeios da escola. A componente pedagógica sempre presente. Assim, é frequente ver-se por esse país fora, bandos de “passarinhos”, de chapeuzinhos todos iguais, sob a supervisão dos educadores. Vão inculcando, empiricamente, as regras da cidadania, numa educação cívica, que deve começar no berço. Lá diz o povo “De pequenino, se torce o pepino!” Com a irreverência própria das crianças, lá foi o grupinho aos cuidados do prof. João, com destino a Guimarães. Mas, as traquinices …

FOGOS FLORESTAIS — ESTARÁ TUDO DITO?

Imagem
Nestes últimos dias, já vi, li e ouvi tanto sobre a causa dos fogos florestais que até fiquei baralhado. As contradições são tão evidentes que nem ouso tomar posição sobre o assunto. Sou leigo na matéria e daí não sairei, mas gostaria de saber mais sobre o tema. Continuarei, no entanto, a procurar o esclarecimento, porque os fogos florestais, que são uma constante entre nós, precisam mesmo de ser erradicados das nossas matas.  Neste ínterim, li um texto interessante, que aqui partilho. Foi escrito por Henrique P. Santos,  que, ao que suponho, percebe disto. Pode ser lido aqui

GAFANHA DA NAZARÉ VAI TER ESPAÇO DO CIDADÃO

Imagem
A Câmara Municipal de Ílhavo vai disponibilizar à população da Gafanha da Nazaré um novo espaço de atendimento, o Espaço do Cidadão, reforçando desta forma a Rede Municipal de Atendimento Digital Assistido no Município de Ílhavo, que passará a contar com dois espaços: o EdC de Ílhavo e o EdC da Gafanha da Nazaré. Esta novo espaço vai funcionar na Junta de Freguesia, abrindo portas na próxima segunda-feira, 26 de junho. São mais de setenta serviços que o munícipe encontra num só espaço, podendo, por exemplo, solicitar a revalidação da Carta de Condução, 2.ª via e substituição, entregar despesas da ADSE, efetuar a alteração de morada no Cartão de Cidadão, solicitar o Cartão Europeu de Seguro de Doença, fazer o pedido de chave móvel digital, entre outros. Neste espaço são, assim, disponibilizados serviços da ADSE, do SEF - Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, da CGA - Caixa Geral de Aposentações, do IMT e da AMA. Com abertura marcada para as 11h00 da próxima segunda-feira, o Espaço do …

DIA MUNDIAL DO YOGA

Imagem
Crónica de Maria Donzília Almeida 

"O fraco nunca perdoa.  O perdão é a característica do forte"
Mahatma Gandhi 

Quando viaja pelo oriente, qualquer ocidental se deixa, facilmente, impregnar pelo misticismo da civilização hindu. Um país mágico onde se sente a presença de mestres espirituais como Mahatma Gandhi e Krishnamurti, onde a atmosfera rescende a especiarias, onde a vista se deslumbra com o colorido dos saris, onde o culto religioso abrange formas tão diversificadas, como o hinduísmo, budismo e islamismo, deixa a sua marca no visitante mais distraído.  A minha atração pela prática do yoga surgiu na idade imortalizada por Balzac, em “A Mulher de Trinta Anos”, mas foi na idade madura, de passagem pela Índia, que a sedução foi total.  A palavra yoga deriva do sânscrito e é um conceito que se refere às tradicionais disciplinas físicas e mentais originárias da Índia. A palavra está associada às práticas meditativas tanto do budismo como do hinduísmo. Neste, o conceito refere…

O DRAMA CONTINUA NO CENTRO DO PAÍS

Imagem
O drama continua no centro do país. Todos os anos é isto… Mas desta feito o drama é muito maior. Dezenas de vidas foram ceifadas sem dó nem piedade pelo inferno de fogo.  É muito triste, mas não se vislumbra solução. Tenho para mim, e digo-o com muita mágoa, que depois dos funerais e do rescaldo a vida volta à normalidade. Diz-se que vão ser apuradas as causas, elaborados relatórios, feitos estudos e projetado  o tão propagado planeamento florestal. Pode ser, mas fico com o meu ceticismo, em relação à questão dos incêndios numa das maiores manchas verdes da Europa.  Para meditarmos em tudo isto, sugiro a leitura de algumas crónicas editadas aqui.

ILHA TERCEIRA — FORTE DE S. SEBASTIÃO

Imagem
Crónica de Júlio Cirino


O Forte de S. Sebastião está localizado no Porto de Pipas e começou a ser construído em meados do Séc. XVI. Dada a sua posição estratégica, foi cobiçado por corsários de várias nacionalidades: franceses, ingleses, argelinos e espanhóis. Por exemplo, em 1581, os terceirenses, ao serviço de D. António Prior do Crato, resistiram galhardamente às investidas da armada de Filipe II, na qual a metralha do Forte de S. Sebastião teve importância preponderante para a debandada da esquadra espanhola na Batalha da Salga. Na famosa carta de 1582, Ciprião de Figueiredo, corregedor dos Açores, mostra bem o pensar dessa gente: “antes morrer livres que em paz sujeitos”. Porém, em 1583, os espanhóis voltaram a investir, desta vez sob o comando de D. Álvaro de Bazan. Após uma luta ardorosa e sangrenta, conseguiram apossar-se da última parcela de território português.  Mas não foi fácil! Apesar de os invasores já pisarem solo terceirense, numa tentativa extrema de se defenderem, …